sábado, 31 de março de 2012

Homenagem ao Golpe de 64?! (texto)

Segundo o G1, militares da reserva promoveram, na manhã deste sábado, dia 31 de março, uma nova homenagem ao Golpe Militar de 1964, que completa 48 anos. 
Veteranos da Brigada Paraquedista saltaram de um avião, cada um deles carregando uma bandeira do Brasil, e pousaram na Praia da Reserva, no Recreio, diante de um quiosque frequentado por militares paraquedistas.
Dez coronéis da reserva estavam entre 50 veteranos que participaram do encontro. Entre eles, o deputado Jair Bolsonaro, que contratou um avião para circular pelas orlas da Barra e da Zona Sul com uma faixa que trazia a mensagem "Parabéns, Brasil, 31 de março 64".
— Esta é uma comemoração em memória do período que viveu o nosso país, que foi conturbado, mas permitiu o progresso e a transição para o estado democrático — diz André Chrispin, que, até novembro, ocupou o cargo de chefe do Estado Maior da Brigada de Infantaria Paraquedista e chegou a participar das operações no Complexo do Alemão. O oficial acaba de entrar para a reserva.
— Estamos aqui para comemorar, sim. Democracia é liberdade de manifestação — defende.
Ops, "comemorar um período conturbado que permitiu o progresso e a transição para o estado democrático". Como assim, a ditadura militar permitiu a transição para o estado democrático? O golpe impediu a democracia em todos os sentidos, ou melhor, em todos os sentidos que não fossem da vontade dos golpistas.
Um período que deveria ser motivo de vergonha. Inclusive, acho que deveríamos apurar e responsabilizar os excessos cometidos pelos militares durante os anos de tortura, assassinatos, covardias. Como é que alguém pode falar em preparo para a democracia durante um período sangrento e nebuloso da nossa história recente?
Alguém se surpreende com a presença de Jair Bolsonaro, um dos pais desse período,  nessa comemoração? Deveriam, sim, apurar a participação do deputado no evento, nesse mato aí tem coelho. Comemorar o Golpe de 64 é democracia para os envolvidos no episódio.
será que Bolsonaro merece mais uma melancia? Merece sim!

Personalidade felina (texto)

Já tive cachorros, calopsitas e agora tenho um filhote de gato em casa. Filhotes de cachorros são bastante inteligentes, pelo menos os vira-latas e os labradores (são as minhas experiências com cães). Aprendem depressa o que podem ou não fazer, aonde podem ou não entrar, aonde tem comida, aonde devem fazer cocô e xixi e tantas outras coisas, em pouco tempo. 
Meu ex-labrador, Spike, aprendeu em uma semana que para o cocô e o xixi tinha hora e local determinados. Aprendeu tb que essa hora e local dependiam tb de certa precisão da minha parte. Ou seja, se eu falhasse, ele fazia em qualquer lugar.
As calopsitas não são inteligentes!! Pelo menos o Ferdinand não era. Ele não aprendeu nada enquanto ficou comigo. Na verdade, aprendeu a assobiar um começo de música, nada além disso.
Os gatos são espertíssimos. Tb aprendem logo esses detalhes importantes e fundamentais das necessidades fisiológicas. Meu gato, Duscha, aprendeu a usar a caixinha higiênica no primeiro dia aqui em casa. Pra mim, isso foi incrível.
Mas os gatos vão além dos cães. Os gatos vão muito além dos cães quando o assunto é inteligência, percepção, destreza, engenho e atitude. Duscha está a menos de um mês aqui em casa, acho que mais ou menos 15 dias, ou alguma coisa em torno disso, e não tem um único lugar na casa sem que ele tenha deixado de estar. Ele vê tudo, não deixa um único ruído passar desapercebido. E, não sei se qualidade ou defeito, não sossega um momento sequer. 
Se ele está sumido, posso contar que ou está mordendo alguma coisa, ou brincando, subindo ou descendo, se enfiando em algum lugar. Nunca dormindo, apenas.
Dormir é outra novela. Um capítulo a parte do dia do gato. E não vou escrever sobre isso. Mas, talvez, em outra oportunidade. 
Os gatos, o meu, pelo menos, já entendeu, em pouco tempo de convivência, o "NÃO", ainda que ele insista 1000 vezes pelo sim. Inclusive, está agora nessa insistência. E não se pode titubear, caso contrário, esqueça. 
São esperto nisso tb: acho que sabem que a insistência é produtiva.

Pelo casamento civil igualitário (vídeo)


Pelo casamento civil igualitário (vídeo)


quinta-feira, 29 de março de 2012

Ademilde Fonseca (4 de março de 1921 - 27 de março de 2012)

Conheci a Rainha do Chorinho através da minha mãe. Não conheci, conhecendo assim de falar, ver, conversar, mas de ouvir as músicas em casa.
Minha mãe cantava, principalmente, os chorinhos Brasileirinho e Galo Garnizé para fazer graça. Quem não sabe, esses Chorinhos se cantam de forma bem acelerada. E, é claro, enquanto se acelara mais a cantoria mais difícil é para conseguir cantar a letra da música sem se atrapalhar. Ademilde Fonseca fazia isso como ninguém: ela tinha como marca registrada a destreza com que cantava versos enormes em velocidade inacreditável.
Não há como não transferir para a cantora o carinho que minha mãe tinha por ela. Eu acompanhei a sua carreira de alguma forma, meio de longe porque não tenho nenhum disco (vinil) ou CD gravado por ela.
Aos 91 anos ela ainda fazia shows pelo Brasil. Em tempos de celebridades relâmpagos, famas de 15 minutos, Ademilde Fonseca se manteve firme e forte na música e nos palcos por mais de 70 anos. Mais do que a expectativa de vida da maior parte dos brasileiros.
Deixa saudades.

quarta-feira, 28 de março de 2012

Millôr (16, agosto de 1923 - 28 de março de 2012)


Millôr Fernandes me fez, não tenho dúvidas, gostar mais da língua portuguesa, gostar mais de ler, gostar muito de escrever (assim como Luis Fernando Veríssimo, Carlos Drummond, Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Rubem Braga, Sérgio Porto, Moacir Scliar, Nelson Rodrigues, Mário Prata etc.).
Ele me fez muito mais feliz em certos momentos. Como ri com suas tiradas, com seu humor, com a sua ironia, com sua capacidade de síntese, com seus pensamentos impensados, com, sobretudo, a desconstrução do pensamento linear.
Millôr, que era pra ser Milton, já chegou por aqui subvertendo ordens. Só descobriu na adolescência o erro ortográfico, a caligrafia duvidosa que o (des)subjetivaria para o resto da vida.
Mas nada disso importaria se a sua escrita não me contaminasse completamente, se as suas charges não me tornassem um pouco mais curioso, se as suas ideias não tivessem me feito pensar mais de uma vez a respeito do que ali se punha.
Se Milton ou Millôr, nada disso seria fundamental se certa vez eu não tivesse me defrontado com Hierarquia, com Poesia Matemática, com tantos outros textos (que, naturalmente, não caberiam aqui) sobre política, políticos, costumes.
O tanto que eu me surpreendia com sua escrita e desenho na revista Veja. Eu, ainda adolescente, muito pouco ou quase nada compreendia de toda aquela confusão ortográfica, mas inquieto, curioso e fascinado diante do que eu via.
Não estou aqui escrevendo sobre subserviência intelectual. Nunca!! Mas de poder pensar outra vez a respeito do que ele pensava, sem nunca deixar de respeitar o que ali eu via.
Uma pena não mais saber de um texto inédito no jornal de domingo, na revista semanal ... pensando bem ... seus textos sempre serão atuais porque Político profissional jamais tem medo do escuro. Tem medo é da claridade.

