terça-feira, 31 de agosto de 2010

De 27 de setembro a 2 de outubro - Primeira Mostra de Filmes da Diversidade Sexual em Cascavel

A Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual do Oeste do Paraná (UNIOESTE/Cascavel) em conjunto com alunos e professores dos curso de Letras e Pedagogia estão promovendo a 1ª Mostra de Filmes da Diversidade Sexual em Cascavel.
A mostra será realizada entre os dias 27 de setembro e 2 de outubro, sempre às 19h30, no Mini Auditório I do Campus de Cascavel.
A programação dará conta da sigla LGBTT, ou seja, filmes que discutam questões referente às Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros. Além da exibição de filmes, está programado um debate sobre a diversidade sexual, sempre à partir do filme do dia para produzir as discussões.
Contamos com a presença de professores dos cursos de História, Filosofia e Letras além de liderança LGBTT do Paraná para promover o debate.
Maiores informações no site , produzido pelos alunos, para o evento.
POR FAVOR: NOS AJUDEM A DIVULGAR!!!!! 

Obs.: Serão emitidos, para os que participarem com 100% de frequência, certificados com 24h.

domingo, 29 de agosto de 2010

Identificação (texto)

Dizem por aí que alguns candidatos (para todos os cargos das  próximas eleições) estão tão preocupados com a identificação da sua imagem com a do presidente Lula que estão deixando a barba crescer e cortando o dedo mindinho.

sábado, 28 de agosto de 2010

Buemba! Buemba!!!! (texto)

Não sou o Macaco Simão, mas se falo mal do casamento ... a Fátima e a Cris viram fera! Parece aquela história da mãe que fala mal do próprio filho, mas se a vizinha disser alguma coisa ou concordar com o que ela diz ... o mundo vem abaixo! Hahahahaha!
É mole? Mas chacoalha pra ver o que acontece!
Mas não é sobre casamento que queria escrever. Não estou casado, atualmente, e, sendo bem sincero já que enveredei por este caminho, o namoro é a melhor fase das relações! E nem me venham com essa de que casamento pode ser um eterno namoro! Isso aqui não é Hollywood! E continuo escrevendo sobre o que eu não queria.
Olha o que as meninas fizeram. Tô quase terminando o post e não me desvencilho do matrimônio. Santo Antônio, Santo Antônio!
E por falar em casamento, faz um tempão que não vou a um. O último casamento, desses de igreja, noiva, bolo e pessoas se emocionando foi o de uma amiga do ensino médio (mais conhecido pela minha geração como segundo grau). Faz é tempo, acho que quase 20 anos, sei lá. Não sei mesmo. E eles estão firme e ... vai saber.
E já ouvi dizer que a melhor parte da vida de casado são as brigas. O resto é meramente regular. Ou ainda que o casamento tem muito de um circo,  não existe nele tudo quanto anunciado na propaganda.
Veja bem, nada disso saiu aqui dessa cabeça (para muitos, completamente vazia), tudo já foi dito e reforçado (pela realidade). Hahahahahahaha!

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Pensamento do mês

Casamento é igual a bife de segunda, é preciso mastigar muito, mastigar com vontade para comer a carne. E se de segunda, ainda desce com aquele gosto de congelado.

Um passeio pela orla já me dou por satisfeito (texto)

O Seminário Fazendo Gênero 9 chegou ao fim. E como já postei aqui, foi muito bom ter vindo, aprendi pra burro, acho melhor escrever, aprendi muito.
Restam-me agora dois dias para aproveitar um pouco a cidade. Pena não estar calor para pegar uma praia, mas vou dar uma volta na orla e já fico satisfeito.
Pra quem não conhece, Floripa é uma cidade linda! Tem praias espetaculares. Além da beleza natural, que é muito falada Brasil afora, tem uma maneira muito carinhosa de receber os turistas. Um jeito de falar muito bonito. É uma cidade bem fácil de se locomover, porque tem o mar nos guiando.
Come-se muito bem por aqui, e é claro que os frutos do mar sempre são as melhores escolhas. Tem a famosa "sequência de camarão" na Lagoa da Conceição.
Venho sempre que posso e este ano estou pela segunda vez na cidade. A ilha é mágica mesmo, impossível não se apaixonar pelos manézinhos, pelas praias, pelo clima (mesmo quando está frio). Que sorte estar por aqui!!!

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

Intenção de voto (texto)

Escrever sobre eleições, votos, intenção de voto, sempre é um terreno movediço e perigoso, mas, pior do que falar sobre as próprias intenções, é ficar sobre um muro se escondendo ou não dando a cara.
Não sei ainda se votarei ou não nessas eleições para presidente, porque ainda que eu esteja faz alguns anos no Paraná, não transferi meu título. Continuo votando no Rio de Janeiro (o que demandaria viagem).
Tenho acompanhado as discussões em torno das eleições de 2010 faz algum tempo (gosto disso) e de antemão meu voto sempre é no PT. Votei no Lula desde a sua primeira tentativa de entrar no Planalto, e, sinceramente, não me arrependo.
Entendo (muito) bem que muita gente tenha se surpreendido (e se decepcionado)  com as porcalhadas de alguns integrantes do partido no decorrer desses últimos anos, mas (sei que falo desse lugar de simpatizante) sei tb que, apesar de tb ter ficado bastante chateado com tudo o que aconteceu e acontece, entendo que nada disso (corrupção, desvido de verba, comunhão com políticos sujos etc.) nasceu ali com o Partido dos Trabalhadores.
Tudo isso faz parte da política, está na Ordem do discurso político.
Bem, caso eu vote para presidente (e aí votarei tb para governador, senador, deputado estadual e federal, porque a viagem é uma só), votaria HOJE na Dilma.
Não gosto do Serra porque não gosto da política do PSDB em torno de privatizações, da ausência do Estado em algumas áreas. Não voto na Marina porque não acredito no seu discurso, além disso acho que ela não se posiciona bem diante de algumas questões de cunho social importantes ao meu ver. Sem falar que gato escaldado... o discurso de que consegue governar apenas com o próprio partido, não rola mais.
Por enquanto é isso...

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

Ainda em Floripa (texto)

Bom demais estar em Florianópolis! Ontem apresentei o meu trabalho no Simpósio Temático: Discursos construtores, imagens, identificações e diversidades. O ST está sendo muito bacana! Além do grupo bem afinado (estudantes, professores, mestrandos e doutorados) as discussões foram muito produtivas.
No meu módulo discutimos a imprensa, o consumo, as representações hegemônicas: sobre a mulher, sobre o envelhecimento e sobre a diversidade sexual.
Uma garotada muito antenada com as questões da grande mídia. Fiquei bem animado com o que ouvi e, sobretudo, com a possibilidade de ouvir muita gente com formação diversa escrevendo sobre temas tão próximos.

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Maomé e a Montanha

Se a Montanha vai a Maomé, então ela não é montanha, é carro alegórico!

Fazendo Gênero (texto)

Estou outra vez com o pé na estrada. Dessa vez vou a Florianópolis para um evento: Fazendo Gênero. O nome é bem sugestivo, porque fazer gênero produz diversos movimentos. 
Em sua 9 edição, ou seja, com bastante tradição, muito bem organizado etc & tal, ele recebe pesquisadores e interessados em estudos de gêneros: "O Fazendo Gênero 9, em 2010, terá seu foco central em temas que sugerem movimento tanto pela dispersão dos povos e culturas através de espaços geográficos quanto pelo desejo de realocações em espaços imaginados e pelo encontro com identidades plurais. Um evento que sugere assim três dimensões para se discutir algumas das mais significativas experiências dos sujeitos contemporâneos, em sua permanente demanda de cruzamento de fronteiras: Diásporas, Diversidades, Deslocamentos."
As expectativas em relação ao evento são grandes, e se ele é em Floripa, melhor ainda.

sábado, 21 de agosto de 2010

1ª Mostra de Filmes da Diversidade Sexual em Cascavel (texto)

Alguns alunos do curso de Letras 1º e 2º ano, mais uma aluna do 4º ano de Pedagogia e ainda a Pró-Reitoria de Extensão da Universidade Estadual do Oeste do Paraná estão promovendo a 1ª Mostra de Filmes da Diversidade Sexual em Cascavel.
A programação dará conta da sigla LGBTT, ou seja, filmes que discutam questões referente às Lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transgêneros. Além da exibição de filmes, está programado um debate sobre a diversidade sexual, sempre à partir do filme do dia para produzir as discussões.
Contamos com a presença de professores dos cursos de História, Filosofia, Letras, Ciências Socias, além de liderança LGBTT do Paraná para promover o debate.
A data ainda não está definida, mas sabemos que será entre os dias 17 e 26 de setembro em diversos pontos aqui em Cascavel. Assim que toda a programação esteja finalizada divulgo um pouco mais aqui no blog.
Maiores informações no site (ainda não está no ar justamente por conta desses ajustes finais) produzido, tb pelos alunos, para o evento. 

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Dois prédios em construção e uma avenida larga (texto)

É impressionante como eu atraio bêbados na rua. Posso sair duas vezes no mesmo dia e, ba-ta-ta, tem um mais alcoloizado tentando alguma conversa comigo. Agora mesmo, na saída do shopping, perto de casa, um me parou na rua:
- Jovem (me chamou!)! (Pensei, deve mesmo estar mamado para se dirigir a mim com esse vocativo).
- Opa! (Repondi meio com pressa e sem muita paciência).
Sabe? Tem 2 prédios como aquele ali em construção e uma avenida grande...
- Hum (sem sabe aonde ele ia chegar).
- Sabe onde fica? (me perguntou).
Sem entender muito bem, fiz cara de quem não havia compreendido a pergunta.
- (Muito senhor de si,  repetiu) Tem dois prédios em construção como aquele ali (apontando para um prédio em construção) e uma avenida larga, vc sabe onde fica?
- Não, não sei.
Ele agradeceu e continuou a sua caminhada.

UFRJ vai destinar 20% de vagas para cotas sociais no vestibular de 2011

A decisão sempre gera polêmica, mas vale à pena pensar sobre a reserva de vagas em universidades públicas
A Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) acaba de aprovar, por apenas dois votos de diferença, o percentual de 20% de vagas para cotas sociais - ações afirmativas, para facilitar o ingresso de estudantes de baixa renda familiar e do sistema público de ensino, menos as escolas da rede federal e os colégios de aplicação ligados as universidades. 
A medida já vale para o vestibular de 2011. A votação contempla a proposta da reitoria e rejeita a alternativa de estudantes e funcionários de destinar 35% das vagas para as cotas. Anualmente, a UFRJ oferece 8 mil vagas. 
O placar final da votação no conselho universitário foi de 20 a 18. 
A UFRJ propõe bolsas de estudo para cotistas Os conselheiros decidiram ainda sobre as vagas que serão divididas entre o Sistema de Seleção Unificada (Sisu) e o vestibular tradicional. Quarenta por cento das vagas serão destinadas ao sistema de seleção do MEC e os outros quarenta por cento para o processo seletivo da UFRJ.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

To Sir, With Love (texto)

Hoje, tive com os alunos do primeiro ano do curso de Letras uma conversa bastante séria. Daquelas de professor para aluno. Fiquei muito incomodado com o resultado das provas, sobretudo porque apostava que elas seriam, depois dos exercícios, monitoria, explicações, leituras de um texto bem simples etc., bem melhores do que foram.
Nem a conversa foi boa nem o pós-conversa me foi satisfatório. Primeiro, porque não acredito que ela, a conversa, produza qualquer efeito. Não vejo nenhum momivento de mudança. Depois, porque me coloquei num lugar que não gosto de ocupar:  o professor preocupado com as despreocupações desses(as) meninos(as). 
Vou me explicar melhor para não parecer que não estou nem aí para eles(as). Estou, é claro, mas não acho que na universidade a gente tenha essa função, a de dizer ao aluno como ele deveria se comportar para ser um aluno melhor. Sobretudo porque se o cara escolhe determinado curso, pressupõe, pelo menos para mim, que ele tenha afinidades com as disciplinas do projeto político pedagógico.
Mas nem sempre é desse jeito, ou melhor, nunca é assim. Num curso de Letras, normalmente, os alunos chegam porque é um curso relativamente tranquilo para a entrada numa universidade pública. Tranquilo quer dizer, menos concorrido, se comparado a outros cursos.
Isso, quase sempre, quer dizer que temos alunos que queriam fazer medicina, jornalismo, psicologia, veterinária, engenharia, e tantos outros cursos possíveis oferecidos pela instituição, mas que, por algum motivo, não acreditavam que passariam na seleção desses outros cursos e por isso optaram pelas Letras.
E isso quer dizer tb que ao optarem por um curso que não era a sua primeira opção, acabam se desestimulando porque a quantidade de leitura, de produção de textos, de cobrança em termos de escrita e leitura é imensa. Além, é claro, de conhecimento da língua que eles quase nunca têm.
É um curso que parte, talvez equivocadamente, do princípio  de que esses alunos tenham conhecimentos básicos de gramática, experiência de leitura e escrita o que não corresponde à realidade. E fora algumas disciplinas (as que trabalham com leitura e produção de texto, exclusivamente), as demais esperam resultados. E eles não chegam, satisfatoriamente, no tempo dessas disciplinas.
Fiquei aqui me lembrando da miha vida escolar. E por isso o título do post (Ao mestre com carinho), justamente porque foi um filme que marcou a minha adolescência (revi diversas vezes na sessão da tarde). Nessa história, um professor negro, interpretado pelo grande ator Sidney Poitier, enfrenta (e o verbo é esse mesmo) uma turma bastante arredia em relação a sua presença (o fato dele ser negro, sobretudo).
É claro que o filme, Hollywoodiano, acaba bem. O professor conquista a turma e é conquistado por ela. Nem sempre a realidade corresponde aos filmes de Hollywood.
Senti saudades de alguns professores: Terezinha (primeira professora), Márcia, Aidê, Elder, Mademoiselle Regina, Delnavi, Rubens, Conceição, Gustavo, Laplana, Maria Luiza (a preferida), Rosa Hermann, Marli, Toninho, Pitta, Jonair, Paulo, Ana Maria, Rosa Gens (literatura, brasileira na universidade), Cecília (latim, na universidade) e tantos outros cujos nomes não me lembro agora.
Eles fizeram algumas diferenças na minha vida, primeiro pela seriedade com que lidavam com a profissão, depois pela atenção e carinho dispensados a mim.
Nunca tive com os meus professores uma relação mítica, eles fuequentavam a minha casa porque eram amigos, sobretudo os do ensino fundamental, da minha mãe e eu tinha com eles uma relação pessoal bastante próxima. Nunca os vi como heróis, mas como batalhadores pela profissão.
Ser professor é, para mim, uma sorte. Estar em sala de aula é divertido. Quase sempre, pelo menos. Embates, como o de hoje, fazem parte tb do nosso dia a dia. E se não nos atentarmos para esses percalços, pode até surgir uma desânimo. Dias melhores virão. Conto com isso.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Pontualidade (texto)

Sou muito pontual (e se não acreditam, podem perguntar aos meus amigos, alunos, colegas de trabalho etc.), não gosto de deixar que me esperem. Em contrapartida, odeio esperar cinco minutos.
É claro que, com o passar dos anos, fui ficando menos irritado com o atraso dos outros (quase todo mundo se atrasa ... né?). De qualquer forma, fico incomodado com a falta de compromisso com o tempo alheio (alheio = a meu tempo).
Eu sempre tenho, lá na universidade, mil duzentas e cinquenta e três coisas e meia para fazer durante o dia e se um indivíduo se atrasa por meia hora (se é que meia hora pode ser considerado um atraso) os compromissos, num efeito dominó, acabam ficando por fazer.
Hoje foi um dia desses. Marquei com um professor às 13h30 para uma revisão e ele chegou às 15h (eu queria lhe cortar uma das mãos, mas seria acusado de extremista). Às 16, tinha uma reunião importante e não consegui chegar em virtuude desse sujeito.
Tentamos remarcar a reunião para uma outra data e não foi possível tb por conta do compromissos dos outros. Ou seja, perdi a oportunidade de participar de decisões importantes por conta do descompromisso de alguém.
Por que somos tão discplicentes com o horário? Por que quase ninguém é pontual? Por que ser pontual é = a ser chato? Por que não nos colocamos no lugar do outro quando se trata de marcar um horário e não o cumprir? Por que o brasileiro se atrasa tanto? Por que, por que, por que?

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Frio (pergunta)

Como é que alguém pode se sentir bem num clima desses?

Quando o amor acontece (texto)

Fazia muito tempo que eu não me interessava por ninguém. Interesse pessoal, quero dizer, porque interesse profissional sempre acontece. É claro que os interesses profissionais tb têm a ver com o pessoal,  mas não é sobre isso que estou escrevendo. Entendeu ou quer que eu desenhe?!
Continuando,  meu coração andava mesmo vazio, sem se animar por nada e nem por ninguém. Na verdade, interesse houve sim, mas não reciprocidade. E aí os dias iam passando e eu ia preenchendo esse vazio com os amigos, o trabalho, os livros, o blog, com a linguística (não necessariamente nesta ordem), enfim, com coisas que nem de longe substituem (de verdade) uma boa companhia.
Ah, não sou do tipo que acha que é impossível ser feliz sozinho (é sim!). Mas estou falando de companhia, pessoas.
E aí, quando menos a gente espera, surge um luzinha que faz os olhos brilharem e o coração bater mais forte, num ritmo quase esquecido. Não estou dizendo que há reciprocidade, que finalmente me encontro enamorado ou coisa parecida. Não, ainda não é isso, mas quem sabe?

sábado, 14 de agosto de 2010

AS ETAPAS DO (DES) AMOR

Dizem por aí que após terminar um relacionamento é preciso passar um tempo sozinho, consigo mesmo. Reza a lenda que emendar um namoro atrás do outro pode ser prejudicial à busca do próprio eu e que, pessoas que não seguem esta cartilha, estão fadadas a frustrações de ordem amorosa, por transferir os problemas não resolvidos do caso anterior para o atual.
Segundo especialistas, a melhor coisa a fazer após um chute na bunda, é passar por 3 importantes etapas: Auto-Destruição, Balada Frenética e Reencontro.
 
Auto-Destruição

Aqui você precisa ir até o fundo do poço. Vale tomar um porre, ligar bêbado, chorar em público, invadir o e-mail da pessoa amada, deletá-la do seu orkut, lista de spam, msn. Tudo isso na consciente (ou não) tentativa de extinguir qualquer possibilidade de retorno. Depois da fúria, você vai passar dias e noites chorando na cama, sem trabalhar, sem trocar o pijama, sem tomar banho. Vai se olhar no espelho com desgosto, recusar qualquer convite para sair e mudar de canal sempre que uma cena de sexo invadir sua televisão. Na rua, vai cuspir nos casais felizes.
 
Balada Frenética
Passada a fúria e a depressão, você aceita convites para sair. Melhor, você enche o saco de deus e o mundo para sair com você durante toda a semana, de segunda a segunda. Aqui nesse estágio você vai se ver numa mesa de bar com aquele conhecido distante que você nem ia muito com a cara, mas foi a única pessoa que topou tomar todas em plena segunda-feira chuvosa. Vai se ver dançando com estranhos e vai acordar ao lado de alguém que mal lembra o nome. Na rua, continua amaldiçoando os patéticos e inconvenientes casais felizes. Nesta fase existe um esforço sobre-humano para ser feliz. E se na auto-destruição você se afundava no chocolate, aqui você se matricula na academia. Está chegando a hora de voltar para o mercado de trabalho... mas não antes de passar pelo Reencontro.

Reencontro

Uma onda de calmaria invade o seu quarto junto com incensos e livros sobre espiritualidade. Aqui você tenta buscar o equilíbrio: pode ser que se matricule numa aula de yoga ou pare de fumar. Talvez você opte por cortar carne vermelha e comece a estudar sexo tântrico. O reencontro, portanto, é consigo mesmo. Chegou a hora de avaliar tudo o que viveu e se abrir para o novo. Na rua, na fila do cinema e no trânsito, continua xingando os casais felizes, porque casais felizes são sempre chatos, né?

Passadas as etapas, uma a uma, você procura e não encontra nenhum especialista. Por que o filho sem mãe que inventou estas regras casou e foi passar a lua de mel em Bora Bora. Ele também não te avisou que só as mulheres passam por tais etapas. E você nem de longe desconfiou, porque enquanto passava noites e mais noites desabafando com as amigas na mesa do bar, remoendo e remoendo o que passou vestida de luto, o seu ex já estava na cama com outra. É bem capaz dele já ter partido para a segunda aventura enquanto você mal entrava na terceira etapa. E foi aí que você precisou aprender a ser CAFA.


CAFA.

Abreviação de Cafajeste = substantivo masculino, homem de ínfima condição, pessoa sem préstimo.
Este é o momento de dar o troco. Vale transar com o melhor amigo dele(a), contar para todo mundo que ele(a) é ruim de cama, vale ficar com alguém legal e que não te interessa só para não ligar no dia seguinte ou se fazer de tonta(o) ao telefone. Vale atender o celular quando estiver com outro(a) e dar esperança para os dois (duas) em vão. Aqui você marca de sair com o cara, desliga o celular e vai fazer depilação. E depois, muito mais tarde, já no quinto chopp, pode apostar que com apenas uma mensagem de texto, em menos de 5 minutos ele(a) aparece na sua frente. Aqui você pensa: se eu conseguisse agir assim com os caras que me interessam...

Pois se nada disso deu certo e você continua solteira, o melhor a fazer é sair com o primeiro(a) que aparecer na sua frente e fazer todo o esforço possível para se apaixonar. Vale fingir que ele(a) é bonito, inteligente e bom de cama. Vale até fingir orgasmo! Pense bem, na época da sua avó os casamentos eram arranjados e duravam tanto! Não é isso que você quer? Desencalhar a qualquer custo? Pois então! Vai fundo e minta para você mesma(o) que está apaixonada(o). Acredite: em apenas um mês pode atingir ótimos resultados!

E no momento em que você estiver distraída(o), divertindo-se com o errado, movimentando suas ações no mercado e já com toda auto-propaganda feita... a pessoa certa vai aparecer. Até que de certa ela(e) vira errada, vocês terminam e as etapas começam novamente. Será que um dia acaba?

Enquanto não acaba, lembre-se que para tudo na vida existe um lado bom, menos o disco do Oswaldo Montenegro.
Lembrem-se de que não estou nenhum pouco preocupado com verdades, mas como o texto é, pelo menos, divertido, resolvi postá-lo. 

sexta-feira, 13 de agosto de 2010

Blogagem coletiva: inveja (texto)

Não sou muito fã de blogagens coletivas, porque escrever sobre determinados assuntos não é muito simples, mesmo quando a proposta do blog (no meu caso) seja a de texto curto.
No entanto, ao abrir o Blog da Cris (O canto de contar contos) e ler o seu texto sobre "a inveja", pensei na possibilidade, não de escrever sobre o tema (nao tenho o que dizer sobre ele), mas de uma rápida observada nas imagens que nos são oferecidas no site de busca Google quando digitamos INVEJA. 
Impressionante como o senso comum brota nessas imagens. Quase 95% deles são de mulheres. Elas têm uma relação histórica construída em torno da inveja, como se fosse próprio do gênero feminino esse sentimento.
Das imagens masculinas encontradas (quando o foco é o homem) quase sempre a inveja tem relação com a mulher que um outro homem tem. Mas encontrei tb uma que me chamou atenção, a  inveja do pênis grande. Bastante comum em se tratando do senso comum sobre o gênero masculino.
O interessante disso é perceber o quanto somos por todos os lados "induzidos" a pensar o mesmo e não refletir muito sobre o que nos é naturalizado.
Selecionei a imagem de um homem obeso, aparentemente infeliz (no ocidente,  não se pode ser feliz sendo gordo por mil motivos: desde a questão estética até a questão de saúde) por não está na mesma situação do seu companheiro de fotografia. Vale à pena pensar sobre isso.

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Escrevo porque me é necessário (texto)

 Motivo
Eu canto porque o instante existe
e a minha vida está completa.
Não sou alegre nem sou triste:
sou poeta.
 
Irmão das coisas fugidias,
não sinto gozo nem tormento.
Atravesso noites e dias
no vento.

Se desmorono ou se edifico,
se permaneço ou me desfaço,
- não sei, não sei. Não sei se fico
ou passo.

Sei que canto. E a canção é tudo.
Tem sangue eterno a asa ritmada.
E um dia sei que estarei mudo:
- mais nada.
(Cecília Meireles)

Eu escrevo para me esvaziar, as linhas se vão preenchendo, aos poucos, enquanto meu peito, meu pulso, minha cabeça adormecem. Escrevo porque é necessário, através da escrita penso, me penso, me refaço. 
Não sou poeta, não sou alegre, nem sou triste, como descreve a poesia, estou no mundo aprendendo. Carrego comigo este sentimento.
Ando com medo dos dias que chegam, mas entendo que não há controle nenhum sobre eles. Sei apenas o que sei. Hoje é quinta e tenho hoje, apenas. Mais nada. Trago comigo a esperança de dias melhores, mas sei que esses dias já me chegaram.
O passado não é meu, não me pertence. Eu o reconto, mas sem a certeza de que assim ele foi. Me orgulho dos meus amigos e carrego comigo muita saudade (não é melancolia). É daqui pra frente. Às vezes não compreendo muito bem o que faço por aqui, descubro mil motivos, mas nenhum me convence.
Trago comigo uma insatisfação do mundo. Sabe-se lá aonde a encontrei. Uma angústia, uma inquietação, uma insônia. Gostaria de me compreender melhor. E quem não gostaria? Mas tenho limites.
Hoje, não sei bem porquê, estou tranquilo. E essa música que não para de tocar...

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Resposta ao tempo (Aldir Blanc/Cristovão Bastos)

É o tempo
Eu bebo um pouquinho
Prá ter argumento

Mas fico sem jeito
Calado, ele ri
Ele zomba
Do quanto eu chorei
Porque sabe passar
E eu não sei

Num dia azul de verão
Sinto o vento
Há fôlhas no meu coração
É o tempo

Recordo um amor que perdi
Ele ri
Diz que somos iguais
Se eu notei
Pois não sabe ficar
E eu também não sei

E gira em volta de mim
Sussurra que apaga os caminhos
Que amores terminam no escuro
Sozinhos

Respondo que ele aprisiona
Eu liberto
Que ele adormece as paixões
Eu desperto

E o tempo se rói
Com inveja de mim
Me vigia querendo aprender
Como eu morro de amor
Prá tentar reviver

No fundo é uma eterna criança
Que não soube amadurecer
Eu posso, ele não vai poder
Me esquecer

Respondo que ele aprisiona
Eu liberto
Que ele adormece as paixões
Eu desperto

E o tempo se rói
Com inveja de mim
Me vigia querendo aprender
Como eu morro de amor
Prá tentar reviver

No fundo é uma eterna criança
Que não soube amadurecer
Eu posso, e ele não vai poder
Me esquecer

No fundo é uma eterna criança
Que não soube amadurecer
Eu posso, ele não vai poder
Me esquecer

segunda-feira, 9 de agosto de 2010

Se eu pudesse atravessa essa tarde. Sem pena de perder o dia. Tô perdido e nada me faria sorrir.
Tem horas que apenas o colo da mãe, ou, nessa impossibilidade, uma ligação para reclamar um pouco dessa busca sem sentido. Mas nem isso dá pra fazer e preciso, sozinho, me virar.
Me viro para os lados possíveis e não vejo nenhuma porta para entrar, me esconder e ficar ali bem quietinho sem nada e nem ninguém.
Como consolo, escuto Stacey Kent, só mesmo música para aliviar um velho coração.

Nuvem Negra (Música - Djavan)

Não adianta me ver sorrir
Espelho meu
Meu riso é seu
Eu estou ilhada
Hoje não ligo a TV
Nem mesmo pra ver o Jô
Não vou sair
Se ligarem não estou
À manhã que vem
Nem bom-dia eu vou dar
Se chegar alguém
A me pedir um favor
Eu não sei

Tá difícil ser eu
Sem reclamar de tu ...do
Passa nuvem negra
Larga o dia
E vê se leva o mal
Que me arrasou
Pra que não faça sofrer mais ninguém
Esse amor que é raro
E é preciso
Pra nos levantar
Me derrubou
nao sabe parar de crescer
e doer

Pensamento

Log in, logo existo.

quinta-feira, 5 de agosto de 2010

A invenção da hetero sexualidade (livro)

É mesmo complicado desnaturalizar quaisquer que sejam as formações hegemônicas. Homem não chora. Homem não leva desaforo pra casa. Homem não discute a relação e por aí vai.
Crescemos ouvindo todas essas verdades (e quase sempre tem uma mulher reproduzindo-as). Ser um homem com H maiúsculo, nesses termos, é aprendizagem.
Lembro-me no ensino fundamental e nos dois primeiros anos do ensino médio (na época primário e ginásio e segundo grau ou científico, respectivamente) como era complicado compreender certos comportamentos dos colegas de turma. 
Eu, por exemplo, era péssimo jogador de futebol e encontrei durante todos aqueles anos de escola professores de educação física que me obrigavam a jogar bola. Mas jogar como se eu além de não gostar, não entendia uma regra sequer? O que acontecia era que ou eu jogava assim mesmo (e fiz isso durante muitos anos)  ou para compensar (sabe-se lá o quê) devia correr em volta do campo enquanto os colegas se divertiam (com o futebol e comigo).
Hoje é bem mais fácil, e tranquilo, entender o porquê dequeles comportamentos. Ninguém nasce detestando o outro, mas se aprende. É mesmo muito complicado entender o que nos é diferente.
Tem um livro muito especial chamado "A invenção da hetero sexualidade" de Jonathan Ned Katz (Rio de Janeiro, Edioro, 1996). Foi um livro importante na minha vida. Reli diversas vezes para compreender a história da sexualidade e o processo de naturalização do que se diz normal em detrimento do que se vende como anormal, doente, fora do comum, bizarro, estranho, esquisito e por aí vai.
Aprendi, entre outras coisas, nesse livro que "as categorias sexuais que são tão óbvias para nós, as que dividem a humanidade em heterossexuais e homossexuais, não parecem ter sido conhecidas pelos antigos gregos". O livro nos previne de que precisamos evitar projetar as nossas categorias atuais sobre as sociedades passadas, que organizavam as pessoas e a sexualidade seguindo linhas muito diferentes. 
Por exemplo, o termo homossexual só foi inventado em 1869 (o ano tem sido recuado para 68). O primeiro uso de heterossexual incluído no Oxford English Dictionary Supplement data de 1901. O mais recente Oxford English Dictionary Supplement volta o ano para 1892, mas este também tem sido estabelecido como sendo 1868). Ou seja, esses termos, aparentemente, passaram a ser  de uso comum apenas no primeiro quarto do século XX; antes disso, se as palavras representavam conceitos, as pessoas não concebiam um universo social polarizado em héteros e homos. Interessante, né?
Outro dado importante encontrado neste livro, foi a explicação, histórica, de que Heterossexual não era equiparado aqui a sexo normal, mas a perversão - uma tradição que se manteve na cultura da classe média até a década de 1920.
E por aí vai.
O livro é importante por diversos motivos, sobretudo porque nos mostra que o hegemônico é construção.
Ah, no início do texto eu escrevi que até o segundo ano do segundo grau eu penei na mão de professores de Educação Física, mas no terceiro ano do segundo grau encontrei um que mudou a minha vida no colégio. Ele foi um cara especial na minha formação, ainda que não se desse (acho) conta disso.
As aulas de educação física não se restringiam ao jogo de futebol (eu podia escolher tb o voleibol, o basquete, outros esportes). E não pensem que eu não gostava de esporte: nadei durante muitos anos e o skate era companheiro de muitas horas. Além disso, quando me faltava um companheiro de dupla (quase sempre faltava) ele fazia os exercícios comigo. Não precisava mais nada.

Um pouco de poesia para aquecer o coração


Eu preparo uma canção
em que minha mãe se reconheça,
todas as mães se reconheçam,
e que fale como dois olhos.

Caminho por uma rua
que passa em muitos países.
Se não me veem, eu vejo
e saúdo velhos amigos.

Eu distribuo um segredo
como quem ama ou sorri.
No jeito mais natural
dois carinhos se procuram.

Minha vida, nossas vidas
formam um só diamante.
Aprendi novas palavras
e tornei outras mais belas.

Eu preparo uma canção
que faça acordar os homens
e adormecer as crianças.

quarta-feira, 4 de agosto de 2010

O frio conforme o cobertor (texto)

Faz frio. O sujeito é inexistente, porque é fenômeno da natureza, mas estamos passando por um aperto daqueles. Hoje não se via um palmo a frente do nariz, e olha que o meu nariz não chegar perto do do Luciano Hulk.
Um dia chato. Chuva. Muito frio. E tem gente que gosta. Aqui onde moro é frio pra burro e a casa nem de longe é praparada pra ele. No Rio tenho água quente no banheiro e na cozinha (e a temperatura por lá não chega aos 17 graus). Aqui nem o chuveiro esquenta como devia. Quem pode com isso?
Preciso acordar cedo e falta coragem para sair da cama.
Hoje estou com o lençol térmico e o aparelho de ar quente fuincionando, mas nem assim me animo.

Museu da pessoa (texto)

Faz tempo encontrei, por intermédio da Lucília,  uma grande amiga (que não é blogueira), um blog especial chamado Museu da Pessoa: que é um museu virtual de histórias de vida aberto à participação gratuita de toda pessoa que queira compartilhar sua história. 
É muito interessante pra quem gosta de gente, pra quem gosta de ler histórias pessoais contadas por pessoas de verdade. Tem de tudo: tem um espaço para textos, outro para fotografias, documentosdesenhos, áudios, vídeos. Além de registrar história todo mundo pode consultar o acervo. É ou não uma ideia incrível!?

terça-feira, 3 de agosto de 2010

Mesa do trabalho (texto)

Incrível como de repente todos os trabalhos chegam ao mesmo tempo sobre a minha mesa. Tava lendo o texto da Cris sobre o fechamento do mês e a sua mesa tão cheia de coisas que ela mal conseguia encontrar o que queria.
Hoje, num minuto e meio, todos os papeis chegaram, todos os CD´s chegaram, todos os pen drives chegaram, todos os telefones tocaram e todos os alunos me procuraram e eu ali enrolado, sem saber por onde começar e muito menos se eu daria conta de tudo aquilo.
Quando me encontro nesta situação a vontade maior é a de largar tudo e dar uma volta na quadra, é assim que eu faço quando estou corrigindo as provas e elas não estão boas. Nunca surte o efeito esperado, porque o que gostaria era de que, depois da volta, tudo fosse resolvido.
Saí mais cedo do trabalho porque a cabeça ficou tão quente que eu não via nenhuma possibilidade de dar conta do que havia para fazer. Amanhã começo mais cedo e espero, mesmo, que, com calma, eu coloque tudo no seu lugar.

segunda-feira, 2 de agosto de 2010

Ti-Ti-Ti (texto)

Eu vejo novelas. Na verdade não vejo sempre, mas vezinquando acompanho alguma, sobretudo se ela for divertida. Assisti Caras & Bocas, penúltima novela das 19h (Rede Globo), que era divertidíssima, além (e por isso) de um elenco de primeira.
Agora estou acompanhando, sempre que posso, Ti-Ti-Ti.  A novela é demais! Hoje o capítulo foi muito bacana. Cláudia Raia (não sei ainda o nome da sua personagem) deu um show de comédia! Foi, depois de destruir a casa do seu ex-marido, parar no xilindró e com as companheiras de cela fez a festa. Deu uma aula de alta-costura para as presas e apresentou o mundinho fashion. Ri muito. Indico para quem quer se divertir.
A novela foi veicula pela primeira vez em 1985 e foi escrita por Cassiano Gabus Mendes. Esta versão é escrita por Maria Adelaide Amaral e engloba tramas de Plumas e Paetês (1980) e Elas por Elas (1982), novelas também escritas por Cassiano.
O elenco é praticamente o mesmo de Caras & Bocas, ou seja, muito bom. Uma pena que Suzana Pires não esteja nesse grupo. De toda forma, vale à pena ver de novo.