quinta-feira, 29 de abril de 2010

Adoções homo e heterossexuais (texto)

O fato da justiça e mesmo de grande parte da opinião pública (se é que opinião púbica exista) ser contra a adoção de crianças por casais gays se deve, principalmente, ao fato de que se diz, por aí, que a orientação sexual dos pais de alguma forma influenciaria a orientação da criança adotada. Bobagem total! Sem nenhum fundamento que comprove essa besteira. Na verdade, tenta-se justificar o preconceito criando uma situação inusitada.
Pesquisas realizadas pelo Grupo Gay da Bahia (GGB) constata que pais homossexuais cuidam muito bem de seus filhos, tão bem quanto casais heterossexuais podem cuidar.
Talvez um problema pelo qual a criança (a adotada por pais homosexuais) passe e tenha que receber ajuda em relação a isso seja na escola, justamente porque, como a maioria das escolas não está preparada para receber sequer alunos gays, não estaria tb preparada para receber filhos adotivos de casais homossexuais.
Fiquei pensando nisso, hoje, principalmente, porque li notícias de uma procuradora (aposentada) da justiça que espancava, humilhava a menina que estava sob a sua guarda (provisória).
Não houve nenhuma voz contrária, por exemplo, a esta adoção, porque a procuradora estava acima de qualquer suspeita. No entanto, aonde menos se espera (pelo menos o senso comum) é que mora verdadeiramente o perigo.
Uma outra questão importante é a que desconstrói o fato de que a orientação dos pais poderia influenciar a orientação sexual da criança: homossexuais, até onde se sabe, são, em tese, filhos de pais heterossexuais e nesse caso não houve nehuma influência dessa orientação em relação aos filhos. Por que o inverso aconteceria?
Não é uma questão definitiva, mas uma questão a se pensar.  
Tenho um grande amigo que é gay e que adotou uma menina. Ela é uma menina muito bem educada, recebeu muito carinho desse cara, e o chama de pai.

terça-feira, 27 de abril de 2010

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Dias não, dias sim (texto)

Vivo reclamando do meu trabalho por aqui, certo? E é claro que essas reclamações têm fundamento ou eu estaria enlouquecendo. Mas hoje não vou reclamar não. Bem ao contrário. Hoje foi escrever sobre um trabalho que ando produzindo com um aluno: Rafael. Nos encontramos hoje pela manhã para que ele me mostrasse o que anda escrevendo sobre o que anda lendo e analisando (estamos analisando cartas enviadas às colunas psicanalíticas para compreender o funcionamento desses textos publicados: as cartas enviadas por leitores e as respostas dadas por uma psicanalista  em uma clínica online).
O Rafael (este aí da foto), é importante dizer, tb é aluno de psicologia e por isso lida muito bem com os conceitos abordados naquela coluna. Ele é bem tranquilo e eu muito agitado ainda que eu tenha idade suficiente para ser tranquilo e ele agitado.
Fiquei surpreso (não que eu duvidasse da sua capacidade) com a sua competência em termos de análise do texto. Ele, um iniciante em pesquisa, está levando o trabalho muito a sério a ponto de me emocionar com a leitura que ele fez dessas cartas. Como fiquei feliz com o texto que ele me trouxe!!!
Além disso, ele sabe ouvir e sabe tb falar. Já tive bons orientandos em iniciação científica (nem posso reclamar disso: Alessandro, Marcinha, Juliane, Fábio etc.), mas este assunto, como me interessa muito, tem mesmo me tomado.
Hoje foi um bom dia.

domingo, 25 de abril de 2010

O Parasita (texto)

O Parasita (jornal dos alunos do Curso de Farmárica da USP) desculpou-se, em nota, pelo "exagero cometido na última edição", aquela na qual os editores incentivam os leitores para jogarem fezes em gays, segundo o jornal, viadinhos"). Eles denominam exagero a discriminação por orientação sexual. O fato de se desculparam não ameniza, em hipótese alguma, a intenção primeira.
A forma como justificam a matéria, o fato do jornal possuir um humor escrachado, também não suaviza o incentivo à violência. Se fosse um texto que incentivasse os leitores a praticarem violência, jogar fezes ou o que quer que fosse,  contra negros, por exemplo, eles teriam praticado crime de racismo e poderiam ser indiciados por conta disso, mas fezes em gays, viadinhos, bichinhas ou bichonas é humor.

sábado, 24 de abril de 2010

Luiz Mott, Inquisição, homossexualidade e outros assuntos (texto)