Poesia Matemática (Millôr Fernandes)

Às folhas tantas
do livro matemático
um Quociente apaixonou-se
um dia
doidamente
por uma Incógnita.
Olhou-a com seu olhar inumerável
e viu-a do ápice à base
uma figura ímpar;
olhos rombóides, boca trapezóide,
corpo retangular, seios esferóides.
Fez de sua uma vida
paralela à dela
até que se encontraram
no infinito.
"Quem és tu?", indagou ele
em ânsia radical.
"Sou a soma do quadrado dos catetos.
Mas pode me chamar de Hipotenusa."
E de falarem descobriram que eram
(o que em aritmética corresponde
a almas irmãs)
primos entre si.
E assim se amaram
ao quadrado da velocidade da luz
numa sexta potenciação
traçando
ao sabor do momento
e da paixão
retas, curvas, círculos e linhas sinoidais
nos jardins da quarta dimensão.
Escandalizaram os ortodoxos das fórmulas euclidiana
e os exegetas do Universo Finito.
Romperam convenções newtonianas e pitagóricas.
E enfim resolveram se casar
constituir um lar,
mais que um lar,
um perpendicular.
Convidaram para padrinhos
o Poliedro e a Bissetriz.
E fizeram planos, equações e diagramas para o futuro
sonhando com uma felicidade
integral e diferencial.
E se casaram e tiveram uma secante e três cones
muito engraçadinhos.
E foram felizes
até aquele dia
em que tudo vira afinal
monotonia.
Foi então que surgiu
O Máximo Divisor Comum
freqüentador de círculos concêntricos,
viciosos.
Ofereceu-lhe, a ela,
uma grandeza absoluta
e reduziu-a a um denominador comum.
Ele, Quociente, percebeu
que com ela não formava mais um todo,
uma unidade.
Era o triângulo,
tanto chamado amoroso.
Desse problema ela era uma fração,
a mais ordinária.
Mas foi então que Einstein descobriu a Relatividade
e tudo que era espúrio passou a ser
moralidade
como aliás em qualquer
sociedade.

terça-feira, 27 de março de 2012

Demóstenes Torres Texto)

Em carta ao presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), o senador Demóstenes Torres (GO) pediu nesta terça (27) afastamento da liderança do partido no Senado.
Demóstenes retornou nesta terça ao Senado, depois de, na última sexta, o jornal O Globo ter relatado ligações dele com o empresário do ramo de jogos Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, preso em fevereiro por suposto envolvimento com jogo do bicho e máquinas caça-níqueis.
"A fim de que eu possa acompanhar a evolução dos fatos noticiados nos últimos dias, comunico a Vossa Excelência o meu afastamento da liderança do Democratas no Senado Federal", afirmou Demóstenes Torres no texto da carta.
A reportagem de O Globo afirma que gravações telefônicas em poder da PF mostram que o senador pediu R$ 3 mil emprestados e vazou informações de reuniões oficiais.
Cachoeira foi preso pela PF no fim de fevereiro em uma ação contra o jogo ilegal e está em uma prisão federal em Mossoró (RN).
O presidente do DEM, senador Agripino Maia (RN), afirmou nesta terça que, se comprovadas as denúncias, o partido vai "se mover".
"Não é que se abra discussão sobre expulsão, mas qual a gravidade das denúncias? Qual a qualidade das denúncias? O que existe? Se a Procuradoria dispõe de elementos e se os elementos são contundentes, é evidente que o partido irá se mover. O que é preciso é que a Procuradoria apresente os fatos que tem para que o partido e a nação avaliem a gravidade e a qualidade da denúncia", afirmou o líder antes de participar da reunião da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.
 
Relatório da PF
Nesta segunda, a Corregedoria Parlamentar do Senado pediu à Procuradoria-Geral da República acesso a um relatório da Polícia Federal que contém o teor de conversas entre Demóstenes e Carlinhos Cachoeira. A Justiça Federal negou revogar a preventiva de Cachoeira.
O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, havia dito que outros parlamentares de Goiás são mencionados nas investigações da PF. Ele analisa pedido de esclarecimento sobre as denúncias contra Demóstenes.
O relatório da PF está na PGR desde 2009, mas ainda não foram anunciadas investigações. O corregedor do Senado, Vital do Rêgo (PMDB-PB), diz que só poderão ser tomadas providências na Casa depois que os parlamentares tiverem acesso ao material.

G1 em 27/03/2012 14h12 - Atualizado em 27/03/2012 14h29.

segunda-feira, 26 de março de 2012

Gafes, vexames & micos

Celular nas refeições, indiscrições no Facebook, comentários fora de hora – e tudo aquilo que fazemos de errado, mesmo sem perceber.
A falta de boas maneiras, além de contratempos, pode diminuir dramaticamente nossas chances de sucesso e felicidade, elas são um conceito relativo, que muda de acordo com as circunstâncias – é isso que torna impossível a tarefa de estabelecer regras claras de convivência atualmente.
Uma dica para definir o que são boas maneiras é pensar em seu oposto, as atitudes grosseiras.
A lista abaixo, representa um conjunto de dicas para treinar respeito, afeto e gentileza:

INTERNET
- Mantenha o nível.

Você pode manter ou elevar o nível. Baixar, nunca. Se receber um e-mail, tudo bem responder à mensagem ou telefonar, mas, se receber uma ligação e responder por e-mail, pode parecer que está fugindo do interlocutor.

- Não é assim que se escreve.

Cuidado ao corrigir os erros gramaticais que as pessoas escrevem, no lugar de corrigi-los, use a resposta para escrever a palavra correta.

- Sem papo.

Ao encontrar alguém, não conclua que a pessoa está disponível. Pergunte se ela pode conversar.

- Adapte o discurso.

Usar formas próprias de falar, não quer dizer que a mensagem será compreendida por qualquer um.


- Menos é menos.

É uma indelicadeza responder a todo mundo no grupo da mensagem só para dizer “ótimo, obrigada!”.

- Não deixe mensagem sem resposta.

Quando alguém lhe pede uma informação, não deixe esperando. Diga que está procurando a resposta e que depois responderá.

- Pergunte antes.

Não publique fotos em que seus amigos aparecem com roupas de banho, posições constrangedoras ou com um namorado antigo em redes sociais.

- Não curta.

Curtir, no Facebook, denota um sentido positivo e não é um aviso de que você leu um comentário. Não curta: “meu cachorro morreu” ou “fui demitido”.


FAMÍLIA
- Dê o exemplo.

Gentileza é contagiosa mesmo com as crianças. Saber como ensinar boas maneiras a elas é tão importante quanto o que ensinar.

- Mudar o discurso sem mexer no conteúdo.

É comum entre casais comentários recorrentes que irritam o parceiro. Descubra um jeito de passar o recado no melhor tom possível.

- Não piore as coisas.

Os mais velhos cansam de ouvir as perguntas: “você está bem” ou “você está feliz”. Isso os faz pensar como estão perto da morte. Da mesma forma, pacientes com doenças terminais não querem ouvir: “você está ótimo”.

- Fale do futuro.

O futuro é reconfortante, principalmente quando se está doente. Pressupõe longevidade.

