domingo, 26 de agosto de 2012

Tango pra Teresa (Evaldo Gouveia/Jair Amorim)


Hoje, alguém pôs a rodar Um disco de Gardel 
No apartamento junto ao meu 
Que tristeza me deu
Era todo o passado lindo 

A mocidade vindo 
Na parede a me dizer 
Para eu sofrer
Trago a vida agora calma 

Um tango dentro d'alma 
A velha história de um amor 
Que no tempo ficou
Garçom, põe a cerveja sobre a mesa 

Bandoneon, toque de novo que 
Teresa 
Esta noite vai ser minha e vai dançar
 Para eu sonhar
A luz do cabaré Já se apagou em mim 

O tango na vitrola 
 Também chegou ao fim
Parece me dizer  

Que a noite envelheceu 
Que é hora de lembrar E de chorar

sábado, 25 de agosto de 2012

Quem ama não "mata" (texto)

"Matei por amor". Foi o que disse em sua defesa, o playboy conhecido por Doca Street, quando foi preso depois de matar em Búzios, em 1976, a socialite Ângela Diniz.
Derrubando a reles defesa, as mulheres conseguiram inscrever na história e colocar nas primeiras páginas de todos os jornais da época, a frase: "quem ama não mata." 
Ela ficou famosa, e foi título de minissérie da TV em 1982, peças teatrais, discussões em colunas sentimentais, e até tema de tese de doutorado.
Schopenhauer afirmou que "todo amor que não é compaixão é amor-próprio". Não dá, né (?), para, em nome do amor, justificar as nossas atitudes? Sobretudo se elas são egoístas.
"Eu te bato porque eu te amo", ou ainda, "eu te traí porque eu te amo".
Obrigado, mas não quero um amor desse jeito. Em nome do amor, devíamos pensar antes de agir. Quando a gente ama alguém a gente deveria pensar em como o outro se sentiria diante do que a gente vai fazer.
Não é assim que a gente age quando compra um presente para alguém? A gente se coloca no lugar dela(e) e pensa na felicidade do outro, com a boa surpresa. Isso é amor!
O amor não é imune. Ele não está acima de tudo ou compreende qualquer coisa. O amor não é cego. Aprendi com o Erik (um grande amigo) que a gente não tem todo o tempo do mundo para resolver os nossos conflitos, porque as pessoas não estão a nossa disposição.

Perfume Siamês (Altay Veloso/Paulo Feital)


Perfume Siamês

Mas que prazer te rever, que bom te encontrar
Ah! Nesses anos a vida te fez remoçar
Não, não precisa fingir, nunca foi o teu forte fingir pra agradar
Pra mim o tempo passou, mas vamos sentar e sair da calçada
Sem colarinho e com fé, que é pra gente esquentar
Uma porção de filé e um conhaque do bar
Não, nunca vou me mudar, é a mesma casinha onde fomos morar
vê se vai me visitar, as coisas continuam no mesmo lugar
O salgueiro que você plantou
De chorar quase morreu, resistiu e cresceu
Mas o cão adoeceu, sentiu sua falta demais
E a roseira lá de trás, deu rosa e concebeu, sem espinhos uma flor
que tem seu cheiro e o meu.
Garçom me traga mais dois que é pra comemorar
Traz um traçado depois que é pro santo agradar
Não, não perdi a mania, ainda durmo fumando
Ainda queimo o colchão
Claro que lembro do dia, em que quase morri
E ninguém me acordava.
Nossos retratos de amor, eu não pude rasgar
Quando você se casou, pensei em me matar
Tua loucura foi tanta, casar por vingança só mesmo você
Mas não perdi a esperança
As coisas continuam no mesmo lugar
O salgueiro que você plantou
De chorar quase morreu, resistiu e cresceu
Mas o cão adoeceu, sentiu sua falta demais
E a roseira lá de trás, deu rosa e concebeu, sem espinhos uma flor
que tem seu cheiro e o meu.
Pede a conta, meu amor
E volta pro que é teu.

sexta-feira, 24 de agosto de 2012

Mil perdões (Chico Buarque)


Mil Perdões

Te perdoo

Por fazeres mil perguntas
Que em vidas que andam juntas
Ninguém faz
Te perdoo
Por pedires perdão
Por me amares demais

Te perdoo

Te perdoo por ligares
Pra todos os lugares
De onde eu vim
Te perdoo
Por ergueres a mão
Por bateres em mim

Te perdoo

Quando anseio pelo instante de sair
E rodar exuberante
E me perder de ti
Te perdoo
Por quereres me ver
Aprendendo a mentir (te mentir, te mentir)

Te perdoo

Por contares minhas horas
Nas minhas demoras por aí
Te perdoo
Te perdoo porque choras
Quando eu choro de rir
Te perdoo
Por te trair

quinta-feira, 23 de agosto de 2012

Por que eu escrevo?

