sábado, 30 de junho de 2012

Da Série - Contos Mínimos

Chegadas, abraços, beijos e saudades. Vontade de nunca ter saído: tanto acolhimento. Um copo de água no meu deserto. O que fazer para retribuir? Nada seria suficiente. Nenhuma palavra diria tanto.

segunda-feira, 25 de junho de 2012

O sonho de Vitório (livro - Veridiana Scarpelli)

Recomendo o livro de Veridiana Scarpelli. Em primeiro lugar, o traço dela é elegante e vai ajudar a educar os olhos das crianças que o lerem. Afinal, aprende-se a ter bom gosto vendo-se coisas bonitas.
Mas Veridiana não fica só nisso, não. Além de bom gosto, seu livro ensina algo muito mais importante: sentido de possibilidade e auto-determinação. Mostra, basicamente, que a história de cada um de nós é feita por nós mesmos.
Ela escreve sobre um porquinho chamado Vitório. Seja vestido de super-herói mascarado, fantasiado de coelho ou em sua camisa listrada, Vitório é a prova de que o imaginário e o real são mais próximos do que parecem.
Em outras palavras, o porquinho Vitório que Veridiana nos apresenta ensina algo que toda criança pressente e que deve sempre ser confirmado: a imaginação pode tornar-se realidade. Vitório mostra que qualquer coisa é possível para as crianças, porque elas têm toda uma vida pela frente.
O nome do livro é “O Sonho de Vitório“, mas poderia também chamar-se “A vitória do sonho“.  E todas as crianças o deveriam ler.
O sonho de Vitório
autor: Veridiana Scarpelli
editora: Cosac Naify
Formato: 21×21 cm Páginas: 32 páginas Ilustrações: 16
Tiragem: 1500
Preço: R$ 35,00
ISBN 978-85-405-0179-9

 Ilustração de "O sonho de Vitório", o belo livro de Veridiana Scarpelli lançado pela Cosac Naify..

sexta-feira, 22 de junho de 2012

Alunos da Unioeste vão estudar em Portugal


Sete acadêmicos do 2º ano do curso de graduação em Letras do Campus de Cascavel da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (Unioeste) foram selecionados para estudar na Universidade de Lisboa, em Portugal.
A classificação dos alunos se deu após inscrição em edital do Programa de Licenciaturas Internacionais (PLI) da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), do Ministério da Educação (MEC).
O projeto da Unioeste aprovado pela Capes tem como título “Programa de Licenciaturas Internacionais: Desenvolvimento e formação de professores de língua portuguesa na Unioeste – Melhoria do ensino e da qualidade na formação inicial” e é coordenado pelo professor Alexandre Sebastião Ferrari Soares, do curso de Letras.
O Programa de Licenciaturas Internacionais visa elevar a qualidade da graduação, com prioridade para a melhoria do ensino dos cursos de licenciatura e a formação de professores por meio da ampliação e da dinamização de ações voltadas para a formação inicial e para a implementação de novas diretrizes curriculares – com ênfase na educação básica.
Em todo o País 64 instituições foram selecionadas e suas propostas tiveram avaliação da Capes/MEC e atenderam aos requisitos do PLI. Além de Lisboa, são oferecidas vagas nas universidades de Coimbra, Porto, Aveiro, Évora, e Universidade de Trás-os-Montes, entre outras.

Dois anos 
Os sete acadêmicos da Unioeste, selecionados a partir de análise de currículo e entrevista, seguirão para a Universidade de Lisboa no mês de setembro próximo, onde deverão permanecer por período de 24 meses, até concluírem a graduação. Os selecionados irão receber bolsa no valor de 1,1 mil euros, oferecida pela Capes.  
De acordo com o professor Alexandre Soares, os alunos inscritos no programa terão até o dia 17 de julho para preencher formulário específico e apresentar, para efetivar inscrição, o histórico da graduação, histórico do ensino médio e histórico do ensino fundamental, juntamente com o atestado médico/psicológico e declaração de bolsista integral.

terça-feira, 12 de junho de 2012

Eu conto horas pra poder te ver


Vc e eu (foto)


Namorado ( tem gente que ainda diz que eu não sou romântico, pode?)

