terça-feira, 29 de novembro de 2011

Nan Goldin Censurada pelo OI Futuro (ex-posição)

Nan Goldin é uma fotógrafa americana que cresceu em uma familia judia de classe média alta em Boston, Massachusetts. Sua primeira mostra solo, realizada em Boston em 1973, foi baseada em suas jornadas fotográficas através das comunidades gays e transexuais da cidade. Goldin graduou-se na School of the Museum of Fine Arts, Boston/Tufts University em 1977/1978.
Depois de se formar, Goldin mudou-se para Nova York. Começou então a documentar o cenário new-wave pós-punk, simultaneamente à subcultura gay no final da década de 1970 e começo da década de 1980.
Uma exposição com o trabalho da artista tinha previsão para inaugurar no Rio de Janeiro, no dia 09 de janeiro, no OI Futuro, mas fui suspensa pela direção e pela curadoria do instituto, sem maiores explicações. A artista foi censurada pelo OI Futuro.



segunda-feira, 28 de novembro de 2011

sábado, 26 de novembro de 2011

Era tanta saudade que (texto)

Hoje, entre as minhas visitas recentes aqui do blog, vi o nome de um grande e velho amigo, Ricardo Damasceno. Foi como se o tivesse encontrado para uma conversa. Faz tempo que a gente não se vê, faz muito tempo que a gente sequer senta para um bate-papo.
Fiquei me lembrando, aqui, do tanto de tempo que somos amigos, do quanto nos conhecemos. 
Estudamos juntos na primeira série do ensino fundamental (dia desses tentei me lembrar do nome de nossa professora e não consegui), depois nos encontramos em outras tantas séries.
Continuamos amigos na adolescência, e seguimos com nossa amizade tb na vida adulta. Cara, que saudade de vc! Saudade das conversas jogadas fora, dos encontros lá em casa para ouvir música, rir, falar sobre qualquer coisa. Quanto tempo, hein?! Muito tempo mesmo. Ainda que a saudade tenha transbordado em mim, não fico triste por isso. Ao contrário, apenas me orgulho do tanto que gosto de vc
Os cariocas têm fama de marcar encontros que nunca acontecem, mas não é por falta de vontade, acho que por falta de oportunidade. E falamos, vamos nos ver?! Vamos tomar uma cerveja dia desses! Me liga. E, não nos falamos, não tomamos a tal cerveja e não nos ligamos (muitas das vezes nem temos o telefone do amigo). Mas temos a vontade. Eu sei disso.

sexta-feira, 25 de novembro de 2011

Por mil palavras (fotografia)

Sei que fotografias não valem por mil palavras, sei que valem, como dizem por aí, por tantas quantas uma Formação Discursiva suportar. Né, Alê? De qualquer forma, essa aí do Redentor deve transbordar aquela que afirma ser o RJ uma Cidade Maravilhosa.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

São Paulo, quem diria, se mancha de sangue: Mais agressões motivadas por homofobia (texto)

Rapaz sofre fraturas no rosto ao ser espancado na Rua Augusta, em SP
Rapaz de 21 anos agredido na Rua Augusta (Foto: Marcelo Mora/G1)

Ele acredita que foi confundido com gay por agressores.
Irmão e um amigo dele, que é gay, também foram agredidos no sábado.
(Foto: Marcelo Mora/G1)

 Um jovem de 21 anos sofreu três fraturas em ossos da face e ficou com um coágulo no cérebro ao ser agredido por um grupo de ao menos dez pessoas na manhã de sábado (19), em frente a um bar localizado na esquina das ruas Augusta e Fernando de Albuquerque, na Consolação, região central de São Paulo. O irmão dele, de 24 anos, e um amigo de 24 anos que afirma ser gay, também foram agredidos pelo grupo, segundo ocorrência registrada na polícia.
As vítimas conversaram com a equipe de reportagem do G1 sob a condição de que não tivessem os nomes divulgados. A agressão ocorreu quando o trio deixou uma casa noturna próxima à Praça Roosevelt e se dirigia à residência do jornalista, que mora em um apartamento na Avenida Nove de Julho.
Para o amigo de 24 anos, tratou-se de um ataque homofóbico, versão que deverá sustentar quando prestar depoimento à polícia. Ele diz que em momento algum o grupo recorreu a palavras homofóbicas ou a xingamentos durante o ataque ao trio.
Mas afirma que estava com uma roupa justa e foi visto dando um abraço em um dos amigos, fatos que, na sua visão, poderiam ser interpretados como sinal de sua sexualidade. Também diz que os agressores repetiam a frase "Vocês vão morrer"."Um deles chegou a pegar uma pedra enorme para jogar na cabeça do meu amigo que já estava no chão desmaiado", disse.
A ocorrência da agressão foi registrada no 4º Distrito Policial, da Consolação, como lesão corporal. Por enquanto, nenhum dos três agredidos prestou depoimento, o que deverá acontecer nos próximos dias.
Segundo a polícia, após os depoimentos, será analisado se o caso tem conotação homofóbica.
A agressão
Segundo o amigo dos irmãos, ao entrar no bar na Rua Augusta, ele estava abraçado ao jovem de 21 anos que posteriormente foi agredido. "Estávamos abraçados como costumamos fazer algumas vezes quando conversamos. Inclusive ele estava triste porque havia reencontrado uma ex-namorada. Com certeza, eles acharam que nós éramos gays. O meu amigo não é gay; eu sou. Namoro com o irmão deles há quatro anos", contou.
Irmão da vítima teve cortes no braço após garrafada (Foto: Marcelo Mora/G1) Ele diz que, quando os três entraram no bar, um dos agressores ficou encarando de forma sistemática o amigo dele, que permaneceu do lado de fora, enquanto os outros dois foram ao banheiro. O jovem de 21 anos que apanhou questionou por que o outro estava olhando para ele e, depois disso, foi agredido com um soco no rosto e partiu para o revide.
Outros jovens que acompanhavam o primeiro agressor entraram na briga e passaram a espancar o rapaz. O irmão dele levou uma garrafada no braço esquerdo e também foi agredido com socos e pontapés.
Após cessar as agressões, o trio se dirigiu a outro bar, nas proximidades. Eles entraram no banheiro para limpar o sangue dos ferimentos. Ao saírem, mais uma vez foram atacados, desta vez por dois agressores. "Quando estendi o braço para chamar um táxi, um cara me deu um murro na cabeça e me agarrou pelo pescoço. Depois, ele meu deu uma cadeirada. Sofri cortes dentro da boca e fiquei com o joelho machucado", contou o amigo de 24 anos.
Irmão da vítima teve cortes no braço após garrafada (Foto: Marcelo Mora/G1)
O rapaz de 21 anos também foi agredido na cabeça logo após deixar o a bar e desmaiou. Em seguida, passou a receber chutes no rosto dos agressores. O irmão tentou proteger a vítima e também levou pontapés. O jovem permaneceu desmaiado na rua e foi levado por policiais militares para a Santa Casa de Misericórdia, em Santa Cecília, na região central.
Depois de receber os primeiros socorros, ele foi transferido na noite de sábado para um hospital do Ipiranga, na Zona Sul de São Paulo, onde permanecia internado em observação na tarde de segunda-feira (21). Ele deverá ser submetido a pelo menos três cirurgias na face devido às fraturas em ossos da bochecha, nariz e maxilar. Ao G1, o jovem disse que não se lembra de quase nada da agressão. “Depois que tomei a pancada na cabeça não vi mais nada. Quando acordei, horas mais tarde, já estava no hospital e a cabeça ainda rodando”, relatou.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Da Série Contos Mínimos