Escrevo por não ter nada a fazer no mundo: sobrei e não há lugar para mim na terra dos homens. Escrevo porque sou um desesperado e estou cansado, não suporto mais a rotina de me ser e se não fosse sempre a novidade que é escrever, eu me morreria simbolicamente todos os dias.
 
Clarice Lispector
Eu tenho algumas manias, por exemplo, não consigo estudar se  a casa estiver desarrumada. Tudo bem, isto não é mania é transtorno obsessivo compulsivo (TOC), tenho que assumir.
Mas eu queria mesmo era falar de uma mania que adquiri em virtude do uso da internet: eu não posso ler um nome próprio que tenho que procurá-lo no google. 
Só para ter uma ideia dessa nova tara:  se estou lendo alguma notícia e nela aparece algum nome (completo), preciso imediatamente fazer uma busca nas redes sociais ou nas páginas do Google. Por exemplo, acabei de ler uma notícia no G1 sobre dois irmãos de Ohio, Estados Unidos, que tiveram a prisão pertétua decretada por terem assassinado um traficante de drogas em 1987. Fui atrás dos nomes dos dois irmãos. Em seguida, na mesma matéria, fui informado de que duas décadas e meia depois, uma mulher identificada como Mary Evans postou na rede social uma notícia sobre o ocorrido. Fui em busca tb desse nome.
O pior disso tudo é que eu não faço nada com o que encontro, preciso apenas buscar as informações  e me dou por satisfeito.
Dia desses a piração foi além do limite: estava eu relendo um texto teórico de análise de discurso (AD) francesa (O chapéu de Clémentis, de Jean-Jacques Courtine). Neste texto, o autor faz referência ao comunista Klement Gottwald e a uma fotografia cuja imagem é bastante significativa para a AD, fui atrás da tal fotografia até encontrá-la.
Não me sinto (muito) incomodado com essa necessidade, mas as vezes cansa.

O bandeirinha artilheiro (100 anos de Nelson Rodrigues)

Antigamente, o bandeirinha era um superfósforo apagado. Funcionava como uma espécie de gandula lateral. E era patético, era comovente, vê-lo correr atrás de uma bola e devolvê-la. Esse marmanjo, esse barbado tinha uma grandeza na humildade de suas funções. Com o profissionalismo, o bandeirinha passou a ter uma súbita importância. Na pior das hipóteses, era um gandula remunerado. Continuava correndo atrás da bola, mas estava ganhando 25 mil-réis por jogo.

Passa-se o tempo e, de uma maneira insidiosa, macia, o bandeirinha deixou de ser aquele são Francisco de alpercatas. Tinha voz ativa. Já não era recrutado entre os pés-rapados, os borra-botas do esporte. Vejamos: quem é o bandeirinha em nossos dias? Juízes de primeira categoria e, numa palavra, sujeitos qualificados, que entendem de futebol, de regra, que dão palpites a torto e a direito. Mas nunca, em toda a história do futebol carioca, brasileiro e mundial, houve um caso como o do Fla-Flu de anteontem.

Amigos, o cronista esportivo é o cidadão mais convencional do mundo. Quando um time vence outro, o cronista repete, textualmente, o que vem dizendo desde a Guerra do Paraguai: "Vitória merecida". Nunca lhe ocorreou a hipótese, ainda que tênue, ainda que vaga, de uma vitória imerecida. Não. E mesmo quando o derrotado apresenta muito mais jogo e foi traído por um golpe de azar, o comentarista de futebol fala na "maior objetividade do vencedor". Ainda agora, no último Fla-Flu, o jornalista especializado finge não perceber a superioridade tão nítida do Tricolor.

Por que venceu o Flamengo e por que perdeu o Fluminense? Para a imprensa, o Rubro-negro foi mais objetivo e dominou no segundo tempo. É, como se vê, a imagem desfigurada do clássico. Até uma zebra no Jardim Zoológico perceberia a influência capital que teve, no resultado, um dos bandeirinhas. Mas a crônica não toma conhecimento deste fato sem precedentes ou, melhor, não atribui a este fato inédito uma importância fundamental.

