sábado, 13 de junho de 2015

Tem sempre uma música dessa dupla (Fernando Brant e Milton Nascimento) a me rondar

Resultado de imagem para milton nascimento e fernando brantQuem me conhece do dia a dia sabe o quanto eu gosto de música. Não diria de todos os ritmos e gêneros musicais. Há coisas que não entram pela porta de casa de jeito nenhum, mas, de uma forma geral, eu gosto muito mais do que desgosto.
Ontem, no Deezer (é um serviço de Streaming de música. Funciona como o Netflix, só que de músicas) fiz uma procura por Milton Nascimento, depois que ouvi a triste notícia da morte de Fernando Brant (parceirão de Milton em diversas músicas).
Fernando e Milton se misturam de tal forma que não dá pra pensar em um sem o outro: desde Travessia até o mais recente CD do cantor/compositor, Brant está ali. A gente mistura tanto que atribui aos dois músicas que não são deles.
Bem, não é sobre essa parceria, não é sobre Brant e nem sobre Milton, especificamente, que pretendo escrever aqui, mas sobre um mundo de músicas desses dois que beira o impossível se se tratasse de escolher algumas para ouvir, se se tratasse de selecionar algumas para deixar na minha playlist. Se se tratasse de selecionar apenas um CD para ouvir. Tarefa impossível. 
Dei uma passada na lista oferecida pelo aplicativo, porque fazia isso enquanto assistia a um jornal desinteressante da TV e percebi que seria uma jornada inglória. Não dá pra escolher um CD do Milton que tenha uma relação especial com a minha vida. Uma música então nem se fale! Em todos, sem exceção, têm alguma coisa que me encantou e ainda encanta. É um baile da vida inteira.
São tantas recordações, tantos momentos, tantas letras maravilhosas e melodias alegres e tristes que me tocaram e tocam de forma tão intensa que fiquei perdido nesse mar de notas e cordas vocais potentes.
Minha mãe, vou eu outra vez falar dela, gostava tanto de Milton tb por minha causa: a gente se influenciava tb musicalmente. E cantamos juntos tantas dessas canções. Tantas delas fizeram parte de algum momento de nossas vidas que seria difícil selecionar algumas.
Já disse isso aqui, e direi outra vez, se tivéssemos um Nobel de Música certamente acumularíamos muitos prêmios porque são tantos compositores de níveis estelares que sobrariam poucas edições (dessa provável premiação) sem uma indicação de algum brasileiro. E isso me dá um certo alívio, engraçado essa sensação pra mim, porque sei que não vou ficar jamais sozinho sem um fundo musical de alta qualidade pra ouvir se chove, se faz frio, se estou triste ou alegre, sozinho ou acompanhado, se nasceu alguém ou morreu se chegou ou se partiu porque chegar e partir são dois lados da mesma viagem.

Um comentário: