sábado, 31 de outubro de 2009

Gostava tanto de você (música)

Nem sei porque você se foi
Quantas saudades eu senti

E de tristezas vou viver
E aquele adeus, não pude dar
Você marcou em minha vida
Viveu, morreu na minha história
Chego a ter medo do futuro
E da solidão, que em minha porta bate

E eu
Gostava tanto de você
Eu corro fujo desta sombra
Em sonhos vejo este passado
E na parede do meu quarto
ainda está o seu retrato
Não quero ver pra não lembrar
Pensei até em me mudar
Lugar qualquer que não exista
o pensamento em você...

E eu
Gostava tanto de você
Gostava tanto de você

(Edison Trindade)

sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Leona, a assassina vingativa (humor)

Sucesso no youtube (clique para ver o capítulo 2): Leona, a assassina vingativa! Ela não tem tamanho para usar salto alto, mas já faz parte da galeria de vilãs mais terríveis que as telinhas e telonas já viram e ouviram falar.
Leona não economiza esforços para conseguir o que quer: corrompe a delegada Dafne, humilha e agride a Aleijada Hipócrita, vai de táxi para Paris, recebe ajuda do além ... em 3 capítulos, em LOCAÇÕES de extremo luxo que contam a saga de LEONA, A ASSASSINA VINGATIVA!

Microvestido no dedal (texto)

Era um biquíni de bolinha amarelinha tão pequinininho
Mau cabia na Ana Maria
Biquíni de bolinha amarelinha tão pequinininho
Que na palma da mão se escondia
Ana Maria olhou-se no espelho
E viu-se quase despida afinal
Ficou com o rosto todinho vermelho
E escondeu o maió no dedal

(versão de Hervé Cordovil)

A música acima, sucesso em 1965, conta a história de uma menina, Ana Maria, que experimentou um biquíni muito pequeno e se sentiu tão envergonhada que não teve coragem de sair da cabini. A mocinha ficou com medo que a rapaziada olhasse tudo, tin-tin-por -tin-tin. A história acabou mais ou menos por aí. Outros tempos, outra rapaziada.
Nesta semana, dia 22, uma aluna de uma universidade de São Paulo, UNIBAN, foi hostilizada por colegas porque usava um microvestido. Isso passaria batido por mim (não me interessa mesmo o tamanho do vestido de ninguém) não fosse eu entrar no youtube e ver cenas gravadas por celular da tal menina saindo da universidade (clique para ver) escoltada por policiais, sob gritos de "puta!".
Vi uma vez, vi duas vezes e constatei que os gritos eram mesmo "puta!".
Aí fiquei pensando: que rapaziada é essa?! Que garotada é essa que transforma em horror algo tão banal: um vestido extremamente curto é motivo de hostilização? Eram os hormônios ou a falta deles? Já pensou... de agora em diante, mocinhas, antes de saírem de casa estejam cientes de que a rapaziada mudou, muito. E que o comprimento do seu vestido pode elevar os ânimos.

Casa de ponta-cabeça (texto)

Em geral, sou bem organizado. Normalmente, sou muito organizado. A verdade é que sou exageradamente organizado. Mas desde que cheguei do Rio não encontro nada nesta casa. Não sei aonde andam os trabalhos dos alunos, meus livros, algumas provas. O quarto está na sala e a sala na cozinha. Preciso sair daqui e voltar com uma equipe para por ondem na casa.
Já recorri a São Longuinho para encontrar algumas urgências e ele, como sempre, me atendeu, mas eu não tinha onde dar os tais pulos, porque os espaços foram reduzidos.
Socorro!

quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Clube da esquina II (letra)

Fiquei o dia inteiro, ainda estou, com esta música na cabeça.

Clube da Esquina II

Porque se chamava moço Também se chamava estrada
Viagem de ventania
Nem lembra se olhou pra trás
Ao primeiro passo, aço, aço....

Porque se chamava homem Também se chamavam sonhos
E sonhos não envelhecem
Em meio a tantos gases
lacrimogênios
Ficam calmos, calmos, calmos

E lá se vai mais um dia

E basta contar compasso
e basta contar consigo
Que a chama não tem pavio
De tudo se faz canção
E o coração
Na curva de um rio, rio...

E lá se vai mais um dia

E o Rio de asfalto e gente
Entorna pelas ladeiras
Entope o meio fio
Esquina mais de um milhão
Quero ver então a gente,
gente, gente...

(Milton Nascimento- Lô Borges- M.Borges)

terça-feira, 27 de outubro de 2009

Câncer de mama, passeata gay e outras considerações (texto)

O governador do Paraná, Roberto Requião (PMDB), disse (querendo ser engraçado, é claro.) no programa "Escola de Governo", veiculado pela TV Educativa do Paraná, que o câncer de mama em homens deve ser "consequência de passeatas gay".
Requião deu a declaração ao convidar para falar o secretário da Saúde do estado, Gilberto Martin, que anunciaria ações para o controle de câncer. "A ação do governo não é só em defesa do interesse público, é [em defesa] da saúde da mulher também. Embora hoje câncer de mama seja uma doença masculina também, né? Deve ser consequência dessas passeatas gay", disse Requião, ao convidar o secretário ao palco. O secretário afirmou que o câncer de mama não é um problema só da mulher. "Em menor incidência, em menor número de casos, também atinge o homem. O homem também tem que tomar cuidados em relação ao câncer de mama. Então, bem lembrado pelo governador essa preocupação", afirmou Martin.
Fazer tal afirmação pode produzir, como efeito de sentido, que passeatas gays não apenas transformam homens em mulheres, já que no imaginário do governador e tb no que diz respeito ao senso comum, mas que o câncer de mama é uma doença exclusivamente feminina (desinformando ou reforçando um esteriótipo), além disso, que passeatas gays produzem doenças sérias, como, por exemplo, o Câncer de mama. Ou ainda que participar desse tipo de manifestação (as passeatas gays) é uma doença.
O que o Governador ainda não sabe, mas não me causa nenhum estranhamento dado comentário feito por ele, é que passeatas (sejam elas quais forem) curam doenças, elevam os espíritos, porque promovem igualdades, promovem fraternidade e menos discriminação.


Cantiga de enganar - por Carlos Drummond de Andrade (poesia)

Cantiga de enganar

O mundo não vale o mundo, meu bem.
Eu plantei um pé-de-sono,
brotaram vinte roseiras.
Se me cortei nelas todas
e se todas me tingiram
de um vago sangue jorrado
ao capricho dos espinhos,
não foi culpa de ninguém.
O mundo, meu bem, não vale
a pena, e a face serena
vale a face torturada.
Há muito aprendi a rir,
de quê? de mim? ou de nada?
O mundo, valer não vale.
Tal como sombra no vale,
a vida baixa... e se sobe
algum som deste declive,
não é grito de pastor
convocando seu rebanho.
Não é flauta, não é canto
de amoroso desencanto.
Não é suspiro de grilo,
voz noturna de correntes,
não é mãe chamando filho,
não é silvo de serpentes
esquecidas de morder
como abstratas ao luar.
Não é choro de criança
para um homem se formar.

(...)

Não é nem isto, nem nada.
É som que precede a música,
sobrante dos desencontros
e dos encontros fortuitos,
dos malencontros e das
miragens que se condensam
ou que se dissolvem noutras
absurdas figurações.
O mundo não tem sentido.
O mundo e suas canções
de timbre mais comovido
estão calados, e a fala
que de uma para outra sala
ouvimos em certo instante
é silêncio que faz eco
e que volta a ser silêncio
no negrume circundante.
Silêncio: que quer dizer?
Que diz a boca do mundo?
Meu bem, o mundo é fechado,
se não for antes vazio.
O mundo é talvez: e é só.
Talvez nem seja talvez.
O mundo não vale a pena,
mas a pena não existe.
Meu bem, façamos de conta.
de sofrer e de olvidar,
de lembrar e de fruir,
de escolher nossas lembranças
e revertê-las, acaso
se lembrem demais em nós.
Façamos, meu bem, de conta
— mas a conta não existe —
que é tudo como se fosse,
ou que, se fora, não era.
Meu bem, usemos palavras.
façamos mundos: ideias.
Deixemos o mundo aos outros
já que o querem gastar.
Meu bem, sejamos fortíssimos
— mas a força não existe —
e na mais pura mentira
do mundo que se desmente,
recortemos nossa imagem,
mais ilusória que tudo,
pois haverá maior falso
que imaginar-se alguém vivo,
como se um sonho pudesse
dar-nos o gosto do sonho?
Mas o sonho não existe.
Meu bem, assim acordados,
assim lúcidos, severos,
ou assim abandonados,
deixando-nos à deriva
levar na palma do tempo
— mas o tempo não existe,
sejamos como se fôramos
num mundo que fosse: o Mundo.