Amigos, pela primeira vez, em toda a minha experiência futebolística e, mais do que isso, em toda a minha experiência terrena, eu vejo um bandeirinha artilheiro! Pois foi o que aconteceu no Fla-Flu. Um bandeirinha decidiu o jogo e com que tranqüila e arrepiante desenvoltura! Segundo o meu colega Nei Bianchi, o simpático auxiliar de juiz tem o apelido de "Caixa Econômica". Ele é "Caixa Econômica", como poderia ser "Banco de Crédito Real de Minas Gerais", "Banco Boavista S.A.", "Prolar".

Muita gente não foi ao campo e não pode formar uma idéia, mesmo aproximada, do que aconteceu. O fato é que, em dado momento, a bola chega ao bandeirinha e do bandeirinha parte para um jogador do Flamengo. O gol resultou, só e só, dessa intervenção que eu chamaria de sobrenatural. Toda a imprensa, com uma erudição marota, diz que, como o juiz, o bandeirinha é ponto morto. Ora, meus amigos, o senso comum é o que há de mais incomum. Porque se o árbitro da peleja possuísse um pingo de senso comum, teria achado o fato estranhíssimo. Das duas, uma: ou o bandeirinha estava fora do campo e a bola saiu, ou estava dentro do campo e, nesse caso, vamos perguntar: Por quê, senhores, Por quê?

Amigos, vamos falar de coração para coração, de consciência para consciência. Os jornais passam por alto sobre o episódio, citam o bandeirinha como um detalhe. Não entra na cabeça dos meus confrades que o bandeirinha não está ali para passear dentro do campo. O juiz é ponto morto porque está obrigado, funcionalmente, a permanecer no coração mesmo do jogo. Mas o bandeirinha que, sem quê, nem para quê, entra em campo e serve de tabela, está praticando uma óbvia, uma clara, uma escandalosa ilegalidade. Escrevem os meus confrades que a lei não menciona a hipótese. E daí? Não menciona, porque a coisa é evidente por si mesma.

Na ocasião, o Flamengo estava vencendo por 1x0, graças a um tiro de Henrique, desferido com incrível felicidade. Mas o Fluminense, muito bem armado, seguro de si e do jogo, perseguia o empate. E, súbito, vem o magistralíssimo passe do bandeirinha, passe tão exato, preciso, perfeito, que faria Didi, ou Zizinho, ou Domingos da Guia estourar de inveja. Enfim, uma coisa é certa: se as coisas continuam assim, hei de ver, em futuro próximo, bandeirinhas cobrarem pênaltis e correrem, com Pelé, no páreo dos artilheiros.

Nelson Rodrigues, 1959

quarta-feira, 22 de agosto de 2012

Fragmentos de um discurso amoroso (Roland Barthes)

Tento recordar teu rosto, nome. Curioso, como às vezes nos escapam os traços da pessoa amada. Situo-te num passado já distante. Não te imagino num presente. De ti resta-me o que foste comigo. E foste-me ternura e descoberta do meu corpo, de minhas mãos até então inábeis que ensinaste a acariciar teus cabelos, a sentir teu corpo; e ainda descoberta de que a minha voz tinha um sentido para além de sons mais ou menos indistintos e vagos.

(...) Foram precisos muitos acasos, muitas coincidências surpreendentes (e talvez muitas procuras), para que eu encontre a Imagem que, entre mil, convém ao meu desejo. Eis um grande enigma do qual nunca terei a solução: por que desejo Esse? Por que o desejo por tanto tempo, languidamente?...

Todos os “fracassos” de amor se parecem (procedem todos da mesma falha). X... e Y... não souberam (puderam, quiseram) responder ao meu “pedido”, aderir à minha “verdade”; para mim, um não fez senão repetir o outro. E, entretanto, X... e Y... são incomparáveis.

A errância amorosa tem seus lados cômicos: parece um balé, mais ou menos rápido conforme a velocidade do sujeito infiel; mas é Wagner também uma grande ópera. O Holandês maldito é condenado a errar sobre o mar até encontrar uma mulher de uma fidelidade eterna. Sou esse Holandês Voador; não posso parar de errar (de amar) por causa de uma antiga marca que me destinou, nos tempos remotos da minha infância profunda, ao deus Imaginário, que me afligiu de uma compulsão de fala que me leva a dizer “Eu te amo”, de escala em escala, até que qualquer outro escolha essa fala e a devolva a mim; mas ninguém pode assumir a resposta impossível (que completa de uma forma insustentável), e a errância continua. 

