terça-feira, 31 de janeiro de 2012

Contos Mínimos

Teve a impressão de que não estava lhe fazendo bem. Na verdade, percebeu que estava lhe fazendo mal. Mas não sabia como desfazer.

Contos Mínimos

Eles não sabem que são fortes e perigosos. Quer dizer, até sabem, mas pouco adianta diante da fúria humana. A cada dia, percebem apenas que falta alguém, algum, mas é uma percepção animal. Muito provavelmente esquecida na hora da fome, da sede ou do sono. Estão ameaçados de extinção. Eram encontrados em grande parte da África e na Ásia meridional. Corpo maciço (como uma armadura), cabeça grande, com um ou dois cornos ceratinosos e patas com três dedos cada, todos com cascos.

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Revendo amigos (texto)

Quinta-feira, dia 26 de janeiro, fui ao encontro de ex-alunos do Colégio Antônio de Pádua, Campo Grande, Rio de Janeiro. Minha primeira turma de língua portuguesa no ensino médio. Até então eu ministrava aulas de literatura para este nível de ensino (língua portuguesa era privilégio (rs) apenas dos alunos de ensino fundamental, antigo ginásio).
Fazia apenas 20 anos que eu não encontrava essa turma. E eu realmente não sabia o que esperar. Sabia que tinha sido um grande prazer trabalhar naquela escola e com esses alunos. Fui logo ficando íntimo deles e eles de mim. 
Era uma relação aluno-professor, não se pode negar, até porque não dá para ser de outra forma, mas era verdadeiramente prazeroso estar por ali. Eu ainda que novo professor na escola, nos idos de 1992, era muito bem tratado pela direção, coordenação, professores, funcionários e alunos.
Fiz grande amigos nesta turma. Eu tinha bons alunos por perto. Além disso, o que não é pouco, eles eram bem humorados, inteligentes, aplicados. Só repeti essa dose, alguns anos depois na Universidade Estácio de Sá, campus de Vila Valqueire (mas isso fica para outro post).
O encontro foi muito além do que eu esperava. A minha sensação era de um tempo que não havia passado. Era como se tivéssemos acabado de sair de uma aula e nos reuníssemos para uma conversa fiada dessas que alunos e professores fazem sempre que há boas relações. Tudo, sem exceção, foi alegria. Rimos, relembramos os velhos tempos, falamos dos novos tempos, fui emocionante demais. 
Voltei para a minha casa (na carona de um grande amigo e ex-aluno) sem acreditar muito no que acabava de me acontecer. A sensação de que a felicidade está/é próxima e se materializa num abraço, num beijo, num sorriso, na oportunidade de estar ali sentando dividindo uma mesa, jogando conversa fora.
Bom demais poder ter vivido isso.

Não é que eu não goste (texto)

Estou de volta a Cascavel. Não é fácil voltar. Não que eu não goste da cidade. Não é isso mesmo, mas voltar significa, em parte, retornar ao trabalho e a todos os compromissos que dizem respeito a ele: só de imaginar fico angustiado. Tb não significa que eu não goste de trabalhar. Não é isso mesmo (meio repetitiva essa oração), mas voltar ao trabalho significa, em parte, reencontrar os problemas de sempre. Só de imaginar fico com o estômago embrulhado. Não que eu não goste de ficar com o estômago embrulhado. Não mesmo. Mas isso significa, em parte, não estar muito bem fisicamente. Não que eu não goste de não estar muito bem fisicamente. Não é isso mesmo. Mas isso significa, em parte...melhor eu parar com essas gracinhas.
Hoje, comecei a por em ordem a casa. Mais de um mês fora, imaginem a bagunça! Produtos que estragaram na geladeira, poeria por todo lado, sem água para beber, roupa para lavar, despensa vazia, plano de ensino para organizar, reformulação de bibliografia para a disciplina, fora o computador (novíssimo) que desligava aos 5min de uso.
Voltar é isso, é assim. Ainda não estou me sentindo fora das férias, mas amanhã, não tenho opção.

sábado, 28 de janeiro de 2012

A Arte de Ser feliz (Cecília Meireles)