Ontem, dia 23 de abril, no Programa do Jô, o Historiador, Antropólogo, Fundador do Grupo Gay da Bahia, professor doutor Luiz Mott falou sobre diversos assuntos. Sempre muito bem informado e com um humor ácido discutiu questões sobre a Inquisição na Bahia. 
O convite para participar do programa foi por conta da publicação do seu novo livro Bahia - Inquisição & Sociedade  que é uma amostra selecionada do que representou a ação da Santa Inquisição em Salvador e pelo interior da Capitania. São oito artigos reunidos, publicados entre 1986 e 1995, em diferentes revistas científicas, apresentando um cardápio variado e amplo dos aspectos mais significativos do que representou esta instituição em terras baianenses, em seus quase trezentos anos de atuação entre nós.
No entanto, ter a presença do professor, estudioso, pesquisador, ativista gay (entre outras funções) e  não falar sobre a homossexualidade, seria uma perda enorme de oportunidade. Jô Soares não a perdeu e conversou com Mott sobre questões importantes:  união civil, diversidade sexual, gêneros sexuais, pedofilia, a homossexualidade na adolescência, sobre a ciência e a homossexualidade, sobre teorias científicas que tentam explicar a homossexualidade, sobre religião, sobre adoção de crianças por homossexuais.
Destaco nessa passagem pelo programa a forma simpática, bem humorada e provocativa com que trata questões sérias e caras na luta contra a homofobia. Em certa altura da entrevista, ele, diz ao Jô que "a maioria desses machões que saem por aí falando mal ou espancando travesti têm dentro de si um bicha louca acorrentada", arrancando gargalhadas da plateia e do apresentador.
Mott concluiu a sua entrevista citando Fernando Pessoa: O amor é que é essencial, o sexo é só um acidente, pode ser igual ou diferente.

sexta-feira, 23 de abril de 2010

Jornal de alunos de farmácia da USP pede para jogar fezes em gays (texto)


Um jornal dos alunos da Faculdade de Ciências Farmacêuticas da USP causou repúdio no meio estudantil e acadêmico ao realizar uma promoção polêmica. "O Parasita" oferece um convite a uma "festa brega" aos estudantes do curso que, em troca, jogarem fezes em um gay.
A Defensoria Pública do Estado de São Paulo teve conhecimento do texto (leia-o na íntegra abaixo) e informou nesta sexta-feira (23) à noite que irá denunciar o periódico semestral por homofobia à Comissão Processante Especial da Secretaria da Justiça e da Defesa da Cidadania do Estado de São Paulo.
Além disso, a Coordenadoria de Políticas Públicas para a Diversidade Sexual afirmou que irá registrar um boletim de ocorrência na Polícia Civil contra o jornal por crime de injúria e incitação à violência.
O texto abaixo foi extraído de "O Parasita" de março e abril deste ano. O periódico de seis páginas exibe na sua página 2 um discurso contra dois gays que se beijaram numa festa da Faculdade de Medicina no ano passado.
"Lançe-merdas e Brega será na Faixa - Ultimamente nossa gloriosa faculdade vem sendo palco de cenas totalmente inadmissíveis. Ano passado, tivemos o famoso episódio em que 2 viadinhos trocaram beijos em uma festa no porão de med. Como se já não bastasse, um deles trajava uma camiseta da Atlética. Porra, manchar o nome de uma instituição da nossa faculdade em teritório dos medicus não pode ser tolerado. Na última festa dos bixos, os mesmos viadinhos citados acima, aprontaram uma pior ainda. Os seres se trancaram em uma cabine do banheiro, enquanto se ouviam dizeres do tipo "Aí, tira a mão daí." Se as coisas continuarem assim, nossa faculdade vai virar uma ECA. Para retornar a ordem na nossa querida Farmácia, O Parasita lança um desafio, jogue merda em um viado, que você receberá, totalmente grátis, um convite de luxo para a Festa Brega 2010. Contamos com a colaboração de todos. Joãozinho Zé-Ruela", escreve "O Parasita".
O autor do texto acima, "Joãozinho Zé-Ruela", aparece como editor de eventos. O G1 não conseguiu localizar os responsáveis pelo jornal para comentar o assunto. Nove nomes aparecem no expediente de "O Parasita". A reportagem também ligou para um dos colaboradores, deixou recado, mas até a publicação da matéria não havia recebido retorno.
Estudantes da faculdade ouvidos pelo G1 confirmaram que a publicação é feita por alunos da Farmácia. Entretanto, segundo eles, o jornal não é ligado a nenhuma entidade estudantil oficial. O texto chegou ao conhecimento de alunos de outras faculdades da USP nesta sexta pela internet. Muitos criticavam o conteúdo e a incitação homofóbica. Segundo um dos alunos de ciências farmacêuticas, "Muitas [pessoas reagem] com raiva, outras com descaso e algumas acham um jornal 'legal'."