Como termina um amor? - O quê? Termina? Em suma ninguém - exceto os outros - nunca sabe disso; uma espécie de inocência mascara o fim dessa coisa concebida, afirmada, vivida como se fosse eterna. O que quer que se torne objeto amado, quer ele desapareça ou passe à região da Amizade, de qualquer maneira, eu não o vejo nem mesmo se dissipar: o amor que termina se afasta para um outro mundo como uma nave espacial que deixa de piscar: o ser amado ressoava como um clamor, de repente ei-lo sem brilho (o outro nunca desaparece quando e como se esperava). Esse fenômeno resulta de uma imposição do discurso amoroso: eu mesmo (sujeito enamorado) não posso construir até o fim de minha história de amor: sou o poeta (o recitante apenas do começo); o final dessa história, assim como a minha própria morte, pertence aos outros; eles que escrevam romance, narrativa exterior, mítica. 

Bons tempos

Saindo de mim
Você foi saindo de mim
Com palavras tão leves
De uma forma tão branda
De quem partiu alegre
Você foi saindo de mim
Com sorriso impune
Como se toda faca não tivesse
Dois gumes
Você foi saindo de mim
Devagar e pra sempre
De uma forma sincera
Definitivamente
Você foi saindo de mim
Por todos os meus poros
E ainda está saindo
Nas vezes em que choro
(Ivan Lins)

Eu vou te esquecer (Beto Pellegrino/Ariston)


Sim,
Eu vou te esquecer
Tão completamente
Que nem vou me lembrar
De te esquecer
Eu nem vou lembrar
Eu vou me esquecer
Tão completamente
De tudo
Que nós fomos tudo
Nada vai restar
Vou te esquecer
Vou te arrancar da alma
Tão perfeitamente
Que nem a falta ficará no seu lugar
Vou te cortar da memória
Tão precisamente
Nenhuma cicatriz eu vou deixar
Te destilar do meu corpo
Tão inteiramente
Ninguém vai conseguir mais misturar
Sim
Eu vou te negar
Tão completamente
Que mesmo olhar o sol de frente
Não me vai cegar.

Ludo real (Chico Buarque/Vinícius Cantuária)

Como nem tudo é decepção.



Que nobreza você tem
Que seus lábios são reais
Que seus olhos vão além
Que uma noite faz o bem
E nunca mais
Que salta de sonho em sonho
E não quebra telha
Que passa através do amor
E não se atrapalha
Que cruza o rio
E não se molha
Ê, ê, ê andaia
A lua ê, a lua ê
andaia

Paladar (Fátima Guedes)

"Por quê será que o amor se considera imune?" Hoje, acordei com essa música na cabeça. Fazia tempo que eu não a ouvia.



Onde foi que você perdeu sua crítica
O seu paladar?
Como foi, porquê foi que não soube me amar?
Quando eu estava perto.
O amor morre de cansaço e renasce um carinho do seu
Ressentimento de ainda estar sozinho
Mas não se engane,
Não chame, despeito de saudade
Você não perdeu nem um pouco o costume de me incomodar
Me tirar do sossego pra eu admirar
Sua infelicidade
E logo agora que eu aprendi a conviver com a minha
Eu já morei com medo de acabar sozinha
E agora você pede pra voltar... me humilha mais uma vez
Pensa que eu vou voltar
Me humilha
Por quê será que o amor se considera imune?
Você não perdeu nem um pouco o costume de me incomodar?
Me tirar do sossego pra eu admirar
Sua infelicidade
E logo agora que eu aprendi a conviver com a minha
Eu já morei com medo de acabar sozinha
E agora você pede pra voltar... Me humilha mais uma vez
Pensa que eu vou voltar

segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Se eu pudesse (Danuza Leão)