Houve um tempo em que minha janela se abria
sobre uma cidade que parecia ser feita de giz.
Perto da janela havia um pequeno jardim quase seco.
Era uma época de estiagem, de terra esfarelada,
e o jardim parecia morto.
Mas todas as manhãs vinha um pobre com um balde,
e, em silêncio, ia atirando com a mão umas gotas de água sobre as plantas.
Não era uma rega: era uma espécie de aspersão ritual, para que o jardim não morresse.
E eu olhava para as plantas, para o homem, para as gotas de água que caíam de seus dedos magros e meu coração ficava completamente feliz.
Às vezes abro a janela e encontro o jasmineiro em flor.
Outras vezes encontro nuvens espessas.
Avisto crianças que vão para a escola.
Pardais que pulam pelo muro.
Gatos que abrem e fecham os olhos, sonhando com pardais.
Borboletas brancas, duas a duas, como refletidas no espelho do ar.
Marimbondos que sempre me parecem personagens de Lope de Vega.
Ás vezes, um galo canta.
Às vezes, um avião passa.
Tudo está certo, no seu lugar, cumprindo o seu destino.
E eu me sinto completamente feliz.
Mas, quando falo dessas pequenas felicidades certas,
que estão diante de cada janela, uns dizem que essas coisas não existem,
outros que só existem diante das minhas janelas, e outros,
finalmente, que é preciso aprender a olhar, para poder vê-las assim.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Uma Alegria Para Sempre (Poesia - Mário Quintana)

As coisas que não conseguem ser
olvidadas continuam acontecendo.
Sentimo-las como da primeira vez,
sentimo-las fora do tempo,
nesse mundo do sempre onde as
datas não datam. Só no mundo do nunca
existem lápides... Que importa se –
depois de tudo – tenha "ela" partido,
casado, mudado, sumido, esquecido,
enganado, ou que quer que te haja
feito, em suma? Tiveste uma parte da
sua vida que foi só tua e, esta, ela
jamais a poderá passar de ti para ninguém.
Há bens inalienáveis, há certos momentos que,
ao contrário do que pensas,
fazem parte da tua vida presente
e não do teu passado. E abrem-se no teu
sorriso mesmo quando, deslembrado deles,
estiveres sorrindo a outras coisas.
Ah, nem queiras saber o quanto
deves à ingrata criatura...
A thing of beauty is a joy for ever
disse, há cento e muitos anos, um poeta
inglês que não conseguiu morrer.

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

3 anos de vida (texto)

Como eu disse, aqui, pelo menos duas vezes, o blog já fazia parte dos meus planos há algum tempo, mas todos os outros compromissos (sobretudo, o trabalho) não permitiam dedicação a qualquer outra atividade (assim eu pensava). Aí, depois de uma viagem a Buenos Aires e a vontade de compartilhar as minhas impressões sobre a cidade com os amigos, que não estavam por perto, resolvi, finalmente, iniciar com as postagens daquelas fotos feitas em terras argentinas.
Assim surgia Do Avesso, meio ao acaso, e como o nome, pra mim, sugeria, correndo contra a ordem natural. Eu imaginava que, ao voltar às atividades na universidade, não teria tempo para escrever com frequência. Mas descobri com o tempo (e 3 anos pra mim é tempo pra burro) que tê-lo muitas vezes, muitas mesmo, me aliviava a tensão de um dia pesado no trabalho (e foram muitos dias tensos).
Hoje, 24 de janeiro de 2012, completo 3 anos no ar. E quero agradecer aos parceiros, amigos, visitantes (hoje conto com mais ou menos 41721 passantes), transeuntes virtuais de 97 países, que por aqui passaram para comentar (concordando ou não com as minhas impressões), para dar uma olhadinha, para ler alguma postagem.
Obrigado.
Alexandre S. Ferrari Soares.

sábado, 21 de janeiro de 2012

Nara online (texto)

Ontem, descobri um site inteirinho dedicado à grande cantora e musa da Bossa nova, Nara Leão. No site www.naraleao.com.br é possível encontrar TUDO sobre a cantora: sua história, discografia, fotografias, documentos, bibliografia, vídeos, enfim, tudo que possa interessar aos seus fãs.
O mais bacana (não sei se dá para escolher o que há de mais bacana) são as músicas de todos os discos disponibilizadas para audição. Fiquei doido com tanta informação e com a possibilidade de ouvir tantas quantas forem as vezes que eu tiver vontade de fazê-lo. Só não enlouqueci porque poderia perder a novidade.
Os discos vão de 1964 (Nara) até 1989 (My Foolish Heart). Não deu ainda para ouvir tudo, mas já ouvi com atenção E que tudo mais vá para o inferno (1978) e Romance popular (1981), uns dos meus preferidos.
Pra quem gosta de Música Brasileira (assim mesmo com maiúscula) e tb de internet não pode perder a oportunidade. É bom demais! Bacana o desprendimento do filho da cantora que nos presenteou com tanta música.