Ela se perguntava todos os dias o porquê dele se afastar tanto depois de ter estado tão perto.

Da Série Contos Mínimos

Não sabia como dizer. Não sabia, de verdade. Nem sabia se devia. Sabia do medo quando chegasse a hora de voltar a estar sozinho. Era medo, apenas. Foram tantos anos assim sem. E tinha sido muita sorte encontrá-lo. Um encontro desses que raramente acontecem. E ele acreditou. Mas ficava apenas no dia seguinte. Naquele dia de tanta distância. Do medo que sentiria só de pensar que de repente...

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Ame ou se mande - Jussara Silveira (CD)

Ame ou Se Mande é o sexto disco de Jussara Silveira que o selo Joia Moderna, de Zé Pedro, lançou no início de outubro. Feito em parceria com Sacha Amback e Marcelo Costa, o CD traz composições de Celso Fonseca e Ronaldo Bastos (A Voz do Coração), Cezar Mendes e Capinam (Ifá), André Carvalho e Quinho (Bom), Toni Costa e Luiz Ariston (O Dia que Passou), Roberto Mendes e J. Velloso (Doce Esperança) e até mesmo um poema de Fernando Pessoa musicado por Zé Miguel Wisnik (Tenho Dó das Estrelas).
Destaque também para as regravações de Babylon (Zeca Baleiro), Contato Imediato (Arnaldo Antunes/Carlinhos Brown/Marisa Monte), Dê um Rolê (Moraes Moreira/Luiz Galvão), Marcianita (José Imperatore Marcone/Galvarino Villota Alderete) e Madre Deus (Caetano Veloso).
Foram quatro anos desde os lançamentos de “Nobreza” (em parceria com Luiz Brasil) e “Entre o Amor e o Mar”, que Jussara ocupou desenvolvendo projetos paralelos como o DVD “Três Meninas do Brasil”, gravado ao lado de Rita Ribeiro e Teresa Cristina, o show “Viagem de Verão” com André Mehmari e Arthur Nestrovski incluindo canções de Schubert a Caymmi, além de colaborar na trilha sonora do espetáculo “Sem Mim” do Grupo Corpo, junto com Zé Miguel Wisnik e Carlos Nuñes.
“A sonoridade mudou radicalmente. Depois de anos tendo o violão como grande companheiro, convidei Sacha (piano acústico/teclado) e Marcelo Costa (percussão), para desenvolvermos este trabalho. Dei sorte, confirmei na prática que a idéia foi genial”, complementa Jussara.
“Ame ou Se Mande” foi gravado em maio deste ano nos estúdios Zega Music e Yahoo/BR Plus, no Rio de Janeiro. A direção é de Sacha Amback e Marcelo Costa. A distribuição nacional será feita pela Tratore. 
O CD é ma-ra-vi-lho-so. Depois que comprei não parei mais de ouvi-lo. Voz, músicas, letras, arranjos, casamento perfeito, se existe, podem acreditar que é por aqui.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Meu (Djavan)

Fazia tempo que eu não ouvia essa música do Djavan. Aí, por um acaso, alguém me trouxe o CD e pronto. Tô eu outra vez apaixonado por ela (e por ele tb). Aproveito-a para dizer a Fátima que tô com saudades. Se vc não a conhece (o que duvido), vale à pena ouvir: Meu

