quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

O homem, seus amigos e suas viagens

2014 foi, sem dúvida, o ano das amizades. Foi um ano de descoberta e de fortalecimento de laços afetivos. Foi um ano que explorei os amigos e fui atendido. Acho que é um ano que poderei, futuramente, dividir entre um antes e um depois.
Por outro lado, mas isso não é de todo ruim (sei que depois de certo tempo assim será), foi um ano também de separar o que valia do que não-valia: descobri quem eram aqueles que estavam disponíveis, quem eu podia verdadeiramente contar e quem eram os outros: aqueles amigos dos dias alegres, aqueles que gostam de dividir o seu chope, o seu afeto, a sua atenção. Os de ocasião. Esses não ficarão. Ou melhor, já ficaram em 2014. E daqui não vão sair. Jamais, com sotaque francês.
Eu podia fazer uma lista enorme de agradecimentos, mas, como sei que não sou muito bom de memória, certamente me esqueceria de alguém importantíssimo. Melhor deixar assim, na geral.
Um ano de encontros e despedidas: o trem que chega é o mesmo trem da partida. Fui e voltei diversas vezes. Cheguei, parti outra vez. Deixei parte do meu coração em cada abraço, em cada lágrima de despedida ou de chegada. Eram lágrimas verdadeiras.
Também foi um ano de viagens. Não apenas as geográficas, mas a mais importante e dangerosíssima, como diria o maior poeta, de si a si mesmo. Precisei colocar os pés no chão do meu coração para me colonizar, me humanizar, me civilizar para, finalmente, descobri em minhas próprias entranhas a perene e insuspeitada alegria de viver.

Nenhum comentário:

Postar um comentário