Se eu pudesse, mudava minha vida toda; não que ela esteja ruim, mas só para ver que ela pode ser diferente.
Se eu pudesse, me desfaria de muitas coisas, da minha casa e de quase todas as roupas. Afinal, quem precisa de mais do que dois pares de sapatos, dois jeans, quatro camisetas e dois suéteres, sobretudo quando anda pensando em mudar de vida?
Se eu tivesse muitas joias, enterrava todas elas na areia da praia para que um dia alguém enfiasse a mão brincando, assim para nada, e tivesse a felicidade de encontrar um colar de brilhantes. Afinal, dá para viver sem, não dá?
Das algumas garrafas de champanhe guardadas cuidadosamente, na horizontal, daria para abrir mão, sem nenhuma possibilidade de remorso futuro; champanhe, além de engordar, não passa de um espumante metido a alguma coisa, e nem barato dá, de tão fraquinho que é. Dos vinhos, mais fácil ainda; nada melhor do que o velho e bom uísque, com o qual sempre se pode contar.
E as amizades? Aliás, as amizades, não: as relações. Ah, se tivesse coragem, compraria um novo caderno de telefones e passava só aqueles pouquíssimos nomes que realmente têm algum significado, e que são tão poucos que nem precisaria escrever. Guardaria todos de cor, não na cabeça, mas no coração, e um dia me esqueceria de todos eles.
Se eu pudesse, iria recomeçar a vida em outra cidade, talvez em outro país, para nada, só para começar tudo do zero. Para às vezes sofrer bastante, pensando que poderia ter tido mais juízo e não ter feito tantas bobagens, pois se tivesse errado menos poderia ter sido mais feliz -talvez. Mas alguém tem o poder de fazer alguém sofrer, ou a capacidade do sofrimento é um bem pessoal e intransferível?
Se alguém conseguisse ainda me fazer sofrer, seria um acontecimento a ser festejado.
Se eu pudesse -e não tivesse tantos compromissos-, seria vegetariana, passaria as noites em claro e teria muito amor pelos animais e pelas crianças. Mas como tenho horror a qualquer bicho e nenhuma paciência com criancinhas, a não ser com meus bichos e minhas crianças, vou ter que atravessar a vida levando essa pesadíssima cruz -afinal, ficou combinado que de certas coisas não se pode não gostar, e se não se gostar não se pode dizer, que vida.
Se pudesse, largaria tudo e iria embora para um lugar onde ninguém me conhecesse, onde não teria passado nem futuro; para um lugar esquisito no qual não entenderia a língua do povo nem ninguém entenderia a minha. Seríamos todos, assumidamente, estranhos -como somos no edifício onde moramos, no local de trabalho, dentro de nossa família. Ou você pensa que alguém conhece alguém porque dá beijinhos no elevador?
Se eu pudesse, quando acordasse hoje de madrugada saía descalça só com um casaco em cima da pele e ia molhar os pés na água do mar, sozinha. Depois, ia tomar um café no balcão de um botequim, como fazem os homens.
Se eu pudesse, rasgava os talões de cheques, cortava os cartões de crédito com uma tesoura, fazia uma linda fogueira com os casacos de pele e ia saber como é que vivem os que não têm, nunca tiveram e nunca vão ter nada disso. E aproveitava o embalo para cortar os fios dos telefones, jogar o celular na tela da televisão e o computador pela janela -deve ser lindo, um computador voando.
Se eu pudesse, raspava a cabeça, acendia dois cigarros ao mesmo tempo e tomava uma vodca dupla, sem gelo, num copo de geleia. E pegaria uma gilete para picar em pedacinhos a carteira de identidade, o passaporte e o CPF, sem pensar um só instante nas consequências e sem um pingo de medo do futuro.
E jogava na lata de lixo meus lençóis, meus travesseiros de pluma, meu cobertor e engolia minhas pestanas postiças, só para aprender que a vida não é só isso.
Se eu pudesse, esquecia o meu nome, o meu passado e a minha história e ia ser ninguém. Ninguém.
Se eu pudesse, não, se eu quisesse. Pois é, tem dias que a gente está assim, mas passa.
Danuza Leão
Danuza Leão, jornalista e escritora, aborda temas ligados às relações entre pais e filhos, homens e mulheres, crianças, adolescentes, além de outros assuntos do dia-a-dia. Publicou seu primeiro livro em 1992. Escreve aos domingos na versão impressa do caderno "Cotidiano".