Você sabe fazer
Tudo o que faz
Nada existe em você
Que eu não goste demais
Quando você diz
Me apaixonei por você, "meu"
Faz a cara feliz
De quem sabe o que é seu
Eu nunca vi nada assim "ô loco"!!!
É como faz o amor
Pra se proteger
Dá um "zignal" na dor
É vetado sofrer
Discordar, discutir
Nada é mais saudável, não, não, não
Um olhar neném de ser
Logo fecha a questão
Eu nunca vi nada assim "ô loco"
Ar, só com você
Mar, com você qualquer fundura dá
Tudo é tão meu
Quando você vem se chegando,
De um modo só seu.

segunda-feira, 14 de novembro de 2011

Ainda as UPPs, a Rocinha e a prisão do Nem (texto)

Sei lá, mas há algo de podre no reino da Dinamarca. Ontem depois de ouvir, em diversos canais de TV, reportagens, declarações, depoimentos, fiquei com algumas pulgas me incomodando.
Como o Secretário de Segurança do Rio, José Mariano Beltrame, não sabia da possibilidade do traficante se entregar? Se ele não sabia, como alguns delegados e policiais trocavam mensagens por telefone sobre o assunto, como se fosse alguma coisa simples de saber?
Policias de Saquarema presentes na hora da detenção do Rei da Rocinha. O que eles faziam no Rio de Janeiro? No mínimo, curioso.
E a história bem mal contada de levar O mestre, como era chamado pelos comparsas, para 15DP ou para a Polícia Federal.
10 milhões arrecadados a cada mês e 50% de tudo isso para pagar policiais corruptos. Quem são esses policiais?
Além de tudo isso, pensei que fossem encontrar na Rocinha, diante de tamanha arrecadação e um aparato de mais ou menos 700 pessoas dando apoio ao tráfico (sem contar os tais policiais), um arsenal bélico, mas encontraram apenas 20 pistolas, 15 fuzis, 2 espingardas e 1 submetralhadora, além de 20 rojões. Nem em Antares, zona oeste do Rio, o armamento deve ser tão fraco assim ou houve uma supervalorização da Pacificação da Rocinha?
Tá parecendo a história das armas atômicas do Iraque. Do perigo que corríamos se Saddam Hussein continuasse vivo.
Sei lá, ainda restam outras tantas dúvidas.

sábado, 12 de novembro de 2011

Vesti azul, minha sorte, então, mudou (texto)

Dia desses, mudei a cor do fundo do blog para marrom, ainda que não fosse a minha cor favorita. Mais por conta da dificuldade (na verdade, diante de tanta ignorância própria) de conhecer o funcionamento das novas ferramentas do blogpost do que de qualquer outra coisa.
Aí fuçando, chafurdando, enfiando o nariz onde se devia, descobri que bastava apenas um deslizamento de mouse para tudo mudar, para o dia nascer feliz azul da cor do mar. Aí, vesti o blog de azul e tudo mudou (tudo = o blog).
Não se se gostaram. Eu gostei. Minha cor favorita, depois do vermelho e suas variações.

