sexta-feira, 31 de março de 2017

Um vazio me perseguindo

Resultado de imagem para um vazio me perseguindoDesde que a minha mãe morreu, tenho a sensação de que estou sozinho neste mundo. Não é falta de gente. É falta de referência. Falta de um lugar para ir, de alguém para ligar. Às vezes mais, noutras um pouco menos, mas sempre um vazio me perseguindo.

quinta-feira, 9 de março de 2017

E lá se vão 11 anos

Resultado de imagem para um tempo que não volta maisEm uma sexta-feira, do dia 10 de março, de 2006, às 9h30 da manhã, na Universidade Federal Fluminense, eu iniciava a minha apresentação de defesa da tese de doutorado: A Homossexualidade e a AIDS no imaginário de revistas semanais (1985-1990).
Não é sobre a defesa e nem sobre a tese que pretendo agora escrever, mas sobre aqueles dias que se seguiram a este ritual.
Foi uma mistura de alegria, pela defesa, pela conquista, pelo fechamento de uma etapa da minha vida profissional. Foi tb um momento importante da minha vida pessoal (na verdade, nem dá para separar uma da outra, uma vez que elas se misturam), tendo em vista que depois de 4 anos no Rio eu teria que voltar para Marechal Cândido Rondon (cidade do extremo-oeste do Paraná, onde em morava à época).
Voltar significava/significou deixar uma rotina para trás e reaprender a viver em Rondon. Cidade muito pequena e sem, praticamente, nada para fazer além do trabalho. 
Claro que lá eu tinha (tenho) os grandes amigos e voltar me daria a oportunidade de reencontrá-los. Sem falar nas aulas na graduação: acho que nada me dá mais prazer do que isso.
Mas eu deixaria uma história pelo Rio: e o que mais me entristeceu foi saber que aqueles encontros semanais com Maria Claudia e Vanise ficariam no passado, os contatos mais próximos com a Cláudia Leopoldino e a distância da orientadora (da orientação). 
Aprendi tanto nesses 4 anos. Me conheci muito tb nesse período. E fiz grandes amigos nessa época: Juscelino, Erik, Ana Paula, Lulu, Edson e outros que neste momento não me lembro. Além disso, os amigos de sempre que eu deixaria de certa forma de encontrar com a mesma frequência: Nanci, Vera, Robson, Serginho, Renatinho, Dórian, Sebastian. Alguns desses, mal sabia eu que não iria encontrar mais.
A gente perde e ganha, mas leva algum tempo para compreender como isso funciona. Bem, estou aqui, depois desse tempo relembrando, reconstruindo um momento que, agora, não me parece tão triste como foi.
Tive sorte de viver isso. E serei muito grato por esse tempo.


segunda-feira, 6 de março de 2017

Da Série: Contos Mínimos

Resultado de imagem para espaços vazios]Falaram muito. Falaram tanto. Falaram para tentar preencher todos os espaços vazios que existiam entre eles.