AMIGOS
- O problema do “sem problema”

Quando alguém não puder ir a sua festa, não devolva um “sem problema”. O correto seria “você faz falta, mas eu entendo”.

- Conversa não é competição.

Se alguém lhe conta um episódio curioso e você tem uma história similar, escute o que a pessoa tem a dizer até o fim. Cuidado para não entrar numa competição de histórias.

- Memória.

Lembrar de um comentário feito há anos ou perguntar sobre o desfecho de alguma história, é uma atitude de gentileza.

- Solidarize-se.

Se alguém perto de você precisa limpar o nariz, peça licença, traga dois lenços e diga que vocês dois precisam assoar o nariz. Compartilhar o embaraço diminui seu efeito.


- Parabenize. Não desestimule.

Por que as pessoas não podem ser encorajadoras?


- O anfitrião dá o tom.

Numa recepção, é de bom-tom você mesmo atender a porta, apresentar os convidados uns aos outros e levantar algum assunto que possa aproximar as pessoas.


- Gastrochatos.

Se você foi convidado e é um chato para comer, não transfira o problema para o anfitrião.


SOCIEDADE
- Não basta ter a razão.

Não é necessário ser rude para ter a razão.


- Contenha-se na loja.

Se você vir uma moça com uma roupa que lembre uniforme, não conclua que ela é a vendedora.


- Você primeiro.

É um ato corriqueiro que faz diferença.


- Esquecer é humano.

Ao ser abordado por alguém que parece conhecê-lo, mas de quem você não se lembra, seja franco.


- Apresente-se.

É um ato educado apresentar-se dizendo seu nome, e de onde você conhece a pessoa.


- Ninguém sabe tudo.

Não finja que você sabe do que a outra pessoa está falando.


- Grávida ou muito bem alimentada?

Não assuma que uma mulher está grávida até ser informado sobre isso – mesmo que pareça que ela tenha uma melancia na barriga.

Retirado da Revista Época.

Os 7 passos para passar dos 100 (texto)

1. Curtir a vida — "não adoidado!", fazendo alusão ao nome de um filme de comédia. A proposta é harmonizar corpo, mente e alma. Pesquisas feitas com pessoas centenárias apontam para uma relação entre espiritualidade e longevidade, segundo a médica. Esse fator é importante para que a vida tenha um significado.

2. Uso de medicamentos — o uso de medicamentos é uma parte importante do tratamento de doenças como hipertensão e diabetes, por exemplo. Mas é uma das. "Se o paciente só toma o remédio, mas não pratica exercício, não se alimenta bem, não terá o mesmo efeito".

3. Refeições equilibradas — existem alimentos antioxidantes e anti-inflamatórios que ajudam a prolongar os anos de vida. Mas, para começar, a médica receita três atitudes simples: comer um pouco menos, comer mais devagar e preferir alimentos a produtos industrializados.

4. Ocupação prazerosa — o trabalho ocupa boa parte do nosso tempo, então deve ser uma atividade prazerosa. O convite é para que seja feita uma reflexão se o trabalho está fazendo lhe bem ou não e como melhorar seu bem-estar profissional. A satisfação com o trabalho é um ponto comum entre os octagenários, conforme pesquisas.

5. Tabagismo e drogas zero — de acordo com Mariela, não há meio termo para cigarro, diferentemente do álcool, que até pode ser consumido em doses moderadas. Para quem quer parar de fumar, a dica é valorizar o hoje: cada dia sem cigarro é um avanço rumo à longevidade saudável.

6. Exercício físico — a médica diferencia o exercício físico, programado para melhorar a performance cardiovascular e o gasto energético, da atividade física, que está mais relacionada ao dia a dia — ir a pé para o trabalho, usar a escada em vez do elevador, lavar roupas, cuidar da horta, etc. Está mais do que comprovado que se movimentar é essencial para o bom funcionamento do organismo.

7. Limpeza impecável dos dentes — a boca é a porta de entrada da saúde do corpo. Uma boa dentição pode permitir que as pessoas sejam mais funcionais por muito mais anos, além de evitar doenças sistêmicas. Trabalhos científicos relacionam o número de dentes que a pessoa tem com sua longevidade. Pelo menos uma vez ao dia deve ser feita a escovação "impecável", que inclui a escovação completa dos dentes com uso de fio dental.

http://pioneiro.clicrbs.com.br/rs/noticia/2012/03/conheca-os-sete-passos-para-viver-bem-por-mais-de-100-anos-3706842.html

domingo, 25 de março de 2012

Espírito de porco aos montes (texto)

Já escrevi aqui algumas vezes, diga-se, sobre a salvação que é poder escrever. Escrever me salva e me tira, na maior parte das vezes, de grandes angústias. Por exemplo, a que me encontro agora.
Estou organizando um evento para o Colegiado do meu curso, na universidade, O Simpósio de Estudos da Linguagem (SNEL). Acontece que organizar um evento sozinho não é fácil. Nem com um grupo é fácil, mas sozinho, menos ainda.
Hoje, recebi algumas ligações e e-mails reclamando das normas para a proposição de Simpósios e Sessões coordenadas de comunicação. Perguntem se alguém me escreveu para oferecer ajuda para elaborar alguma coisa? Se alguém se ofereceu para pensar junto comigo antes da página do evento entrar no ar?
N I N G U É M deu as caras, ninguém me ligou e muito menos esteve junto comigo para por o bloco na rua.
Então, por que é que para reclamar aparece sempre alguém? Nem é mais fácil, dá tanto trabalho quanto. Procurar meu endereço, redigir um e-mail, enviar. Cansa tanto quanto escrever para contribuir. Sei que cada um faz o que pode e não o que quer, sei também que espírito de porco existe aos montes.
Pronto, escrevi e já estou me sentindo um pouc melhor.
 

quinta-feira, 22 de março de 2012

Bato para o outro aprender a não ser violento (texto)

Neste último mês, assisti algumas matérias na TV e no G1, principalmente, sobre agressões em portas de escolas aqui no Paraná, em Santa catarina, em São Paulo, em Porto Alegre e em outros estados.
Cenas de violência entre alunas, mães de alunas e estudandes. Em todas elas, sem exceção, justificavam-se as agressões em virtude de outras agressões que ocorreram.
Todas, senhoras de si, cheias de razão, mães de alunos ou alunas que não viam em suas ações nada de violento, já que estavam, de alguma forma, segundo seus relatos, "batendo para que a outra aprendesse".
O que se aprende com a violência? Quem são essas mães que partem para um confronto achando que seus atos justificam-se? Como é que um adulto pode por meio de brigas achar que está dando um bom exemplo? Como é que uma mãe de aluno pode agredir em nome da agressão e se justificar?
Não sei não, mas diante dessas cenas bárbaras que se repetem quase que diariamente nas escolas (pra que serve mesmo a escola?), muito pouco, ou quase nada, me faz acreditar na educação.

segunda-feira, 19 de março de 2012

Novidade pra quem? (Texto e vídeo)

Assisti a matéria sobre corrupção produzida para o Fantástico apenas hoje no Jornal Nacional (JN), confesso que não me surpreendi com a cara de pau do envolvidos, com os golpes combinados, com a roubalheira, com o mau exemplo que se dá, mas não posso dizer que fiquei indiferente apenas porque sei que tudo isso (e muito mais) existe.
A grande questão é quando se vê materializado em vídeo tudo aquilo que já estamos carecas de saber. Ou alguém duvidaria de que aquilo tudo não acontecesse?
Os caras são profissionais, não há ali nenhum amador em se tratando de crimes contra o Estado. Acho, inclusive, que gestores públicos tb sabem de tudo isso, e mais, participam do esquema recebendo grande quantidades de dinheiro em subsolos de shoppings, em praias acima de quaisquer suspeitas.
Num clima de descontração, fala-se em percentual, em quebra-galhos, em uma mão-lava-a-outra de forma que se pode compreender que há muito tudo isso acontece.
Não é novidade para ninguém.
Na continuação da matéria no JN, políticos indignados falando em nome da moralidade e bons costumes. Era pra rir? Figurões que estão faz anos mamando dinheiro público dando uma de acima de quaisquer suspeitas. Sabe quando tudo isso vai acabar? Depois que, no mínimo, três gerações passarem para o andar de cima.