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Nós, pesquisadores da Universidade de São Paulo auto-organizados, viemos por meio desta nota divulgar o nosso posicionamento frente à recente crise da USP.
No dia 08 de novembro de 2011, vários grupamentos da polícia militar realizaram uma incursão violenta na Universidade de São Paulo, atendendo ao pedido de reintegração de posse requisitado pela reitoria e deferido pela Justiça. Durante essa ação, a moradia estudantil (CRUSP) foi sitiada com o uso de gás lacrimogêneo e um enorme aparato policial. Paralelamente, as tropas da polícia levaram a cabo a desocupação do prédio da reitoria, impedindo que a imprensa acompanhasse os momentos decisivos da operação. Por fim, 73 estudantes foram presos, colocados nos ônibus da polícia, e encaminhados para o 91º DP, onde permaneceram retidos nos veículos, em condições precárias, por várias horas.
Ao contrário do que tem sido propagandeado pela grande mídia, a crise da USP, que culminou com essa brutal ocupação militar, não tem relação direta com a defesa ou proibição do uso de drogas no campus. Na verdade, o que está em jogo é a incapacidade das autoritárias estruturas de poder da universidade de admitir conflitos e permitir a efetiva participação da comunidade acadêmica nas decisões fundamentais da instituição. Essas estruturas revelam a permanência na USP de dispositivos de poder forjados pela ditadura militar, entre os quais: a inexistência de eleições representativas para Reitor, a ingerência do Governo estadual nesse processo de escolha e a não-revogação do anacrônico regimento disciplinar de 1972.
Valendo-se desta estrutura, o atual reitor, não por acaso laureado pela ditadura militar, João Grandino Rodas, nos diversos cargos que ocupou, tem adotado medidas violentas: processos administrativos contra estudantes e funcionários, revistas policiais infundadas e recorrentes nos corredores das unidades e centros acadêmicos, vigilância sobre participantes de manifestações e intimidação generalizada.
Este problema não é um privilégio da USP. Tirando proveito do sentimento geral de insegurança, cuidadosamente manipulado, o Governo do Estado cerceia direitos civis fundamentais de toda sociedade. Para tanto, vale-se da polícia militar, ela própria uma instituição incompatível com o Estado Democrático de Direito, como instrumento de repressão a movimentos sociais, aos moradores da periferia, às ocupações de moradias, aos trabalhadores informais, entre outros. Por tudo isso, nós, pesquisadores da Universidade de São Paulo, alunos de pós-graduação, mestres e doutores, repudiamos o fato de que a polícia militar ocupe, ou melhor, invada os espaços da política, na Universidade e na sociedade como um todo.
Fábio Luis Ferreira Nóbrega Franco - Mestrando da Filosofia-USP
Henrique Pereira Monteiro - Doutorando em Filosofia-USP
Patrícia Magalhães - Doutoranda em Física - USP
Silvia Viana Rodrigues - Doutora em Sociologia-USP
Bianca Barbosa Chizzolini - Mestranda em Antropologia-USP
José Paulo Guedes Pinto - Doutor em Economia - USP
Daniel Santos Garroux - Mestrando Pós-graduação em Teoria Literária - USP
Andrea Kanikadan -  doutorando da ESALQ-USP
Nicolau Bruno de Almeida Leonel - Doutorando em Cinema - USP
Paula Yuri Sugishita Kanikadan - Doutora em Saúde Pública - FSP/USP
Luciana Piazzon Barbosa Lima - mestranda em Estudos Culturais - EACH-USP.
Gustavo Seferian Scheffer Machado - Mestrando em Direito do Trabalho - USP
Maria Tereza Vieira Parente - Mestranda em Arqueologia - USP
Marcelo Hashimoto, doutorando em Ciência da Computação - USP.
Luiz Ricardo Araujo Florence - Mestrando em Arquitetura e Urbanismo - USP
Jade Percassi - Doutoranda em Educação - USP
Maria Caramez Carlotto - Doutoranda em Sociologia - USP
Georgia Christ Sarris - Doutoranda Filosofia-USP
José Carlos Callegari - Mestrando em Direito do Trabalho - USP
Gilberto Tedeia - Doutor em Filosofia-USP
Anderson Gonçalves- Doutor em Filosofia-USP
Douglas Anfra - Mestrando em Filosofia - USP
Fábio H. Passoni Martins -  Mestrando - Depto de Teoria Literária e Literatura Comparada
Eduardo Altheman Camargo Santos - Mestrando em Sociologia-USP
Fernanda Elias Zaccarelli Salgueiro - Graduanda Filosofia-USP
Guilherme Grandi - Doutor em História Econômica - USP
Yardena do Baixo Sheery - PPG Artes Visuais - ECA-USP
Lucia Del Picchia, doutoranda em Direito-USP
Fernando Rugitsky, mestre em Direito-USP
Ricardo Leite Ribeiro, mestrando em Direito - USP
Maira Rodrigues - doutoranda em Ciência Política - USP.
Ana Lúcia Ferraz - Doutora em Sociologia - USP.
Daniela Silva Canella, doutoranda em Nutrição em Saúde Pública - USP
Tatiana de Amorim Maranhão - Doutora em Sociologia-USP
Ana Paula SAlviatti Bonuccelli - Mestranda em História - USP
Anderson Aparecido Lima da Silva - Mestrando em Filosofia - USP
José Calixto Kahil Cohn - Mestrando em Filosofia - USP
Antonio Fernando Longo Vidal Filho - Mestrando em Filosofia -USP
Bruna Della Torre de Carvalho Lima - Mestranda em Antropologia - USP
Ana Paula Alves de Lavos - Mestre em Arquitetura e Urbanismo - EESC - USP
Lucas Amaral de Oliveira - Programa de Pós Graduação em Sociologia - USP
Bruna Nunes da Costa Triana - Programa de Pós-Graduação em Antropologia - USP
José César de Magalhães Jr. - Doutorando em Sociologia - USP
Eduardo Orsilini Fernandes - Mestrando em Filosofia -USP
Ricardo Crissiuma - mestre em Filosofia USP
Philippe Freitas - Mestrando em Música - UNESP
Weslei Estradiote Rodrigues - Mestrando em Antropologia - USP
Bruno de Carvalho Rodrigues de Freitas - Graduando em Filosofia - USP
Camila Gui Rosatti - Graduando em Ciências Sociais - USP
Martha GAbrielly Coletto Costa - mestranda em Filosofia - USP
Rafael Gargano - Mestrando em Filosofia - USP
Antonio David - Mestrando em Filosofia - USP
Pedro Alonso Amaral Falcão - Mestrando em Filosofia - USP
Lígia Nice Luchesi Jorge, PPG em Língua Hebraica, Literatura e Culturas Judaicas - USP
Camila Rocha - Mestranda em Ciência Política - USP
André Kaysel - Doutorando em Ciência Política - USP