 E pra quem acha que eu não sou romântico, fica a dica. Gosto muito de Namorado, esse aí entre o Cherne e o Vermelho.
Não viu? Posto uma posta ampliada aí abaixo, mas namorado mesmo é o que vem em seguida, Filé de namorado:
Ingredientes:
200g de filé de namorado fumet/caldo de peixe (ver receita básica abaixo)
1 tomate vermelho, sem pele
½ colher de sopa de azeite extra virgem
1 colher de café de salsa de trufa
sal e pimenta do reino moída na hora (à gosto)Ingredientes do Viennoise:

1 colher de sopa de tapenade de azeitona preta (ver receita básica abaixo)
½ colher de sopa de farinha de rosca

Modo de preparo do Viennoise:
Misture a tapenade de azeitonas com a farinha de rosca até obter uma mistura homogênea e consistente. Reserve.

Modo de preparo do filet de namorado:
Tempere os filés de peixe com sal e pimenta e acomode-os em uma travessa (própria para forno). Em cima de cada filé, passe uma fina camada de Viennoise e, por cima, despeje o fumet de peixe até os filés ficarem cobertos totalmente. O fumet deve atingir 1/3 da altura da travessa. Asse em forno médio à 180ºC por 10 minutos para que a Viennoise fique crocante. Reserve.
Corte os tomates em fatias finas de mais ou menos 1cm. Coloque o azeite em uma frigideira, deixe esquentar e passe as fatias de tomate rapidamente até elas ficarem bem fritas. Escorra em papel absorvente e reserve.
Ingredientes para o molho:
250ml de suco de laranja 25ml de azeite extra virgem
sal e pimenta do reino moída na hora (a gosto)

Modo de preparo do molho:
Em uma panela, coloque o suco de laranja e leve ao fogo. Deixe o caldo reduzir até que o mesmo adquira a consistência de um xarope (80ml).
Montagem do prato:
Distribua as fatias de tomate em um prato e por cima acomode o filé de peixe em tapenade de azeitonas. Regue o molho em volta e decore com a salsa de trufa.



Aulas práticas sobre diversidade e respeito (Revista Nova Escola)

Marina instiga a turma a refletir e a perguntar abertamente sobre tudo. Foto: Tamires Kopp

Transexual, a professora Marina Reidel coloca sua história pessoal a favor do ensino de ética em uma escola de Porto Alegre.
Diálogo franco Marina instiga a turma a refletir e a perguntar abertamente sobre tudo.
A professora Marina Reidel distribui papéis com termos como sexo e igualdade. Dentre essas palavras, pede que os alunos do 9º ano, divididos em grupo, escolham quais serão discutidas na aula de Ética e Cidadania da EEEF Rio de Janeiro, em Porto Alegre.
Até 2006, ela era o professor Mario. Primeiro lecionou em sua cidade natal, a pequena Montenegro, a 55 quilômetros da capital gaúcha. Era gay, mas não assumia publicamente. "Alguns pais desconfiavam e não gostavam", lamenta.
A situação começou a mudar em 2003, quando se transferiu para Porto Alegre. "Gradualmente, deixei o cabelo crescer, coloquei brincos e passei a pintar as unhas", relembra. Até que, em 2006, avisou a direção da escola que se ausentaria por cerca de um mês para se tornar transexual. Ainda não conseguiu bancar a operação de mudança de sexo, mas fez cirurgias plásticas, colocou próteses e retornou às aulas como uma mulher. Os alunos foram preparados pela diretoria para que entendessem a mudança. "Fui bem recebida e em pouco tempo eu já era Marina para todos", diz. Até hoje, nenhum pai reclamou, mas, caso aconteça, a escola deixa a legislação sobre discriminação a postos.
A história dela perpassa toda a aula, marcada pelo diálogo aberto. Quando um dos grupos escolhe a palavra gênero, por exemplo, discutem se ele é definido no nascimento da pessoa ou por suas escolhas. Os alunos dizem que alguém nasce de um gênero, mas pode desejar ser de outro. A professora confirma que o sexo é biológico, e o gênero, não, está ligado à identidade. É comum os estudantes fazerem muitas perguntas sobre sexualidade para Marina e ela sempre responde. "É mais fácil falar essas coisas para ela", admite Valentine Rodrigues, 15 anos. Temas como doenças sexualmente transmissíveis e gravidez vão sendo introduzidos pela docente e debatidos abertamente pelos adolescentes.
Marina também dá aulas de Arte e faz mestrado. Pesquisa as professoras transexuais. Estimadas em 40 no país, elas se reúnem neste mês em Belo Horizonte para seu primeiro encontro nacional. "Muitos não se assumem", lamenta. "Para mim, foi uma vitória. Fui aceita pela escola e pela família."
A aula do 9º ano é prova disso. O grupo de Valentine escolheu a palavra igualdade e definiu: "É quando a gente trata todas as pessoas como iguais". A turma concordou. Claro, Marina já ensinou bem o conceito, e na prática.