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

GLOBO.COM E BBB (texto)

Sou assinante da Globo.com, meu e-mail pessoal é desse provedor e, por conta disso (e para facilitar a minha vida, é claro) o meu navegador abre no G1. E já que estou na página de um "grande" meio de divulgação de notícias, aproveito para ler alguma coisa que me interessa.
No entanto, para chegar ao que me interessa, sou bombardeado com um excesso de informação sobre a nova edição do BBB. Não tenho nenhum interesse, nenhum mesmo, em relação aos participantes desse programa, não quero saber nada sobre as festas das quais eles participam, não tenho curiosidade alguma em relação às opiniões emitidas por eles, sequer deixo a TV ligada na Globo quando as chamadas do programa invadem a minha casa (não inventaram o controle remoto para outra finalidade).
Acho, sinceramente, que um ícone seria suficiente para quem quer se inteirar das novidades do programa, mas não acho que eu (e quem não quer saber dessa porcaria) deva ser obrigado a dar uma espiadinha nessa bosta.
Alguém poderia argumentar que eu não precisaria ler o que não me interessa. E eu concordaria, mas experimentem abrir a página da GLOBO.COM para ver a quantidade de propagandas do programa e ver tb se é possível não ler alguma coisa, mesmo sem vontade.

terça-feira, 17 de janeiro de 2012

Calunga, Jussara Silveira (Música)

Já postei aqui, não faz muito tempo, uma pequena apresentação do CD Ame ou se mande de Jussara Silveira. Hoje, a cantora disponibilizou Calunga (música de Capiba). Não vou escrever nada sobre a música ou sobre a sua interpretação, mas indico que ouçam para, sozinhos, entenderem o porquê dessa postagem.

segunda-feira, 16 de janeiro de 2012

A relação entre Literatura e Identidade na ficção contemporânea, principalmente nos países de recente passado colonial (texto)

Escritores de sociedades pós-coloniais tiveram em geral uma educação muito mais internacional e cosmopolita, se comparado com sistemas educacionais mais restritos e nacionais. Em Bombaim, eu estudava numa escola jesuíta espanhola. Tínhamos manuais que vinham da Inglaterra e dos EUA. Aprendíamos não somente a geografia da Índia, mas tb da Grã-Betenha, por causa do colonialismo braitânico - embora eu tenha frequentado a escola depois da independência. Estudávamos a América Latina, aprendíamos a literatura de diferentes partes do mundo. Nós sabíamos que os abusos do nacionalismo se referem ao fechamento, a estreitar a janela. Mas as pessoas em sociedades pós-coloniais experimentaram a ampla e aberta janela do mundo, embora fossem muitas vezes os desgraçados da terra. Vc vê o paradoxo? Um dos primeiros líderes políticos dos intocáveis na Índia escreveu um livro sobre a escravidão de sua casta. Ele dedicou a obra aos negros americanos. Era alguém que nunca tinha saído da Índia àquela época, a sua base era uma aldeia do interior. Para ele, a fronteira nacional não possuía a metade da importância, em sua própria língua vernacular, da extensão cosmopolita  do mundo. Por  isso chamo de cosmopolitismo vernacular. A literatura sempre rompeu com os limites nacionais. São muito poucas obras da literatura que seguem uma perspectiva estritamente patriótica. Não nego que existam algumas. Mas as obras mais interessantes, mesmo com perspectiva nacional, têm a ver com contradições e disjunções da nação. As obras literárias que só recitam um credo nacional não têm nenhum interesse. Só interessam a políticos tiranos. Ditadores adoram obras assim.

Homi Bhabha, entrevista concedida ao Jornal O Globo, caderno Prosa e Verso em 14 de janeiro de 2012.

domingo, 15 de janeiro de 2012

Bebendo água da privada (texto)

Acabei de sair do Facebook, não faz um minuto. Talvez faça mais quando eu, finalmente, concluir este pequeno texto. Foi uma passada bem rapidinha, daquelas para mandar um abraço para quem está fazendo aniversário hoje. Às vezes, fico bem mais por lá. Dessa vez, não.
Entre um abraço e outro, li pequenas frases postadas por amigos ou por amigos de amigos e percebi, mais uma vez, que elas têm muito em comum. 
São informações absurdamente necessárias sobre atividades que estão sendo realizadas (ou foram) por faceparticipantes: estou assistindo TV. Fui ao mercado. Estou dormindo. Estou com sono. Vou almoçar. Minha TV estragou. Estou jogando. Dor de barriga. Penteando os cabelos. Lavando roupa. Limpando a casa. Minha bolsa estourou. Prendi meu pinto no fecho éclair. Dor de dente. Minhá avó tá maluca. Quero vê-la sorrir. Quero vê-la cantar. Me depilando. Hoje é domingo. Acordei tarde. Batendo um bolo.

sexta-feira, 13 de janeiro de 2012

Marcelo Serrado, o equivocado (Alexandre Vidal porto)

