quinta-feira, 19 de abril de 2018

domingo, 15 de abril de 2018

Em pedaços

Resultado de imagem para em pedaçosAcho que nunca me senti tão desanimado com o meu trabalho como agora: a universidade está em pedaços. Tudo o que pensamos e investimos para que a pós-graduação chegasse aonde chegou está sendo desmontado. Não há quem fale pelos professores da pós. Não há quem fale pelos professores.
Amigos sendo dispensados em abril. E tudo parece funcionar na mais perfeita harmonia. Vamos levando. Vamos empurrando. Vamos dando jeitos como se nada tivesse acontecendo.

quarta-feira, 21 de março de 2018

Ela disse que ia ali se matar, mas ... desistiu e não cumpriu a promessa...

Resultado de imagem para a vida como ela éNunca é uma produção isolada. Costumo dizer que se trata sempre de um combo, tipo "promoção" de Fast-food: vc compra um sanduíche e "ganha" a batata frita, o refrigerante e, às vezes, a sobremesa. Algumas vezes o negócio é tão ruim que vc pode tomar o refrigerante até não aguentar mais...😤
A desembargadora da 20ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro não caluniou apenas a vereadora Marielle Franco com acusações absurdas sobre a sua vida particular e as suas relações profissionais. 
Seria praticamente impossível que tivesse sido apenas dessa vez!  Nunca é!!!!
Ela esculhambou de maneira extremamente preconceituosa uma professora com síndrome de down; criticou Zumbi dos Palmares, foi racista nessa crítica; pediu o fuzilamento do deputado federal Jean Wyllys, foi homofóbica quando da declaração de extermínio; debochou da Lei Maria da Penha, foi extremamente machista quando desse deboche; confundiu assédio sexual com paquera; disse que desconhecia o fato das mulheres serem consideradas minoria uma vez que em se tratando de número, há mais mulheres do que homens no Brasil.
Preciso dizer mais alguma coisa? Não, né?
A vida como ela é...

segunda-feira, 19 de fevereiro de 2018

Da Série: Contos Mínimos

Encontrei, esquecidas numa gaveta num armário na casa de meus pais, já falecidos, algumas cartas de minha mãe enviadas a mim num período em que eu, morando longe, não tinha outra forma de me comunicar com ela. Foi uma sensação estranha reler aqueles textos: senti saudade, alegrias e tristezas. Tenho comigo uma foto dela sobre a minha mesa de trabalho. E algumas  poucas gravações de sua voz. É claro que nada disso é suficiente, mas é o que ainda me alenta nesses dias de ausência.

domingo, 11 de fevereiro de 2018

Da Série: Contos Mínimos

Resultado de imagem para nivel baixoAo longo desses últimos anos, eu acreditei que ninguém estivesse no mesmo nível que eu para nada. Para absolutamente nada. Aí finalmente descobri que o meu nível era tão baixo, mas tão baixo, de fato tão baixo que era mesmo impossível encontrar alguém que se encontrasse no mesmo nível dele.

sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Da Série: Contos Mínimos

Imagem relacionadaNum dia é a dobradiça, no outro a casa inteira. É assim que acontece: apenas estou ficando velho. Um dia dói a perna esquerda, no outro a panturrilha direita. Às vezes, as costas incomodam, ou uma dor medonha no pé me impede de calçar um tênis, de pisar com força. A memória falha sempre. Sobre o que mesmo eu ia escrever? A paciência foi embora faz tempo. Eu amo o silêncio.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

9 anos do Avesso

Imagem relacionadaDia 24 de janeiro o blog completa nove anos. Nove anos sem sair de cima. Pensando bem, não é exatamente sem sair de cima, mas eu gosto de me promover. Altas e baixas são frequentes com tanta coisa para fazer além de  poder escrever apenas por prazer. Em geral, a escrita é quase uma ordem...
E aquela escrita além de nos salvar precisa tb de respiração e nem sempre isso é possível uma vez que a arte de saber respirar demanda tempo e investimento.
De qualquer forma, fico feliz por esse projeto ainda está de pé. É por aqui que eu tb me divirto, experimento, escrevo sem censura. Obrigado se vc anda por aqui de vez em quando e curte alguma coisa. Abraços.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Ou acontece aos 29 ou não existe.

Resultado de imagem para 29Não entendo crise de idade que não seja aos 29 anos.  Ou acontece aos 29 ou é mentira. Todas as outras, caso alguém queira te convencer de sua existência, acredite, não é de verdade! 
A crise dos 29 é legítima porque vc sabe, ou acredita que sabe, que no próximo ano não tem volta, chegam os trinta (vou escrever por extenso porque machuca menos) e pode durar uma eternidade. Talvez isso, essa longa duração, confunda as pessoas de que existam crises dos 40, dos 50, dos 60.
Ah, é bom deixar claro que não existem crises depois dos 60! Acredite. Ou a gente vive a nossa vida ou perde a oportunidade porque fica encalacrado num pensamento idiota. Aos 60 não se perde tempo com isso.
Trinta anos tb é uma bobagem. Mas aos 29 a gente não sabe disso. Parece que o caminho é sem volta. E é. Mas isso acontece a partir do primeiro aniversário. Claro que estou tentando aqui racionalizar aquilo que aos 29 não parece possível de se fazer.
29 é um rio caudaloso. Com uma margem muito distante da outra. Água fria num dia nublado. Sem nenhuma possibilidade de ajuda para atravessá-lo. E a gente precisa percorrer essa distância sozinho. O problema maior é que isso dura exatos 365 dias (às vezes, 366), mas com a sensação de uma eternidade. Mas passa. O que é um ano diante de tudo o que a gente precisa fazer/viver? Nada. Estranho mesmo é se dá conta de que perdeu um tempo importante da vida com uma bobagem dessa.

domingo, 21 de janeiro de 2018

Longe e perto.

Resultado de imagem para os contatos virtuaisAs distâncias são medidas pela velocidade da sua internet e pela sua disposição de enviar ou não uma mensagem.
Num segundo chego aonde eu quiser, sem sair do lugar. Não é preciso me descolar de onde estou.
Nem preciso parar para escrever, com um comando de voz abro um app e dito a mensagem, em seguida, com outro comando, posso publicar nesta ou naquela rede, ou em ambas, se achar melhor.
Pronto. Missão cumprida. Os pêsames foram parar aonde deviam, os parabéns alegraram mais um aniversariante ou aquele que conquistou alguma coisa ou alguém.
E eu me conectei de verdade com o outro que através de um app leu/ouviu o que enviei com um comando de voz.

Da Série: Contos Mínimos

Os objetos perdidos, os amores acabados, os corações partidos... para onde vão?