sexta-feira, 8 de junho de 2012

O mundo não é preto e branco, e sim colorido. Vamos falar de sexo? (Leonardo Sakamoto)

Na época da Parada do Orgulho LGBT de São Paulo sempre aumenta a minha percepção do quanto nós somos desinformados sobre a nossa própria sexualidade. E terreno sem informação é fértil para o brotar o preconceito e a discriminação, principalmente entre aqueles que acham que a vida é um preto e branco maniqueísta, homem e mulher, macho e fêmea e o resto é doença. Ignoram que há outras cores no meio do caminho que, por sua vez, podem ser tão específicas que apresentem tonalidades únicas e individuais. Sim, na prática, cada um tem sua própria cor. Assustador e maravilhoso isso, não?
Por isso, pedi para Claudio Picazio, psicólogo especialista em sexualidade, um texto que fosse didático para ajudar aos leitores deste blog a entenderem a questão. Ele não encerra o tema, claro. Muito pelo contrário, é um bom ponto de partida.
Para entendermos a sexualidade e por uma questão didática, vamos analisá-la sobre quatro aspectos diferentes e interligados: Sexo Biológico, Identidade Sexual, Papeis Sexuais e Orientação Sexual do Desejo. Repito essa divisão é didática, pois todos os aspectos se entremeiam, formando dentro de nós aquilo que chamamos identidade de gênero.
Sexo Biológico: Biologicamente falando quantos sexos existem? Dois, masculino ou feminino. Quando nascemos pelas características que nosso corpo possui, somos registrados como macho ou fêmea. Essa afirmação parece simplista e óbvia, mas não é bem assim, quando falamos de sexo masculino ou feminino estamos nos referindo às características dos órgãos sexuais e a predominância que este tem no nosso corpo.
Muitas pessoas nos anos 70, por uma questão de distinção ou até modismo, começou a chamar a homossexualidade de terceiro sexo. Isto não é verdade, só confundiu. Biologicamente falando, homens hetero, bi e homossexuais não têm a menor diferença, assim como as mulheres hetero, bi e homossexuais. Portanto, quando uma pessoa fala popularmente que um gay não é homem, esta incorreto, o gay é tão homem quanto qualquer outro, a única variação é por quem o seu desejo sexual se orienta. Há exceções, é claro. Por exemplo, uma pessoa hermafrodita nasce com uma dupla formação de características dos seus órgãos sexuais masculinos e femininos.
Identidade Sexual: Vamos definir como sendo o aspecto de onde guardamos a nossa certeza do que somos. Quando nascemos, somos registrados como menino ou menina. A partir daí somos tratados como tal e incoporamos a sensação de pertencemos a um gênero. Acreditamos que somos menina ou menino: a forma de como somos tratados é tão importante como o nosso sexo biológico para a formação da nossa identidade sexual. Mas a nossa identidade sexual não depende tanto do nosso corpo para se manter. Ele é importante para seu desenvolvimento, mas a sensação de quem somos é muito maior, e muito mais profunda do que o nosso corpo pode dizer.
Papeis Sexuais: Vamos entender como papeis sexuais, todos os comportamentos definidos como maneirismos, atitudes e expressões daquilo que chamamos de masculino e feminino. Papeis sexuais são variados de cultura para cultura de sociedade para sociedade e estão em constante transformação. Aquilo que era considerado há 20 anos como exclusivamente ao papel feminino, hoje também pode ser considerado do masculino. As mudanças sociais e econômicas, o movimento feminista permitiu uma flexibilidade e mudança das posturas rígidas de ser masculino ou feminino. Um exemplo: o uso de brincos por homens.
