domingo, 27 de setembro de 2009

Orquestra Sinfônica de Cascavel texto)

De repente eu estava diante da Orquestra Sinfônica de Cascavel, formada, principalmente, por jovens músicos da cidade. Jovens na idade, mas não no talento.
O repertório: compositores brasileiros de Carlos Gomes a Gilberto Gil, clássico e popular dividindo de forma harmônica o mesmo palco.
Percebi tb que há uma preocupação da Secretaria de Cultura na formação de plateia. Tudo era muito bem explicado (com humor, inclusive): as obras e os compositores, a data da composição, a relação com a música seguinte. Isso é fundamental para uma plateia tb composta por jovens.
A apresentação comemorava os 7 anos dessa orquestra. No palco, além desses jovens talentos, músicos populares tb estiveram presentes, numa mistura de ritmo sensacional, brasileira. Foi de arrrepiar ouvir Vila Lobos, Chiquinha Gonzaga, Tom Jobim, Chico Buarque.
Eles fizeram aniversário, mas nós ganhos o presente.

sábado, 26 de setembro de 2009

Ando meio desligado (texto)

Ando muito sem inspiração para escrever, entro aqui no blog e fico sem saber qual direção tomar, acabo optando pelo texto pronto e à mão. Acho que me falta mesmo vontade, um tema divertido, polêmico e atual. Quem sabe amanhã não surja uma boa ideia ou uma ideia simplesmente para um texto mais autoral. Enquanto isso...anoitece em certas regiões.

sexta-feira, 25 de setembro de 2009

45 lições (texto)

Recebi de uma grande amiga e acho que vale mesmo à pena ler, ainda que não se faça nada com essa leitura.

"Para celebrar o envelhecer, uma vez eu escrevi 45 lições que a vida me ensinou. É a coluna mais requisitada que eu já escrevi."

Meu taxímetro chegou aos 90 em Agosto, então aqui está a coluna mais uma vez":

1. A vida não é justa, mas ainda é boa.
2. Quando estiver em dúvida, apenas dê o próximo pequeno passo.
3 A vida é muito curta para perdermos tempo odiando alguém.
4. Seu trabalho não vai cuidar de você quando você adoecer. Seus amigos e seus pais vão. Mantenha contato.
5. Pague suas faturas de cartão de crédito todo mês.
6. Você não tem que vencer todo argumento. Concorde para discordar.
7. Chore com alguém. É mais curador do que chorar sozinho.
8. Está tudo bem em ficar bravo com Deus. Ele aguenta.
9. Poupe para aposentadoria começando com seu primeiro salário.
10.. Quando se trata de chocolate, resistência é em vão
11. Sele a paz com seu passado para que ele não estrague seu presente.
12. Está tudo bem em seus filhos te verem chorar.
13. Não compare sua vida com a dos outros. Você não tem ideia do que se trata a jornada deles..
14. Se um relacionamento tem que ser um segredo, você não deveria estar nele.
15 Tudo pode mudar num piscar de olhos; mas não se preocupe, Deus nunca pisca.
16. Respire bem fundo. Isso acalma a mente.
17. Se desfaça de tudo que não é útil, bonito e prazeiroso.
18. O que não te mata, realmente te torna mais forte.
19. Nunca é tarde demais para se ter uma infância feliz. Mas a segunda só depende de você e mais ninguém.
20. Quando se trata de ir atrás do que você ama na vida, não aceite não como resposta..
21. Acenda velas, coloque os lençóis bonitos, use a lingerie elegante.Não guarde para uma ocasião especial. Hoje é especial.
22. Se prepare bastante, depois deixe-se levar pela maré..
23. Seja excêntrico agora, não espere ficar velho para usar roxo.
24. O órgão sexual mais importante é o cérebro.
25. Ninguém é responsável pela sua felicidade além de você.
26. Encare cada "chamado desastre" com essas palavras: Em cinco anos, vai importar?
27. Sempre escolha a vida.
28. Perdoe tudo de todos..
29. O que outras pessoas pensam de você não é da sua conta.
30. O tempo cura quase tudo. Dê tempo.
31. Indepedentemente se a situação é boa ou ruim, irá mudar.
32. Não se leve tão à sério. Ninguém mais leva...
33. Acredite em milagres.
34. Deus te ama por causa de quem Deus é, não pelo o que vc fez ou deixou de fazer.
35. Não faça auditoria de sua vida. Apareça e faça o melhor dela agora.
36. Envelhecer é melhor do que a alternativa: morrer jovem.
37. Seus filhos só têm uma infância.
38. Tudo o que realmente importa no final é que você amou.
39. Vá para a rua todo dia. Milagres estão esperando em todos os lugares.
40. Se todos jogassemos nossos problemas em uma pilha e víssemos.
os de todo mundo, pegaríamos os nossos de volta.
41. Inveja é perda de tempo. Você já tem tudo o de que precisa.
42. O melhor está por vir.
43. Não importa como vc se sinta, levante, se vista e apareça.
44. Produza.
45. A vida não vem embrulhada em um laço, mas ainda é um presente.

terça-feira, 22 de setembro de 2009

O SEU PRÓPRIO BAFÔMETRO (texto)

Sabe aquela sensação de que vc já tem de um tudo? Aquele sentimento que te toma, quando vc está numa superhipermegaloja, e vc não sabe mais o que comprar? Pois é, esses dias acabaram...hoje recebi da POLISHOP uma superoferta "Tenha o seu próprio bafômetro sempre à mão" e fiquei pensando como foi que eu vivi tanto tempo sem ter o meu próprio bafômetro? Gente, não é demais?! Além de tudo isso: verificar a dosagem alcoólica do nosso arganismo num simples aperto de botão, depois, é claro, de soprar no inalador ele ainda tem um design moderno e é totalmente compacto.

