quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Retro-Perspectivas

De longe 2012 não foi o ano mais produtivo aqui no Do Avesso. Dei uma olhada geral em relação aos 3 anos anteriores e, de cara, vi que não cheguei nem perto dos 239 textos de 2011 (um ano que já foi pequeno se comparado aos dois anteriores, 2010 e 2009). 
Foram apenas 185 textos neste ano. Consequência do ano barra pesada em se tratando de trabalho forçado na universidade. Pude perceber tb, durante esta olhada geral, que venho perdendo o fôlego: 2011 (239)  2010 (347) e em  2009 (421) em relação às postagens por aqui.
Natural, acho. Mais trabalho, menos tempo para escrever. Nos três primeiros meses deste ano, até que escrevi bastante (escrever tb significa postar textos de outros, postar músicas, fotografias, enfim postagens diversas que não apenas textos meus) foram, respectivamente, 29, 22 e 27 postagens. Um bom começo. Depois degringolou de vez, até que em outubro e novembro parece que não estive por aqui: 2 e 4 postagens, apenas. Vergonha total!!!!
Paciência. Espero que eu possa cantar em 2013: "Este ano não vai ser igual àquele que passou..." 
Os comentários tb foram em menor número. Apenas as visualizações se mantiveram no mesmo patamar mesmo com menos postagens. Salve os amigos que por aqui passaram!
Nada é perfeito! Este ano viajei mais, escrevi mais textos acadêmicos, participei de mais eventos e por isso acabei deixando um pouco de lado aquele prazer de escrever apenas por escrever.
De qualquer forma, desejo a todos um 2013 cheio de sorte em todos os sentidos . Beijos e abraços em todos!!!

domingo, 23 de dezembro de 2012

Pros amigos... (texto)

Quase natal, quase ano novo. Eu? Finalmente de férias!!! E, vale dizer, merecidas. 2012 foi um ano de trabalho, foi um ano de conquistas profissionais, foi um ano de viagens, de novas amizades, de conclusões e de perspectivas, de novas possibilidades, de sonho tb. 
Aos poucos, 2012 foi me mostrando que nem sempre água mole em pedra dura... que cada um é que sabe a delícia e a dor de ser o que é, que o que é nosso tá guardado.
De férias, depois de dormir muito por quase dois dias, preciso dizer aqui que desejo aos amigos um ano novo cheio de alegrias. Que a gente tenha trabalho, mas que a gente tb possa descansar. Pros amigos quero tudo, desejo tudo de melhor: amor, mega sena, viagens, risos, mais amigos, sorte, realizações.
Pros nem tanto amigos, desejo aquilo que eles merecem. E aí tiro o meu da reta, porque se merecem muito, terão muito e se não merecem tanto, terão, como merecem, o que fizerem por merecer.
Aos não-amigos, desejo distância. E assim, fica bom pra todo mundo! Não quero pedir nada...mas desejo saúde, amigos por perto, riso, realizações, dinheiro...se eu merecer...
Um grande Natal para quem por aqui passar...um Ano Novo novo, desses que faz brilhar os olhos.

domingo, 16 de dezembro de 2012

Esquenta!!!!

Que sou fã de Regina Casé, não é nenhuma novidade. Desde TV Pirata, passando pelo Programa Legal, Chico Anysio, as novelas, os outros programas humorísticos, o canal Futura (não nessa ordem, é claro!), enfim. 
Ela é uma marca registrada e por onde passa, onde põe a mão, se encontra um microfone aberto e tem algum tempo pra dizer alguma coisa, seja lá o que for, é sempre impactante, porque ela  (e não consigo imaginar que tudo aquilo não seja natural) tem carisma, tem o que dizer e, quando diz, faz diferença.
Faz tempo que estou querendo escrever aqui no blog um post sobre o Esquenta. Acho até que já escrevi alguma coisa quando da temporada passada, mas hoje, não me contive porque achei o programa exibido, agora à tarde, especial (16.12.2012).
Por mim, teríamos um Esquenta durante todas as estações, sem exceção, porque o programa faz diferença na TV aberta, na programação cultural. Ali encontramos informação compactada. Nem sei como ela consegue em tão pouco tempo trazer aquilo tudo, nos mostrar tanto. Ela mistura Maimi com Copacabana, Chiclete com Banana sem se perder, sem ser artificial, sem ser forçada.
Acho o programa a minha cara, ou seja, a cara de quem gosta de tudo-aqui-agora-ao-mesmo-tempo-junto-e-misturado. Gosto, demais, dessa embolada, dessa farofa, da favela no coração da zona sul, da zona sul na periferia, porque somos muito mais!!!
Gosto da menina bonita que tem o samba correndo nas veias, do surfista que curte um pagode, do funk que nos contamina, de todas as caras estampadas na Telinha da TV. Da Velha Guarda, do samba no pé, do sorriso Fafá-de-Belém, da salada e do churrasco, da piscina e da laje. Da maionese, da macorronese, enfim, de tudo aquilo que nos representa de alguma forma. Não somos tudo, mas somos alguma coisa nesse todo. O Esquete reflete e refrata quem somos, porque podemos ser isso: tudo.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Da Série Contos Mínimos