Precisa mesmo cursar jornalismo pra isso? (texto)


Definitivamente, não me interessa a vida de “famosos”. Não quero saber com quem se casaram, aonde foram, se foram, com quem almoçaram ou jantaram, se fizeram um passeio pelas ruas do Leblon, se compraram uma casa nova, se estão grávidas, se trocaram de namorado, se traíram o ex e muito menos se pousaram na revista X ou Y. Nada mais sem graça, ao meu ver, do que acompanhar as  celebridades de plantão.
Não quero saber o que eles pensam da fome no mundo, não quero saber o que acham da situação da mulher mundo afora, não me importo como apareceram na entrega do prêmio (até porque sempre aparecem da mesma maneira: o microvestido mostrando mais do que devia - precisa se formar em jornalismo para isso?). Nada, absolutamente nada do que fazem ou pensam diz respeito a mim (se é que eles pensam ou fazem alguma coisa que realmente importaria).
Não tem nada mais brochante do que abrir a página do provedor do meu endereço eletrônico e me deparar com a última da ex-BBB: saber como ele se vestiu para almoçar naquela churrascaria badalada do Rio de Janeiro (normalmente aquela que fica na Barra da Tijuca) ou ver a foto do galã de malhação que foi lanchar com os amigos e pediu mais queijo branco no seu sanduíche.
Meu deus, quanta mediocridade!!!! Não é possível que as pessoas se interessem por essas porcarias. E se se interessam, não seria a hora da mídia não estimular tamanha besteira?! Será que vende mais porque é crocante ou é crocante porque vende mais?

Dilma e o bloco dos sujos (Texto - Ruth de Aquino)


RUTH DE AQUINO  é colunista de ÉPOCA raquino@edglobo.com.br (Foto: ÉPOCA)

Chantagear a presidente e impedir votações importantes não ajuda nem o Senado nem o país

Algo me diz que, se Renan Calheiros, Romero Jucá e Blairo Maggi estão possessos com Dilma, a presidente está certa. Não reconheço em nenhum dos três senadores acima condições morais para exigir cargos de liderança ou ministérios.
Se os parlamentares, em vez de se esconder em Brasília, quisessem escutar a voz do povo, que paga seus salários e privilégios absurdos em troca de nada, saberiam que Dilma está bem melhor no filme do que eles. Chantagear a presidente e impedir votações importantes no Congresso não ajuda os senadores. A base real, o eleitorado, enxerga o Congresso como venal e fisiologista, atuando em benefício próprio e contra o interesse público.
Vou me abster de enfileirar aqui escândalos de que Calheiros, Jucá e Maggi foram acusados, que envolvem superfaturamento, desvio de dinheiro, abuso de poder, fraudes, compra de votos, uso de laranjas e doleiros. Uma página não seria suficiente. Mas estão todos aí, vivinhos da silva, pintados de guerra e bravatas, graças ao toma lá dá cá tropicalista.
Estão aí também porque, à maneira do ex-presidente Lula, são camaleões, mudam convicções e ideias – se é que as têm – ao sabor de quem manda. Pode ser PT, PMDB, PSDB, não importa. Jucá foi presidente da Funai no governo Sarney em 1986. Aprendeu a se fazer cacique e atravessou governos incólume.
O que importa para os políticos “com traquejo” é manter a boquinha. E se tornar eterno. O presidente vitalício do Senado, José Sarney, uma vez mandou carta a esta coluna reclamando do adjetivo “vitalício”. Achou injusto.
O que importa para o Senado é aumentar de 25 para 55 o número de cargos comissionados por parlamentar. O gasto anual subiu 157%, de R$ 7,4 milhões para R$ 19 milhões, se contarmos apenas o vale-refeição. Os “comissionados” são servidores contratados com nosso dinheiro, sem concurso público, pelos senadores. O guia do parlamentar diz que cada gabinete pode contratar 12 servidores. A Fundação Getulio Vargas, em estudo de 2009, definia como teto 25 funcionários de confiança por senador. Por causa de uma “brecha” (chamo isso de outra coisa), esses 25 se tornaram 55. Quantos fantasmas, alguém arrisca uma estimativa dos que nem aparecem para trabalhar? Muitos senadores liberaram seus fantasmas da exigência de ponto. São coerentes nisso. Como exigir ponto de invisíveis?
O campeão dos comissionados é Ivo Cassol, do PP de Rondônia, que contratou 67. Repetindo: Rondônia. Mas nosso inesquecível Fernando Collor, do PTB de Alagoas, não faz feio no ranking: tem 54 pajens. Collor “aconselhou” Dilma a não peitar o Congresso, porque ele teria sofrido impeachment por ser impetuoso demais. Falta memória ou desconfiômetro? É por essas e outras que os programas de humor na televisão têm reforçado suas equipes no Congresso. A OAB diz que os fantasmas são imorais – até o Facebook está pensando em censurá-los. Estão pelados, pelados, nus com a mão no bolso.
E daí? Alguém vai fazer algo ou a pauta do Congresso, fora da “zona de conforto”, é a queda de braço com Dilma e o boicote a temas reais?
Que injustiça, não vamos generalizar. Existe um tema real, candente, tão importante que une todos os partidos. Da base aliada, da base oposicionista, da base mascarada. Não é o Código Florestal. Dezoito partidos pediram ao Tribunal Superior Eleitoral que libere os candidatos com “conta suja”. Políticos com gastos de campanha reprovados deveriam disputar eleição, como sempre foi. Por que mudar a regra?
Dá para entender o rebuliço. Só em três Estados, Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais, as contas de 1.756 políticos foram reprovadas, e eles não poderiam concorrer. No país inteiro, é um blocão de sujos, e cada vez aumenta mais. Resista, TSE.
Dilma enfrentou das viúvas do Lula nos últimos dias uma saraivada de críticas a seu estilo. Foi comparada ao lutador Anderson Silva, do vale-tudo. Cientistas políticos dizem que ela mexeu numa casa de marimbondos. Devem ter se referido aos marimbondos de fogo. É ruim isso? Ela não teria traquejo, nem gosto para a política, uma presidente isolada, sem amigos. Que amigos? Os que compõem dinastias, oligarquias e são donos de capitanias hereditárias? Quando Lula distribuía afagos e benesses, era acusado de lotear o Estado. Agora, Dilma é acusada de intempestiva, virulenta e de colocar um turrão e um durão no Senado e na Câmara.
A frase da semana é do presidente do PR e ex-ministro dos Transportes Alfredo Nascimento, deposto por suspeitas de irregularidades em julho do ano passado. Ele saiu em defesa da bancada vira-casaca do PR. Ameaçou o governo: “Acabou, chega! Ninguém aqui é moleque”. É. Pode ser. Afinal, os senadores se tratam por Vossa Excelência. Os moleques devemos ser nós, os 190 milhões que vêm sendo tratados como trouxas. 

Duscha (texto)

Filhotes são sempre divertidos, sejam eles elefantes, cachorros, macacos. Ontem, à noite, chegou Duscha, uma gatinha siamesa de 45 dias. Meio ressabiada, queria apenas ficar escondida. Bastava eu me aproximar para ela entrar na estante, embaixo da escrivaninha, atrás do sofá.
Mesmo assim a sua curiosidade não a deixava quieta. Ela entrou e saiu de todos os lugares possíveis para um gato, eu me distraía com a leitura de uma trabalho e lá estava ela pulando algum obstáculo, subindo ou descendo de uma cadeira, brincando com uma bolinha improvisada.
Difícil mesmo foi levantar às 2h45 para dar atenção à nova moradora. Eu estava dormindo quando os miados me acordaram. Fiquei com pena da recém-chegada estar assustada e até às 4h15 estive subordinado a ela. Como uma criança, Duscha não sossegou um instante, me mordeu, arranhou o sofá, cheirou e lambeu tudo. Me fez rir muito com os saltos e cambalhotas enquanto brincava com a bolinha de papel.
Dormia apenas no meu colo, mas se eu a colocava na sua almofada, ela despertava e queria brincar outra vez. Eu podre de sono. Finalmente ela dormiu ao meu lado. Aproveitei a deixa, apaguei a luz e fui para o meu quarto com medo que ela acordasse novamente (e a novela recomeçasse). Dormiu o resto da noite e um pouquinho da manhã, acordou apenas comigo.
Tomara que ela se adapte logo à nova casa, eu já me sinto dono de uma gata.

sábado, 17 de março de 2012

Pra que serve uma relação? (Texto ) - Drauzio Varela

Uma relação tem que servir para tornar a vida dos dois mais fácil.
Vou dar continuidade a esta afirmação porque o assunto é bom, e merece ser desenvolvido.  
Algumas pessoas mantém relações para se sentirem integradas na sociedade, para provarem a si mesmas que são capazes de ser amadas, para evitar a solidão, por dinheiro ou por preguiça. Todos fadados à frustração. Uma armadilha.
Uma relação tem que servir para você se sentir 100% à vontade com outra pessoa, à vontade para concordar com ela e discordar dela, para ter sexo sem não-me-toques ou para cair no sono logo após o jantar, pregado.
Uma relação tem que servir para você ter com quem ir ao cinema de mãos dadas, para ter alguém que instale o som novo, enquanto você prepara uma omelete, para ter alguém com quem viajar para um país distante, para ter alguém com quem ficar em silêncio, sem que nenhum dos dois se incomode com isso.
Uma relação tem que servir para, às vezes, estimular você a se produzir, e, quase sempre, estimular você a ser do jeito que é, de cara lavada uma pessoa bonita a seu modo.
Uma relação tem que servir para um e outro se sentirem amparados nas suas inquietações, para ensinar a confiar, a respeitar as diferenças que há entre as pessoas, e deve servir para fazer os dois se divertirem demais, mesmo em casa, principalmente em casa.
Uma relação tem que servir para cobrir as despesas um do outro num momento de aperto, e cobrir as dores um do outro num momento de melancolia, e cobrirem o corpo um do outro, quando o cobertor cair.  
Uma relação tem que servir para um acompanhar o outro no médico, para um perdoar as fraquezas do outro, para um abrir a garrafa de vinho e para o outro abrir o jogo, e para os dois abrirem-se para o mundo, cientes de que o mundo não se resume aos dois.

Obs.: Olha, tenho a sorte de ter uma relação assim.

Meus, nossos, anos 80 (texto)

Ando com saudades de quase tudo e de quase todos. Hoje, à noite, fiquei por aqui ouvindo músicas dos anos 80 e me lembrando de amigos e situações que vivi faz tempo.
Não é um saudosismo que me deixe triste, mas não posso negar que haja uma doce melancolia em torno dessas lembranças (meio repetitivo: saudosimo, melancolia, lembranças).
Os anos 80 foram, pra mim, anos alegres, de uma forma geral. Não era fácil, por um lado, me descobrir, mas quando não estava muito preocupado com isso, eu me divertia muito com grandes amigos: Vera, Robson, Cátia, Maga, MônicaNika, Nanci e tantos outros.
Os finais de semana no KuKunKa quando a gente se divertia muito. Às vezes a pista vazia e a gente cheio de energia esperando aquela música tocar: The Cure, The Smith, um pouco antes, Santa Esmeralda. Como era divertido!
Um pouco depois, no Loma´s, Orlando me deixava vezinquando nas pickups. Claro que enquanto a boate não estava bombando. De qualquer forma, as noites de sexta e sábado eram boas na Praia da Brisa: Roberto, Sandro, Marquinhos, Dórian, Sebastian, Rafael, Cristina e outros dos quais me lembro apenas dos rostos e das risadas.
Estudávamos durante a semana, mas ir à escola não era um sacrifício. Bem ao contrário, por lá, tb nos divertíamos, ou melhor, nos divertíamos muito por lá: Rômulo, Zequinha, Márcia, Bárbara, Simão, Glauco, Pitão, Gerson, Suzana, Chiquinho, Gorete, Irene, Rosana, Aparecida, Beto, Stanley, Adriano, Luiz e muito mais. E tantos amigos...
Não posso me esquecer, não devo, porque todos eles "abrem-se em meus sorrisos, mesmo quando, eu, deslembrado deles, estiver sorrindo a outras coisas". Salve, Quintana!!!
 

quinta-feira, 15 de março de 2012

Jovem inglesa fala sobre experiência de mudança de sexo do pai (texto)



Tash e John são muito mais felizes agora



Tash Ozimek tinha 16 anos quando o pai a chamou para conversar e perguntou qual seria a coisa mais vergonhosa que ele poderia fazer com ela. Depois de pensar por alguns minutos, a adolescente respondeu que ficaria com muita vergonha se ele se vestisse de mulher na frente dos amigos dela. A resposta foi seguida de algum tempo de silêncio, até que o pai disse que era exatamente o que ele pretendia fazer.
John Ozimek, de 54 anos, contou para a filha que sempre se sentiu uma mulher, que estava muito infeliz como homem e pretendia mudar de sexo. Tash caiu em lágrimas e continuou a chorar por alguns dias.
- Meu pai queria conversar comigo sobre o assunto, mas eu não queria falar sobre isso. É a última coisa que você espera ouvir do seu pai - relembrou a jovem, agora com 18 anos.
Segundo Tash, que vive na cidade de Suffolk, na Inglaterra, o pai tinha o jeito bem masculino e ela nem desconfiava dos sentimentos dele. John, consultor de tecnologia graduado na conceituada Universidade de Oxford, costumava vestir calça jeans e não se importava muito com a aparência. Às vezes até paquerava as amigas da filha.
A conversa entre os dois aconteceu há dois anos. Em julho do ano passado, John se submeteu a uma cirurgia de mudança de sexo e passou a viver como Jane Fae. E confessa que estava aterrorizado com a reação que a filha poderia ter.