Na década de 1920, a cidade de Berlim conheceu um dos períodos mais tolerantes da história em relação à homossexualidade.
Casais do mesmo sexo eram tratados com respeito, e a cultura homossexual era aceita sem constrangimentos. Essa situação propícia se manteve até a emergência de Adolf Hitler, que mandou dezenas de milhares de homossexuais para campos de extermínio, todos com um triângulo rosa no peito.
No Brasil, ocorre situação análoga. Lentamente, a conquista pela igualdade de tratamento para os homossexuais avança. Mas a luta é inglória. Quando se pensa que os avanços estão consolidados, surge um Silas Malafaia, um Jair Bolsonaro ou um Ives Gandra Martins para lembrar que a questão está longe de ser resolvida.
O último nessa linhagem de homofóbicos é o ator Marcelo Serrado, que interpreta o personagem homossexual Crô, na novela "Fina Estampa". Em entrevista à jornalista Mônica Bergamo, publicada na edição do último domingo deste jornal ("Arrasa, bii!"), Serrado expôs seu preconceito abertamente ao declarar que não gostaria de que a sua filha de sete anos visse um beijo gay na televisão.
Em sua conta no Twitter, o ator negou que fosse preconceituoso. Como se não querer que uma criança assista a um beijo gay nada tivesse de discriminatório. Exatamente como a senhora que diz que não é racista, mas que preferiria que a filha não se casasse com um negro.
A maneira como Serrado educa a sua filha é problema dele. Não se condena o teor de suas declarações preconceituosas, porque a homofobia ainda não é crime no Brasil.
O condenável em sua atitude é a negação do óbvio. Ele tem o direito de educar a sua filha como quiser, mas não pode enganar a população tentando descaracterizar a natureza do seu preconceito. Ou seja, Serrado é um homofóbico no armário. Precisa sair dele.
Serrado terá alcançado o auge da sua fama às custas da ridicularização dos homossexuais. Para ele, explorar a homofobia da sociedade brasileira deu certo. Para a Rede Globo, também, porque os índices de audiência da novela são altos. É triste, porém, que uma emissora de televisão preste tal desserviço à consolidação da cidadania.
A imagem desrespeitosa que a televisão brasileira difunde dos homossexuais pode dar lucro às emissoras e aos atores. No entanto, causa prejuízo ao Brasil como um todo, porque solapa os esforços do governo e da sociedade no combate ao ódio e à intolerância.
A caricatura homossexual que Aguinaldo Silva compôs e que Marcelo Serrado se presta a interpretar, por exemplo, levará anos para ser desmantelada no imaginário da nação. Produzirá discriminação e gerará violência.
Em defesa da novela, poder-se-ia falar em liberdade de criação artística. No ataque, porém, é necessário recordar a noção de responsabilidade social, que as redes de televisão têm o dever de preservar.
Homossexuais caricatos sempre existiram. Não temos de negá-los. Pergunto-me, no entanto, em que novela ou reality show estarão os homossexuais comuns, que têm relações estáveis, acordam cedo para ir trabalhar e levam uma vida convencional. Eles também existem. São muitos. Pagam impostos e exigem respeito.
Ah, e beijam-se também, Marcelo Serrado, como qualquer ser humano normal. Querer ocultar esse fato de sua filha ou de quem quer que seja constitui homofobia, quer você queira, quer não.

ALEXANDRE VIDAL PORTO, 46, mestre em direito pela Universidade Harvard, é diplomata e escritor.
Artigo  publicado na Folha de São Paulo de hoje, 13/01.

quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

O sobrevoo migratório dos politicos (texto)

As migrações das aves são fenômenos voluntários e intencionais com caráter periódico e com o objetivo de encontrar alimento e boas condições meteorológicas. O voo dos políticos tem características bem parecidas, tb são voluntários, intencionais, com caráter periódico (normalmente em épocas de enchentes como as que estão acontecendo no sudeste do Brasil ou em períodos de catástrofes naturais que assolam algumas regiões e matam muitas pessoas ou deixam outras tantas desabrigadas).
O objetivo, diferentemente das aves, não é o de encontrar alimentos ou boas condições climáticas, mas apenas o de tomar ciência dessas desgraças anunciadas cuja frequência a cada ano se intensifica.
Faz exatamente um ano que 918 pessoas morreram (e 215 ainda estão desaparecidas) soterradas ou foram levadas pelas enchentes e deslizamentos de encontas na região serrana do Rio. Lembro-me perfeitamente das promessas do Governador do Rio, Sérgio Cabral, que, como aquelas aves, sobrevoou a região atingida e prometeu (prometer é, além de sobrevoar, uma das características mais comuns dos políticos) doações de verbas para recuperar a região, casas para os desabrigados e principalmente retirar as pessoas dos locais de risco.
Quase nada foi feito. Nova Friburgo, por exemplo, tem mais de 10 mil pessoas morando em locais que visivelmente correm algum risco de serem atingidos por deslizamento de encontas ou por cheias de rios, caso a chuva castigue um pouco mais a região.
Como eu disse, muitas vítimas até hoje não foram encontradas. Os sobreviventes sofrem com as lembranças e o medo de novas tragédias. Em um ano, pouca coisa mudou na região do desastre. As novas construções ainda são promessas (sem prazo de entrega).
O que não muda, faz um bom tempo, são os comportamentos dos governadores, prefeitos, vereadores, deputados estaduais e federais, senadores, enfim, dos políticos que são eleitos para trabalhar pela comunidade. Entram e saem gerações de políticos, mas as práticas continuam exatamente as mesmas: sobrevoar e prometer.