Dirce Migliaccio (texto)

A atriz Dirce Migliaccio, de 76 anos, morreu na manhã desta terça-feira (22), no Rio. As informações são da Secretaria Municipal de Saúde. Ela estava com pneumonia e uma infecção urinária. Desde a última sexta-feira (18), a atriz estava internada no Hospital Álvaro Ramos, na Taquara, em Jacarepaguá, na Zona Oeste do Rio. Ela faleceu às 9h. Segundo a secretaria, Dirce estava se recuperando da pneumonia, mas estava com a saúde bastante debilitada e ainda apresentava um quadro de infecção urinária.
Dirce interpretou a personagem Emília na primeira versão televisiva deO sítio do pica-pau amarelo” feita pela TV Globo, que foi ao ar em 1977.
Em 2004, durante a gravação de um especial da TV Globo, ela teve um encontro com a atriz Isabelle Drumond, que na época interpretava a irreverente boneca de pano.
Nascida em São Paulo, em 30 de setembro de 1933, ela é irmã do também ator Flávio Migliaccio. Dirce estreou nos palcos em 1958, com a peça “Eles não usam black tie”. Em 1962, estrelou o filme “O assalto ao trem pagador”, de Roberto Farias. Mais recentemente atuou nos filmes “Buffo & Spallanzani” (2001) e “Xuxa em sonho de menina” (2007).
Na televisão, ganhou destaque ao interpretar a personagem Judicéia Cajazeira na novelaO bem-amado” (1973). Também participou das novelas “A gata comeu” (1985) e “Da cor do pecado” (2004).
Em setembro de 2008, Dirce sofreu um acidente vascular cerebral, que debilitou sua saúde e a colocou em uma cadeira de rodas. Desde então, ela viveu no Retiro dos Artistas, no Rio.


domingo, 20 de setembro de 2009

GORDA (texto)

No dia 24 de setembro, Fabiana Karla, 33 anos, conhecida por papéis cômicos como o da doutora Lorca, do "Zorra Total", vai encarar o desafio de fazer o seu primeiro drama no teatro. Ela será Helena, protagonista da peça “Gorda”, de Neil Labute, que é bem resolvida com seus quilinhos a mais, mas passa a ser alvo de preconceito ao se envolver com um homem magro.

Apesar da identificação com a personagem por causa de sua forma física, esse tipo de drama nunca passou perto da vida de Fabiana Karla. Neste bate-papo com o EGO, ela conta que nunca foi vítima de preconceito por ser gordinha, que sempre namorou caras bonitos (pelo jeito, o próprio pessoal do EGO produz efeito de que ser gordo tem relação com não ser bonito) na adolescência e que hoje os gordos sofrem mais preconceito do que os negros em lugares como o Rio de Janeiro, onde a forma física é intensamente cultuada. Confira!

EGO: Você fala com muita tranquilidade e até doçura a palavra “gorda”. Mas ela já te machucou?
Nunca vivi um momento em que eu tenha sido tratada de forma grosseira por ser gorda. O maior impacto para mim foi quando cheguei e me deparei com o texto. Eu me assustei, chorei e pensei: meu Deus! Isso existe e dói! Pesou muito escutar nomes grosseiros em uma coisa em que eu não me enquadrava. Custou muito digerir isso nos ensaios, mas consegui tirar de letra. Não tenho a pretensão de que as pessoas achem que estou fazendo o melhor papel dramático do mundo. Só quero contar essa história. Estou feliz por poder ousar com outra vertente do trabalho e acho que vai ser um divisor de águas na minha carreira.

Em que momentos da peça você se reconheceu?
Na peça, me toca muito o momento em que o Caco fala para o Tony: “Ela é uma porca.” Fico deprimida. Fico chocada com essa mania das pessoas acharem que quem é gordo é sempre porco. Não é! Então todo branco é azedo?

Você acha que a sociedade está mais cruel hoje com essa coisa da forma física ou sempre foi assim?
Acho que tudo hoje virou uma máquina. É muito fácil você ter o nariz ou a bunda que você quer. Você vai ali compra uma bunda, um peito. É claro que os critérios aumentam. Você começa a ver todo mundo com o corpo mais organizado e vai querer chegar nesse padrão também. Acho que as pessoas estão muito mais preocupadas com a forma física. No Rio de Janeiro, por exemplo, por seu um lugar que tem praia, as pessoas pautam muito sua vida pela forma física e pelo bem-estar. Acho que o gordo é mais discriminado do que o negro no Rio de Janeiro. Os dois tipos de discriminação são péssimos, mas por causa da dinâmica da cidade, o gordo é ainda mais discriminado. As pessoas acham que você é gordo porque quer, porque é sem-vergonha.