Antes, como John, e agora vivendo como Jane
(Antes, como John, e agora vivendo como Jane Foto: Reprodução / Mail Online)

- Eu acho que toda pessoa envolvida com alguém em processo de transição de gêneros tem uma sensação de perda. Eu me sinto responsável pela minha decisão, tanto pelo lado bom quanto pelo mau. Isso me incomoda, mas ter permanecido homem seria ainda pior para mim - contou a agora Jane.
Antes de tomar a decisão, John vivia com Tash, a mulher Andrea Fletcher, o filho deles de sete anos e a filha dela, de 18 anos. Agora, vivendo como Jane, a relação com Andrea está “progredindo”. Mas os filhos enfrentam os maiores desafios.
- Eu ainda o chamo de pai, porque a palavra representa um papel para nós, e não um gênero. Jane não é minha mãe e eu não vou inventar uma nova palavra só porque perdi meu pai - explica ela em entrevista ao jornal “Daily Mail”.
O mesmo não acontece com Ralfe, que no ano passado comprou um cartão de Dia das Mães para Jane.
- Nós dissemos para ele que alguns pais gostam de vestir saias e que o nosso pai gostaria de ser uma grande dama. E desde então Ralf chama papai de Jane - disse Tash.
Apesar das difíceis mudanças, a jovem diz que não gostaria de ter John de volta como antigamente.
- Agora eu não consigo imaginar o meu pai de outro jeito. Quando você vê alguém que ama tanto feliz, realmente não importa o que ele está fazendo para conseguir tanta felicidade - concluiu Tash.

Quem procura acha (texto)

Mensagens de celular, redes sociais, bolsos, carteiras, emails, todos esses "lugares" deveriam ser proibidos para quem está em um relacionamento, digamos, "sério". 
Eles deviam ter um aviso, uma mensagem de alerta que nos desencorajassem de prosseguir, porque a gente tem 100% de chance de encontrar aquela pulga e aquela orelha.
Eu evito passar por perto ainda que às vezes a minha curiosidade fale mais alto. Não quero saber quantos foram adicionados recentemente, quem são esses novo amiguinhos, quem enviou aquela mensagem ou quem mandou o sms tão engraçado.
Não quero saber nada sobre os emails, bolsos e carteiras não existem pra mim, porque não quero dar chance ao Deus da Curiosidade. Sei de histórias seríssimas que surgiram de uma olhadinha despretensiosa no Facebook e no Orkut. Não, tô fora e não volto pro jantar.

segunda-feira, 12 de março de 2012

Na minha época (vídeo e texto)

Sempre fui um aluno agitado, ou seja, gostava de conversar, estava sempre metido em diversas atividades promovidas pela escola. Participava do teatro, dos centros acadêmicos, das comissões para organização de festas, das festas, normalmente era o representante de turma e por aí vai...pulava o muro da minha escola para lanchar em uma escola pública que fornecia lanche para os alunos, procurava no lixo da escola as matrizes usadas para a reprodução das provas etc. Mas NUN-CA, em hipótese alguma desrespeitei algum funcionário da escola ou professor.
Em casa, jamais chegou advertência por malcriação, brigas ou qualquer coisa desse nível. 
O professor podia qualquer coisa em sala de aula, incluive chamar a nossa atenção por não ter feito algum exercício quando devia, por não estar prestando atenção à explicação, por não saber uma resposta, e mesmo assim não havia nenhuma resistência ao que o professor dizia.
Hoje, no G1, me deparei com um vídeo de uma aluna que bateu duas vezes no rosto da professora, em sala de aula, porque esta retirou de sua mão um bilhete que aquela passava para uma amiga (ou alguma coisa desse tipo).
Não apenas fiquei como ainda estou indignado com a atitude da aluna, mas sei, com alguma precisão, entender o por quê dessa atitude violenta contra o professor. Em primeiro lugar, a desvalorização pela qual passa o magistério, ou seja, o professor não tem valor algum para o Estado e muito menos para pais e alunos. Depois, a qualidade da educação que se dá aos filhos em casa: um tapa no rosto de alguém, um empurrão, um chute, uma cuspida etc. virou lugar comum. Todo mundo pode qualquer coisa e não há mais aquele sentido de hierarquia, em termos de respeitar autoridades. E ainda, a figura do professor foi banalizada de tal forma que não se vê ali alguém a que se deva respeitar (até porque autoridades não existem mais quando se trata de adolescentes, em termos gerais).
Li, dia desses, uma frase que vem me incomodando ultimamente: Todo mundo pensa em deixar um planeta melhor para nossos filhos.Quando é que pensarão em deixar filhos melhores para o nosso planeta?  


domingo, 11 de março de 2012

Ato falho de Serra reflete a mentalidade tucana (Maurício Calero)