quarta-feira, 11 de janeiro de 2012

Atores deveriam interpretar e não achar que podem falar sobre tudo e qualquer coisa (texto)

O ator Marcelo Serrado, em entrevista, esta semana, na coluna de Mônica Bergamo, disse ser contra beijo gay em novela das 21h. Disse ainda que "Isso é algo que tem que ir quebrando aos poucos. Não quero que minha filha [Catarina, 7] esteja em casa vendo beijo gay às nove da noite [na TV]. Que passe às 23h30."
Acho, como já escrevi aqui, algumas vezes, diga-se de passagem, que artistas devem ser avaliados pela forma como trabalham e não por suas opiniões, normalmente, equivocadas. O ator não sabe o que diz e ponto.
Tanto não sabe que para ele a filha assistir  às 21h as cenas de sexo de casais héteros, as atitudes negativas baseadas em caráter questionável (como as da personagem Tereza Cristina), a subserviência canina e alienada do Crô, não há problema! Dá para levar a sério o que o ator diz?

terça-feira, 10 de janeiro de 2012

Casamento gay diz que Papa Bento XVI ameaça Humanidade

Em entrevista coletiva, o Casamento Gay declarou ontem que o Papa Bento XVI é uma ameaça à Humanidade. Citando o comportamento preconceituoso do sumo pontífice, que condena os homossexuais, o casamento gay não tem papas na língua ao criticar o sacerdote. “As pessoas precisam de humanidade e as declarações do papa vão contra o amor ao próximo que Jesus pregou”, diz o Casamento Gay, que já é legal em vários países da Europa.
Ao saber das declarações do Casamento Gay contra sua santa pessoa, Bento XVI radicalizou: pediu aos católicos que deixem de ver programas em que haja personagens gays, a começar pelo Crô de Fina Estampa. O papa disse ainda que vai entrar com pedido no Vaticano para mudar seu nome artístico para Bolsonaro XXIV.

Desiree Aparecida e Leonardo Lanna

Publicado em: http://www.sensacionalista.com.br/2012/01/10/casamento-gay-diz-que-bento-xvi-ameaca-a-humanidade/

Eles fritam ovos na cozinha, falam sobre qualquer bobagem e o público vota (texto)

Hoje, à noite, recomeça, na TV Globo, o BBB (sabe-se lá qual edição. Eu poderia pesquisar, mas não quis) e esse é também o recomeço de uma histeria nacional, ou, pelo menos, da divulgação de uma histeria. E como algumas pessoas se reunem em torno da TV para acompanhar tanta bobagem!!!
George Orwell deve se remexer no túmulo cada vez que reestreia essa idiotice (cujo título foi saqueado de sua obra).
Hoje, um amigo, postou no Facebook um vídeo bem interessante do artista plástico brasileiro Antonio Veronese com algumas considerações sobre o programa (vale à pena ver e ouvir).
Uma, dentre as suas ideias, me tomou completamente: já que a TV brasileira é uma concessão do Estado, ela, por obrigação, deveria contribuir com a educação, com a cultura, com informaçãos que ajudassem a população, de uma forma geral, a conhecer melhor a sua história.
Programas como Domingão do Faustão, Xuxa, Gugu e restos desse gênero deveriam ser banidos da TV brasileira, já que não contribuem em nada com a formação cidadã (ao contrário, deformam qualquer possibilidade de fazer cultura). E isso não é um privilégio da TV brasileira, o mundo tá cheio de besteiras como essas.
O que me interessa se o(a) modelo e manequim (ainda existem manequins?) pensa assim ou assado sobre qualquer coisa? Não quero (e não permito) que essas imagens entrem na minha casa, invadam meus olhos, instalem-se na tela da minha TV.
É vergonhoso o tanto de mídia em torno desse programa. Deveríamos sim nos reunir para boicotar qualquer produto que promovesse esse tipo de programa. Quem sabe assim as TVs abertas não se tocassem do emburecimento que elas produzem.

Papas vão queimar no fogo do inferno (texto)

O papa Bento XVI (este aí ao lado) disse hoje, segunda-feira, 09 de janeiro, que o casamento homossexual é uma das várias ameaças atuais à família tradicional, pondo em xeque "o próprio futuro da humanidade".
Segundo ele, a educação das crianças precisa de "ambientes" adequados, e "o lugar de honra cabe à família, baseada no casamento de um homem com uma mulher". "Essa não é uma simples convenção social", continuou o Papa, "e sim a célula fundamental de cada sociedade. Consequentemente, políticas que afetam a família ameaçam a dignidade humana e o próprio futuro da humanidade".
"A unidade familiar é fundamental para o processo educacional e para o desenvolvimento dos indivíduos e Estados; daí a necessidade de políticas que promovam a família e auxiliem na coesão social e no diálogo", disse Bento XVI aos diplomatas no Vaticano.
Além dessas cafonices, família tradicional, ambientes adequados, por em xeque o futuro da humanidade, Bento disse também que a Igreja Católica (assim, em maiúscula e negrito) tem recebido muitos fiéis de outras religiões que discordam de tantas ideias liberais (de outras religiões, é claro).
Bem, vamos ao que me interessa. Papas deviam se aposentar, ideias como essas deviam ter data de validade. A família tradicional a qual o papa faz menção não existe faz tempo (graças a deus, diga-se de passagem). E casamentos como os que o papa se refere nunca existiram: ou alguém acha que viver num ambiente em que as mulheres eram (são) subjugadas pelos homens é saudável? Ou ainda, num extremo de exemplificação, porque isso não acontece em todos os lares, pais que abusam sexualmente de seus filhos não estão em ambientes saudáveis, né não?
O que pode colocar em xeque o futuro da humanidade é a FOME. E por falar nela, que tal o Vaticano dividir um pouco da sua riqueza com os miseráveis (fiéis e infieis) católicos? Miseráveis pela condição econômica e miseráveis de conhecimentos.
A Igreja Católica exterminou milhares de pessoas em nome de Deus. A Inquisição queimou, tomou bens, matou, excluiu tb em nome de Deus. Até avanços científicos se calaram diante da mão forte da Igreja Católica. Papas acham que podem falar em nome de Deus. Não podem. Deus não precisa da tradução de ninguém para que os seus princípios sejam entendidos: ama o próximo como a ti, seria suficiente para vivermos em paz.
A Igreja recebia dos seus fiéis bens para que os seus  pecados (dos fiéis) fossem perdoados. Os Papas vão quiemar no inferno, tenho certeza. Acho que Papas não têm mais nada o que fazer. São figuras retóricas e deveriam, portanto, enquanto há tempo pedir perdão pelos excessos cometidos (ou farão isso, necessariamente, em alguns anos). Pobre de quem não pensa sozinho. Pobre de espírito aquele que não enxerga as barbaridades que produzem esse tipo de afirmação sobre a homossexualidade.

segunda-feira, 9 de janeiro de 2012

Velho reality show da TV Globo

QUE BOSTA!

Novo reality show da TV Bandeirantes

SEM COMENTÁRIO.

Da Série Contos Mínimos

Não entendiam, sobretudo ele, para onde teria ido tanto amor. Havia promessa de para toda vida. Foram tantos planos: casa, filhos, cachorro, saudades. 
Talvez fosse preciso um tempo maior para descobrir que o amor continuava por ali, no fundo do armário, na posta-restante. Eis aí o amor, brincando de esconde-esconde.

sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

SE (texto)

É intrigante como somos guiados pelo "Se". "Se" não chega sequer a ser possibilidade. "Se" é apenas uma ideia que poderia ter ocorrido mas não vingou (não vingaria). Buscamos nele uma salvação que não tem mais tempo, um momento que não pode voltar, uma ação que não teve força. Nos agarramos ao "Se" como se um passe de mágica, um milagre, uma esperança brotasse e dependesse apenas de esticar as mãos (mas não existem mãos para ele). O "Se" nunca existiu, ele é uma invenção que nem saiu do papel, ele não tem serventia. Se soubéssemos disso antes...

quarta-feira, 4 de janeiro de 2012

A arte de fazer uma visita (texto)