Tudo o que eu tinha coube em uma mala pequena: dois pares de sapatos, algumas camisas, meias, dois livros: um de Caio Fernando Abreu e A Cinza das Horas
Fui levando saudades e alegrias. Fui embora sem me despedir, sem abraços, sem tristezas.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

O Fortão da Paulista* (Marcelo Coelho)

Não é acaso que tantos ataques a homossexuais tenham acontecido várias vezes na avenida Paulista

O trânsito ali sempre é complicado, mas à noite, com as decorações natalinas, fico pensando se não seria o caso de interditar a avenida Paulista de uma vez.

Estando todos avisados que depois de certo horário só a circulação de pedestres é permitida, pelo menos diminuirá o número dos desesperados que, dentro do carro, esperavam chegar em tempo a seu destino, sem saber que a rua se tornou mais uma atração turística do que um meio racional de circulação.

O passeio pode ser simpático. Puseram árvores de luzinhas que fogem ao esquema habitual. Em vez de troncos com as lâmpadas chinesas enroladas em volta, surgiram espetos de tamanho médio, que durante o dia não se percebem muito, mas à noite se ganham o aspecto de magra e invernal vegetação iluminada.

Crianças pequenas tiram fotos com os pais, passadas as 23h. Adultos descansam sentados em parapeitos, a meio do longo trajeto. Andando por ali, tive sentimentos contraditórios.

Nunca passei o Natal fora do país, mas aquilo podia até ser parecido com Nova York, ou quem sabe Milwaukee. Estava tudo bem até eu ver três garotões de preto, cheios de tachinhas e pulseiras, sem o menor ar de admiração pelos trenós e presépios em volta.

Sosseguei ao ver que havia um carro de polícia estacionado logo ali. Pensei melhor, identificando os garotos mais com alguma vertente punk do que com neonazistas ou assassinos de homossexuais.

Bem à minha frente, dois jovens japoneses pareciam tomar conhecimento com a Paulista pela primeira vez, e temi pelo que pudesse acontecer com eles.

Algo está certamente errado com um lugar onde, ao mesmo tempo, crianças pequenas apontam para imagens de Papai Noel e homossexuais podem ser espancados e mortos à vista de todo mundo -das crianças inclusive.

Certamente, ataques aos gays existem em qualquer parte da cidade, mas não é casual que episódios desse tipo tenham acontecido várias vezes na avenida Paulista.

Provavelmente, o homofóbico faz questão de tornar especialmente pública a sua ação. Viu que na Paulista, na passeata do orgulho gay, existem muito mais membros dessa tribo do que ele próprio pensava.

O poder de centenas de milhares de gays o intimida. Se existem tantos, que será de mim? É claro que, lá no fundo, ele pensa: "quando chegará a minha vez?".

Pois bem, passado o trauma da multidão, ele gostaria que a avenida voltasse ao normal. Um dia de tolerância aos gays não quer dizer que no resto do tempo a homossexualidade esteja permitida.

É como o machão que, certa vez na infância, no campinho de futebol, bem, você sabe... Mas ele é totalmente heterossexual, claro.

Dizem os alemães que uma vez é igual a vez nenhuma: "einmal ist keinmal". Certo, um dia por ano admite-se a festa do orgulho gay. Cabe ao homofóbico destruir, então, qualquer vestígio do que aconteceu.

Não inovo ao dizer que o fortão da avenida Paulista quer destruir, acima de tudo, o seu próprio medo de ter desejos homossexuais. Procura ingerir a heterossexualidade junto com os anabolizantes.

Deveria pensar que a heterossexualidade, como a dimensão dos músculos, é uma questão de grau.

Um dos sujeitos mais heterossexuais que conheci considerava que, depois dos 40 anos, ter barriga é desejável. Mais do que isso, a ausência de barriga chegava a lhe parecer um bocado suspeita.

Há quem vá além. Soube de um cidadão que, mesmo nos transes da adolescência, nunca teve interesse em se masturbar. "Meu negócio é mulher", dizia ele. E o onanismo, pensando bem, não deixa de ser uma forma de obter prazer com alguém do mesmo sexo.

Que dizer, ademais, de um homem que faz questão de sair com mulheres bonitas? É o que quer a maioria; enquanto isso, muitas mulheres não ligam para a feiura dos companheiros.

Concluo que as mulheres, provavelmente, são mais heterossexuais do que os homens -tão ligados, afinal, em frescuras estéticas, enjoamentos, exigências e minúcias.

Como é que aquele gay, pensa o homofóbico da Paulista, pode ser mais bonito do que eu? Surge o impulso agressivo. Ele volta, depois, à academia de ginástica. O espelho, ali, reflete a sua imagem. Ele é a madrasta de Branca de Neve. Que as luzes do Natal não iluminem seu desfile pela Paulista. 

