segunda-feira, 9 de setembro de 2019

Num buraco sem fundo...

Hoje, me deparei com um foto de 2014. Na verdade, não foi assim um sobressalto, mas uma memória "presenteada" pelo Face para eu pudesse recordar um momento da minha vida. Nessa foto, estou no Rio de Janeiro, mas especificamente na enseada de Botafogo, ali no  caminho do Aterro do Flamengo. 
Eu havia chegado neste mesmo dia de Portugal depois de um ano por lá. Fui muito feliz estudar  em Coimbra, mas não segurei a barra por muito tempo.
Lembro-me dessa foto como se fosse hoje e sinto uma angústia enorme porque eu não estava nada bem emocionalmente: os últimos meses em Portugal não foram fáceis. Eu entrei num buraco sem fundo e não iria sair dele sozinho. Não mesmo!
Voltar para o Brasil me fez bem de cara e já me colocou na atenção de que eu precisava de ajuda profissional: não tive dúvidas e procurei um psicanalista.
Nem sempre temos lucidez ao passarmos por momentos difíceis: a gente quer se livrar da dor, mas não sabe como. E não tem mesmo que saber e é por isso/para isso que um psicanalista existe.

“E no meio dessa confusão alguém partiu sem se despedir; foi triste. Se houvesse uma despedida talvez fosse mais triste, talvez tenha sido ...