domingo, 13 de setembro de 2009

Uma carreira de oportunidades (texto)

Estreia na próxima segunda-feira a nova-velha-novela de Manoel Carlos, Viver a vida. A Revista da TV, encarte do jornal O Globo, deste domingo 13, trouxe uma matéria sobre a novela e uma pequena entrevista coma atriz Taís Araújo, protagonista do próximo horário nobre da TV brasileira (ou seja, da Rede Globo de Televisão).
Nesta entrevista, a atriz faz uma revelação impressionante: "Falar que falta espaço para o negro é até maldade. Eu mesma tive uma carreira de oportunidades."
Sobre este comentário de Taís Araújo eu teria pelo menos dois outros para fazer: 1) Será que atriz acha que a trajetória de todos os negros pode ser comparada com a sua? 2) Em que mundo essa criatura vive? Será que ela anda acompanhando o processo de luta contra o preconceito racial vigente no mundo e em especial no nosso país?
Como é que há muitas oportunidades se apenas em 2009 temos a primeira mulher negra ocupando o lugar de personagem central em uma novela no horário nobre da TV, no maior país de população negra mundial?
Em quase todas as outras novelas (parece até que eu ando medindo o racismo através das histórias contadas nas novelas brasileiras - não que não se possa) os negros ocupam papeis de empregados. Quem é que lembra de uma novela em que um negro, uma família de negros, ocupou um outro espaço nessas tramas? Lembrou? Raras foram as vezes.
Ela mesma protagonizou uma novela, tudo bem que era das 19h, na Rede Globo: mas o título era Da cor do pecado. E se esse título não reforça um sentido sobre as mulheres negras...
Lembro-me, bem, de uma entrevista que a grande atriz e cantora Zezé Motta deu num programa exibido na TV Globo, Mulher 80: ela contou que estava conversando com uma vizinha e lhe disse que estava fazendo escola de teatro e ouviu como resposta: "Eu não sabia que para fazer papel de empregada precisava fazer escola de teatro."
Precisa dizer mais alguma coisa?

3 comentários:

  1. Lamentável o comentário da atriz. Este comentário só faz reproduzir o velho mito da não existência de diferenças com relação a cor das pessoas e do racismo...

    ResponderExcluir