Homofobia
De acordo com a defensora Maíra Diniz, coordenadora do núcleo de combate à discriminação, racismo e preconceito, "O Parasita" infringiu a Lei Estadual 10.948 que trata do combate à homofobia.
"É uma coisa horrível. Eu fui surpreendida de ver que estudantes de farmácia, que têm obrigação de esclarecer o público, pensam dessa maneira. Não é só uma mera opinião, isso configura homofobia", afirmou a defensora Maíra na tarde desta sexta. "Vamos apurar quem é o responsável pelo jornal, inclusive oficiando a faculdade. Vamos oferecer denúncia na comissão processante com base na lei estadual de homofobia."
O G1 também tentou entrar em contato com o centro acadêmico de Farmácia da USP, mas não localizou ninguém.
Segundo Maíra, os responsáveis pelo jornal serão julgados por uma comissão, que irá apurar se eles cometeram homofobia. "Homofobia não é crime, por isso é apurado por essa comissão. É um processo administrativo que pode render uma advertência ou uma multa mínima, no valor de R$ 15 mil, se os acusados forem considerados culpados", disse a defensora. O valor é destinado para fundos de políticas para diversidade sexual.

Caso de polícia
O advogado Dimitri Sales, coordenador para Políticas de Diversidade Sexual do Estado de São Paulo, afirmou nesta sexta que irá levar o caso até à Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância (Decradi), onde pretende registrar queixa contra o jornal.

"A homofobia é a aversão e ódio às pessoas que têm orientação sexual diversa da heterossexual, mas no caso deste jornal, se enquadra também na injúria. É lamentável que alunos de uma instituição, como esta da USP, colocam isso. Essa postura desse jornal é repudiada de forma veemente. Tem de ser praticada uma pena dura. Eles desconsideram duas coisas. A primeira é que reafirmam a postura da discriminação contra o casal que se beijou na festa. A segunda é mandar estudantes agredir gays. Essas coisas agora vão virar crimes de injúria e incitação à violência", afirmou o coordenador Dimitri Sales.
Ainda, segundo Dimitri, se a citada "festa brega" realmente tiver uma data para ocorrer, a coordenadoria fará o possível para que ela seja cancelada. "Ainda não sei se essa festa é uma piada ou se realmente ocorrerá. Mas se ocorrer, vamos tomar alguma medida jurídica para impedir a realização dessa festa porque ela estaria se baseando num conceito homofóbico", disse.

Reprimir
O G1 procurou a Universidade de São Paulo para comentar o assunto. A assessoria da USP informou que somente a diretoria de farmácia poderia comentar o assunto.
Procurada, a faculdade informou: "A Faculdade de Ciências Farmacêuticas da Universidade de São Paulo (FCF-USP) não tem conhecimento nem apóia essa publicação, inclusive desconhece os seus autores. A Faculdade tomará as medidas jurídicas cabíveis para reprimir este tipo de publicação", em nota enviada por e-mail por sua assessoria de imprensa. 

quinta-feira, 22 de abril de 2010

Brasil com S (Música)

Quando Cabral descobriu no Brasil o caminho das índias
Falou ao Pero Vaz para Caminha escrever para o rei
Que terra linda assim não há, com tico-ticos no fubá
Quem te conhece não esquece que o Brasil é com S

O caçador de esmeraldas achou uma mina de ouro
Caramuru deu chabu e casou com a filha do pajé
Terra de encanto amor e sol
Não falo inglês nem espanhol
Quem te conhece não esquece meu Brasil é com S

E pra quem gosta de boa comida aqui é um prato cheio
Até Dom Pedro abusou do tempero e não se segurou
Óh natureza generosa está com tudo e não está prosa
Quem te conhece não esquece meu Brasil é com S

Na minha terra onde tudo na vida se dá um jeitinho
Ainda hoje invasores namoram a tua beleza
Que confusão veja você, no mapa mundi está com Z
Quem te conhece não esquece meu Brasil é com S.

quarta-feira, 21 de abril de 2010

Um feriado no meio do caminho

Feriado na quarta-feira?! É um refresco num deserto. Bom demais não ter horário. Bom demais não pensar no trabalho! Acordar,  dormir, acordar outra vez sem o relógio te chamando. Insistindo. Te lembrando. Feriado na quarta-feira um alívio para os olhos.

terça-feira, 20 de abril de 2010

Seis meses (texto)

Hoje faz seis meses que a minha mãe morreu. Eu, finalmente, abri um caixinha com alguns pertences dela: anéis, cordões, alguns enfeites, uma bolinha chinesa. Estão comigo apenas. Sinto muita saudade. Muita falta daquela voz tranquila me dizendo sempre com calma. Os sonhos continuam como se nada tivesse acontecido. Tenho feito, sempre que lembro, preces para o seu espírito. Pedindo sempre que ela esteja bem. Já que cumpriu com sabedoria o seu tempo. Agradeço sempre pela sorte de tê-la por perto. Peço para que eu tenha a metade de sua sabedoria para lidar com a vida.

domingo, 18 de abril de 2010

Da Série Contos Mínimos (texto)









Conheceram-se por acaso numa viagem a São Paulo. Ele da direita para esquerda no Viaduto do Chá, ela da esquerda para a direita no Santa Efigênia. Só mesmo o dedo do acaso! Andaram pela Paulista em dias diferentes. Visitaram amigos: ele no Jardim Europa, ela no Alto de Pinheiros. Mas uma cruzada de olhar enquanto atravessavam, para lados opostos, a  Alameda Gabriel Monteiro da Silva selava para sempre as suas vidas.