Michele Escoura - Mestranda em Antropologia -USP
Vladimir Puzone -Doutorando em Sociologia-USP
Arthur Vergueiro Vonk - Mestrando em Teoria Literária e Literatura Comparada - USP
Renata Cabral Bernabé - Mestranda em História Social - USP
Raquel Correa Simões - Graduanda em Filosofia - USP
Danilo Buscatto Medeiros - Mestrando em Ciência Política - USP
Ana Flávia Pulsini Louzada Bádue - Mestranda em Antropologia-USP
Carlos Henrique Pissardo. Mestre - Dep. de Filosofia da USP e Diplomata.
Anouch Kurkdjian- Mestranda em Sociologia-USP
Léa Tosold - Doutoranda em Ciência Política-USP
Pedro Fragelli - Doutor em Literatura Brasileira-USP
Christy Ganzert Pato - Doutor em Filosofia - USP
José Agnello Alves Dias de Andrade - Mestrando em Antropologia - USP
Nicolau Dela Bandera - doutorando em Antropologia USP
Felipe de Araujo Contier - Mestrando em Arquitetura-IAU-SC-USP
Mauro Dela Bandera Arco Júnior -  mestrando em Filosofia USP
Ane Talita da Silva Rocha - mestranda em Antropologia - USP
Juliana Andrade Oliveira - Doutoranda em Sociologia
Reinaldo César - Doutorando em Ciência dos Materiais - USP
Manoel Galdino Pereira  Neto - doutor em ciência política da USP
Carlos Filadelfo de Aquino, doutorando em Antropologia USP.
Jonas Marcondes Sarubi de Medeiros - mestrando em Filosofia-USP
Ana Letícia de Fiori - Mestranda em Antropologia - USP
Gonzalo Adrián Rojas - Doutor Ciência Política USP
Mariana Toledo Ferreira - Mestranda em Sociologia - USP
Julia Ruiz Di Giovanni - Doutoranda em Antropologia Social
Caio Vasconcellos - doutorando em sociologia - USP
Reginaldo Parcianello - doutorando/Literatura Portuguesa - USP
Fernando Sarti Ferreira - mestrando em História Econômica - USP
Júlia Vilaça Goyatá - mestranda em Antropologia - USP
Maria Aparecida Abreu - doutora em Ciência Política - USP
Bruno Nadai - Doutorando em Filosofia - USP
João Alexandre Peschanski - Mestre em Ciência Política - USP
Lucas Monteiro de Oliveira - Mestrando em história social - USP
Fabrício Henricco Chagas Bastos - Mestrando em Integração da América Latina - USP
Rafaela Pannain - Doutoranda em Sociologia- USP
Bernardo Fonseca Machado - mestrando em Antropologia - USP
Victor Santos Vigneron de La Jousselandière - mestrando em História - USP
Gabriela Siqueira Bitencourt - mestre em Letras - USP
Dalila Vasconcellos de Carvalho , Mestre em Antropologia Social-USP.
César Takemoto Quitário - mestrando em Letras - USP
Maíra Carmo Marques - mestranda em Letras - USP
Ana Carolina Chasin - doutoranda em sociologia-USP
Dimitri Pinheiro - doutorando em sociologia-USP
Natália Fujita - doutoranda em Filosofia - USP
Julio Miranda Canhada - doutorando em Filosofia - USP
Caio M. Ribeiro Favaretto Mestrando Dpto de Filosofia - USP
Juliana Ortegosa Aggio - doutoranda em Filosofia - USP
Bruna Coelho - mestranda em Filosofia - USP
Ana Carolina Andrada - mestranda em Sociologia - USP
Karen Nunes - mestranda em sociologia - USP
Monise Fernandes Picanço - Mestranda em Sociologia - USP
Arthur Oliveira Bueno - Doutorando em Sociologia - USP
Guilherme Nascimento Nafalski - mestre em Sociologia - USP
Tatiane Maíra Klein, Mestranda em Antropologia Social/USP
Ana Paula Bianconcini Anjos - doutoranda em Letras - USP
José Paulo Martins Junior - Doutor em ciência política - USP
Demétrio Gaspari Cirne de Toledo - Doutorando Sociologia - USP.
Pedro Fragelli - Doutor em Literatura Brasileira-USP
Evandro de Carvalho Lobão - Doutor em Educação - FE/USP
Walter Hupsel - Mestre em Ciência Política - USP
Carina Maria Guimarães Moreira e sou doutoranda em Artes Cênicas na UNIRIO.
Marinê de Souza Pereira - Doutora em Filosofia-USP
Fabiola Fanti - Mestre em Ciência Política - USP
Verena Hitner - mestre em Integracao da America Latina - USP
Fabio Cesar Alves - Doutorando- Teoria Literária- FFLCH- USP
Frederico Hnriques  - Mestre em Sociologia pela USP
Fábio Pimentel De Maria da Silva - Mestre em Sociologia - USP
Natália Bouças do Lago - mestranda em Antropologia USP
Fábio Silva Tsunoda - mestrado em sociologia - USP
Terra Friedrich Budini, doutoranda em ciência política - USP
Natália Helou Fazzioni - Mestranda em Antropologia Social - USP
Renato Bastos - Mestre em História Econômica - USP
Andreza Tonasso Galli - Mestranda da Sociologia -USP
Andreza Davidian - mestranda em Ciência Política - USP
Dioclézio Domingos Faustino - Mestrando - Filosofia - USP
Fernando Costa Mattos - Doutor em Filosofia - USP
Joaquim Toledo Jr - Mestre em Filosofia pela USP.
Erinson Cardoso Otenio - doutorando em filosofia - USP
Berilo Luigi Deiró Nosella, sou doutorando em Artes Cênicas na UNIRIO
Rafael Alves Silva - Doutorando em Sciências Sociais - UNICAMP
Ludmylla Mendes Lima - Doutoranda em Estudos Comparados de Literaturas de Língua Portuguesa - USP
Tânia Cristina Souza Borges - Mestranda em Letras - USP
Miguel Barrientos - Doutorando em Ciência Política - USP.
Eveline Campos Hauck - Mestranda em filosofia pela USP
Mariana Zanata Thibes - Doutoranda Sociologia - USP
Nahema Nascimento Barra de Oliveira Mestre em Ciencias Humanas - USP
Manoel Galdino Pereira Neto - Doutor em Ciência Política-USP
Gonzalo Adrián Rojas - Doutor em Ciencia Politica-USP
Miguel Barrientos - Doutorando em Ciência Política-USP
Maria Aparecida Abreu - Doutora em Ciência Política-USP
Pedro Feliú - Doutorando em Ciência Política - USP
Fernando Gonçalves Marques - Doutorando em Ciência Política-USP
Petronio De Tilio Neto - Doutor em Ciência Política-USP
José Paulo Martins Junior - Doutor em Ciência Política-USP
Renato Francisquini - Doutorando em Ciência Política-USP
Júlio César Casarin Barroso Silva - Doutor em Ciência Política-USP
Francisco Toledo Barros - Mestrando em Arquitetura e Urbanismo
Marcia Dias da Silva - Mestre em História Social - USP
Maira Rodrigues - doutoranda em Ciência Política - USP.
Ivana Pansera de Oliveira Muscalu - Mestranda História Social - USP
Renata Lopes Costa Prado - Doutoranda do Programa de Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano - USP
Emi Koide - Doutora em Psicologia - USP