Elizeth Cardoso

Ontem, fiquei, quase que o dia inteiro, enquanto trabalhava, enquanto comia, enquanto entrava e saía de sites diversos, ouvindo Elizeth Cardoso. Pra mim, senão a melhor, uma das melhores vozes que a música brasileira (MPB) já teve e soma-se a isso (porque voz não é tudo - vide diversas cantoras ótimas que estragam a voz em virtude de um repertório) uma seleção irretocável de músicas e compositores de importância ímpar para a memória da MPB.
Conheci a Divina, era dessa forma que se referiam a ela, através da minha mãe. Na verdade, todas as cantoras contemporâneas à Elizeth Cardoso e as anteriores me foram apresentadas pela minha mãe (eu poderia citar, desconfiando sempre da minha memória, Marlene, Ademilde Fonseca, Emilinha, Ângela Maria, Dalva de Oliveira, Dolores Duran, Carmem e Aurora Miranda, Nora Ney, Maísa, Carmélia Alves, Zezé Gonzaga, Ellen de Lima, Alaíde Costa, entre tantas outras). Considero esta uma herança riquíssima em se tratando de cultura brasileira e de audição musical, porque, sem dúvida, essas vozes e seus repertórios me fizeram (re)conhecer mais e melhor a nossa língua e a nossa história.
E é claro que depois disso procurei outras cantoras, mais músicas, novos compositores porque investi muito nesse aspecto. 
Tenho aqui comigo em Cascavel, no Rio tenho ainda outros tantos, três CDs prá lá de perfeitos de Elizeth: Canção do Amor demais (1958), Todo sentimento (1989) e Ary Amoroso (1990). Prefiro o que ela divide com Rafael Rabello, Todo o sentimento,  porque "faixineira das canções" (de Joyce), "Camarim" (de Cartola/Hermínio Bello de Carvalho) e "Refém da solidão" (de Baden Powell/Paulo César Pinheiro) que abrem o disco me emocionam até aquele fio de cabelo que faz muito não tenho mais.
Além dessas, "Doce de coco" (de Jacob do Bandolim/Hermínio Bello de Carvalho), "Violão" (de Vitório Junior/Wilson Ferreira) e "Janelas abertas" (de Tom Jobim/Vinícius de Moraes) tocam fundo na alma de quem gosta de música.
As interpretações de Elizeth não são datadas. Parece que ela se reinventou e não perdeu, como tantas, infelizmente, o feeling musical.
Ouvi-la é ouvir tb a minha mãe cantando em casa. Tenho uma foto da minha mãe em um show de Elizeth no falecido Canecão (foi durante muitos anos a maior e melhor casa de espetáculos do Rio de Janeiro). 
Ontem, portanto, foi um dia de boas lembranças. Quem canta...encanta...os males espanta.

domingo, 19 de agosto de 2012

Nas cinzas do meu sonho...


Canção de amor
Saudade torrente de paixão
Emoção diferente
Que aniquila a vida da gente
Uma dor que não sei de onde vem
Deixaste meu coração vazio
Deixaste a saudade
Ao desprezares aquela amizade
Que nasceu ao chamar-te meu bem
Nas cinzas do meu sonho
Um hino então componho
Sofrendo a desilusão
Que me invade
Canção de amor, saudade !
Saudade

(Chocolate e Elano de Paula)

Saudade nunca termina no final


Saudade
Saudade a lua brilha na lagoaSaudade a luz que sobra da pessoaSaudade igual farol engana o marE imita o solSaudade sal e dor que o vento traz
Saudade o som do tempo que ressoaSaudade o céu cinzento a garoaSaudade desigualNunca termina no finalSaudade eterno filme em cartaz
A casa da saudade é o vazioO acaso da saudade fogo frioQuem foge da saudadePreso por um fioSe afoga em outras águasMas do mesmo rio

No meio do caminho

Fazia tempo que eu não andava de bicicleta por aqui, primeiro por conta da preguiça, depois por causa do frio e do vento, mas desde ontem, depois que um amigo postou algumas fotos dos Ipês em sua cidade, fiquei afim de dar umas voltas.
Aí levei o celular e enquanto pedalava (se é que se pode chamar essa volta de "andar de bicicleta" ou de "pedalar") fiz as fotos abaixo.
A pista está linda, florida. Além dos Ipês roxos, amarelos e brancos, há flores espalhadas pelo chão .











sábado, 18 de agosto de 2012

Professora defende tese e conquista título de 1ª doutora travesti do país

Luma Andrade na defesa de tese nesta sexta-feira (20) na Universidade Federal do Ceará (Foto: Igor Grazianno/UFC)

Cearense estudou a aceitação de travestis nas escolas.
Trabalho foi apresentado na Universidade Federal do Ceará nesta sexta.