Tava aqui pensando com os meus botões sobre A Arte de fazer uma visita, ou sobre, se houvesse, O manual do visitante. Como seria uma visita ideal? Como se deve se comportar quando se é uma visita? São tantas perguntas sem respostas. Vou tentar descrever como seria o meu visitante ideal.
Lição nº 1: saber se pode ser recebido é essencial. Ninguém deve ir à casa de ninguém sem saber se o anfitrião pode te receber. Isso é básico. Não dá para chegar à casa de um amigo (para ficar) sem ser anunciado;
Lição nº 2: visita tem que ter prazo de validade. Há de se deixar claro o dia de ir embora, justamente porque a Lição nº 2 diz respeito à Lição nº 1 (você não pode chegar para um fim de semana e ficar 15 dias sem avisar ou avisar que vai ficar 15 dias apenas quando chegar para a visita);
Lição nº 3: lembre-se sempre de que, por mais à vontade que você possa se sentir, você está na casa de outra pessoa. Isso é fundamental porque diz respeito a todas as demais Lições;
Lição nº 4: você deve ser uma pessoa ATENTA, ou seja, deve perceber o modo de vida do seu anfitrião. O que ele gosta e, principalmente, o que ele NÃO gosta;
Lição nº 5: os horários são fundamentais, sobretudo se você chega e se instala na casa de alguém. Não dá para tomar café da manhã quando o dono da casa está almoçando ou chegar para dormir quando o dono da casa está acordando (é claro que essa lição, ou qualquer outra, pode ser negociada. Só não dá para não haver negociação, ou seja, partir de um pressuposto. Não existem pressupostos quando se é visita. Os pressupostos são de quem te recebe), mas é educado não alterar a rotina da casa;
Lição nº 6: se você tem hábitos de se levantar muito cedo e o seu anfitrião não. Você pode se levantar (é claro), MAS NUNCA produzir ruídos que possam incomodar quem te recebe (atender telefone, falar alto, colocar música, bater na porta etc.). Pense que O SONO É SAGRADO (e se alguém está dormindo é porque está descansando);
Lição nº 7: ainda que o seu anfitrião seja uma pessoa desorganizada, você não deve/pode agir da mesma maneira. Você, como visita, deve manter a ordem, ainda que ela pareça não existir. Se o seu anfitrião é organizado (mais do que você gostaria ou é), vale sempre a Lição nº 4, ou seja, NÃO É VOCÊ QUEM DETERMINA, mas quem te recebe. Ser ATENTO é saber observar o funcionamento do seu anfitrião e da casa que te acolhe;
Lição nº 8: perguntar excessivamente se pode fazer isso ou aquilo também pode ser desagradável. Por isso, vale sempre a Lição nº 4;
Lição nº 9: não insista;
Lição nº 10: ficar tempo demais ao telefone também não dá; convidar outras pessoas para te acompanhar quando da visita também não (a não ser que o seu anfitrião lhe dê o seu consentimento. Não dá para perder de vista à Lição que diz respeito aos pressupostos);
Lição nº 11: chegar bêbado, drogado, andar pelado pela casa, tudo isso é desnecessário e desaconselhável, mesmo e ainda que você se sinta em casa;
Lição nº 12: ser invisível na medida certa, nem mais, nem menos.
Como eu escrevi, tudo pode ser negociado. E tb como eu escrevi SÓ NÃO DÁ PARA SIMPLESMENTE ACHAR QUE PODE TUDO.

Frases do dia

"Só há duas opções nesta vida: se resignar ou se indignar. E eu não vou me resignar nunca."
Darcy Ribeiro

"Quando já não me indignar, terei começado a envelhecer."
André Gide 
"A esperança tem duas filhas lindas, a indignação e a coragem; a indignação nos ensina a não aceitar as coisas como estão; a coragem, a mudá-las."
Aurélio Agostinho 
"Quando eu perder a capacidade de indignar-me ante a hipocrisia e as injustiças deste mundo, enterre-me: por certo que já estou morto."
"[...] em cada gesto a gente tem que mostrar aquilo que a gente pensa, a nossa indignação da maneira que for. Mas que ela seja bem vinda, senão ela se torna o mérito e o monstro."
Fernando Anitelli 
"Aprendeis vós a distinguir os sorrisos, pois muitos deles são motivados pela tristeza e indignação causadas aos nossos semelhantes."
Joel Alves Bezerra 
"O sonho é legítimo... Mas o sono pesado de nossa indignação atrai o caos. Precisamos acordar para o fato de que as mudanças sociais começam dentro de nós."
 