Mario Tommaso Pugliese Filho - Mestre em Literatura Brasileira - USP.
Gabriela Viacava de Moraes - Mestranda em Literatura Brasileira - USP
Tatiane Reghini Matos - Mestranda em Letras - USP
Andréia dos Santos Meneses - Doutoranda em Letras - USP
Kátia Yamamoto - Mestranda em Psicologia USP
Lygia de Sousa Viégas  - Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano da USP.
Daniel Gomes da Fonseca - Mestrando em Teoria Literária e Literatura Comparada - USP
Michelangelo Marques Torres - mestrando na Unicamp e graduado pela USP
Luana flor Tavares Hamilton - mestrança em psicologia - USP
Renan Honório Quinalha - mestrando em Sociologia Jurídica na USP
Adriana De Simone - Doutora em Psicologia - IP/USP
Grazielle Tagliamento - doutorado PST - USP
Tamara Prior- mestranda em História Social - USP
Airton Paschoa -Mestre em Literatura Brasileira - USP
Daniela Sequeira - mestra em Ciência Política - USP
Thaís Brianezi Ng - doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental - USP
Davi Mamblona Marques Romão - mestrando - PSA - Psicologia
Rafael Godoi - Doutorando em Sociologia -USP
Vanda Souto - Mestranda em Ciências Sociais - UNESP - Marília
Pedro Rodrigo Peñuela Sanches - Mestrando em Psicologia USP
Grazielle Tagliamento - Doutoranda Psicologia - USP
Monica Loyola Stival - Doutoranda em filosofia - USP
Tatiana Benevides Magalhães Braga Doutora em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pela USP
Regina Magalhães de Souza, doutora em Sociologia - USP
Ludmila Costhek Abilio - Mestre em sociologia - USP
Gabriela Viacava de Moraes - Mestranda em Literatura Brasileira -  USP
Tatiane Reghini Matos - Mestranda em Letras - USP
Andréia dos Santos Meneses - Doutoranda em Letras - USP
Edson Teles - doutor em Filosofia - USP
Julia Maia Peixoto Camargo - Graduanda em Ciências Sociais - USP
Rodnei Nascimento - Doutor em filosofia - USP.
Rafael Luis dos Santos Dall'olio - Mestrando em História Social - USP
Ana Aguiar Cotrim - Doutoranda em Filosofia - USP
Tercio Redondo - Doutor em Literatura Alemã - USP
Maria Cláudia Badan Ribeiro Doutora em História Social - USP
Pedro Mantovani- Mestrando em Filosofia- USP
Stefan Klein - Doutorando em Sociologia - USP
Wagner de Melo Romão, doutor em Sociologia - USP
Maria de Fátima Silva do Carmo Previdelli -  Doutoranda em História Econômica - USP
Felipe Pereira Loureiro - doutorando em História Econômica - USP
Thiago de Faria e Silva - Mestre em História Social - USP
Marcus Baccega - Doutor em História Medieval - USP
Luciana Moreira Pudenzi - Mestre em Filosofia - USP
Daniela Jakubaszko - Doutora em Ciências da Comunicação pela ECA-USP
Leo Vinicius Maia Liberato, ex-pos-doutorando no Departamento de Filosofia da USP
Maria Lívia Nobre Goes - Graduanda em Filosofia-USP
Agnaldo dos Santos - Doutor em Sociologia - USP
Annie Dymetman doutora em Ciências Sociais - USP
Evandro NoroFernandes - Mestre em Geografia- USP
Wilma Antunes Maciel  -  Doutora em História Social - USP
Luciano Pereira - Doutor em filosofia -  USP
Guilherme Varella, mestrando em Direito de Estado
Constância Lira de Barros Correia Rodrigues Costa - Mestranda em Ciência Política - USP
Ester Gammardella Rizzi - Mestre em Filosofia e Teoria Geral do Direito - USP
Cristiana Gonzalez  - mestranda em sociologia - USP
Rafaela Aparecida Emetério Ferreira Barbosa - Mestranda em Direito do Trabalho - USP
Franco Nadal Junqueira Villela - Mestre em Ciência Ambiental - USP
Clara Carniceiro de Castro, doutoranda em Filosofia-USP
Marcelo Netto Rodrigues - mestrando em Sociologia - USP
Elisa Klüger - mestranda em sociologia - USP
Marilia Solfa - Mestre em Arquitetura - USP
Pedro Feliú - Doutorando em Ciência Política - USP.
Renato Francisquini, doutorando em Ciência Política - USP
Júlio César Casarin Barroso Silva - doutor em Ciência Política - USP
Andreza Davidian - mestranda em Ciência Política - USP
Andrea Kanikadan - doutorando em Ecologia Aplicada na ESALQ em Piracicaba.
Miguel Barrientos - Doutorando em Ciência Política - USP
Diogo Frizzo - Mestrando em Ciência Política - USP
Vinicius do Valle - Mestrando em Ciência Política - USP
Carolina de Camargo Abreu - Doutoranda em Antropologia - USP
Tatiana Rotolo- Mestre em Filosofia pela USP
Pedro Ivan Moreira de Sampaio - Graduando em Direito PUC-SP e Filosofia - USP
Thaís Brianezi Ng, doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciência Ambiental - USP
André-Kees de Moraes Schouten - Doutorando em Antropologia Social - USP
Alvaro Pereira - Mestre em Direito - USP
Vinícius Spira - mestrando em Ciências Sociais - USP
 Rafael Faleiros de Pádua, doutorando em Geografia-USP
André Luis Scantimburgo - Mestrando em Ciências Sociais pela UNESP de Marília/SP.
Rosemberg Ferracini - Doutorando em Geografia Humana - Universidade de São Paulo - USP
Lucas Brandão - Mestrando em Sociologia-USP
Márcia Cunha - doutoranda em Sociologia - USP
Nilton Ken Ota - doutor em Sociologia - USP
Felipe Figueiredo - Bacharel em Letras - USP
Bruno Boti Bernardi - Doutorando em Ciência Política - USP
Roberta Soromenho Nicolete - Mestranda em Ciência Política - USP
Lara Mesquita - Mestre em Ciência Política - USP
Milene Ribas da Costa - Mestre em Ciência Política - USP
Katya dos Santos Schmitt Parcianello - mestranda em História Econômica/ USP
Alcimar Silva de Queiroz - Doutor em Educação - USP
Paulo Vinicius Bio Toledo - mestrado Artes Cênicas
Ruy Ludovice - mestrando em Filosofia - USP
Pollyana Ferreira Rosa - Mestranda em Artes Visuais - USP
Patrícia de Almeida Kruger - Mestranda em Letras - USP
Giselle Cristina Gonçalves Migliari - Mestranda em Literatura Espanhola - USP
Wellington Migliari - Mestre em Literatura Brasileira - USP
Diana P. Gómez - Mestranda Antropologia Social
Simone Dantas - Mestranda em Letras-USP
Eduardo Zayat Chammas, mestrando em História Social - USP
Maristela de Souza Pereira - Doutoranda em psicologia - USP
Virginia Helena Ferreira da Costa  - Mestranda em filosofia - USP
Gustavo Motta - mestrado Artes Visuais - USP
Luiz Fernando Villares, doutorando Faculdade de Direito - USP