Em um samba composto em parceria com Maurício Tapajós, o grande letrista Aldir Blanc contrapõe o Brasil – território lúdico-mítico de “Sertões, Guimarães, bachianas” e de “Jobim, sabiá, bem-te-vi” - ao Brazil – projeção ditatorial de um país subalterno e ignorante, condenado a imitar os modismos, a estética e o consumismo norte-americanos. Gravada magnificamente por Elis Regina, “Querelas do Brasil” tornou-se, se não um sucesso, um objeto de culto nacional.
Que me perdoe Aldir (cujas crônicas boêmias e malandras eu cultuo como a objetos de arte feitos do mais genuíno humor), mas a lembrança da música foi a primeira coisa que me veio à cabeça ao ver José Serra chamando o país que sonhou um dia governar de Estados Unidos do Brasil.
Para além do aspecto cômico da fala e do que revela de desconhecimento histórico básico, trata-se de uma troca de palavras significativa, que explicita – como o clássico ato falho freudiano que é - a visão de mundo do político peessedebista e evoca a dinâmica da relação entre o nacional e o internacional em um passado não muito distante.
Nunca fomos tão vira-latas
Refiro-me, é claro, aos oito anos em que Fernando Henrique Cardoso esteve no poder, um período durante o qual o deslumbre com o que fosse estrangeiro atingiu um tal nível de transbordamento que só pode ser equiparado à vergonha de ser brasileiro exibida pelo tucanato e por seus eternos apoiadores na mídia – e por estes bombardeada noite e dia à população.
Não que a baixa auto-estima nacional fosse uma novidade trazida pelo tucanato. Nelson Rodrigues, antes da Copa de 1958, afirmava que o “complexo de vira-latas” - por ele definido como "a inferioridade em que o brasileiro se coloca, voluntariamente, em face do resto do mundo" - era o principal adversário do "escrete canarinho". Mais importante: toda uma reflexão sobre o país, dominante por quase duas décadas a partir de fins dos anos 50 - e que seria tematizada de forma recorrente pela produção cultural do período - identificava no atraso estrutural da nação e em sua condição de subdesenvolvimento a chave para compreender seus problemas e superá-los.
Razões de fundo
A novidade trazida por Collor e aprofundada pelos tucanos foi que o complexo de inferioridade do brasileiro deixou de se apresentar apenas como um sintoma (a ser, portanto, mitigado à medida que a defasagem estrutural fosse sendo superada) para se tornar objeto de culto, a ser estimulado e agravado - tarefa da qual se incumbiram com deleite jornais, revistas e programas televisivos (cujo exemplo acabado é o anacrônico Méanrratan Conéquichion). 
Em uma época em que globalização e neoliberalismo ainda eram largamente compreendidos como termos obrigatoriamente indissociáveis - como se pode aferir pela leitura de alguns dos principais textos teóricos da primeira metade dos anos 90 -, tal operação se deu, sobretudo, devido a um imperativo ditado pelo receituário do Consenso de Washington, adotado como princípio orientador das políticas de Estado: a necessidade de predispor ideologicamente o público a se convencer,  primeiro, de estarmos condenados a ser uma nação atrasada e subalterna ante a superioridade insuperável do "primeiro mundo". Em segundo lugar, de que a única solução para nossa redenção seria acatar os pressupostos da "nova ordem econômica mundial" ditada pelos EUA e, enxugando ao máximo o tamanho e as funções do Estado brasileiro, em torno de tal país orbitar, abrindo mão de nossa identidade como nação e aceitando passivamente a incapacidade de comandar nosso destino. O objetivo final a coroar tal empreitada seria a adesão à ALCA, o tratado de "livre-comércio" engendrado por Washington e que - como o exemplo mexicano o demonstra de forma cabal - fatalmente levaria o Brasil a um penoso retrocesso econômico e social.
É dentro dessa lógica que se insere o fato de que o príncipe – digo, o presidente – de turno, no seu chilique mais aloprado, tenha reagido à pressão popular contrária às medidas recessivas que tomara afirmando que “os aposentados são vagabundos e os brasileiros, caipiras”. O adjetivo “caipira”, nesse contexto, é não só utilizado no intuito claro de desqualificar, mas de atingir seus alvos com uma grave acusação de ignorância e desconhecimento do que seja o mundo. O caipira, para FHC, não diz respeito ao ser social, inserido em uma cultura telúrica e historicamente premido por um processo de "persistências" e "alterações", de que nos fala Antonio Candido - mas a um emblema estático da brasilidade como traço negativo. Daí resulta um paradoxo: para o outrora celebrado sociólogo, todos os brasileiros são caipiras, e o problema de ser caipira é justamente ser brasileiro.
Por outro lado (mas em lógica análoga), dizer que algo é “de Primeiro Mundo”, embora fosse uma expressão antiga, tornou-se, nos anos FHC, moeda corrente, a expressão valorativa por excelência. Enquanto a população sofria com os baques que a economia do país sofria à mínima crise internacional (fosse ela russa, mexicana ou dos "tigres asiáticos), o desprezo ao que fosse nacional e o ódio ao que fosse estatal eram incentivados pelo tucanato no poder e pela mídia corporativa (que apoiou o governo FHC com uma subserviência deslumbrada e acrítica indigna de ser chamada de jornalismo). Foi nessa toada - e exibindo o salário do mais abonado magistrado como se fosse a regra entre o funcionalismo - que se convenceu parte da população de que as privatizações modernizariam o país e acabariam com os "barnabés" (a gíria pejorativa com que 9,9 de cada dez colunistas - esses mesmos que aí estão - se referiam aos trabalhadores empregados pelo Estado)
Cenário em mutação
O pós-11 de setembro, com a diminuição do poder norte-americano, a ascensão dos BRICs e a chegada ao poder – na América Latina, sobretudo – de governantes de centro-esquerda, trouxe, aos poucos, uma mudança de cenário, a qual, somada às possibilidades interativas da web 2.0 e ao grande acréscimo na inclusão digital mundial, permitiu vislumbrar que o fenômeno globalizante e a ideologia neoliberal não eram, sempre e necessariamente, indissociáveis. Havia, percebeu-se, aspectos da globalização - como um maior volume de interação transnacional, a ação comunicacional e político-social a partir da internet ou a troca gratuita de arquivos de áudio e vídeo - que permitiam, na verdade, contra-atacar pontualmente e questionar o neoliberalismo. 
É no âmbito desse novo cenário que o governo Lula, a partir de sua política externa - caracterizada por prioridade às relações Sul-Sul e aos BRICs, parcerias e auxílio aos países mais pobres da América do Sul, África e Oriente Médio e ímpeto de representar países em desenvolvimento em fóruns internacionais, recusa à Alca e tentativa de diminuição do poder de influência dos EUA no país - e de sua atuação cultural interna - em que se destacam a valorização da cultura nacional, a pulverização das verbas para além do eixo Rio-SP, e a inclusão sócio-cultural via Pontos de Cultura -, paulatinamente insere uma nova dinâmica no imaginário acerca do locus do Brasil e do brasileiro no contexto de um mundo globalizado. 
Um aspecto muito importante a ressaltar em relação a esse processo é constatar que a redenção de um complexo de inferioridade secular, ainda que se dê, atualmente, de modo parcial e para parcelas da população, não foi substituída, via de regra, por um nacionalismo tacanho nem por um patriotismo fanático. 
Provincianismo em crise
Há de se considerar, como pontos polêmicos a discutir, a presença do exército brasileiro no Haiti e o temor crescente, entre alguns de nossos vizinhos sul-americanos, de que o Brasil esteja se tornando imperialista (acusação que não é nova: trabalhando como jornalista na Bolívia, em 2001, fui fisicamente agredido por skinheads que demonstravam ódio ao “imperialismo brasileiro”). 

Mas é preciso ser obtuso ou desonesto para negar que a melhora da economia real verificada na última década, com decréscimo substancial das taxas de desemprego e aumento do poder de compra, a ascensão de uma nova e volumosa classe média, bem como o acesso - ou o incremento do acesso - a bens de consumo durável, lazer, acesso digital e viagens aéreas acabaram por modificar para melhor a auto-imagem de parcela revelante da população - um fenômeno que tende a se tornar ainda mais evidente ante a contraposição da atual situação brasileira à grave crise econômica que ora aflige, infelizmente, a população dos EUA e de vários países europeus a amargar uma penosa débâcle social. 
Além disso, não obstante os muitos desafios postos ao Brasil em termos de redução da desigualdade, saúde, educação e demais itens da pauta dos direitos humanos avançados, tanto o grau quanto o perfil axiológico da visibilidade do país no exterior são hoje maiores e mais positivos do que nunca. "A crítica permanente ao Brasil está fundada em excesso de provincianismo", observou o sociólogo Alberto Carlos Almeida, em artigo no Valor Econômico. E com um número cada vez maior de brasileiros viajando ao exterior, cada vez mais gente descobre que a oposição simplista entre um país incompetente e fadado ao fracasso e um "primeiro-mundo" perfeito e irretocável não passa de uma falácia. -  o que, evidentemente, também reverte em acréscimo da auto-estima nacional.


A volta do atraso
Tudo isso faz com que o discurso negativista sobre o país, só enxergando suas mazelas, além de alimentar provincianos convictos, tenha se tornado uma das principais bandeiras dos setores conservadores, mais um componente a se juntar ao discurso moralista que se tornou praticamente a única estratégia discursiva de uma oposição que não tem projeto para o país e que há mais de uma década combate o governo de turno valendo-se tão-somente de ataques neoudenistas. 
Ora, é a essa mesma oposição a que José Serra pertence. E não é preciso nenhum esforço para enxergar no ora pré-candidato a prefeito de São Paulo a mesma empáfia, a mesma arrogância, o mesmo desprezo pelo Brasil e pelo povo brasileiro que o presidente a que serviu como ministro da Saúde e do Planejamento ostentou por oito anos - os quais só foram dourados na boca e na pena dos colunistas a serviço do mercado, pois para a maioria da população foram de penúria, desemprego e carestia. 
Mais do que um lapso eventual, a menção aos "Estados Unidos ao Brasil", feita por Serra, é a expressão do desejo de regresso a um estado de coisas em que as elites brasileiras traficavam a riqueza do país em troca das migalhas que se lhes atirava o grande capital internacional, enquanto o povo chafurdava no subemprego e na miséria.
http://cinemaeoutrasartes.blogspot.com/

quinta-feira, 8 de março de 2012

De mulheres sobretudo (Marina Colasanti)

Hoje, no Dia Internacional das Mulheres compartilho 12 frases de mulheres que estão no livro (de frases femininas) feito por Marina Colasanti: "De mulheres sobretudo"(Ed.Ediouro):

1. Algumas de nós estão se tornando o homem com quem go
stariam de se casar. (Gloria Steinen).

2. Toda vez que liberamos uma mulher, liberamos um homem. (Margareth Mead).

3. Há uma verdadeira maçonaria entre os homens. Eles estão sempre dispostos a empurrar as mulheres para posições secundárias. (Simone de Beauvoir).