Folha de São Paulo - Ilustrada - 12 de dezembro de 2012

sábado, 8 de dezembro de 2012

Não dá para insistir com o tempo, ele tem as seus meios, suas regras e organização para sair de onde está e chegar em outro lugar, estou me referindo, é claro, aos dias que "não passam".
Todos os dias, assim que acordo, penso no tanto que falta para as férias chegarem: são 13 dias para eu estar, finalmente, no Rio e não pensar, pelo menos por uns dias, em trabalho.
Como eu disse em um post anterior, fico por aqui, me organizando de forma que eu elimine, a cada dia, o que falta fazer.
Dia desses, eu descobri que me enfiaram e mais uma atividade no dia 17 de dezembro. Será possível isso?! Não bastasse tudo que eu preciso finalizar, ainda tem um teste seletivo pra encarar. Tudo pela universidade, aff.
Amanhã, a segunda etapa do vestibular. Segunda, uma banca de mestrado pela manhã e à tarde reunião na Pró-Reitoria, terça-feira, atividades internas na universidade, quarta, espero finalizar uma prova para um concurso externo, quinta, uma viagem curta e e sábado de volta a Cascavel. Segunda-feira, 17, o tal teste seletivo e, depois disso, me organizar para a viagem de férias (espero que não inventem nada mais para fazer).

quarta-feira, 5 de dezembro de 2012

Alguma coisa (texto)

Comprei o CD duplo de Maria Rita, Redescobrir. É uma homenagem à Elis Regina, sua mãe. Mas não vou escrever sobre o CD. Não pelo menos agora, quem sabe num outro post.
Ele, o CD,  me lembra a minha mãe e por isso ando um pouco triste. Bateu uma saudade daquelas!!!
Além disso, fim de ano, natal, viagem para o Rio, aniversário dela se aproximando, meu aniversário bem perto, tudo isso reforça a sua ausência. Hoje à noite, quase agora, meu padrasto me ligou, e outra vez senti aquela sensação de que "alguma coisa" tinha acontecido. Ele nunca me liga à noite. Nunca. E aí quando tocou, inda mais o celular, já fiquei tenso, mas não era "alguma coisa", era apenas para saber quando eu chegava no Rio. Ufa!!!
O que eu queria mesmo para esses dias era ter a certeza de que consegui finalizar todas as atividades do ano, mas a impressão que eu tenho é que mesmo depois do fim do mundo, previsto para o próximo dia 21, eu tenha ainda um bônus de atividades para concluir.
Pior disso tudo é que tenho certeza, porque para concluir o meu trabalho eu preciso do trabalho dos outros (aquela antiga fórmular continua valendo: se eu não entrego no dia combinado, vc não entrega no dia combinado e o dia combinado fica descombinado), que não vou fechar o ano como eu gostaria, ou seja, com tempo suficiente para pensar na viagem de fim de ano. Bem, não vou sofrer antecipadamente.
Hoje estou com um cansaço de outra vida. Acordei cedo, apliquei a prova de Exame, corrigi, fechei os diários (minto, ainda restam as faltas) e agora à tarde me concentrei em outras atividades.
Estou usando um calendário da seguinte forma, a cada dia excluo um dia com base nas atividades finalizadas. Estou ainda no dia 1º de dezembro.
Bem, como o tempo do trabalho não é o mesmo tempo da vida real, espero conseguir, por esses dias, fazer com que eles se encontrem.

terça-feira, 4 de dezembro de 2012

Quase lá... (texto)

Fim de ano é realmente um período cheio de atividades que devem ser concluídas. Não há uma alma (as vivas, pelo menos) que eu encontre e que eu pergunte sobre as férias que não me diz estar ainda até o pescoço de relatórios, provas, diários, notas, exames, para fechar.
Eu, por dia, revejo o que está faltando para fechar o ano acadêmico: 3 diários, a segunda fase do vestibular, um concurso externo, são essas as atividades que preciso dar conta até o dia 21 de dezembro.
Hoje, por exemplo, fechei as faltas e presenças, inseri as notas dos 4 bimestres (nos diários), enviei ao colegiado o pedido de 2 monitorias para o próximo ano, conversei rapidinho com a minha coordenadora sobre a viagem a Portugal em fevereiro. Antes de sair da univ. a Pró-reitora me chamou para um pequeno papo sobre um possível vestibular(zinho) para o próximo ano (já me arrepiei).
Ah, tem ainda uma defesa de mestrado na próxima segunda-feira (vamos lá, Luiz!!!).
E assim vou até sabe deus quando.
Tá tão corrido que mal tenho tido tempo de passar aqui. Fiquei pensando que aquela proposta de escrever por prazer foi deixada de lado em virtude do cansaço. Quem tem alguma ideia com a agenda tão cheia de compromissos?
Achei de verdade que a ida para Santa Maria fosse o meu último compromisso... na verdade, Santa Maria foi o último prazer do ano (por enquanto), em termos profissionais.
Blz. Vamos em frente!