II Mostra de Cinema da Diversidade Sexual em Cascavel (texto)

Durante os dias 21 e 26 de novembro, aqui no Campus da Unioeste em Cascavel, será exibida a II Mostra de Filmes sobre a Diversidade Sexual (as inscrições já estão abertas).
A proposta é a exibição de filmes que tratem da sexualidade e nos permitam discutir, conhecer, ouvir, falar sobre o tema. Há filmes sobre lébicas, gays, heterossexuais. Há filmes sobre os conflitos que giram em torno das orientações sexuais.
Vale à pena conferir a programação. Vale à pena participar da Mostra e contribuir com os debates. 
Todas as cores nos alegram mais!!!!
 

Por outro lado (texto)


Ficar no lugar de quem só desacredita na Polícia não seria justo (comigo). O fato de terem prendido o Nem, o chefe do tráfico da Rocinha, sem uma vítima (como de costume nessas ações policiais), tem méridos.
Não sei bem como andam as  Unidades de Polícia Pacificadora (UPPs). Um morador de favelas ocupadas talvez tenha outra percepção dessas Unidades. 
De qualquer forma, acho que o fato de um governador colocar a mão no vespero (o do crime (des)organizado) já é alguma coisa. Muito se dizia e nada era feito nesse sentido, no Rio. A bandidagem dava as cartas, inclusive e muitas vezes, com o apoio da própria polícia.
É claro que tenho minhas dúvidas quanto ao processo de ocupação de favelas da zona sul do Rio enquanto outros bairros (da periferia) ficam ao deus dará. 
É claro tb que a cidade não se torna segura da noite para o dia, sobretudo em relação à impressão que se tem sobre ela (isso demora muito para ser desfeito). Acho que um carioca não tem a sensação de segurança. Não sei se em algum lugar aqui, no país, exista essa sensação.
Ontem ouvi uma entrevista de uma antropóloga, Alba Zaluar, na GloboNews, falando da ação conjunta entre as polícias (militar, civil e federal) em relação à prisão do chefe do tráfico da Rocinha, ressaltando o sucesso da operação. No entando, ela destacou a humilhação pela qual passou criminoso durante a sua prisão.
É evidente que muita coisa ainda precisa ser modificada, mas não dá para não se sentir um pouco mais esperançoso quanto à segurança do Rio de Janeiro.

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Mais uma vez, o Policial Militar (texto)

É ver para crer, ou como diria São Tomé, só acredito vendo. Será que quando Ele disse isso, estava se ferindo à polícia militar brasileira? É possível que sim.
Mais uma vez, policiais militares do Rio de Janeiro envolvidos em irregularidades (ou assassinatos, sequestros, extorsão, roubos, desvios etc.). Não que isso pudesse causar alguma surpresa, bem ao contrário. Acho até que é mais regra do que exceção. O que se viu, ouviu nesses últimos anos, não está no gibi (para se usar uma expressão antiga e que traduz, em termos temporais, o tanto que a corpoção pisou na bola - a agora, para completar o sentido, uma gíria da marginalidade carioca, já que o resultado parte de uma soma quando deveria ser subtração).
Policiais militares presos escoltando bandidos, ou melhor, bandidos fardados (já virou lugar comum isso) com bandidos bandidos.
No mínimo, o comportamento desses policias protegendo traficantes (foram presos na Gávea, bairro da zona sul da cidade, pela polícia federal quando escoltavam traficantes) mereceria cadeia, mas pelo visto isso é pouco, porque recorrente.
Será que a corporação tem cura?

quarta-feira, 9 de novembro de 2011

501 caras que vc deve pegar antes de morrer (Blog)

Hoje, faz pouco, descobri um blog, no mínimo, interessante: 501 caras que você deve pegar antes de morrer. Criado por duas jornalistas e amigas, como se descrevem. O blog, na rabeira dos bestselles, que promovem discos, filmes, lugares etc. que não podemos deixar de ver, ouvir, conhecer, nos oferece aqui outras iguarias.
Nele, a mercadoria são os homens: atores, cantores, músicos, famosos de uma forma geral. Vale à pena dar uma olhadinha e tb deixar um comentário, caso vc encontre por lá um cara que não pode deixar de pegar antes de morrer.
Quanto ao fato de George Clooney estar entre os 501 caras, as meninas justificam que até seu pai sabe que ele é maravilhoso.