Da Série Contos Mínimos (texto)

Uma vida inteira sem contar nada: felicidade, tristeza, solidão, encontro.  Toda ela deixando-se levar por emoções livres. Bastavam apenas as prisões cotidianas.

sexta-feira, 16 de abril de 2010

Apesar...

A semana acabou e não dei conta da metade do que eu tinha para fazer. Sobrou bastante atividade para o final de semana. E tenho, sem alternativa, que finalizar várias tarefas. Nem dá para reclamar (muito), porque a semana, apesar de tudo, foi boa: apesar da alergia, apesar de ter ido ao teatro ver Os Pândegos (mais sem graça, impossível), apesar de um funcionário, responsável pelo meu curso, perder os meus documentos.
O tempo esquentou um pouco. Ri com amigos no trabalho e estou conseguindo finalizar uma projeto que começou em 2008 (pode parecer demais - e é -). Hoje, fiz mais testes para descobrir o porquê das manchas na pele. É sempre um começo. Fui à consulta com uma bolsa cheia de produtos que costumo usar. Já me furei mil vezes e, por enquanto, na-da.
Na próxima sexta os resultados e se nada for descoberto, mais uma bateria de exames. É capaz da alergia sumir sem se saber a sua identidade.  A gente vai levando.
Um bom final de semana para todos que passarem por aqui.

quarta-feira, 14 de abril de 2010

EROS E PSIQUE

Conta a lenda que dormia
uma Princesa encantada
A quem só despertaria
Um Infante, que viria
De além do muro da estrada

Ele tinha que, tentado,
Vencer o mal e o bem,
Antes que, já libertado,
Deixasse o caminho errado
Por o que à Princesa vem.

A Princesa adormecida,
Se espera, dormindo espera,
Sonha em morte a sua vida,
E orna-lhe a fronte esquecida,
Verde, uma grinalda de hera.

Longe o Infante, esforçado,
Sem saber que intuito tem,
Rompe o caminho fadado,
Ele dela é ignorado,
Ela para ele é ninguém.

Mas cada um cumpre o Destino -
Ela dormindo encantada,
Ele buscando-a sem tino
Pelo processo divino
Que faz existir a estrada.

E, se bem que seja obscuro
Tudo pela estrada fora,
E falso, ele vem seguro,
E vencendo estrada e muro,
Chega onde em sono ela mora,

E, inda tonto do que houvera,
À cabeça, em maresia,
Ergue a mão, e encontra hera,
E vê que ele mesmo era
A Princesa que dormia.
(Fernando Pessoa)

terça-feira, 13 de abril de 2010

A justiça é lenta, lentíssima, mas, às vezes, ...(texto)

Vitalmiro Bastos de Moura, o Bida, foi julgado pela 3ª vez. Após 15 horas de julgamento no fórum de Belém (PA), na noite desta segunda-feira (12), acusado de ter encomendado, em 2005, a morte da missionária Dorothy Stang pegou 30 anos de prisão em regime fechado.
Dorothy Stang foi executada com seis tiros em um assentamento em Anapu, no Pará.
Esse foi o terceiro julgamento de Bida. No primeiro, em 2007, ele foi condenado a 30 anos de prisão, mas teve direito a um novo júri. No segundo, foi absolvido, mas o Ministério Público recorreu da decisão e a Justiça anulou a sentença.
Bida teve a pena agravada pelo fato da vítima ser pessoa idosa. A tese defendida pela acusação foi de homicídio duplamente qualificado, praticado com promessa de recompensa, motivo torpe e uso de meios que impossibilitaram a defesa da vítima. Ele recebeu a sentença por volta de 23h40, e perrmanecerá preso no Centro de Recuperação do Coqueiro, em Belém.
Para o juiz, ele negou envolvimento no crime e se recusou a responder a perguntas dos promotores.
O início do julgamento de Bida atrasou em uma hora porque o advogado dele não compareceu e enviou outro representante. O novo advogado teria pedido um prazo ao juiz para se inteirar sobre o caso. O pedido foi negado.
Vários religiosos e camponeses que conviveram com a irmã Dorothy viajaram para Belém para acompanhar o julgamento. O irmão da missionária também saiu dos Estados Unidos e está no Brasil para acompanhar o caso.
Quatro testemunhas de acusação foram ouvidas de manhã. Segundo o Tribunal de Justiça do Estado do Pará, o primeiro depoimento foi de Roberta Lee Spires, conhecida como irmã Rebeca, que falou sobre o trabalho desenvolvido por Dorothy.
O juiz, a acusação e a defesa também ouviram a defensora pública Eliana Vasconcelos (que atuou na defesa de outro acusado de envolvimento no crime), o agricultor Gabriel do Nascimento (que trabalhou com a missionária) e o delegado da Polícia Federal Ualame Machado (que investigou o caso).
O quinto e último réu no processo, Regivaldo Galvão, será julgado em sessão marcada para o dia 30 de abril deste ano.