Ainda temos muito enraizado em nós os papeis sexuais e a analise que fazemos destes para julgar o outro. Uma mulher que não se identifique muito com os papeis femininos típicos, tenderá a ser “diagnosticada” pelos outros como lésbica. Mas papeis sexuais não determinam desejo erótico e sim ações e atitudes que incorporamos. Um garoto que não goste de futebol e de nenhum esporte violento, será interpretado como “mulherzinha, gay”. Pensando nesse exemplo, estamos dizendo que um homem heterossexual de verdade tem que ser violento assim como uma mulher heterossexual de verdade tem que ser passiva e meiga. Já estamos estabelecendo uma divisão entre os gêneros complicada, porque incentivamos um comportamento na criança que mais tarde brigaremos muito para retirar. Na verdade encontramos homens heterossexuais e gays violentos, assim como encontramos homens heterossexuais e homossexuais que não são violentos e nem se adaptam a essa postura.
Orientação Sexual do Desejo: Muita gente utiliza “opção sexual”, o que não é nada correto quando falamos da sexualidade. Quando falo em “opção” estamos falando em escolha e para ser considerada uma escolha teríamos que ter duas ou mais coisas de igual significado ou valor para quem escolhe. Se desejo erótico fosse opção teríamos que sentir desejos tanto por homens quanto por mulheres da mesma forma. Isso não acontece por ninguém. Nenhum de nós parou um certo dia, para pensar quem desejaria. Acredito que muitos gostariam que assim o fosse, por que isso o permitiria flexibilizar, variar, e não sofrer julgamentos e preconceitos tão doídos de serem combatidos. Dizemos Orientação Sexual do Desejo pois nosso desejo se orienta para um determinado objeto amoroso. Não optamos e sim percebemos o nosso desejo erótico, descobrimos algo que já parece instalado em nós.
O desejo erótico não é influenciável como se imagina ser. Se o fosse não existiram gays e lésbicas. A nossa sociedade é heteronormativa. Tudo que existe nela é feito pensando na heterossexualidade. Pais e mães educam seus filhos para a heterossexualidade. O preconceito social, a homofobia e as religiões ainda são muitos fortes na sua postura contra a homossexualidade. E mesmo com tudo isso os homossexuais não se influenciam pela heterossexualidade.
“Desejo sexual” é parte fundamental da orientação afetivo sexual, ao passo que uma “atitude sexual” pode existir interdependentemente da orientação do desejo. Por exemplo, na época da Segunda Grande Guerra muitas mulheres tinham relações sexuais entre si, assim como muitos homens, no campo de batalha. Estas mulheres sentiam falta de seus companheiros, a orientação de seu desejo era claramente voltada para homens, mas relacionavam-se sexualmente com outras mulheres. As mulheres motivadas por um desejo de descarregar a sua energia sexual. Com a volta de seus companheiros, essa atitude automaticamente deixava de existir.
Em muitos casos, homossexuais que não querem viver a sua orientação, vão à procura de igrejas, e/ou profissionais que estimulam atitude sexual desses homossexuais. Esses gays tentam viver anulando o seu desejo erótico e tendo somente atitudes sexuais heterossexuais. A dor psíquica é muito grande.
Muitos meninos têm uma relação que se chama “troca-troca” que está longe de ser considerada homossexualidade. Um dos motivos é porque para a maioria o objeto desejado internamente é uma pessoa do outro sexo. O que há é um exercício de sexualidade, um descarrego de energia que está vibrando nos corpos com toda a sua força e é vivido com um(a) colega. Em suma, todo ser humano pode ter uma atitude sexual com qualquer dos sexos, mas seu desejo interno, a libido, é o determinante de uma conduta homo, hetero ou bissexual.