"O que realmente levanta uma indignação contra o sofrimento não é sofrimento intrinsecamente, mas a falta de sentido do sofrimento."
Frederich Nietzsche 
"Qualquer que seja o sofrimento, que vire tristeza e indignação; que virá então a bondade e vontade de vencer, pra tudo virar união e celebração."
Emerson Vahldick 
"Cada indignação, uma reação: construtiva ou destruitiva, você escolhe."
Lialopes 
"Muitas vezes minha inspiração anda de mãos dadas com minha indignação."

terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Rosa Passos e Maíra Freitas (CD)

Dizem que ano novo, vida nova. Ainda que eu não acredite nessa premissa, acredito sim que ano novo e música nova combinem demais. Por isso, vai a dica de dois bons CDs que comprei aqui no Rio. O primeiro, é uma homenagem de Rosa Passos à Divina Elizeth Cardoso: É luxo só. Se homenagem, é porque Rosa Passos percorre os caminhos musicais trilhados por Elizeth Cardoso e, como esta gravou de tudo um pouco, o CD tem Ari Barroso e Luis Peixoto, que dá nome à homenagem (É luxo só), Noel Rosa O último desejo (maravilhosa) e Três apitos; Cartola As rosas não falam e Acontece; Zé Ketti, Diz que fui por aí. Entre tantas outras boas músicas do nosso repertório de grandes letristas/poetas. Vale mesmo à pena ouvir sem parar.
O outro CD, é da filha de Martinho da Vila, Maíra Freitas. Ela toca piano clássico, mas o repertório do CD é popular com um piano bastante sofisticado: aí tem, é claro, Martinho com Disritmia, Paulinho da Viola com Só o tempo; Joyce Moreno, com um clássico, Monsieur Binot (que eu adoro). Dentre tantas outras. Voz rascante e suingada. CD bom para quem gosta de dançar juntinho ou soltinho. Bom demais!!!

Da Série Contos Mínimos

Eles sabiam que esquecer  é um exercício necessário e perigoso. É fundamental esquecer, mas não se pode esquecer do que foi esquecido. Há, assim, o risco de, ao não lembrar, acontecer outra vez.

domingo, 1 de janeiro de 2012

2012: O ano do Dragão

Em 2012, que é o Ano do Dragão, o Ano Novo Chinês se inicia em 23 de janeiro e termina no dia 09 de fevereiro de 2013. Segundo os chineses, em um ano do Dragão o Céu e a Terra estão em equilíbrio e, por isso, o sucesso é possível de ser alcançado, se houver determinação, ousadia e empenho.
O espírito indomável do Dragão tornará tudo maior. Teremos energia adicional e combustível para fazer de 2012 um ano marcante.
Outro aspecto positivo deste ano é que será bom para negócios e dinheiro, que poderá ser gerado ou obtido facilmente. É o momento de pedir ao gerente um empréstimo ou pedir para o chefe um aumento. Mas com os grandes gastos, aqueles que ultrapassam os limites do razoável. O poderoso Dragão não é muito prudente. Com ele é tudo ou nada.
Os orientais consideram que este é um ano auspicioso, bom para casar, ter filhos ou começar um negócio novo, porque o Dragão benevolente traz a boa fortuna e a felicidade.
Entretanto, este é também um momento de moderar o nosso entusiasmo e de olhar duas vezes antes de dar um salto maior que as pernas. O afortunado Dragão rega com a sua sorte indiscriminadamente tudo, inclusive nossos erros. O sucesso e as falhas serão ampliados da mesma maneira.
No ano do Dragão, os desastres serão tão grandiosos quanto as fortunas. Este será um ano marcado por muitas surpresas e atos violentos da natureza. Temperamentos e ânimos se aquecem. As pessoas ficam mais sujeitas às ofensas, brigas e discussões. As paixões são mais difíceis de serem controladas. A atmosfera elétrica criada pelo poderoso Dragão afetará de forma individual e coletivamente todos nós e também a natureza.


PREVISÕES PARA OS DO SIGNO
Um ano muito auspicioso para os nativos de Dragão que deverão manter-se centrados para aproveitar as boas oportunidades e não dispersar as suas energias. Este será um ano de destaque, reconhecimento e de muitos progressos. Nos relacionamentos afetivos, o carismático Dragão estará atraindo novos amores, mas ele estará em busca de estabilidade e tranquilidade. Na saúde, recarregue as suas energias fazendo exercícios junto à natureza.

1º de Janeiro

Seriam 70 se não fossem três. Mas não vou mais lamentar, pelo menos não aqui, a morte da minha mãe. Hoje seria o dia de seu aniversário. Ah, como ela reclamava de completar anos no primeiro de janeiro, dizia todo ano que quando era criança os adultos se esqueciam porque estavam mais preocupados com a comemoração do ano novo, além, é claro, do presente que era sempre, por conta da proximidade com o natal, apenas um. 
Dá uma saudade imensa sempre. A vontade de falar é constante. Sabe aquelas ligações despretenciosas que a gente dá para a mãe para não falar nada, apenas para dizer que tá com saudades, que lembrou de alguma coisa? Pois é, sinto muito não poder fazer isso.
Mas inda bem que existem os sonhos e podemos, nele, reexperimentar, abraços, cheiros, carinhos, beijos. Hoje sonhei com ela.