segunda-feira, 12 de abril de 2010

Pequenas conquistas, grandes espaços (texto)

Tenho postado aqui, com certa frequência, assuntos sobre as perdas e as conquistas da comunidade  Lésbicas, Gays, Bissexuais, Transexuais e Transgêneros (LGBTT). Acho que se eu fosse produzir estatística sobre esses posts, quero dizer, se houve mais textos que se relacionavam às perdas ou às conquistas, acredito que, pela lentidão como tudo acontece aqui no país e no mundo em torno da sexualidade humana, dos direitos dos homossexuais etc., teríamos, ainda que a passos curtos, mais ganhos do que perdas. Ganhamos todos quando os direitos de minorias são reconhecidos! Não tenho dúvida.
O movimento feminista, por exemplo, contribuiu muito para que outros movimentos de liberdade e direitos pudessem tb requerer seus espaços.
Semana passada o G1 (portal da Globo) publicou matéria sobre o 3° casamento gay, e o 1° entre mulheres na Argentina. Pode, em princípio, parecer pouco (e é), no entanto sabemos o quanto é complicado um passo adiante quando o tema é sexualidade/homossexualidade. Basta pensar o tempo em que o projeto de lei sobre a criminalização da homofobia (PLC 122/2006) está tramitando (por falta de palavra que signifique estagnação) no Senado (o projeto foi aprovado em novembro de 2006  por consenso de líderes na Câmara dos Deputados e continua sendo barrado, sobretudo pela bancada evangélica).
Os senadores MAGNO MALTA (PR/ES) e MARCELO CRIVELLA (PRB/RJ) são os maiores opositores do processo de votação do projeto. Requerem audiências públicas sem data definida para protelar ainda mais a discussão e a decisão dos senadores.
A vitória terá um gosto muito mais doce do que eles podem imaginar. É só esperar!
É importante escrever tb que o projeto beneficiará outros segmentos da sociedade. Ele amplia a Lei n° 7.716/1989, tipificando como crime tb o preconceito e a discriminação de origem, condição de pessoas idosa ou com deficiência, gênero, sexo, orientação sexual ou identidade de gênero.
O PLC é um projeto contra o preconceito. E preconceito é burrice e, no nosso, caso, CRIME, porque, segundo o Grupo Gay da Bahia há, pelo menos, um assassinato por dia motivado por questões sexuais aqui no Brasil.


sábado, 10 de abril de 2010

A Vacina e as criancinhas (texto)

Acabei tomando a vacina contra a gripe H1N1, ainda que algumas pessoas tivessem me desencorajado. Ainda que eu tivesse recebido diversos e-mails relatando problemas com ela. Por enquanto estou vivo, sem nenhuma reação: não virei um porco, não estou chafurdando, não tenho doses cavalares de mercúrio correndo no meu corpo, não adquiri a gripe minutos depois de me vacinar, e acho, apenas, que estou livre dela.
Mas aproveitei a oportunidade para aterrorizar as criancinhas (e adultos tb) que estavam na fila depois de mim. É claro que não senti nenhuma dor e tudo foi tão rápido que antes mesmo que eu me desse conta, já estava com um chumaço de algodão embebido em álcool sobre o furinho que a agulhada fez (mas só eu sabia disso, as pessoas na fila não).
Aí quando saí da sala, fiz aquela cara de dor, entortei o pescoço e comecei a mancar , não me esqueci de uma das mãos sobre o braço perfurado pela agulha de vacinar hipopótamo (a mão sobre a ferida produz um grande impacto porque não se vê o que está sob ela). É claro que não dava para fazer mais malabarismos porque os pais podiam reagir de uma forma violenta e eu não estava ali para apanhar, sobretudo naquele personagem fragilizado pela dor.
Um pequeno burburinho iniciou-se com a minha passagem. Só não ouvi, para minha tristeza, crianças chorando, mas caras em pânico sim. Não tive tempo para me arrepender ainda, mas não descarto a possibilidade.

sexta-feira, 9 de abril de 2010

Nota de esclarecimento (texto)

Se alguém ainda tinha alguma dúvida:
Nós, moradores de favelas de Niterói, fomos duramente atingidos por uma tragédia de grandes dimensões. Essa tragédia, mais do que resultado das chuvas, foi causada pela omissão do poder público.  A prefeitura de Niterói investe em obras milionárias para enfeitar a cidade e não faz as obras de infra-estrutura que poderiam salvar vidas.  As comunidades de Niterói estão abandonadas à sua própria sorte.
Enquanto isso, com a conivência do poder público, a especulação imobiliária depreda o meio ambiente, ocupa o solo urbano de modo desordenado e submete toda a população à sua ganância.
Quando ainda escavamos a terra com nossas mãos para retirarmos os corpos das dezenas de mortos nos deslizamentos, ouvimos o prefeito Jorge Roberto Silveira, o secretário de obras Mocarzel, o governador Sérgio Cabral e o presidente Lula colocarem em nossas costas a culpa pela tragédia. Estamos indignados, revoltados e recusamos essa culpa. Nossa dor está sendo usada para legitimar os projetos de remoção e retirar o nosso direito à cidade.
Nós, favelados, somos parte da cidade e a construímos com nossas mãos e nosso suor. Não podemos ser culpados por sofrermos com décadas de abandono, por sermos vítimas da brutal desigualdade social brasileira e de um modelo urbano excludente. Os que nos culpam, justamente no momento em que mais precisamos de apoio e solidariedade, jamais souberam o que é perder sua casa, seus pertences, sua vida e sua história em situações como a que vivemos agora.
Nossa indignação é ainda maior que nossa tristeza e, em respeito à nossa dor, exigimos o retratamento imediato das autoridades públicas.
Ao invés de declarações que culpam a chuva ou os mortos, queremos o compromisso com políticas públicas que nos respeitem como cidadãos e seres humanos.

Comitê de Mobilização e Solidariedade das Favelas de Niterói
Associação de Moradores do Morro do Estado
Associação de Moradores do Morro da Chácara
SINDSPREV/RJ
SEPE – Niterói
SINTUFF
DCE-UFF
Mandato do vereador Renatinho (PSOL)
Mandato do deputado estadual Marcelo Freixo (PSOL)
Associação dos Profissionais e Amigos do Funk (APAFUNK)
Movimento Direito pra Quem
Coletivo do Curso de Formação de Agentes Culturais Populares

quinta-feira, 8 de abril de 2010

Passagem fria (texto)

Estou em Curitiba para uns exames de saúde. Está um frio insuportável por aqui. É claro que já passei por dias mais frios, mais casacos, menos rua etc., mas não consigo me conformar com temperaturas tão baixas. Meu humor, que já não anda lá essas coisas, desce a ladeira
O bom de estar por aqui e poder reencontrar os amigos. Fazia tempo que eu não dava as caras na cidade. Acho que desde janeiro numa passagem superrápida para uma festa e um encontro com uns amigos que moram bem longe, mas estavam no país.
(...)
As primeiras notícias não são boas, mas vou aguardar mais um pouco para comentá-las. Acabei de saber que um amigo morreu, depois de uma semana internado com H1N1. Um cara especial. Um sorriso contagiante e uma educação de fazer inveja.
Como tenho me impressionado com a morte e esbarrado nela. Acho que ando mais atento. Ou ando mesmo mais velho e, inevitavemente, não se tem mesmo para onde ir.  No caso deste amigo, a situação é outra, ele era mais jovem, 31 anos apenas. Uma fatalidade, sei lá.
Aproveitei tb a passagem para comprar um livro indicado por uma amiga: "Sem nome" de Helder Macedo. Não o li, naturalmente; e dois CD´s: África Natividade de Sandra de Sá (ouvi dia desses no programa do Serginho Groisman) e o outro a trilha sonora do filme Alice no País das Maravilhas (de Tim Burton) que estreia no dia 21 de abril, este sem a indicação de ninguém e tb sem ouvir uma faixa sequer.
É isso, apenas para registrar  esta passagem fria pela capital.

quarta-feira, 7 de abril de 2010

A obviedade das chuvas (texto)

É demasiadamente triste ver as cenas de pessoas desesperadas em busca de possíveis sobreviventes depois da enchete que lavou o Estado do Rio de Janeiro. Pessoas que perderam filhos, mães, sobrinhos, tios, vizinhos, amigos além de bens materiais. Fiquei hoje, assim como ontem, desanimado diante de tanta miséria, do descaso de quem ganha dinheiro e tem por atribuição administrar a cidade. A velha conversa de que anos de abandono deixaram a cidade dessa maneira.
O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, fez parte de outras administrações da cidade. E tem a cara de pau de afirmar que "mais de uma década de descaso deixou a cidade do Rio no estado em que se encontra", como se não tivessa absolutamente nada a ver com esse descaso.
Tem culpa sim. É responsabilidade dele, porque é ele o prefeito da cidade, porque depende dele a fiscalização, porque é a prefeitura a responsável pela limpeza da cidade, a sua administração tem sim a obrigação de manter a cidade limpa.
Tanto choque de ordem serve pra quê? Promoção de uma prefeitura que pouco se importa com as coisas que realmente importam: a vida das pessoas.

terça-feira, 6 de abril de 2010

A chuva no Rio (texto)

Qualquer pessoa que não seja, naturalmente, governador, prefeito, deputado estadual, vereador, sabe que a geografia da Cidade do Rio de Janeiro, ou seja, uma cidade entre as montanhas e o mar, difilculta o escoamento das águas das chuvas. Não é preciso ser especialista no assunto. Eu, por exemplo, sou professor de português e sei disso muito antes de poder escolher os meus representates na cidade e no estado do Rio de Janeiro. Qualquer carioca, fluminense, sabe disso.
Todos nós sabemos tb que uma chuva de 24 horas não é nenhuma brincadeira, mas sabemos ainda porque moramos no Rio, que qualquer chuvisco de 15 minutos inunda a cidade.
Sabemos tb que essa geografia não é exclusividade dessa cidade. Sabemos, além disso, que quando NADA é feito, nenhuma providência é tomada, além de tudo o que se faz quando as mesmas catástrofes assolam a cidade (sobrevoar, decretar luto oficial, acusar os moradores das favelas de jogarem lixos na rua etc. e tal), as cenas serão sempre as mesmas.
Em janeiro deste ano, dezenas de pessoas morreram em virtude das chuvas que atingiram O Estado do Rio de Janeiro. Novamente as mesmas cenas se repetem. 
"A chuva é uma obviedade, não é uma novidade. A chuva anômala, catastrófica, também, pois temos uma longa história de tragédias como as destes dias (...) O descaso que causa as tragédias quando a chuva é catastrófica é um corolário dessa surpresa sempre repetida. (...) todas as vezes que chove nossas vidas são transtornadas como se fosse a primeira vez.
O problema do Brasil não é que as coisas não tenham precedentes. Há precedentes para tudo que nos aflige. O problema é que os precedentes não nos ensinam nada. Assim continuaremos reclamando que os esgotos pluviais não dão conta das grandes chuvaradas e precisam ser refeitos, até a inundação regredir e não se falar mais nisso. Continuaremos protestando contra construções em áreas perigosas até os deslizamentos pararem e o tempo melhorar, e esquecermos. E cada tragédia, como cada dia de chuva, será sempre como se fosse a primeira vez."

segunda-feira, 5 de abril de 2010

A Cigarra e a formiga (Textol)



Era uma vez, uma formiguinha e uma cigarra muito amigas. Durante todo o outono, a formiguinha trabalhou sem parar, armazenando comida para o período de inverno.
Não aproveitou nada do sol, da brisa suave do fim da tarde e nem o bate-papo com os amigos ao final do trabalho tomando uma cervejinha gelada. Seu nome era "Trabalho", e seu sobrenome era "Sempre".
Enquanto isso, a cigarra só queria saber de cantar nas rodas de amigos e nos bares da cidade; não desperdiçou nem um minuto sequer. Cantou durante todo o outono, dançou, aproveitou o sol, curtiu prá valer sem se preocupar com o inverno que estava por vir. Então, passados alguns dias, começou a esfriar. Era o inverno que estava começando.
A formiguinha, exausta de tanto trabalhar, entrou para a sua singela e aconchegante toca, repleta de comida. Mas alguém chamava por seu nome, do lado de fora da toca. Quando abriu a porta para ver quem era, ficou surpresa com o que viu. Sua amiga cigarra estava dentro de uma Ferrari amarela com um aconchegante casaco de vison. E a cigarra disse para a formiguinha:
- Olá, amiga, vou passar o inverno em Paris.
- Será que você poderia cuidar da minha toca?
- E a formiguinha respondeu:
- Claro, sem problemas!
- Mas o que lhe aconteceu?
- Como você conseguiu dinheiro para ir a Paris e comprar esta Ferrari?
E a cigarra respondeu:
Imagine você que eu estava cantando em um bar na semana passada e um produtor gostou da minha voz. Fechei um contrato de seis meses para fazer show na Cidade Luz...
A propósito, a amiga deseja alguma coisa de lá?
Desejo sim, respondeu a formiguinha.
Se você encontrar por lá um tal de La Fontaine, manda ele ir para a
'Puta Que O Pariu!!!'

domingo, 4 de abril de 2010

As minhas implicâncias (texto)

