quarta-feira, 30 de janeiro de 2013

Mas tb me diverti (texto)

Dia 4 de fevereiro, retorno à universidade. Pense em alguém desanimado. Pois é assim que me sinto só de pensar em voltar para tanta coisa (sempre) por fazer. 
O trabalho é um buraco sem fundo, não se consegue dar conta dele. Ah, doce ilusão ... a de poder estar mais livre, ou a de, pelo menos, poder fazer apenas aquilo de que se gosta. Missão impossível esta.
Na verdade, mesmo de férias, consegui escrever um projeto e mandar um resumo para um evento. Isso foi um trabalho e tanto, mas tb me diverti: cinema de montão, praia quando deu (janeiro no Rio é tanta chuva que não dá para acreditar), shows da Fátima Guedes, Tulipa Ruiz, Gal Costa (tudo a preço camarada e justo), teatro, amigos por perto (nem todos, é claro). Acordei sem compromisso, descansei muito.
Estou sim com saudades de dar aula, afinal é o que gosto de fazer. Conhecer os novos alunos. Rever alguns alunos antigos. Voltar a uma certa rotina. Isso eu gosto, muito! Saudades tb da minha outra casa, do silêncio da outra casa e dos amigos de Cascavel (alguns são tb da universidade). Pelo visto, voltar não é de todo ruim ... o que me preocupa mesmo são as chatices do trabalho (mas qual não tem    um lado ruim?): aquilo que chega, normalmente, hoje mas é para ontem. Êta trem ruim!!!!

terça-feira, 29 de janeiro de 2013

É tanto sentimento, deve ter algum que sirva

É praticamente impossível digerir uma desgraça da proporção da que atingiu a cidade de Santa Maria, RS. Desde domingo, quando acordei e liguei o meu computador e soube da tragédia (naquele momento ainda não sabia do número de jovens mortos), ando meio sem saber direito o sentimento que mais me afeta diante disso.
Fico aqui pensando o quanto de tristeza pela morte injustificada de tantas pessoas. O tanto de desespero pelo que aconteceu na madrugada de domingo dentro da boate. E a revolta pela descaso que nos acompanha desde sempre em relação ao poder público (o privado quase sempre o descaso é escancarado).
Ouvi o prefeito da cidade tentar justificar a falta de licença da boate, continuei ouvindo-o nas evasivas em relação à responsabilidade da prefeitura no controle das casas que funcionam sem a menor condição. 
Tudo isso como se o seu cargo não tivesse nada a ver com o caso, a indiferença de sempre dos governantes diante das catástrofes (sou do Rio e faz tempo, os prefeitos, governadores desta cidade, a cada verão, repetem, como um disco furado, a mesma frase, "estamos trabalhando para resolver", mas no verão seguinte, na-da foi feito). Ou os donos dos estabelecimentos que falam de uma "fatalidade" ou de um "acidente".
Li nas redes sociais sobre o excesso dos meios de comunicação, sobre a insensibilidade de alguns jornalistas, li até que a presidenta da república estaria fazendo média ao sair do Chile e prestar solidariedade aos familiares das vítimas.
Aí, minha preocupação, diante disso tudo: E quando isso acontecer em outro lugar? E quando isso acontecer com os nossos alunos, amigos, em nossas cidades? Porque isso acontece sempre (também como um disco furado, que insiste em permanecer na mesma frase), repetindo, repetindo as mesmas desgraças. 
Por que as autoridades que são pagas para supervisionar, fiscalizar, cobrar não fazem nada? Por que nos esquecemos logo desses fatos?
Não seria o caso desse prefeito nunca mais ocupar nenhum cargo público, além, é claro, de responder judicialmente pelas centenas de mortes? E o Corpo-de-bombeiros que não fez a fiscalização devida e não interditou a tal boate? E tantas outras boates que continuam funcionando nas mesmas condições em todas as partes do país?
Não seria a hora de não nos esquecermos nunca mais disso e cobrarmos mudanças imediatas em relação às leis que regem o funcionamento do comércio?
Não seria o momento de sairmos às ruas para cobrar dos prefeitos eleitos, dos vereadores, dos deputados, enfim, dos políticos que são eleitos por nós e que, portanto, nos devem satisfação dos seus atos?
Gente, são mais de 200 mortos, são filhos, alunos, mães, irmãos e irmãs, namorados e namoradas de todos nós que estavam em uma boate na noite de sábado apenas para se divertir.