4. Os homens sao treinados para se desculparem por suas fraquezas. As mulheres por sua força. (Lois Wyse).

5. Estou furiosa com as feministas. Elas ficam subindo num caixote e proclamando que as mulheres são mais inteligentes que os homens. É verdade, mas deveria ser mantido em segredo para não estragar a brincadeira. (Anita Loos).

6. O homem que descobre uma mulher será sempre o primeiro a ver a aurora. (Bruna Lombardi).

7. A natureza nos dá o rosto que temos aos vinte anos; cabe a nós merecer o rosto que teremos aos cinquenta. (Coco Chanel).

8. É triste envelhecer, mas é bom amadurecer. (Brigitte Bardot).

9. Nós mulheres, não somos tão faceis de conhecer. Há padres que, tendo-as confessado muitos anos, espantam-se de as terem compreendido tão pouco. (Santa Teresa Davila).

10. Nao é o sexo que dá prazer, é o amante. (Marge Piercy).

11. Raramente sexo e só sexo. (Shirley McLaine).

12. As vezes penso que a natureza da mulher é como uma grande casa da muitos cômodos: existe o hall, através do qual qualquer um passa em suas idas e vindas; a sala de visitas, onde se recebe formalmente; a sala de estar, que os membros da familia frequentam quando estão à vontade; mas além disto, muito além, existem outros cômodos, as fechaduras de portas que jamais são abertas; ninguém sabe o caminho para estas, ninguém sabe aonde elas levam; e no cômodo mais íntimo, no mais sagrado, o espírito está sozinho e espera ouvir passos que jamais virão. (Edith Wharton).

quarta-feira, 7 de março de 2012

8 de março, dia Internacional da Mulher

A história do Dia Internacional das Mulheres começa com a inserção das mulheres no mercado de trabalho após a Revolução Industrial. As mulheres saíram dos lares, mas não conseguiram os mesmos direitos que os homens. Até hoje as pesquisas revelam que as mulheres ganham menos ocupando o mesmo cargo. Mas já foi bem pior.
Em 8 de março de 1857 em Nova York as mulheres protestavam contra as más condições de trabalho e salários menores do que os dos homens. Situação que ainda permanece. O incêndio da fábrica da Triangle Shirtwaist, também em Nova York, não aconteceu em 8 de março como se supõe e nem ocorreu devido aos protestos femininos. O boato sugere que durante o protesto as mulheres teriam sido trancadas e queimadas vivas totalizando 129 trabalhadoras queimadas vivas. No verdadeiro incêndio, o pior da cidade de Nova York, morreram 146 trabalhadoras. O incêndio de Triangle Shirtwaist ocorreu em 25 de Março de 1911.
Os protestos por melhores condições de trabalho se seguiram nos anos seguintes. Em 1908, 15 mil mulheres exigiam nas ruas de Nova York redução de horário de trabalho, melhores salários e o direito ao voto. A primeira comemoração do Dia Internacional da Mulher foi realizada em 28 de Fevereiro de 1909, nos Estados Unidos, motivada pelo Partido Socialista da América. Em 19 de março de 1909 ocorreram protestos na Alemanha para relembrar as promessas não cumpridas pelo rei da Prússia aos direitos das mulheres.
Em 1910, na primeira conferência internacional sobre a mulher, realizado na Dinamarca, o dia 8 de março foi declarado Dia Internacional da Mulher. No ano seguinte um milhão de pessoas celebraram a data em alguns países da Europa. O Dia Internacional da Mulher de 1917 foi uma importante data para a Revolução Bolchevique na Rússia. Cansadas da guerra e opressão as mulheres aproveitaram a data para forçar a retirada das tropas russas da Primeira Guerra Mundial através de uma greve geral. Quatro dias depois o tsar Nicolau II foi deposto do cargo. O Governo Provisório garantiu às mulheres o direito de votar. O Dia Internacional da Mulher se tornou oficial graças aos esforços da feminista Alexandra Kollontai para relembrar a luta das mulheres por melhores condições de trabalho e direitos políticos.
Em Moçambique, o Dia da Mulher Moçambicana é comemorado em 7 de abril, data da morte de Josina Machel, esposa do primeiro presidente de Moçambique. Assim que o país conquistou a sua independência de Portugal em 1975 a data foi oficializada como feriado nacional. Josina Machel integrou a FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique) quando jovem, casou-se com o futuro presidente. Josina Machel morreu vítima de doença em 7 de abril de 1971.
Uma das frases do Dia Internacional da Mulher que mais me chamou a atenção foi que a mulher não precisa de datas, talvez esta seja a melhor frase do Dia Internacional da Mulher e mais verdadeira do que inúmeras frases românticas procuradas pelos homens ou mulheres para agradar outras mulheres. Os artigos e textos que li sobre o dia das mulheres me deixaram convencido que as mulheres dão menos bola do que os homens para esta data. Talvez seja a síndrome do conquistador. O cara dá uma de gente fina, de respeitador às mulheres com o objetivo de consumi-las. No dia 9, ele esqueceu as flores com o belo texto sobre o Dia das Mulheres. A maioria dos belos versos e frases em homenagem às mulheres será logo esquecida. Aquelas frases inteligentes retiradas de reportagens sobre o Dia Internacional da Mulher serão apagadas pelos gestos cotidianos. Apesar de tudo alguns realmente levam a sério que todos os dias são os dias das mulheres, e que todos os dias são os dias dos homens, seja lá qual for a sua opção sexual.
Parabéns às mulheres ao dia 8 de março. Hoje é o seu dia. Amanhã e depois também.

Artigo de Daniel Silva.

Yoshitomo Nara (artista Japonês)

Yoshitomo Nara (奈良 美智 Nara Yoshitomo, nascido em 4 de janeiro de 1959 em Hirosaki, Japão) é um artista pop japonês contemporâneo. Ele atualmente mora e trabalha em Tókio, embora seu trabalho seja exposto no mundo todo.
Nara se tornou conhecido no mundo da arte durante o movimento da Arte pop dos anos 1990, no Japão. Suas esculturas e pinturas são aparentemente simples, a maioria dos trabalhos parecem, à primeira vista, ingênuos: geralmente crianças e animais em tons pasteis que lembram cartoons, com poucos elementos ou nada no fundo. Mas essas crianças que parecem belas e vulneráveis, às vezes têm braços que parecem facas e cerrotes. Seus olhos arregalados demonstram o que pode ser apenas irritação por terem sido acordadas ou manisfetação de raiva mesmo.
Nara, entretanto, não vê seus facas e cerrotes com sentido de agressão.