Sou implicante mesmo. Implico com as celebridades que são produzidas aos montes e sobrevivem, quiçá, a uma temporada. Implico tb com os agroboys que passam a toda velocidade na rua, na cidade onde eu moro ouvindo música sertaneja no último volume (nada contra a música, mas ao volume), com gente que acaba de comer e enfia palito de dente na boca ou fica chupando os dentes. Implico tb com gente que joga lixo no chão, gente que não diz "bom dia", gente que não sabe a diferença entre público e privado, gente que vai ao cinema para conversar. Gente que não respeita fila. Gente que acha normal chegar atrasado etc etc etc etc e tal.
Como se pode perceber estou a cada dia mais implicante. Agora, não tenho suportado aquela mãozinha em forma de coração que se faz quando se é fotografado. Meu deus, o que é isso? Que coisinha mais brega! O que será que passa pela cabeça de alguém que  diante do fotógrafo faz esse gesto?

sábado, 3 de abril de 2010

Um passado (texto)

O passado não existe, quero dizer, não empiricamente. Ele é reiventando à medida que se esbarra nele, é reconstruído pelas histórias que se contam, mas de fato ele não está em lugar algum. Ando, faz alguns meses, querendo reencontrar um passado, às vezes distante demais, às vezes logo ali, mas não consigo, porque é um jogo que se inicia já perdido.
Nenhuma história fica congelada. O tempo é dinâmico e toca os atores de maneira distinta. Não escrevo aqui me baseando em nada, apenas sinto. Não tenho nenhuma pretensão em teorizar a memória, o passado, a história pessoal, mas, como vivo, tenho sensações que me permitem escrever.
Não é um desinteresse pelo presente ou uma resistência ao futuro. Mesmo. Até porque o tempo que será, já foi, se já foi é passado, se é não é mais e assim por diante.
Eu não quero repeti-lo (refiro-me ao passado), não quero acordá-lo, não o quero de volta. Mas me sinto, certas vezes, sem história. Parece que falta referência. Há um grande vazio que queria poder explicar, e não consigo, não posso.

sexta-feira, 2 de abril de 2010

Feriado (texto)

Estamos em recesso desde quinta-feira. Muito bom não precisar ir à universidade. Não tem nada a ver com não trabalhar, hoje mesmo tenho coisas do trabalho para fazer. Ontem, não fiz absolutamente nada. Aproveitei o dia para dar uma volta no centro porque nunca dá tempo já que estamos trabalhando o dia inteiro e aos sábados o movimento é outro.
A semana foi boa: conversa com antigos amigos, papo com o Paolo, ligação rápida para Nanci (que preparava a páscoa para os meninos). Não sei bem o que vou fazer já que os amigos viajaram. Não quis viajar e por isso vou ter que inventar algum programa. A vida no interior não é muito fácil quando o assunto é inventar coisas para fazer. Acostuma-se.

quinta-feira, 1 de abril de 2010

Piada: dia internacional do homem (texto)

Não faz sentindo algum um dia Internacional do Homem, dias comemorativos remetem quase sempre a lutas por espaço, a reconhecimento, a direitos civis, a direitos políticos etc. Numa sociedade machista como a nossa um dia para se comemorar o dia do homem seria tão importante quando um dia Internacional do Tênis número 43. Bobagem pura. Sentido nenhum. O homem não precisa de um dia para lutar contra a repressão, humilhação, diferença no tratamento. 
Só poderíamos mesmo comemorar isso num dia Internacional da Mentira!

O serviço público (texto)

E como tudo tem sempre um outro lado, há tb no Serviço Público (SP), e todos sabemos disso, ilhas de excelências em prestação de serviço em todos os níveis, diga-se de passagem. Mesmo porque  se consegue driblar a estrutura, quase sempre precária, e oferecer um atendimento de primeira. Tenho vários exemplos de SP que funciona: a Fundação Oswaldo Cruz, em Manguinhos, no Rio de Janeiro, é um bom exemplo para se pensar nesse SP que produz com qualidade. Lá existe a cultura da equipe, ou seja,  na senhora da limpeza  que compreende como essa cultura deve funcionar até o pesquisador empenhado na novas descobertas.
Quando se trabalha por uma causa: educação, saúde pública, talvez o SP, finalmente, tenha encontrado a sua função e nessas áreas, sobretudo, ele (ainda que precariamente estruturado) produz. Concentra-se nas universidades públicas a maioria das pesquisas  brasileiras, nestas tb há o ensino de qualidade (não se buscar entrar numa instituição pública apenas porque não se paga) porque se investe na formação do professor e isso se reflete em sala de aula: a pesquisa a serviço do ensino.
Além disso, o foco do SP é sempre o coletivo, não devendo funcionar por conta de interesses individuas.