O que seria então a bissexualidade? A bissexualidade não é termos uma atitude sexual por uma pessoa e um desejo erótico por outra. A bissexualidade é um fenômeno que algumas pessoas têm de desejar afetiva e sexualmente tanto homens como mulheres. Não podemos falar que um bissexual optou por homens ou por mulheres. Não escolhemos, conscientemente, por quem nos apaixonamos, assim como não escolhemos por que vamos desejar eroticamente.
Concluindo: podemos dizer que o desejo erótico, ou ele é homo, por uma pessoa do mesmo sexo que o nosso, hetero por uma pessoa do sexo diferente do nosso, ou bissexual que é o desejo erótico pela pessoa do mesmo sexo ou do sexo oposto.
E a Travestilidade e a Transexualidade, como se comportam? Uma pessoa hetero ou homossexual tem a sua identidade sexual correspondente ao seu sexo biológico. Uma travesti tem a sua identidade dupla, ou seja, ela se sente homem e mulher ao mesmo tempo. O leitor deve se lembrar quando falamos de identidade sexual? A sensação de pertencimento à identidade sexual feminina e masculina da travesti é o que lhe garante mais do que o desejo, a necessidade de adequar o seu corpo aos dois sexos que sente pertencer.
A Travestilidade também não é opção, muitas pessoas crêem erroneamente que a travesti é um gay muito afeminado que resolveu virar mulher. Além de simplista esta afirmação esta recheada de equívocos. Uma travesti diferente do gay tem uma identidade dupla: masculina e feminina. Uma travesti pode ter papeis sexuais tanto masculino como feminino, pois como já dissemos anteriormente esse é um processo de identificação com valores e costumes da sociedade. Quanto ao desejo erótico, uma travesti pode ser homo, hetero, ou bissexual.
A maioria delas se intitula homossexuais, mas não é bem assim. Quase a unanimidade dessas travestis sente-se mulher. Na grande maioria do tempo, elas não desejam eroticamente o seu amigo gay, elas desejam um homem típico heterossexual. Portanto se uma pessoa se identifica, sente-se mulher e sente atração por um homem, o seu desejo é heterossexual. Portanto a maioria das travestis tem o desejo heterossexual. Uma relação homossexual de uma travesti seria com uma outra travesti.
A Transexualidade, caracteriza se pela identidade sexual ser oposta ao sexo biológico é como se a sua “alma” fosse do sexo oposto do que o seu corpo a condena. A necessidade de correção do corpo para a identidade sentida se faz urgente. Muitos Transexuais se mutilam para poder fazer a cirurgia de adaptação genital. A força da identidade sexual é a tônica na construção da nossa identidade de gênero. Uma transexual também pode ser homo, hetero ou bissexual.
Para quiser se aprofundar, sugiro o livro “Uma outra verdade – Perguntas e respostas para pais e educadores sobre homossexualidade na adolescência”, de Claudio Picazio pela Editora Summus. A leitura é fundamental. Talvez com informação possamos inverter uma lógica perversa. Quando alguns pais “descobrem” que o filho é gay ou a filha lésbica, recebem suporte emocional de parentes e amigos. Mas deixam sozinhos seus filhos, que têm que passar sozinhos pela fase de sua própria descoberta. Isso é justo?
* Leonardo Sakamoto é jornalista e doutor em Ciência Política. Cobriu conflitos armados e o desrespeito aos direitos humanos em Timor Leste, Angola e no Paquistão. Professor de Jornalismo na PUC-SP, é coordenador da ONG Repórter Brasil e seu representante na Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo.