segunda-feira, 26 de outubro de 2009

Mensagem de uma amiga (texto)

Prezado Alexandre,

Fiquei sabendo de sua grande perda. Nessa hora, como diz o Drummond:

"O mundo, meu bem, não vale
a pena, e a face serena
vale a face torturada.
(...) Façamos, meu bem, de conta.
De sofrer e de olvidar,
de lembrar e de fruir,
de escolher nossas lembranças
e revertê-las, acaso
se lembrem demais em nós".

Alexandre: as mães não morrem. Elas ficam por aí, piscando o olho pra gente - "cuidado, menino"; "ponha o casaco"; "vai mais um café, meu filho?", iluminando de memória o que a vida nos reserva. De memória e de ternura, pode crer.

Um abraço, com carinho, Bea.

(Publiquei sem pedir autorização...)

domingo, 25 de outubro de 2009

Aos meus amigos (texto)

Sei que não é fácil dizer quando não existem palavras que, aparentemente, possam fazer algum sentido para alguém que perde alguém que ame muito. Não é fácil mesmo traduzir os sentimentos (talvez isso seja possível apenas nas poesias).
É claro tb que nada que se diz pode fazer o tempo voltar atrás e nos dar outra oportunidade para novas escolhas. Ah, se eu pudesse voltar uns dias... Isso é impossível!
No entanto, dizer, ainda que não produza a viagem de volta ao passado, afaga o nosso coração. Nos sinaliza que não estamos tão sozinhos e que podemos contar com o outro.
Sei que tenho muitos amigos. Nunca tive dúvida disso. Mesmo. E nessa semana eu pude perceber o quanto as pessoas se importam de verdade com o que aconteceu, com o que está acontecendo.
Eu quero agradecer as mensagens postadas aqui, as deixadas no orkut, as enviadas para o meu e-mail pessoal, para o meu celular, os telefonemas, as preces. E dizer tb que elas me confortam muito.
Foram tantos os abraços, beijos, carinhos na careca, sorrisos, mãos dadas como sinais de amizade.
Meus queridos todos. Obrigado muito pela força nesses dias.

Voltando para casa (texto)

Vim ao Rio não para me despedir da minha mãe, mas para ficar com ela. Mas ela morreu antes de eu chegar. Assim é a vida, enquanto vc pensa em outras coisas, ela acontece. Complicado essa situação e ainda não consigo estimar o que pode acontecer nos próximos dias. Sei apenas que estou voltando para a minha casa e sei também que ando com muito medo de estar sozinho. Preciso voltar porque tudo continua continua apesar de.

sexta-feira, 23 de outubro de 2009

Polícia Bandida (texto)

Toda generalização é burra (talvez esta aqui tb seja)! No entanto, tenho acompanhado nesse ano de 2009, só para ser mais preciso, denúncias e provas contra policiais militares/civis em relação ao envolvimento deles com o crime organizado (traficantes de drogas, milícias etc.) e à violência contra a população (seja através dos crimes cometidos pelos próprios policiais, seja através de omissão de socorro).
O caso da Advogada Patrícia, por exemplo, não é um episódio isolado envolvendo PM's. Ou ainda a violência contra os moradores de comunidades carentes de norte a sul do país. O que tem acontecido é que as denúncias ficam sempre no embate entre o que diz a PM e a população.
Dessa vez, com o caso do coordenador do grupo AfroReggae, Evandro João da Silva, 42 anos, câmeras de segurança filmaram todo o desserviço desses 'policiais'. Contra essas imagens nada pode ser negado: não são mais os moradores favelados 'protegendo' bandidos nos morros, são provas definitivas de que alguns policiais estão, protegidos por suas fardas e patentes, agindo como bandidos.
Dizer que, especificamente nesse caso, os policias tiveram um desvio de conduta é, no mínimo, desrespeito com a população. A falta de providência das autoridades seria, sem dúvida, a desmoralização dessa Instituição. Ou aproveita-se essa oportunidade para reorganizar a coorporação ou não se tem mais jeito.

quinta-feira, 22 de outubro de 2009

1942-2009 Helô (texto)

Escrever sobre a minha mãe não é uma tarefa difícil: estivemos juntos por 44 anos anos, fosse na mesma casa, ou via telefone, cartas, pensamentos ... tudo isso me dá autoridade suficiente para dizer sobre ela. Mas não o farei agora. Terei outras oportunidades para lembrar como foram todos esses tempos. Agora, retomo, um pouco, a forma como uma amiga descreveu a minha mãe numa oração que ela propôs um pouco antes do seu sepultamento. Foi mais ou menos assim. Heloísa através de Teresa: "D. Heloísa foi uma mulher além do tempo dela, além no sentido de iluminação, de grandeza de alma que se traduzia em compreensão, tranquilidade, espera, sabedoria e bom humor. Ela está ou estará logo em um lugar para essas almas que transformaram a luta da vida em dedicação ao trabalho, à família, ao companheiro de mais de 30 anos, à dignidade, à honestidade, ao trato delicado para lidar com o outro. Aprendi muito com ela e continuei aprendendo mesmo nesses últimos meses tão sofridos. Ele se manteve serena apesar de tudo."
Sou um cara de sorte por ter vindo ao mundo através de uma mulher dessa categoria. Tomara eu tenha apreendido alguma dessas virtudes.
Agradeço a todos que deixaram aqui suas mensagens ou que via e-mail me desejaram força, paz, tranquilidade para enfrentar essa novidade.

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Mãe


Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.
(Carlos Drummond de Andrade)

Oi, outra vez! (texto)

E a novela com a Operadora de Telefonia OI (antiga Brasil Telecon) continua. Ontem, uma atendente de nome Renata, cujo protocolo está devidamente anotado e o atendimento devidamente gravado (segundo eles, é Claro, não, é Oi!). E, pelo visto, isso não quer dizer muita coisa) desligou literalmente a ligação, depois de me ouvir fazendo as mesmas perguntas, insistentemente, por 15 vezes: "O que significa problemas no sistema?" " Por que o sistema impediu que a minha banda larga fosse instalada no prazo estabelecido pela própria operadora?" "Quando é que esse sistema vai ficar pronto?" Como ela não sabia me responder a nehumas das perguntas, deve ter achado mais fácil desligar.

domingo, 18 de outubro de 2009

Oi!

Serviço de péssima qualidade, atendimento incompetente, desinformação total, atendentes mal preparados, dissimulados, serviço porco!
Hoje (entre às 22h30 do dia 17 até os 10min do dia 18) fiquei pendurado um pouco no celular e outro tanto no telefone fixo sem conseguir resolver um problema com a OI (Brasil Telecon).
Dos números de protocolo: desde a minha primeira tentativa (2009294425943) do dia 10 de outubro de 2009, até as demais (2009596347360 por 25min de espera até a ligação "cair"; 2009696349177 por 1h.01m.56s de espera tb até a ligação, por coincidência, "cair"; 2009296351691 por mais 9min até a ligação "cair" outra vez e, finalmente, 2009696352158 por 15minutos até esgotar a hora de "trabalho" dessa operadora), sem conseguir resolver nenhum dos problemas acumulados durante esta semana. Todos, sem exceção, os atendente, quando eu conseguia falar com um, não conseguiram dar um resposta convincente, objetiva, clara. A ponto de parecer que todos eles, tb sem exceções, são contratados justamente porque agem dessa forma.
Espero que a minha irritação (indignação) não desapareça até a segunda-feira, quando procuro, por outros meios, falar com a Operadora: Oi!

sábado, 17 de outubro de 2009

Que final de semana que nada!!! (texto)

Eu sabia que o meu final de semana não seria nada fácil: trabalhos de duas alunas para ler e provas para terminar de corrigir. É claro que depois do trabalho viria a bonaça: a visita de um amigo que faria (e fez - mas não nos vimos) um concurso aqui em Cascavel e um almoço programado com um outro amigo no sábado, mas heis que uma ligação me tirou completamente dessa avenida... mais trabalho, é claro e aí um cansaço daqueles...fiquei durante os dois últimos dias numa banca de concurso público com uma porção de candidatos.
Acabei de chegar em casa depois de dois dias lendo, ouvindo, perguntando e preenchendo fichas. É claro que nem tudo foi tempestade. Tive a companhia de uma grande amiga nessa banca: Elódia (divertida, viva, inteligente, sensível) e o prazer de reencontrar muitos amigos, ex-alunos, pessoas com as quais convive por muito tempo. Muito bom saber que se pode retornar aos lugares e encontrar por um "prato de comida, um abraço amigo, um canto prá dormir e sonhar".

terça-feira, 13 de outubro de 2009

Fita-banana (texto)

Drommond tem um poema que se chama Quadrilha (João amava Teresa que amava Raimundo/ que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili/ que não amava ninguém./João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,/ Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,/ Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes/ que não tinha entrado na história.). O poema é uma espécie de fita-banana que não teria fim...
Quando pensei neste post, pensei no descontrole, no sentido de não se saber até onde se chega, do que se escreve em determinados becos. O que posto aqui vai parar em lugares nunca antes navegados...
Na Superinteressante deste mês (ela é mensal?), edição 270 de outubro de 2009, na página 86, tem uma matéria sobre blogs, internet, ideias que correm esse oceano impreciso. Segundo a matéria, são 37 mil posts em blogs por hora, 1 milhão de micromensagens no twitter.
E o mais impressionante, eu acho, é a quantidade do que se lê, o volume do que se escreve, ideias que rolam para todos os lados. Se tínhamos, e isso é apenas uma hipótese, um controle sobre a informação, hoje, com toda essa integração virtual, não se pode dizer que exista aquilo que se deve ler. Tenho a impressão que cada vez mais a gente consegue decidir sobre o que quer ler: em quem confiar quando se quer sobre algum assunto.

segunda-feira, 12 de outubro de 2009

A órfã (Filme)

O pior do que se dizer roteirista de um filme como A Órfã, é pagar para assisti-lo. A história é tão óbvia (mas tão óbvia) que nos faz pensar que alguma coisa não vai acontecer. Mas o roteirista não perdoou, colocou tudinho lá: a menina meiga num orfanato, a família que perdeu a filha no parto, as maldades da menina; a mãe que começa a desconfiar de que alguma coisa está errada com a criança, mas o seu passado põe o que ela diz em dúvida; o pai que não percebe o que está acontecendo, a menina meiga que se transforma num monstro, os filhos do casal em perigo, mas que, por medo, preferem se calar; a menina-mostro que mata quase todo mundo e que finalmente é morta, mas não pense que o filme acaba aí, tem A Síndrome da Atração Fatal, quando a gente pensa que a menina morreu lá está ela outra vez atrás de mais um vítima.
Ah, e como tem sempre uma pitada de surreal nestes filmes-suspense, a órfã na verdade é uma adulta perigosa que tem nanismo e se passa por criança.
Quero o meu dinheiro de volta!

Um cafezinho (texto)

Bom dia! Acabei de me levantar. É isso mesmo, acordei tarde! Feriado de Nossa Senhora de Aparecida. Dia das crianças. Aniversário de um bando de amigos, a Luciane é um deles. Dia chuvoso em Cascavel. Ouço apenas uns cantos distantes de passarinhos.
Meu dia sempre começa com um café bem forte. Herança da bisavó Carolina (qualquer dia escrevo sobre ela), pelo menos é assim que me lembro. Sem café preto e forte, não acordo.
Queria que o dia hoje fosse de descanso, mas sei que não vai ser. Tenho, para variar, trabalhos dos alunos, provas e um texto meu para revisar. Não estou reclamando é apenas uma conversa com um virtual leitor (talvez a Fátima, a Cris ou o Luiz - ah, vocês aceitam um cafezinho!?).

sábado, 10 de outubro de 2009

PET SHOP BOYS - YES (CD)

Com quase 25 anos de carreira discográfica, seria difícil que, depois de tantos álbuns mornos, o Pet Shop Boys pudesse voltar a realmente emocionar. E eis que "Yes", novo álbum da dupla Tennant/Lowe não só emociona, como já pode ser considerado, facilmente, um de seus melhores trabalhos. "Yes" é o disco mais consistente do Pet Shop Boys desde "Very" (1993) e, já pode estar em pé de igualdade a grandes discos como "Introspective" (1988) e "Behaviour" (1990).
A primeira coisa que chama a atenção em "Yes" é a sua capa. Um "V" colorido no fundo branco dá a pista de que "Yes" é um álbum simples. E, de fato, ele o é. Essa é a prova de que, quando existe talento, não há necessidade de se fazer algo tão diferente. Basta pegar toda a bagagem, dar uma reformulada, de forma que o som não fique datado, e pronto! E foi exatamente isso que o Pet Shop Boys (magistralmente) fez.
"Yes" é aquele tipo de disco com início, meio e fim, com ótimas faixas que se complementam. Do início ao fim, o novo álbum do Pet Shop Boys soa praticamente perfeito. Aliás, em "Yes", Tennant e Lowe contaram com a ajuda da banda eletrônica Xenomania, que além de ter participado do processo de composição de três canções, co-produziu o álbum. Outra participação importante foi a do guitarrista Johnny Marr. O ex-músico do The Smiths tocou guitarra em quatro faixas. Owen Pallett, que já trabalhou com o Arcade Fire e com o The Last Shadow Puppets, arranjou três canções, que ainda tiveram a participação da London Metropolitan Orchestra.
"Yes" é um disco de pop puro, sem maiores invencionices. Através dele, Neil Tennant e Chris Lowe provam que mesmo em cima de uma sonoridade considerada datada, como o synth pop da década de 80, é possível criar coisas novas bacanas. Às vezes, é melhor do que querer fingir o que não é.

Zélia Duncan - Pelo sabor do gesto (CD)

A Zélia Duncan tem um padrão de qualidade em seus trabalhos que dispensa apresentações: em Pelo sabor do gesto, o mais recente CD, aquela máxima continua valendo. Música e letras bem casadas, letras bem elaboradas, voz agradável, interpretação adequada, além do excelente acabamento com este novo álbum. Gosto de todas as músicas, destacaria "Os dentes brancos do Mundo" de Marcos Valle/Paulo Sérgio Valle.

Eu vou banhando só de luz negra
Vendo os dentes brancos do mundo
Ei, sigo madrugada dançando
Vendo a vida em luzes piscando

Meu amor, se eu tiver que me perder
Seja com você, ou pensando em você

Compre seu sonho e vida sorrindo
Veja os dentes brancos do mundo
Ei, eu me aposentei dessa vida
E dirijo empresa de sonhos
Meu amor, seu tiver que me perder
Há de ser alguém parecido com você

Tô apaixonado outra vez pela música e pela poesia, como ela canta em "Duas namoradas".

sexta-feira, 9 de outubro de 2009

Prêmio Nobel (texto)

Quando ouço o anúncio de um Prêmio Nobel, por exemplo, o de Medicina, automaticamente, relaciono o ganhador com uma vida total ou parcialmente dedicada à uma pesquisa, à ciência, à uma causa, mas o prêmio não é exatamente pensado dessa forma.
O Prêmio Nobel da Paz já foi dado à Madre Teresa de Calcutá e todos nós sabemos da sua dedicação ao outro, de parte de sua vida doada às crianças, aos doentes, aos famintos etc.
No entanto temos o presidente dos Estados Unidos como o novo ganhador do Prêmio da Paz e pouco ou quase nada sabemos sobre esta causa em sua trajetória política. As explicações são convincentes: o fato dele ter sido o escolhido, ainda que não tenha um histórico de vida para isso, o coloca numa posição mais privilegiada para negociar o início do desarmanento nuclear ao redor do mundo e para a Fundação Nobel isso já seria motivo para a sua escolha.
Preciso pensar um pouco melhor a respeito disso porque ainda acredito na trajetória que justifique a escolha.

quinta-feira, 8 de outubro de 2009

Nove - Ana Carolina (CD)

Depois do primeiro CD nunca mais havia comprado nada da Ana Carolina. Não curti o seu timbre de voz, depois, achei aquele CD meio atirando pra todos os lados, sem uma cara, sem identidade (palavra da moda). Aí o tempo foi passando ... até que um dia um grande amigo (Erik Phillip), fã ardoroso da cantora, acabou me influenciando e estava eu ouvindo sem parar uma outra música dela (Quem de nós dois). Fiquei nessa e nunca mais, nem com Seu Jorge, voltei atrás. Dela guardei apenas os gritos e a voz anasalada que muito me irritavam.
Aí, nesse fim de semana, numa viagem com um outro amigo, acabei ouvindo a música "10 minutos" do mais recente CD da cantora, Nove, e a música não saiu mais da minha cabeça. Comprei o CD e gostei muito, não apenas dessa música, mas de quase todas as outras.

quarta-feira, 7 de outubro de 2009

Alô, alô...quem fala?

Hoje recebi uma ligação que me deixou muito feliz ... supreso... emocionado... as Minas Gerais me encontraram bem no meio de um dia de trabalho...de repente a secretário anunciou: - Ligação de Minas Gerais, Fátima. Fiquei meio atônito...o que, como, quando, onde, por que? Nada como um aparelhinho para encurtar distâncias, aproximar os corações, nos fazer um pouco mais crentes no carinho do outro.
Obrigado pelo carinho! Fez muita diferença pra mim.

terça-feira, 6 de outubro de 2009

Como dois e dois (texto)

Estive neste fim de semana na casa de dois grandes amigos, estive tb com outros tantos neste fim de semana. Ri bastante, brinquei muito com eles, almoçamos e jantamos juntos, saí para um café com outros e tudo isso só me fez pensar um pouco mais no que estamos fazendo por aqui. Descobri nesses anos que a vida não tem muita explicação...sei, apenas, que se morre algum dia, da mesma forma como algum dia se nasce. Sem muito senão.
É claro que não é tão simples assim, mas é simples assim, como dois e dois...
Tenho pensando muito na morte...todos os dias penso de alguma forrma nela...minha mãe está morrendo e sei que no próximo ano ela não estará por aqui. O que não sei é a forma como esse resultado exato vai bater em mim. Fico pensando no que meu pai(drasto) vai fazer da vida, como é que vamos suportar o dia seguinte. Já nos acostumamos com a doença, com todas as dificuldades. Quando eu ligo ele sempre me diz que está tudo bem e que dá conta de cuidar de minha mãe. Será que tb vamos nos acostumar com a sua ausência?

sábado, 3 de outubro de 2009

Esses dias e noites (texto)

Por onde começar? Difícil me escrever. Sempre. Esses dias estão angustiantes. As noites? Igualmente complicadas. Durmo, mas continuo no processo do pensamento, ainda que às avessas, produzindo quase os mesmos sentidos das horas "conscientes": medo, tristeza, angústia, fuga, mais medo, solidão entre tantos outros sentimentos que me tomam intermitentemente.
Hoje liguei e ouvi um pouquinho do que minha mãe queria dizer. Sei que tudo a cada dia fica mais presente.
Minhas orações são, todas elas, para amenizar o seu sofrimento; são também para alguma iluminação; são para alguma compreensão, mesmo que eu tenha que repetir a cada dia todos esses pedidos.



sexta-feira, 2 de outubro de 2009

Rio 2016 (texto)

O Rio foi a cidade escolhida para sediar as olimpíadas de 2016, em detrimento de Chicago, Tóqui e Madri. Mais do que uma vitória, acho que vencer pode, se os políticos, os cariocas, enfim, se a sociedade estiver unida, ser uma chance para o Rio de Janeiro repensar todas as suas recentes histórias de violência e exclusão social.
Soube agora da escolha e fiquei bastante empolgado com esses próximos anos de mudanças para a cidade maravilhosa.