Luma Andrade na defesa de tese nesta sexta-feira (17) na Universidade Federal do Ceará (Foto: Igor Grazianno/UFC)

A professora cearense Luma Andrade defendeu tese nesta sexta-feira (17), em Fortaleza, e se tornou aos 35 anos a primeira travesti a ter título de doutorado no país. A banca de cinco professores que avaliaram o trabalho durante três horas indicou o material à publicação, segundo Luma. “Para além da nota, a indicação para publicação de um livro é ainda mais importante porque mostra que eles consideraram o trabalho de extrema relevância'', disse. Luma pretende agora seguir carreira política e preparar-se para o pós-dourado.
 
saiba mais 
A doutora em Educação pela Universidade Federal do Ceará (UFC) estudou o tratamento dado a travestis em escolas de três cidades cearenses para elaborar a tese ''Travestis na Escola: Asujeitamento e Resistência à Ordem Normativa'' . Nas páginas da tese, ao pesquisar 95 casos, Luma diz ter visitado a própria história. Segundo ela, o estudo conclui que há uma ''evasão involuntária'' de travestis nas escolas cearenses e, que em geral, ''a família aceita e a escola não''.
Filha de agricultores analfabetos, Luma nasceu João Filho Nogueira de Andrade na cidade de Morada Nova, a 163 quilômetros de Fortaleza, mas no dia da mulher de 2010, ganhou o direito de mudar os documentos sem a operação de mudança de sexo. “Canalizei toda a energia para os estudos e, assim, fui conquistando respeito de todos. Busquei no estudo uma alternativa de vida melhor”, afirmou.
Aos 18 anos, Luma passou no vestibular para o curso de Ciências da Universidade Estadual do Ceará (Ceará), no campus de Limoeiro do Norte. Em 1998, foi aprovada no concurso para professor efetivo da rede municipal de Morada Nova e também começou a ensinar em escolas estaduais e particulares e depois obteve o título de mestre em Desenvolvimento do Meio Ambiente em Mossoró, no Rio Grande do Norte. Com o título de mestre, em 2003, ela prestou concurso para a rede estadual de ensino de Aracati e, de quatro vagas, foi a primeira e única aprovada.
 

quarta-feira, 8 de agosto de 2012

A flor e o espinho (música)


A flor e o espinho

(Nelson Cavaquinho, Guilherme de Brito e Alcides Caminha)

Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com a minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu só errei quando juntei minh'alma à sua
O sol não pode viver perto da lua
É no espelho que eu vejo a minha mágoa
É minha dor e os meus olhos rasos d'água
Eu na tua vida já fui uma flor
Hoje sou espinho em seu amor
Tire o seu sorriso do caminho
Que eu quero passar com minha dor
Hoje pra você eu sou espinho
Espinho não machuca a flor
Eu só errei quando juntei minh'alma à sua
O sol não pode viver perto da lua

terça-feira, 7 de agosto de 2012

Nada por mim (Marina Lima)


Nada Por Mim

Você me tem fácil demais
Mas não parece capaz
De cuidar do que possui

Você sorriu e me propôs
Que eu te deixasse em paz
Me disse vai, e eu não fui

Não faça assim
Não faça nada por mim
Não vá pensando que eu sou seu

Você me diz o que fazer
Mas não procura entender
Que eu faço só pra te agradar

Me diz até o que vestir
Com quem andar e aonde ir
Mas não me pede pra voltar

A solidão (Alceu Valença)


Solidão

A solidão é fera, a solidão devora.
É amiga das horas prima irmã do tempo,
E faz nossos relógios caminharem lentos,
Causando um descompasso no meu coração.
A solidão é fera, a solidão devora.
É amiga das horas prima irmã do tempo,
E faz nossos relógios caminharem lentos,
Causando um descompasso no meu coração.
A solidão é fera,
É amiga das horas,
É prima-irmã do tempo,
E faz nossos relógios caminharem lentos
Causando um descompasso no meu coração.
A solidão dos astros;
A solidão da lua;
A solidão da noite;
A solidão da rua.
A solidão é fera, a solidão devora.
É amiga das horas prima irmã do tempo,
E faz nossos relógios caminharem lentos,
Causando um descompasso no meu coração.
A solidão é fera,
É amiga das horas,
É prima-irmã do tempo,
E faz nossos relógios caminharem lentos
Causando um descompasso no meu coração.
A solidão dos astros;
A solidão da lua;
A solidão da noite;
A solidão da rua.