segunda-feira, 28 de janeiro de 2013

4 anos (texto)

4 anos de blogue. 1193 postagens (incluindo aí, fotos, charges, músicas, textos de outros autores, poesia, conto etc.). Não é fácil manter um padrão de escrita. O fôlego foi diminuindo a cada ano, mas o prazer de estar aqui permanece o mesmo. 
Não sei mais quem passa por aqui porque os comentários quase que desapareceram, sei que tem gente online, mas apenas identifico o país, a cidade, se estão ou não por aqui e por quanto tempo. O tempo urge ... pra todo mundo, eu sei...
De toda a forma, agradeço muito quem por aqui passa nem que seja para uma olhadinha. Comemorar os 4 anos é, para mim, agradecer também aos colaboradores: Cris, Fátima, Luiz, Tânia Aires, Luiz Hick, Orvalho do ceu, Mayumi, Fabrício Viana, Edhi Pheqheno, Joanir e tantos outros amigos que por aqui passaram nesses 4 anos.
Espero que a mudança no designer do blogue para comemorar o aniversário tenha agradado a todos. Eu, pelo menos, gostei.
Obrigado a todos!!!!

EU ACUSO!


   Parafraseando Émile Zola, eu acuso, mesmo que ninguém me pergunte, diversas pessoas e entidades de Santa Maria, pela tragédia do incêndio da Boate Kiss, neste domingo de luto, dor, lágrimas, morte, perplexidade.         
Quando falo em diversas pessoas, eu quero dizer todos nós, que achamos que a lei de prevenção de incêndio não é para valer. Santa Maria teria sido o primeiro município do Estado a contar com uma lei de prevenção de incêndio, que acabou por ser usada como referência para a lei estadual no mesmo sentido.
         Mas, exatamente aqueles que aprovaram a lei foram os primeiros a descumpri-la, ou seja, até hoje 90% das escolas públicas, municipais e estaduais, não contam com sistema de prevenção de incêndio, depois de mais de trinta anos, colocando em risco a vida e a segurança dos servidores, dos professores e, quem está preocupado com isto?, de milhares de crianças. Eu acuso o Estado e o Município como responsáveis!
         Passei 22 anos brigando para exigir que os locais de aglomeração de público, tais como boates, estádios, prédios de apartamentos, escolas, centros de tradições, clubes, para que tivessem sistema de prevenção e combate a incêndios, tudo em vão. Eu os acuso como responsáveis!
         Inúmeras boates foram fechadas por liminar do Poder Judiciário por falta de condições de segurança contra incêndio, mas reabertas logo a seguir com a cassação da medida antecipatória porque eles provavam ter feito as adaptações necessárias e, logo que recebiam o alvará, desmontavam o sistema. Eu os acuso como responsáveis!
         O esporte favorito de alguns políticos locais era defender boates sem condições de segurança, sob a alegação de que a atividade criava empregos, o que é verdade, mas esquecendo que também criava risco de morte. Eu os acuso como responsáveis!
         Eu me acuso, como membro do Ministério Público, por não ter feito mais, com culpa ou sem culpa. Aí está, desde 1963, o prédio da Avenida Rio Branco sem nenhuma manutenção e há anos com inúmeras decisões judiciais e de pé, como se tivesse sido construído ontem. O esqueleto nos olha desafiador, gozando de nossa cara! Quando cair, quantas pessoas morrerão? Bobagem, o Adede é um idiota, todo mundo sabe, pretensioso e metido a engenheiro. O prédio não vai cair, nunca!
         Eu só não acuso as vítimas, porque estas só queriam viver a vida, e um bando de irresponsáveis não permitiu isto. Um bando de irresponsáveis, do setor público que só pensa nos votos da próxima eleição e do setor privado que só pensa no lucro.
         As vítimas viviam a vida que lhes era própria, com festa, com sorrisos, com cabeça leve e espírito jovem, o que era um direito seu.
         Não podemos crucificar ninguém sem investigação séria e julgamento justo, mas também não podemos minimizar as responsabilidades. Eles podem fugir e se esconder, mas não para sempre.
         Não foi uma fatalidade, mas a soma de irresponsabilidades.
         Que cada um assuma a sua.
         Eu acuso!
texto publicado em:
http://adedeycastro.com/2013/01/27/eu-acuso/