terça-feira, 5 de junho de 2012

Apoio dos funcionários e amigos do Google ao Casamento Civil Igualitário


REFLEXÕES MEZZO LOUCAS DE QUEM NÃO TEM SONO! (Emerson Inácio *)

* Ah, antes que eu me esqueça: O MUNDO SEMPRE FOI DOS HETEROS E NÓS, BICHAS E SAPAS, GAYS E LÉSBICAS, sempre tomamos na cabeça: morremos queimados, fomos desterrados, roubados, sacaneados! E agora é a gente que cerceia o direito dos Mafalafeias, digo, Mafalafaias da vida de falarem o que querem?

* Salve Nossa Senhora do shortinho atochado! Quem tem bundão, que mostre! Quem não tem, faça a Valeska e compre um! E ninguém tem culpa de ser gostos@!

* Pensem comigo: as bichas se montavam e lutaram pelo direito de se montar; queriam ser afeminadas; depois, queriam ser diferentes dos heteros; quebraram Nova Iorque, sacudiram San Fran; quiseram ser mais diferentes ainda; aí, veio a Caixa e deu financiamento; o Siro Darlan deu o direito de terem filhos e tudo o mais; o Gilmar Mendes, entre um papo tosco e outro, fez a bonita e no fim, ser diferente dos hetero passou a ser igual aos heteros! A gente anda pra chegar no mesmo lugar?

* Eu nada tenho contra heteros. Tenho contra o discurso que quer me heterossexualizar! Aliás, hetero são òtimos: TODOS TÊM MULHER E FILHOS COM QUE SE PREOCUPAR! E não me perturbam para além do necessário! Traduzo: querem meu corpo e pronto! Viro play ground (escrevi errado) e mantenho uma familia feliz!

* Acho que não existe amor em SP! Mas vindo do Crioulo, meio desancantado e sem lugar, penso duas vezes e caio em busca do novo! Ou do ovo! Mas eu ainda prefiro o Mano Brown!

* Desculpem-me a sinceridade: CANSEI DO DISCURSO HETERO-REACIONÁRIO-CAMUFLADO-DE-LIBERDADE-DE-EXPRESSÃO! Queria saber quem foi a endemoninhada que inventou que homofobia e liberdade de expressão são sinônimos!!!!!!!!!
E digo mais: bicha homofóbica, lésbica homofóbica, auto-homofóbicos em geral me cansam! Tô começando a cansar de ursa discriminando pintosa, de pintosa magrela se achando melhor que as gordas, de trava me chamando de "a gay"... porra, não estamos todos no mesmo barco? Ou seja, demos um passo atrás nas conquista humanas enquanto parecemos avançar nas conquistas políticas?

* Me erra: quer romance, compra um livro! O day by day é trágico, meu bem!

* EStamos avançando em termos de conquistas? Não, parece que não estamos! Pq em nome da tal "liberdade de expressão" Liberdade de expressão é dizer o meu afeto sem ser discriminado, reprimido ou ter de aturar discurso recalcado! Isso sim!

* Não sei se a vida começa aos 40! Sei que HÁ VIDA, do mesmo jeito que HÁ VAGAS! Eu vivo há muito tempo e não tô muito preocupado com isso!

* Kd meu direito de dar pinta? Estamos aqui pq um monte de bicha preta, latinas, feias, mal vestidas e velhas foram chorar a partida de Judy Garland! E eu, por acaso, sou preta, latina, mal vestida, nem tão feia e nem tão velha! Resolvi fazer do dia a dia um pedaço de briga só pra eu poder ser. Elegi a minha diva e choro com Elza cantando "Meu Guri". Então, me deixa chamar Valeska e Gaby Amarantos de diva! Não curtiu? Vá dobrar suas cuecas! E calcinhas!

