segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A órfã (Filme)

O pior do que se dizer roteirista de um filme como A Órfã, é pagar para assisti-lo. A história é tão óbvia (mas tão óbvia) que nos faz pensar que alguma coisa não vai acontecer. Mas o roteirista não perdoou, colocou tudinho lá: a menina meiga num orfanato, a família que perdeu a filha no parto, as maldades da menina; a mãe que começa a desconfiar de que alguma coisa está errada com a criança, mas o seu passado põe o que ela diz em dúvida; o pai que não percebe o que está acontecendo, a menina meiga que se transforma num monstro, os filhos do casal em perigo, mas que, por medo, preferem se calar; a menina-mostro que mata quase todo mundo e que finalmente é morta, mas não pense que o filme acaba aí, tem A Síndrome da Atração Fatal, quando a gente pensa que a menina morreu lá está ela outra vez atrás de mais um vítima.
Ah, e como tem sempre uma pitada de surreal nestes filmes-suspense, a órfã na verdade é uma adulta perigosa que tem nanismo e se passa por criança.
Quero o meu dinheiro de volta!

Nenhum comentário:

Postar um comentário