terça-feira, 22 de janeiro de 2013

Uma criança = papai + mamãe (Ruth de Aquino)




Esse era um dos cartazes, empunhados com orgulho hétero, na manifestação gigante de Paris no dia 13: Un enfant = un papa + une maman. Centenas de milhares de franceses saíram do armário para dizer “não” ao projeto de lei do governo socialista de François Hollande de “mariage pour tous” (casamento para todos). No país da “liberté, égalité et fraternité”, os homossexuais ainda não têm direito ao casamento civil – e avós, papais, mamães, jovens e criancinhas defenderam nas ruas uma versão idealizada e romântica da família contra “a ameaça gay”.
A crise econômica e o desemprego atingem seriamente a Europa, mas o que leva uma imensa multidão a marchar no inverno parisiense não é a exigência de “trabalho para todos” – eles só querem impedir que homossexuais casem nos cartórios. Segundo as autoridades, foram 340 mil manifestantes. Segundo os organizadores, de 800 mil a 1 milhão. A disparidade dos números é um indício da irracionalidade do debate. La France n’est pas un pays sérieux.
Por que esse pânico, que beira a histeria? O que muda realmente na vida de um casal heterossexual se outro casal, homossexual, decide transformar sua união estável em casamento? Qual o resultado pernicioso dessa lei? Que significado teria, além de celebrar a igualdade de direitos civis numa democracia republicana laica, e não numa teocracia?
O que está em jogo não é o ritual da cerimônia, nem os papéis assinados ou os direitos à pensão ou herança. O que apavora os homofóbicos costuma vir logo depois do casamento: os filhos, a família. Os héteros mais fanáticos surtam só de pensar que um casal gay, de homens ou mulheres, tenha direito à paternidade ou à maternidade. Aí é demais. Contraria a natureza. O que será desses meninos e meninas, meu Deus?
Como se tivéssemos produzido gerações de crianças e adultos “normais”, livres de neuroses e traumas. Como se a heterossexualidade de pai e mãe assegurasse um vínculo afetivo sadio, um ambiente familiar exemplar. O argumento de que gays, por gostarem de pessoas do mesmo sexo, criarão filhos infelizes ou desajustados é de uma prepotência difícil de engolir.
“É natural o receio de que essas crianças sofram alguma discriminação na escola”, afirma a psicanalista e terapeuta familiar Junia de Vilhena. “Atendo no consultório um casal de mães homossexuais que se preocupam com a filha de 10 anos na escola. Mas a menina está muito bem integrada num meio liberal. As amiguinhas não questionam. Normalmente, quando existe preconceito, vem dos pais dos alunos, mesmo nas escolas mais avançadas. Sou esperançosa. A sociedade aos poucos aceitará. Pior e mais cruel é o preconceito contra crianças gordas. Elas enfrentam barbaridades.”