* Salve Nossa Senhora dos 101 Dálmatas, que protege quem tem (e dá) pinta!

* Eu era casado a 3 e o que mais ouvi mesmo dos gays foi "ai, isso não vai dar certo nunca". Que merda de tolerância é essa que em nome da diferença afirma o mesmo de sempre? Meus amigos hetero adoravam a idéia, principalmente os homens (no coments, Josh)! (Tinha muito homem hetero querendo ser o quarto!!!!)

* Não fomos catequizados. Fomos bulinados pelos que mandavam. Curtimos a nossa perversão e somos mais felizes por isso! Depois, fomos ao Juizado de Pequenas Causas e acusamos os bolinadores de terem paus pequenos!

* Desculpem-me mas casamento a dois é modelo de familia nuclear tradicional, a mesma familia que defende que eu não tenho direitos de pessoa, que o ***, mesmo tendo vivido comigo por lindos 14 anos, não tem direitos sobre o que construímos juntos e está no meu nome! E pq que eu não posso casar a 3? Em que medida os novos arranjos não refletem as novas subjetividades e as novas possibilidades? Não, não quero que minhas relações sejam percebidas a partir do que me nega! O bombardeio "certinho" e heterossexualizantemente familiar diz pra ser igual à mamãe. Mas ninguém me pergunta se eu quero ser igual a ela ou se quero inventar algo que me caiba ou que se aproxime do meu tamanho! Até pq, Mamãe foi infeliz pra caráleo!

* Sobre mamãe, eu adorava as unhas cor de ferrugem! Retrô e futurístico ao mesmo tempo! Burro foi o *** que nunca reparou! Mas, pensando bem, ninguém que se chama "***" pode ser feliz com um nome desses! Ou pode reparar coisas belas tendo que conviver com uma alcunha dessa monta! O ser é estético e se o que nomeia o ser não o é, isso não pode dar em coisa boa!

* Com mamãe aprendi que quem mandava, podia! Ela "era", mandava e ninguém sentia! Pena que faltei muitas aulas! Agora me chamam Dominatrix!

* Me desculpem as educadoras cidadãs e as "picicólicas" de Jesus, mas homofobia é homofobia. "Bulling/bullyng homofóbico" é invenção de quem quer esvaziar o discurso do outro, viu? Me provem que é a mesma coisa que eu escrevo outro texto me retratando!

* A criatura que inventou o dildo deveria merecer um feriado! Mesmos louros pra quem inventou o KY e o direito de usarmos calças vermelhas! Preciado, só Preciado, sabe o valor que um dildo tem! Quem ainda não descobriu, é besta!

* Desde os 8 anos eu já sabia o que era sexo. Coelho Neto, Chico Buarque e alguns mais pelo jeito sabiam mais que eu!

* Ficam ai cuidando da vida do Mário de Andrade! Acho péssimo e me pergunto quem havia de querer aquela bicha beiçuda!

* A moda agora é o "bullyng gastronômico": esse povo que quer me namorar e me convida pra comer podrão e mc shit precisa mesmo ouvir uns impropérios! Salve Nossa Senhora do Caldo Maggi que deixa tudo com o mesmo gosto e que decanta o bom paladar dos que comem pacotão da Sadia!

* E não me adianta torrar meu saco (adoro objetos pleonásticos, viu?) com discurso em favor da masculinidade gay que beira a heterossexualidade homofobica (abadá xadrez e suspensório é mais last week, depeche mode que qq outra coisa. Por favor, corram da Renner e da C&A e das sua liquidações em Xadrez!) e nem com essencialismo homossexual ou de gênero pq me cansam da mesma forma! Recebi uma revista direcionada ao publico "bear", com um artigo de umazinha aqui de SP, 100% machista e homofóbico, que me fez chorar no cantinho de tanta vergonha: burra, feia e escreve mal! É possivel ter mais defeitos numa criatura só?

* Antes um feio pelado que um maravilhoso com uma calça que tem mais detalhes e bolsos que calça propriamente dita!