Você sempre foi gordinha?
Sempre, desde criança. Teve uma época na minha vida que a vaidade aumentou, na adolescência. Com uns 16 anos, consegui me manter com uns 60kg. Mas depois que tive meus três filhos – tenho uma filha de 12, uma de 11 e um menino de 9 anos - ficou difícil, não tinha como não ficar gordinha, até porque tenho tendência para ganhar peso.

Teve dificuldades para arrumar namorado por causa de sua forma física?
Antes de casar, sempre namorei bastante e sempre tive namorados muito gatinhos. Eu era do tipo que levava os meninos no papo. Quando um rapaz estava me paquerando, eu nunca piscava de volta porque senão tava arriscado ele dizer: “Olha aquela gordinha fazendo careta?” Mas quando alguém me olhava e ía baixando o olhar para dar uma conferida no material, eu sacudia o cabelo e fazia alguma coisa para o olhar subir. Às vezes, ficava com o pescoço duro de tanto balançar cabelo, mas voltava para casa com o telefone do gatinho. Nunca namorei feio. Eu peguei legal (risos).

Já fez muitas dietas?
Já, mas tenho uma coisa que é o fato de eu gostar de me olhar no espelho e ver como eu sou. Sou muito vaidosa. Adoro o meu cabelo, faço unha, adoro a minha pele hidratada. Não adianta você ser magro e mal cuidado. Prefiro ver que minha pele é bem cuidada. Deixo de comer certas coisas porque isso vai se refletir na minha pele, mas não por causa do meu corpo. Minhas duas irmãs, que são gêmeas, fizeram cirurgia de redução de estômago, e eu tenho dez mil pessoas que me ligam todos os dias para oferecer essa cirurgia, como se fosse a salvação da minha vida. Se eu quisesse, já teria feito. Mas é uma questão minha. Não ficaria feliz de me olhar no espelho e não me ver assim, como sou. Seria como se eu estivesse murcha. Agora é claro que eu queria voltar a ter dois dígitos na balança, porque eu estou com três (risos). Mas por questão de saúde mesmo. Mas não faço apologia à gordura, só quero que as pessoas se aceitem como elas são.

O que te deu essa autoestima toda? Foi a sua criação?
Fui criada para ser uma criança feliz à base de elogio. Acho que quando o pai elogia a gente que é mulher, a gente já cresce com mais segurança. Isso dá mais confiança. Acho que posso agradecer muito ao meu pai, o senhor Eliseu (risos).

Você é mãe de duas meninas e um menino. Como elas são?
Beatriz, que tem 12 anos, é magrinha, mas a Laura, de 11, é bem gordinha. É danada, mas é muito feliz como é. Só sai toda arrumadinha, cheirosinha. Mas acho que ela vai ter o momento do estalo da adolescência e vai querer emagrecer um pouquinho.

Ela lida bem com essa questão do peso na escola?
Minha filha já sofreu “bullying”( termo inglês utilizado para descrever atos de violência física ou psicológica). Laura não caiu nessa pilha. Mas quando vimos que estava tomando um vulto muito grande, fomos na escola, conversamos e propus uma reunião geral. Não queria só favorecer a minha filha, mas que todo mundo pensasse e fosse respeitado.

Como fez para compor a Helena, de Labute?
Tive que colocar meu humor nos pés, me despir de qualquer arma e começar a buscar o novo, essa atmosfera de dramaturgia que eu ainda não tinha experimentado. A Helena é uma pessoa que você identifica facilmente na rua, não é como no "Zorra" que, por mais que você identifique, é caricato.

É a sua primeira experiência com o drama?
A experiência mais dramática que tive foi no filme “A Máquina”. Ali, tentei passar uma verdade através da Nazaré, que era minha personagem. Ela tinha uma coisa muito verdadeira, um olhar puro. A partir dali, comecei a buscar isso e gostei. Mas tenho que fazer um exercício contínuo para ter uma interpretação mais calminha. Se deixar, faço uma brincadeira atrás da outra. Quero sempre rir de alguma coisa.


sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Pra que conteúdo, se a casca é bacana ? (texto)

Ontem à noite, antes de dormir, assisti ao Brazil´s Next Top Model e verifiquei o quanto as meninas que estão concorrendo ao lugar mais alto no pódio do programa estão disposta a tudo e qualquer coisa para vencer essa nova etapa. E quando digo tudo, digo tu-do mesmo. Não há intimidade que seja resguardada, não existe limite para vencer uma concorrente: tudo pode ser feito, quaisquer coisas podem ser ditas para se conseguir o que quer.
O mais importante é a beleza: a mulher é a orelha ou o nariz; um par de pernas, uma bunda, um rosto. Nada mais importante do que a casca. E como diz a letra da música, conteúdo pra quê?
E aí me lembro da tirinha da Mafalda quando ela tenta conversar com Suzanita e esta lhe diz que quando crescer quer ter muitos vestidos enquanto que Mafalda quer cultura. E aí Suzanita diz a Mafalta para ela tentar sair à rua sem vestido para ver o que acontece, mas o mesmo não acontecria se ela saisse sem cultura.
Mafalda é de outro tempo...as meninas no Brazil´s são do tempo das celebridades. O mais importante são os cinco minutos de glória e por eles tudo vale à pena.
É claro que sei que a carreira de modelo internacional produz, além de status, muita grana. Mas sei tb que conteúdo é pra sempre enquanto que...melhor nem continuar.

Gravadoras obtêm decisão inédita contra troca de arquivos no Brasil (texto)

O Tribunal de Justiça do Estado do Paraná (TJ-PR) decidiu pela condenação de um desenvolvedor nacional de software de compartilhamento de arquivos (P2P), em ação movida pela Associação Protetora dos Direitos Intelectuais Fonográficos (Apdif).

De acordo com a decisão, a empresa Cadari Tecnologia da Informação e outros, responsáveis pelo desenvolvimento e manutenção do K-Lite Nitro, estão proibidos de disponibilizar o software P2P, “enquanto nele não forem instalados filtros que evitem que as gravações protegidas por Direito Autoral de titularidade das companhias representadas pela APDIF do Brasil sigam sendo violadas de forma maciça e constante pelos usuários do referido software”.

Ainda segundo a decisão unânime, relatada pelo desembargador Adalberto Jorge Xisto Pereira, o K-Lite Nitro tem "intuito de lucro baseado na venda de espaço publicitário, é ilegal e viola a lei de Direito Autoral (Lei 9.610/98) e o Código Penal brasileiro”.

Representante das cinco maiores companhias fonográficas do país (EMI, Som Livre, Sony Music, Universal Music e Warner Music), a Apdif atualmente faz parte da Associação Antipirataria de Cinema e Música (APCM).

Segundo o presidente da Apdif e da Associação Brasileira dos Produtores de Discos (ABPD), Paulo Rosa, a decisão inédita no país sobre redes de compartilhamento de arquivos estabelece um precedente na Justiça brasileira “importantíssimo” em relação aos direitos autorais sobre músicas e outros conteúdos protegidos na web.

“Não se trata de uma decisão contra uma determinada tecnologia, mas sim contra um modelo de negócio criado e explorado economicamente, cujo principal atrativo é a violação contínua e em larga escala de Direitos Autorais consagrados em nossa Constituição Federal e em legislação específica”, afirmou Rosa.

“Tecnicamente, essa decisão está muito próxima da perfeição, em pé de igualdade com decisões dos EUA e outros países do mundo. Não se trata de uma decisão contra a tecnologia, nem contra a neutralidade e a liberdade da internet. Mas sim de usar a tecnologia de forma responsável”, avaliou Rosa, acrescentando que as gravadoras vão cobrar para que sejam aplicados os filtros de conteúdo no K-Lite Nitro, para que a ferramenta barre o upload e o download de conteúdo protegido por direito autoral.

Marketing do medo

Réu no processo movido pela Apdif, Luciano Cadari se defende das acusações, dizendo que vai recorrer da decisão, já que em momento algum fez propaganda em favor da pirataria. “Nossa ferramenta é usada para compartilhar arquivos. Nunca induzimos ninguém a baixar conteúdo ilegal. Pelo contrário, sempre deixamos claro, com avisos para que os internautas não utilizem o software para fins de pirataria”, afirmou ao G1. “Me pegaram para Cristo para fazer o marketing do medo”.

Segundo Cadari, o sofwtare K-Lite Nitro foi baseado no programa de código aberto KCEasy e não tem o objetivo de infringir direitos autorais, apesar da “potencialidade” de download ilegal. “É como uma faca, que tem a potencialidade de matar. Um carro também tem a potencialidade de matar, em acidentes de trânsito. Por que não são proibidos também?”, questiona.

“Estão colocando a culpa da queda nas vendas da indústria fonográfica em uma empresa de fundo de quintal de Curitiba”, disse Cadari, cuja empresa tem quatro funcionários. “A guerra não é só contra mim; é contra todos os internautas brasileiros, contra a liberdade de expressão”.

quarta-feira, 16 de setembro de 2009

Juiz diz que parte da Lei Maria da Penha é 'feminismo exagerado' (texto)

Deu na Globo.com:

O juiz Edilson Rumbelsperger Rodrigues, da comarca de Sete Lagoas (MG), comentou nesta quarta-feira (16) a decisão do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de abrir processo administrativo contra ele. Em 2007, ele se envolveu em polêmica após considerar inconstitucional a Lei Maria da Penha, considerada um marco na defesa da mulher contra a violência doméstica.

De acordo com reportagem publicada em outubro de 2007 pelo jornal Folha de S.Paulo, o juiz rejeitou pedidos de medidas contra homens que agrediram e ameaçaram suas companheiras. Segundo o jornal, o magistrado disse considerar a lei "um conjunto de regras diabólicas".

Rumbelsperger rebateu, em nota, as acusações dizendo que não vai "desigualar homens e mulheres naquilo em que são rigorosamente iguais, ou seja, nas demais espécies de violência que um pratica contra o outro sem qualquer diferença". O juiz afirmou ainda que talvez nenhum homem deseje mais do que ele a igualdade entre homens e mulheres.

Rumbelsperger explicou que, na verdade, não combate as mulheres, mas sim o "feminismo exagerado", presente, segundo ele, em parte da Lei Maria da Penha. Ele disse ainda que algumas disposições da lei têm "caráter vingativo"."Combato, assim, o feminismo exagerado – consubstanciado em parte da Lei Maria da Penha – e que dela se aproveitou para buscar compensar um passivo feminino histórico, com algumas disposições de caráter vingativo", disse o juiz.

"Combato um feminismo exagerado, que negligencia a função paterna, que quer igualdade sim, mas fazendo questão de serem mantidas intactas todas as benesses da feminilidade", completou. O juiz especificou que não defende o homem, mas sim a "função paterna".

O magistrado disse ainda que não volta atrás nos comentários sobre a Lei Maria da Penha, porque seria um ato de covardia. "Se eu voltasse atrás num único pensamento expressado em quaisquer de nossas decisões, eu o estaria fazendo por mera covardia, apenas para tentar me livrar da angústia desse embate".


domingo, 13 de setembro de 2009

Uma carreira de oportunidades (texto)

Estreia na próxima segunda-feira a nova-velha-novela de Manoel Carlos, Viver a vida. A Revista da TV, encarte do jornal O Globo, deste domingo 13, trouxe uma matéria sobre a novela e uma pequena entrevista coma atriz Taís Araújo, protagonista do próximo horário nobre da TV brasileira (ou seja, da Rede Globo de Televisão).
Nesta entrevista, a atriz faz uma revelação impressionante: "Falar que falta espaço para o negro é até maldade. Eu mesma tive uma carreira de oportunidades."
Sobre este comentário de Taís Araújo eu teria pelo menos dois outros para fazer: 1) Será que atriz acha que a trajetória de todos os negros pode ser comparada com a sua? 2) Em que mundo essa criatura vive? Será que ela anda acompanhando o processo de luta contra o preconceito racial vigente no mundo e em especial no nosso país?
Como é que há muitas oportunidades se apenas em 2009 temos a primeira mulher negra ocupando o lugar de personagem central em uma novela no horário nobre da TV, no maior país de população negra mundial?
Em quase todas as outras novelas (parece até que eu ando medindo o racismo através das histórias contadas nas novelas brasileiras - não que não se possa) os negros ocupam papeis de empregados. Quem é que lembra de uma novela em que um negro, uma família de negros, ocupou um outro espaço nessas tramas? Lembrou? Raras foram as vezes.
Ela mesma protagonizou uma novela, tudo bem que era das 19h, na Rede Globo: mas o título era Da cor do pecado. E se esse título não reforça um sentido sobre as mulheres negras...
Lembro-me, bem, de uma entrevista que a grande atriz e cantora Zezé Motta deu num programa exibido na TV Globo, Mulher 80: ela contou que estava conversando com uma vizinha e lhe disse que estava fazendo escola de teatro e ouviu como resposta: "Eu não sabia que para fazer papel de empregada precisava fazer escola de teatro."
Precisa dizer mais alguma coisa?

O Anticristo (filme)

Assisti, no sábado à tarde, na minha volta para o Paraná, ao filme O Anticristo de Lars von Trier, o cineasta das sensações extremas. Neste filme, o dinamarquês ultrapassa, no meu ponto de vista, todos os limites: tudo está posto em excesso. E isso não quer dizer que exista alguma coisa fora do lugar.
O filme é protagonizado pela dupla Willem Dafoe e Charlotte Gainsbourg.
Após a morte do filho, um casal refugia-se numa cabana isolada no meio de um bosque, para tentar curar os ferimentos e o casamento em risco. Só que aí, no meio do nada, os eventos mais estranhos irão suceder-lhes.
No papel principal, não terá sido certamente inocente a escolha de Willem Dafoe, que interpretou Jesus Cristo no ultra-polémico A Última Tentação de Cristo, de Martin Scorsese.
O filme é repleto de simbolismos sagrados e profanos que precisam de sentidos para que a história produza seus efeitos.

sexta-feira, 11 de setembro de 2009

11 de Setembro (texto)

Eu sequer imaginava que aquelas imagens reproduzidas de forma incansável por mais de 100 vezes ao dia iriam produzir tantas histórias.
Histórias tb contadas à exaustão: livros, revistas, vídeos, imagens que se multiplicaram dia e noite sobre verdades diferentes e incontestáveis.
Acidentes postos em xeque, religiões terroristas, homens bombas, armamentos atômicos, culturas exóticas, mulheres reprimidas, miséria humana, vítimas, algozes. Tudo filtrado pela lente norte-americana.
Nunca se viu e ouviu tanto sobre a fragilidadea aérea dos EUA, nunca se falou tanto sobre um presidente motivado por esse acontecimento e os desdobramentos, quase sempre, estabanados produzidos por sua equipe.
Documentários puseram o 11 de setembro em dúvida. Redes de TV foram em buscas das armas de Sadan. Ele foi enforcado. As armas não apareceram. Soldados morreram. Bombas explodiram. Mais mortes só que com menos impácto. Guerra ao vivo e em tempo real. Um show de cobertura. A mídia enfim tinha a oportunidade de expor os seus limites.

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Projeto Escola sem Homofobia (texto)

O Projeto “Escola sem Homofobia”, financiado pelo Ministério da Educação e impulsionado pela Frente Parlamentar pela Cidadania LGBT, por meio de recursos aprovados pela Emenda Parlamentar da Comissão de Legislação Participativa, é uma ação colaborativa de organizações da sociedade civil (ABGLT, Pathfinder do Brasil, Reprolatina, ECOS e GALE ), contando com a orientação técnica da Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade (SECAD) do Ministério da Educação.
A finalidade do projeto é a de implementar ações que promovam ambientes políticos e sociais favoráveis à garantia dos direitos humanos e da respeitabilidade das orientações sexuais e identidade de gênero no âmbito escolar brasileiro.

Recentemente, o projeto finalizou a implementação de cinco encontros regionais em Curitiba, São Paulo, Belém, Brasília e Salvador, que congregaram
representantes do movimento LGBT brasileiro; organizações da sociedade civil; centros acadêmicos de pesquisa; Secretarias Municipais e Estaduais de Saúde, Educação, Justiça e Direitos Humanos; Programas Estaduais e Municipais de HIV/Aids; Grupos Gestores Estaduais, Municipais e dinamizadores regionais do Programa Saúde e Prevenção nas Escolas; Ministério Público; Câmaras Municipais e Estaduais; Senado; Programa Nacional de HIV/Aids; SECAD; e a imprensa escrita e falada.
Atualmente o projeto está iniciando a implementação de uma pesquisa sobre a homofobia no ambiente escolar em onze capitais brasileiras e a produção e distribuição de materiais educacionais abordando o tema da homofobia.

O projeto está também desenvolvendo uma série de materiais educacionais que farão parte de um “kit” que será distribuído inicialmente para 6.000 escolas dos níveis fundamental e médio do sistema de ensino público brasileiro.

Depoimentos:

“A homofobia está em todas as áreas, parte do professor, do aluno, da família e é reflexo do estereótipo criado na sociedade. Não vai ser fácil. Mas estamos lançando a semente para que nenhum jovem deixe de ir à escola por conta de sua orientação sexual”.
Carlos Laudari, diretor da Pathfinder do Brasil, instituição que gerencia o Projeto “Escola sem Homofobia”.

“A discriminação e o preconceito estão dentro e fora das escolas. Não culpamos o professor, pois a homofobia está na sociedade. Temos de dar instrumentos para que ele saiba lidar com essa questão. E o projeto será um importante instrumento na busca de subsídios para a implementação de políticas públicas”.
Danielly Queirós, técnica da SECAD/MEC.

quarta-feira, 9 de setembro de 2009

Na dor com um pouco de humor (texto)

Hoje a minha mãe acordou um pouco melhor: falou algumas palavras, brincou comigo, e disse, à tarde, que não tomava mais soro nem amarrada. Todos nós rimos muito, inclusive ela. Bom ter senso de humor mesmo nas horas mais difíceis, né mesmo? Nos deu uma felicidade enorme vê-la desse jeito.

Estar livre (texto)

Ontem uma amiga, uma grande amiga (os grandes amigos estão por perto nesta hora, ou através de orações, ou através das inúmeras ligações que ando recebendo, isso faz bem.) me disse que eu deveria encarar toda essa situação com a maior serenidade possível. Disse-me que a minha mãe não é apenas o que eu vejo ali deitada numa cama sem andar, falando muito pouco, não se alimentando, mas que ela é muito mais do que eu posso e consigo ver. Disse-me tb que eu preciso pedir tranquilidade para poder ajudar...é o que ando fazendo...
Hoje, bem cedo, assim que acordei, fiquei ao lado dela e ela me disse, bem baixinho, que quer ficar livre.

terça-feira, 8 de setembro de 2009

Jô (texto)

Maringá é uma cidade do Norte Velho do Paraná e fica a, mais ou menos, 300 quilômetros da cidade onde moro, Cascavel. Lá se encontra a Universidade Estadual de Maringá, naturalmente. E nela há muitos professores. Dentre eles tenho, pelo menos, quatro amigos que por lá lecionam. Não vou me arriscar a citar os departamentos porque não os sei de cabeça: acho que em história, geografia e alguma área biológica.

Não os vejo com frequência. Pra ser sincero, não os vejo nunca e os contatos são sempre via e-mail, Orkut, blog. Ainda que eu não os encontre, nem fale, eles estão, vira e meche, nos meus pensamentos porque são pessoas especiais.

Na semana passada pensei muito numa dessas amigas, a Jô. Um evento está se aproximando e, como nos conhecemos numa edição em Maringá, pensei que nos encontraríamos nessa nova edição que acontecerá em Londrina.

Pensamento vai, pensamento fica. Ontem à noite recebo, depois de um ano sem contato, como um ressurgir das cinzas, um e-mail dessa amiga. Fiquei tão feliz com ele. Primeiro, porque soube que ela, apesar de tudo, continua acreditando na nossa amizade e depois porque, tb apesar de tudo, continua acreditando na vida.

Ela é especial pra mim ainda que eu nunca tenha dito isso, por muitos motivos: pela forma como me recebeu, pela educação, sensibilidade para compreender o que se passa no meu coração e, provavelmente, nos corações dos outros tb. Sorte a minha tê-la outra vez por perto.

segunda-feira, 7 de setembro de 2009

O que não é meu (texto)

Não é um recado, mesmo! Todos nós podemos apenas até uma parte das coisas. Mais, impossível! Cada um sabe o que deve e pode fazer e mais, cada um sabe aonde a mão alcança. Mas o que não podemos perder de vista é a nossa responsabilidade. Fazemos escolhas e elas produzem consequências. Sair do lugar de vítima e encarar essa história toda. Dizer que não se fica desapontado, mentira (crio expectativas), mas o do outro não é meu e ele que resolva as suas questões.

domingo, 6 de setembro de 2009

Xale vermelho (texto)

Tudo tem a sua história, né? Os objetos têm as suas. O xale vermelho não fazia parte dos meus planos hoje, mas assim que o vi na vitrine de uma loja pensei que talvez ele pudesse produzir um pouco de alegria. Comprei. Despois da compra fiquei pensando em sua história: quem o teria feito, quando e onde? E, o mais importante, ser vermelho e seus sentidos: não sei se a cor vermelha significa mais do que paixão, mas neste momento ela precisa significar vida. Estar apaixonado é se sentir vivo: minha paixão neste momento é poder fazer alguém um pouquinho que seja mais feliz. O xale vermelho vai cheio de fé nessa possibilidade de felicidade.

Em mais uma viagem (texto)

Já escrevi aqui diversas vezes que as últimas viagens para o Rio têm um sabor difícil de especificar: vou sem vontade, quase por obrigação, volto querendo nunca ter saído de lá. Perdi nesses 16 anos no Paraná a convivência com os meus pais (padrasto e mãe), a cada ano eu os via menos e por menos tempo a cada ano. É claro que por outro lado essa distância tb nos aproximou, justamente porque na falta de convivência as diferenças foram aos poucos deixadas de lado (não todas, é claro) e os fartos encontros eram quase sempre bem agradáveis.
Ainda assim, o fato de achar que eu os teria para sempre, sempre me dava um tempo a mais para adiar uma longa estadia: eu tinha certeza de que nas próximas férias, no próximo natal, no próximo dia das mães, na próxima passagem do ano, no próximo aniversário de minha mãe, nós poderíamos estar juntos.
Minha mãe está agora muito mal e tenho ido com alguma frequência vê-la. Estou a caminho do Rio neste momento. Meu coração está muito apertado, porque eu sei que ela está mais abatida e fraca do que a deixei no final do mês passado. Sua voz ao telefone quase não se compreende.
Como sempre, vou para ficar pouco. No próximo domingo já estarei de volta. Tenho muito trabalho e tb tenho um medo enorme de ficar e ver como, a cada dia, a situação piora.
Queria mesmo não sentir o que sinto quado a chegada se aproxima, mas sentir não se controla. Infelizmente.
Essa situação tem me deixado mal em muitas das minha relações: no trabalho com os amigos e alunos, com os amigos, comigo mesmo. Tenho vontade de estar sempre sozinho e pouco consigo compartilhar com alguém o que ando sentindo. É certo que sei que tudo isso é meu e mesmo quando alguns amigos me procuram eu tenho recusado, de alguma forma, ajuda.
Fisicamente tb tenho reflexos. Nesta última semana, uma alergia tomou conta de parte do meu corpo. Ela não é propriamente uma alergia, mas reflexo do estresse no qual me encontro. Tudo isso somado é igual a falta de humor, de sono, de alegria e de prazer nas tarefa diárias.
Só que esses sentimentos são mais fortes do que eu e eu não consigo controlá-los.
Estou sempre impaciente e por pouco perco o controle. Fora isso, outros problemas reforçam esses descontrole: tenho, por exemplo, que conviver, por conta da doença de minha mãe com pessoas com as quais não tenho o menor prazer em estar junto. Gente que sempre tem uma visão negativa de quase tudo; gente que não consegue ver o esforço do outro nas situações mais difíceis (que é a de acompanhar por 24h D. Heloísa) etc.
Não sei se eu deveria postar esse texto, visto que ele é uma espécie de desabafo. Preciso escrever e reler para ter um pouco mais de consciência do que se passa comigo agora.
Tava pensando que nem música tenho ouvido em casa: quase impensado eu trabalhar sem ouvir música ou ouvir música apenas. E sequer tenho pensado nela. Chego em casa depois do trabalho tão cansado que quero apenas ficar na cama em silêncio, descansando de tudo.
Estou com muito medo do que me espera porque eu sei o que me espera.

sábado, 5 de setembro de 2009

3 x 1 (texto)

Aprendi a gostar de futebol com a minha mãe. Se ela estivesse saudável, certamente estaria assistindo tb a este jogo que acabou em Rosário. 3 x 1 para o Brasil com um jogo não muito disputado, mas com um resultado formidável para a seleção brasileira porque assim se classifica para a Copa do Mundo em 2010 na África do Sul.
Para mim a grande jogada foi o passe do Kaká e o gol do Luiz Fabiado, num lençol sobre o goleiro.
Sempre é bom vencer a Argentina!!! A vitória é mais saborosa. Olé Brasil!

Novos Tempos (texto)

Todo mundo pensando em deixar um planeta melhor para nossos filhos... Quando é que pensarão em deixar filhos melhores para o nosso planeta?

Precisamos começar JÁ!
Uma criança que aprende o respeito e a honra dentro de casa e recebe o exemplo vindo de seus pais, torna-se um adulto comprometido em todos os aspectos, inclusive em respeitar o planeta onde vive...

sexta-feira, 4 de setembro de 2009

Sentimento de Culpa (texto)

Sentir-se culpado produz vários tipos de comportamentos: um deles, tenho percebido na forma como um familiar bem próximo se movimenta, é o de tornar a vida de outras pessoas um inferno. "Como - e isso é apenas uma impressão - não posso por mil motivos ajudar, tento criar um clima bem ruim para que eu possa, então, me afastar por conta dessa situação que nem de longe foi criada por mim." Parece-me a maneira como esta pessoa tem se comportado.
É difícil compreender como certas pesssoas funcionam, mas algumas são tão óbvias na forma como agem que chega a ser matemático o passo seguinte.
Se eu tenho os meus limites, que eu os aceite, ou então que eu procure um especialista para resolvê-los. Não posso ou não devo achar que o outro é o responsável por essa limitação.
O sentimento de culpa é o sofrimento obtido após reavaliação de um comportamento passado tido como reprovável por si mesmo. A base deste sentimento, do ponto de vista psicanalítico, é a frustração causada pela distância entre o que não fomos e a imagem criada pelo superego daquilo que achamos que deveríamos ter sido.
Há também outra definição para "sentimento de culpa", quando se viola a consciência moral pessoal (ou seja, quando pecamos e erramos), surge o sentimento de culpa.
Para a Psicologia Humanista-existencial, especialmente a da linha rogeriana, a culpa é um sentimento como outro qualquer e que pode ser "trabalhado" terapeuticamente ao se abordar este sentimento com aquele que sofre. Para esta linha de Psicologia, um sentimento como esse, quando chega a ser considerado um obstáculo por aquele que o sente, é resultado de um inadequado crescimento pessoal mas não é considerado uma psicopatologia.
Para os rogerianos, todas as pessoas têm uma tendência a atualização que se dirige para a plena auto-realização; sendo assim, o sentimento de culpa pode ser apenas limitação momentânea no processo de auto-realização.
É bastante concebível que tampouco o sentimento de culpa produzido pela civilização seja percebido como tal, e em grande parte permaneça inconsciente, ou apareça como uma espécie de mal-estar, uma insatisfação, para a qual as pessoas buscam outras motivações.
As religiões, pelo menos, nunca desprezaram o papel desempenhado na civilização pelo sentimento de culpa. O sentimento de culpa, a severidade do superego, é, portanto, o mesmo que a severidade da consciência. É a percepção que o ego tem de estar sendo vigiado dessa maneira, a avaliação da tensão entre os seus próprios esforços e as exigências do superego. É o ponto-chave do texto "Mal estar na civilização" de Sigmund Freud.

A mais feliz do mundo (texto)

Não dá para negar que o Rio é uma cidade linda. Não viajo muito, mas tenhho amigos que conhecem quase o mundo inteiro e confirmam que a beleza do Rio de Janeiro não se encontra com tanta facilidade por aí.
Agora a cidade recebeu o título de Cidade mais feliz, segundo ranking da revista Forbes.
Acho que o título deveria produzir um orgulho nacional em relação à cidade, mas não apenas isso, acho que ele deveria motiva um cuidado maior tb para com ela.
O Rio de Janeiro está abandonado. Vivemos, talvez, dessa alegria e da esperança de que a população algum dia se toque de que cuidar da cidade não é apenas obrigação dos governos. Tínhamos que pensar na cidade como se pensa num filho (sei que não é tão simples assim), não podemos delegar os cuidados aos outros. A responsabilidade é nossa.
Prefeitos, governadores vão e a cidade fica. Já estamos fartos da violência, da sujeira, do cheiro de mijo espalhados pela cidade. Cansados de ver prédios lindos jogados fora porque não há conservação. Esgotados das ruas do Centro alagadas por esgotos ou porque choveu durante 20 minutos.
Acho que não podemos, apesar do orgulho pelo título da Forbes (ainda que medir a felicidade não seja lá muito objetivo), nos esquecer de que falta muito. E mais, nos podemos deixar de pensar que felicidade para uma cidade (desculpem a rima, mas aqui não tinha jeito) é mais do que um estado de espírito, é beleza para os olhos, é organização, é limpeza, é menos violência e pobreza.

terça-feira, 1 de setembro de 2009

Mafalda, para matar a saudade (texto)

Hoje, enquanto eu lia alguns trabalhos finais de alunos da minha disciplina, fui surpreendido com uma análise dessa tirinha da Mafalda aí ao lado. Sou fã do Quino, cartunista argentino pai da Mafalda. E como uma porção de gente, tenho em casa (lá no Rio, que pena!!!) o "Toda Mafalda" cujo livro li algumas vezes e me diverti diversas com essas releituras.
O que me chama atenção nesse diálogo entre Mafalda e Susanita é o fato daquela incorporar sempre o discurso de uma esquerda política, mas, aqui especificamente, bater em sua interlocutora na ausência de argumento ainda que o foco da discussão tenha sido completamente alterado pela pergunta desta.
Mafalda se mostra, como as mulheres de sua época, preocupada com questões mais intelectuais do que as que dizem respeito à aparência, beleza e que apontam, segundo esse discurso, para certa futilidade (a preocupação com vestidos, por exemplo)
Como é bom rir! Pena que a gente não faça isso sempre...