Ser pai ou mãe, mais que uma possibilidade biológica, é um aprendizado. “Podemos encarar a família como uma prisão ou um lugar de abrigo. Um espaço de trocas ou de isolamento coletivo. Um agente de mudanças ou um dispositivo de alienação. De qual família estamos falando?”, diz Junia.Mesmo nos países com leis progressistas, como o Brasil, desconfio que a maioria silenciosa da população seja contra o direito de um casal gay de educar uma criança como seu filho. Não importa o método: adoção, inseminação, fertilização in vitro ou acordos domésticos com amigos ou amigas. Há uma turma que considera a criança mais bem assistida num orfanato do que na casa de pais ou mães homossexuais.
“Dificilmente, hoje, encontramos essa família idealizada de um filho, um papai e uma mamãe, uma visão ligada à ideia do amor romântico e eterno”, diz Junia. A família de núcleo patriarcal é hoje minoria. Crianças vivem só com a mãe solteira, separada e provedora. Ou com padrastos, madrastas e meio-irmãos. “A classe alta não está nem aí para as regras. A classe baixa está fora desse sistema – em vez de sonhar com o casamento ideal, foca na sobrevivência. Quantos pais nem sequer reconhecem seus filhos. Ou têm amantes. Essa família arrumadinha e feliz nunca existiu, mas ainda é uma aspiração da classe média. Muitos homens e mulheres ficam juntos e infelizes até morrer.”
Estranho pensar que muitas de nós lutaram pelo direito de não casar de papel passado nem na igreja. Tive dois filhos, de dois homens, jamais casei oficialmente por ser contra associar o amor a qualquer contrato ou rito perante um juiz ou um padre. Há 40 anos, num mundo ainda com utopias, era uma transgressão. Formei minha família com erros e acertos.
Alguns heterossexuais convictos alegam que gays só formam um casal, e não uma família. Um homem e uma mulher sem filhos tampouco são uma família. Mas conviver com filhos biológicos ou adotados, exercer a paternidade e a maternidade, deveria ser, sim, um direito de todos. O mundo caminha nessa direção. É irreversível. Nenhuma “parada hétero” reverterá esse processo.

(texto publicado na Revista Época)

domingo, 20 de janeiro de 2013

Da série Contos Mínimos

Dentro de todo caRIOca, tem um Rio. De todo PAUlistano, um Pau. De todo CUritibano, um cu.

20 de Janeiro

Hoje seria, se não tivesse sido diferente, o aniversário de um grande amigo. Ele não está por aqui, assim, digamos, para que eu possa ligar, desejar sorte e saúde, abraçar bem apertado, sair para comemorar a data, mas estará em pensamento comigo em todos os dias da minha vida.

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

É o que tem pra hoje (texto)

Eu sei que não se muda o mundo. Sei também que a contradição é parte constitutiva do ser humano. Sei que não devia me incomodar com coisas que não vão, mesmo que eu faça a maior força, ser de outro jeito, mas tenho visto tanta coisa errada, tanta injustiça, tanta coisa fora do lugar.
Hoje mesmo, não me contive: cidades, no país inteiro, sem saúde pública digna, sem educação, sem água. Como é que essas situações acontecem e nada é feito para punir quem tem responsabilidade?
A impressão que tenho é de que é exatamente porque nada acontece que essa situação continua igual faz tanto tempo. Desde que eu me entendo por gente, e bota tempo nisso, ouço, vejo, acompanho notícias como essas pela TV, pelos jornais e revistas, e me parece que tudo continua quase igual (em algumas situações o igual piorou).
Hoje um menino de 12 anos era entrevistado no Jornal Hoje (da TV Globo). Ele dizia que gostava de ler, mas que não tinha tempo para as leituras porque ficava o dia inteiro de um lado para o outro levando água para casa e transportando pessoas. Um outro, da mesma idade, ajudava o pai a cavar um buraco de lama para dar de beber aos animais. Algumas prefeituras foram saqueadas em virtude da posse dos novos prefeitos. Uma prefeita eleita afirmou que encontrou na conta de prefeitura R$2,10 (isso mesmo: dois reais e dez centavos!!!!).
Alguma coisa devia ser feita diante disso. Não dá para esperar as pessoas terem consciência, serem honestas, justas. Isso não vai acontecer nunca.
Ontem, à noite, no Fantástico, matéria sobre uma senhora de quase 100 anos que era agredida por uma cuidadora e pela cozinheira que deviam tomar conta dela (que recebiam dinheiro para cuidar da senhora, não era favor não!!!). O crime só foi descoberto porque o filho, desconfiado, instalou uma câmera na sala da casa de sua mãe. Não fosse isso, ela, a senhora, estaria, quem vai saber, até agora sofrendo essas agressões. Quantas não estão a esta hora passando pela mesma situação? As duas negaram as agressões. Mas como negar diante das imagens?
Aqui, na calçada do meu prédio, no Centro do Rio, há moradores de rua: crianças, senhores, senhoras vivendo como animais. Comendo restos de comida, dormindo sob a chuva, frio da madrugada, correndo risco de violência, esperando a morte, imagino. E nada é feito. Eu poderia ficar aqui escrevendo ad eterno sobre o que vejo. Mas por hoje chega!

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

4 anos (texto)

Dia 24 de janeiro, o Do Avesso faz aniversário. São 4 anos de vida (estou apenas adiantando a notícia). Este ano quero escrever um texto em homenagem aos amigos que colaboraram, direta ou indiretamente, com o blog.
Queria tb modificar alguma coisa por aqui, mas falta ideia. O Layout não dá para alterar muito, já que uso os que me são oferecidos pelo BLOGGER, mas quem sabe não tenho bons sonhos que me façam pensar em mudanças, mesmo que sejam pequenas.

Vou aprendendo com o "não" (texto)

De férias, tenho aproveitado os meus dias para descansar muito, ou seja, dormir bem e só acordar quando o sono acaba. Mas como todo professor, mesmo nas férias, continuo trabalhando. Claro que num ritmo mais tranquilo, mas não menos concentrado do que faria se estive na ativa.
Tenho, agora, todo o tempo do mundo para me concentrar em um trabalho de cada vez. Quase nunca temos a oportunidade de fazer isso durante o ano letivo: são tantas as atividades ao mesmo tempo que quase nunca dá para respirar fundo, pensar mais a respeito de cada uma delas, porque tudo sempre é para ontem.
Hoje, fechei um livro que estamos organizando, uma amiga e eu. Pela manhã meti bronca no meu projeto de pós-doutorado, mas fui ao cinema à noite porque sempre é bom esvaziar a cabeça para no outro dia recomeçar.
Pra amanhã, leituras e escrita, depois reescrita e mais leitura. Tenho tempo, mas se não aproveitar bem o tempo, corro o risco de perder prazos.
Hoje recebi a notícia de que a minha proposta de Produtividade em Pesquisa, para o CNPq, não foi aprovada: eu não tenho o perfil mínimo necessário para solicitar a bolsa, além da proposta não está adequada às exigências da equipe que avalia os projetos. Blz, foi a primeira vez que enviei uma proposta, ano que vem tem outra e eu não desisto.
No mais, é ir aprendendo com os "nãos", para que o sim tenha um gostinho doce. E amanhã é sexta-feira outra vez, engraçado como de férias, isso não faz a menor diferença. Bom fim de semana para quem por aqui passar.

quarta-feira, 9 de janeiro de 2013

Da série Contos Mínimos

Ontem, nos encontramos, quase todos, para uma cerveja, para rir, para falar um pouco sobre a vida e sobre quem não vem mais.

segunda-feira, 7 de janeiro de 2013

Mais do mesmo (texto)

Faz anos que venho publicando aqui, no blog, no mês em janeiro, sobretudo, o mesmo texto sobre as enchentes que devastam algum ponto do Rio de Janeiro. Triste iniciar as postagens de 2013 com um texto sobre as águas de janeiro, a irresponsabilidade onipresente de vereadores, deputados, prefeitos e governadores. Nem me dou mais ao trabalho de me indignar com as declarações desses senhores (ou senhoras) que ocupam algum cargo político, não me espanto mais com os sobrevoos (de helicóptero) do governador quando alguma região é inundada e pessoas morrem, ou com a pseudo-declaração de que farão, resolverão, construirão, finalizarão, salvarão, doarão o que preciso for para, finalmente, não haver mais problemas com as chuvas, com as encostas ocupadas, com os soterrados, com os que precisam desocupar as suas casas, com os mortos etc.
Acho que, é um desabafo, enquanto escolhermos os nossos representantes pela cor do olhos, pela cara de bom moço, pela barba bem feita, pelo nome de família, correremos, todos, o risco de sermos engolidos por alguma barreira.