* DEus sabia o que fazia: colocou o cu e o pau no centro do Mundo!

* Eu, no fundo no fundo, não quero ser bicha-hetero! Quero ser, simplesmente, o que me convier! Quero ser viado, sim, bicha-bicha! dar pinta com o ***, meu sobrinho bem resolvido e de quem eu me orgulho, entender com a Rosemary Granja que a diferença só aproxima e não afasta, curtir com o Roberto Bozzetti ou com a Lia Lee, Luana Barossi e Kathya Cegha o pleno direito ao uso do corpo, com maquininha de cartão e tudo, pegar pesado (e leve) com *** e ***, fazer do dia a dia da academia uma prática politica, identitária e cidadã como o fazem Mario C. Lugarinho, o Luiz Mott, Simone, Rita e Tânia Macedo ou Sérgio Aboud!

* Gosto dos Santos! E das santas! Mas seria bem mais devoto se soubesse que alguém chegou aos céus pq gozou muito! Eu me sentiria muito mais recompensado!

* Desisti dos Santos porque não tinham corpo! Acho tudo de bom Exu pirocudo, Oxum xerecuda e tudo o mais! Lembram da minha humanidade e do quanto sou nada diante do meu prazer!

* Cadê meu direito de dar na pinta e ainda assim comer você? Não confunda estilo e gaiatice com posição sexual, meu bem! E se eu quiser dar, isto é um direito que me assiste! Vc pode gostar ou não! Mas quem disse que eu estou preocupado com isso!?

* A diferença entre o Céu e o Inferno é o designe que os assina! Penso ainda que tudo é uma questão entre Kenzo e Laggerfeld! Minimalismo e Arabescos em excesso! Mas vamos combinar: se vc não entendeu a diferença, tente opor a 25 e a Oscar Freire! Moral da História: cada um tem o lugar que merece!

* E não me segue que eu não sou novela, diria uma preta luxuosa que desfila comigo na Tijuca e na Mangueira! Agora se o bofe for odara, que me siga, que me persiga, me assedie e me conquiste! E QUE PAGUE A CONTA NO FINAL!

* Phoda é que no fim, depois de tanta briga, porrada, bicha e trava e lésbica mortas a pauladas, a gente ainda faça o discurso do que nos oprime! Se vc não pensa, que cante babalu em grego! Ou pede pra cagar e vaza desse mundo! Tá cheio mesmo...

* Vale lembrar: negar a si o direito de ser equivale a assinar embaixo da mesma merda de vida que Malapheya e Bols-onagro querem pra mim! Eu não janto nem com babaca e nem com assassino! Por isso mesmo desisti de ler e ensinar metade da literatura africana de lingua portuguesa!

* Eu custo caro e não tenho vergonha disso: não me venha com Rommanel pq Vivara é minha área de lazer! Já tive G-Shock da galeria Pagé roubado no busão! Vai me roubar, bandido, mas que roubem um original!

* Não me acuse por gostar de couro de verdade e por colecionar jóias verdadeiras, afinal, os maridos vão e os diamantes ficam! E alguém precisa pagar por isso!

* Cansei dos idealismos marxistas: PERGUNTA PRA MINHA EMPREGADA, A ***, POBRE DESDE SEMPRE SE ELA GOSTA DE POBREZA? Joãozinho sabia: quem gosta de trapo é intelectual metido a besta! Pobre gosta de luxo, riqueza e brilho! E deixa a nega sambar!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

* Poupem-me do enjôo: saia cigana, hippie de butique, que custa 500 real não combina com o discurso pelos marginalizados. Adorar a "Africa" e comprar vestido feito com capulana e que custa 700 paus tb não! Traduzo: ser pobre no Jardim Europa ou no Leblon é muito dificil! quero ver sacolar na Zé Paulino!

* Eu sou contraditório e me reservo o direito de sê-lo. Isso me é pessoal e intransferível!
Emerson Inácio é professor da USP e membro da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura.