domingo, 30 de novembro de 2014

True - Jamiei Lancaster


(Spandau Ballet)
So true
Funny how it seems always in time,
But never in line for dreams
Head over heels, when toe to toe
This is the sound of my soul
This is the sound
I bought a ticket to the world
But now i've come back again
Why do I find it hard to write the next line
When I want the truth to be said

Oh, oh, oh, oooh, oh
I know this much is true
Oh, oh, oh, oooh, oh
I know this much is true

With a thrill in my head an a pill on my tongue
Dissolve the nerves that have just begun
Listening to marvin all night long
This is the sound of my soul
This is the sound
Always slipping from my hands
Sand's a time of t's own
Take your seaside arms and write the next line
Oh I want the truth to be known

Oh, oh, oh, oooh, oh
I know this much is true
Oh, oh, oh, oooh, oh
I know this much is true

I bought a ticket to the world
But now i've come back again
Why do I find it hard to write the next line
When I want the truth to be said

Oh, oh, oh, oooh, oh
I know this much is true
Oh, oh, oh, oooh, oh
I know this much is true
This much is true

Da Série Contos Mínimos

Ontem, me lembrei de uma vez que te encontrei chorando no quarto. A maquiagem escorria pelo rosto e eu não sabia por qual tristeza você chorava. Sabia que devia ficar por ali para compreender, apenas.

Ron English - Exposição na Caixa Econômica - Centro - Rio de Janeiro

Admirado por sua criatividade e obras provocativas, Ron English faz uso de figuras e marcas bastante conhecidas do público para analisar a cultura ocidental. "Ele usa técnicas da propaganda para questionar a orientação consumista da sociedade, apropriando-se de outdoors, reconfigurando e ressignificando a iconografia pop com surrealismo e humor ácido", conta Rafael Ferraz, curador da mostra.
Ron é um dos três grandes nomes do Surrealismo Pop, ao lado de Robert Williams e Mark Ryden, e um dos mais importantes da arte contemporânea. É considerado um dos criadores da street art e das intervenções urbanas.
Na opinião do artista, seu trabalho tem o objetivo de “recontextualizar” as imagens do consumismo pop e revelar sua visão do que é a alma americana. “Começo modelando cenários em 3D, que funcionam como um mundo interior povoado por imagens esculpidas, encontradas e fabricadas por mim. Ilumino e fotografo esses cenários e, usando as fotos como estudos, pinto à tinta óleo na tela. Tenho criado novos personagens que se originaram do meu processamento da iconografia pop, mas que se tornaram uma fusão do pessoal com o universal”, explica Ron English.
 









 

domingo, 23 de novembro de 2014

Quando a novela das 19h se traveste de novela das 21h.

Bem, não é novidade alguma que eu gosto muito de assistir as novelas das 19h. É o meu horário de descanso. A hora em que como alguma coisa e a novela me distrai.
Mas quando a novela das 19h (que, por "natureza" é uma novela bem mais light do que a das 21h, porque investe no humor como uma forma de alcançar a audiência, porque não trata de assuntos sérios e nem faz campanhas para isso ou aquilo que "incomoda" a sociedade) começa a trazer personagem que perde a memória como alternativa para segurar a trama ou aquele esquema de irmãos apaixonadas pela mesma mulher (um bonzinho e o outro mauzinho), uma mocinha sonsa que não percebe um palmo a frente de seu nariz. Tá na hora de mudar de canal!

quinta-feira, 20 de novembro de 2014

Da Série Contos Mínimos


Uma sensação de medo e alegria, de insegurança e felicidade me engoliu como uma onde engole um surfista. Fiquei sem saber ao certo o que fazer diante das chaves de casa.

domingo, 9 de novembro de 2014

Conto não conto

“Nesse nosso mundo onde tudo fenece, tudo perece, há uma coisa que se deteriora, que se desfaz em pó até de forma mais completa, deixando para trás ainda menos traços de si do que a beleza: a saber, a dor”. Proust

quinta-feira, 6 de novembro de 2014

Da Série Contos Mínimos

Acabamos de nos falar. É sempre um misto de alegrias e tristezas: de um lado, um tempo bom de caminhadas e conversas pelas ruas de Lisboa. Por outro, um tempo de saudade e melancolia e da certeza de saber que aquilo tudo ficou em algum lugar.

quarta-feira, 5 de novembro de 2014

Da Série Contos Mínimos

A sua história era sempre a mesma: o lugar do coitadinho. "Por que comigo tudo sempre é dessa maneira?" Ele apenas não percebia que o gozo estava justamente nesse percurso do "meu-grande-sofrimento".

segunda-feira, 3 de novembro de 2014

Tendo a lua - Paralamas do Sucesso



Eu hoje joguei tanta coisa fora
E vi o meu passado passar por mim
Cartas e fotografias, gente que foi embora.
A casa fica bem melhor assim

O céu de Ícaro tem mais poesia que o de Galileu
E lendo teus bilhetes, eu penso no que eu fiz
Querendo ver o mais distante sem saber voar
Desprezando as asas que você me deu

Tendo a lua aquela gravidade aonde o homem flutua
Merecia a visita não de militares,
Mas de bailarinos
E de você e eu.

Hoje joguei tanta coisa fora
E lendo teus bilhetes, eu penso no que eu fiz
Cartas e fotografias gente que foi embora.
A casa fica bem melhor assim

Tendo a lua aquela gravidade aonde o homem flutua
Merecia a visita não de militares,
Mas de bailarinos
E de você e eu.

Tendo a lua aquela gravidade aonde o homem flutua
Merecia a visita não de militares,
Mas de bailarinos
E de você e eu.

Entre mortos e feridos

Sobrou pouco da eleição de 2014. Fora o próprio exercício da democracia, que se assegura apenas no dia a dia, mas que em geral acredita-se consolidada, sobrou mesmo muito pouco. 
Fiquei impressionado com a quantidade de pessoas próximas, inclusive, com um velho/sempre/atual/discurso/de/ódio apontado para tudo e todos que, de alguma forma, se opunham ao seu ponto de vista: vi/li uma onda de rancor ocupar espaços destinados ao exercício do embate, das discussões políticas saudáveis. Acho que não preciso dizer que de ambos os lados.
Fiquei horrorizado diante de jovens que se informam apenas e exclusivamente através de fontes conservadoras: Veja, O Globo, Folha de São Paulo, Estadão, IstoÉ como se estivessem lendo uma verdade absoluta. E pior, reproduzindo-as sem qualquer senso crítico, sem um distanciamento do que ali é posto como notícia.
Fiquei mais do que chocado com as atualizações preconceituosas a respeito do nordeste/nordestino com base em leituras de estatísticas sobre os votos de certas regiões. 
Boquiaberto diante de amigos que reforçaram a ideia de que no sul/sudeste encontram-se as pessoas mais informadas e por isso eleitores do PSDB. Meu deus!
Acompanhei os argumentos de que mudança significaria sem sombra de dúvida votar no Aécio, como se isso fosse "A única possibilidade" de se fazer uma nova política. E as relações feitas entre as passeatas de junho de 2013 e as urnas de 2014 como se todos que tivessem participado daquelas manifestações devessem ter o mesmo comportamento  diante das duas candidaturas.
Perdi o sono algumas noites ao ouvir de pessoas conhecidas uma vontade de um novo Golpe Militar para saírem de uma "Ditadura Petista". É isso mesmo?! Pessoas reclamando de liberdade de expressão e exaltando o período da Ditadura. É isso mesmo?! Em alguns momentos eu achava que tinha usado alguma substância alucinógena que estava me fazendo mal ou havia me colocando fora da realidade por não acreditar, mesmo, naquilo tudo que li/vi nos jornais, nas redes sociais, ou na fala de amigos e conhecidos em tempo real e ao vivo.
Eduardo Campos morreu num acidente aéreo. Fiquei em estado de choque porque tinha acabado de assistir, pela internet, a sua entrevista ao Jornal Nacional concedida na noite anterior.
Depois disso, Marina Silva, vice-candidata do Eduardo Campos, assume a chapa e dispara na corrida presidencial. Depois ainda, tropeços, incoerências, acusações, disse me disse, retificações de propostas e um terceiro lugar no primeiro turno. E um primeiro turno além de qualquer previsão.
No segundo turno Dilma e Aécio. Pesquisas furadas. Mais acusações. Embates e finalmente no domingo dia 26 de outubro, o fim dessa dolorosa disputa.
Sobrou a sensação de que algumas pessoas só poderiam mesmo mostrar a sua cara diante desse embate ideológico e se significar ao significar. Bem, entre mortos e feridos salvaram-se apenas alguns. E deposito a minha confiança nesses alguns.

domingo, 2 de novembro de 2014

POEMA DE FINADOS - MANUEL BANDEIRA


Amanhã que é dia dos mortos
Vai ao cemitério. Vai
E procura entre as sepulturas
A sepultura de meu pai.

Leva três rosas bem bonitas.
Ajoelha e reza uma oração.
Não pelo pai, mas pelo filho:
O filho tem mais precisão.

O que resta de mim na vida
É a amargura do que sofri.
Pois nada quero, nada espero.
E em verdade estou morto ali.



MANUEL BANDEIRA

Da Série Contos Mínimos

Não tenho medo de noites escuras, não sou afetado pelas tempestades nem pelas grandes ventanias soltas. Minha força vem da solidão. Eu sou as folhas varridas pelos ventos, os sacos plásticos que levitam pelas ruas. Eu sou o escuro da noite.