Rio de Janeiro é eleito pela segunda vez destino gay mais sexy do mundo (G1)

Cidade superou candidatas como Madri, Buenos Aires e Estocolmo. Concurso foi promovido por site americano.

Um mês após a 16ª Parada do Orgulho LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transsexuais), na Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio, a Secretaria Especial de Turismo/Riotur informou, nesta quarta-feira (9), que a cidade foi eleita pela segundo ano seguido o destino gay mais sexy do mundo. A eleição foi realizada pelo site TripOutGayTravel.com, em parceria com a MTV americana.
De acordo com a Secretaria de Turismo, o Rio venceu a disputa com 48% dos votos, superando as cidades de Madri, na Espanha, Portland, nos Estados Unidos, St. Tropez, na França, Buenos Aires, na Argentina, e a capital da Suécia, Estocolmo. O primeiro título foi em 2010. Um ano antes, a cidade recebeu o título de melhor destino gay do planeta.
“O título só reforça que turistas do mundo inteiro e de todas as tribos são bem recebidos no Rio de Janeiro. Temos feito um grande trabalho para atrair cada vez mais o público gay. Trata-se de um mercado importante, que movimenta bilhões de dólares anualmente com viagens, um público que tem tudo a ver com a natureza da cidade, que é acolhedora, hospitaleira e festiva”, disse o secretário Especial de Turismo e presidente da Riotur, Antônio Pedro Figueira de Mello.
As cidades candidatas foram escolhidas por um grupo de escritores e jornalistas especializados em viagens globais. Ao ser indicado, o Rio de Janeiro foi definido como a cidade onde vivem as pessoas mais sensuais. As praias, festas e o jeito carioca também foram destacados.

Site informa agenda LGBT
Em maio, a prefeitura do Rio inaugurou o novo portal da Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (www.cedsrio.com.br), que informa a agenda LGBT e também recebe denúncias on-line. A página faz parte do pacote de ações de combate à homofobia lançado pelo governo municipal.
No site, o internauta conhece toda a legislação de proteção aos direitos dos cidadãos homossexuais. Um dos objetivos da nova ferramenta é agilizar o encaminhamento de casos de discriminação ao poder público.
Na época, o prefeito Eduardo Paes assinou dois decretos municipais, durante evento no Palácio da Cidade, em Botafogo, na Zona Sul. Um deles garante o direito a servidores e usuários dos serviços da prefeitura - como escolas e hospitais - a usar o nome social. Tavestis e transexuais poderão ser chamados pelo nome feminino ou masculino em vez do que consta no documento de identidade.
O outro decreto prevê a exposição de aviso em local visível ao público da Lei 2.475/1996, que é a lei antidiscriminação, em todos os postos de atendimento de serviços públicos municipais.

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Estudo identifica proteína capaz de impedir a multiplicação do HIV em determinadas células (Nature)


Modelo tridimensional do vírus da aids
Pesquisadores da Universidade de Manchester, da Inglaterra, e do Instituto de Pesquisas Médicas, dos Estados Unidos, identificaram a maneira pela qual uma proteína do corpo humano consegue frear a multiplicação do vírus HIV. Segundo os autores do estudo, que foi publicado da página da internet do periódico Nature, essa descoberta pode ajudar a criação de novos remédios para tratar pacientes infectados pelo vírus.
O QUE DIZ
Uma proteína presente no organismo do ser humano chamada SAMHD1 é capaz de impedir a multiplicação do vírus HIV nas células mieloides, que são um dos tipos de glóbulos brancos.


POR QUE É IMPORTANTE
Entender como uma proteína consegue frear a replicação do vírus é fundamental para desenvolver novos remédios ou vacinas que imitem essa ação. Impedir a multiplicação do vírus em determinada célula pode evitar que o HIV se espalhe para outras do sistema imunológico.
Recentemente, cientistas norte-americanos e franceses descobriram que uma proteína chamada SAMHD1 era capaz de impedir a replicação HIV nas mieloides, que são um determinado grupo de células dos glóbulos brancos. Entretanto, os mecanismos dessa proteína para impedir a multiplicação do vírus ainda não haviam sido identificados. “Nossa pesquisa descobriu que SAMHD1 consegue degradar os desoxinucleotídeos do vírus, que são os blocos de construção necessários para a replicação do DNA do HIV nas células brancas”, explica Michelle Webb, coordenadora do estudo.
Segundo os pesquisadores, essa descoberta pode auxiliar o desenvolvimento de novas drogas que imitem esse processo biológico de prevenção da multiplicação do HVI nas células imunológicas. “Se nós pararmos a replicação do vírus, poderemos prevenir que o HIV se espalhe para outras células e, consequentemente, parar o progresso da infecção”, conclui Webb.
“Agora, nós esperamos aprofundar o funcionamento da SAMHD1. Isso irá pavimentar a formação de novas abordagens terapêuticas para o HIV e até mesmo para o desenvolvimento de vacinas”, diz o co-autor do estudo e o médico do Instituto Nacional de Pesquisa Médica, Ian Taylor.