quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Da Série Contos Mínimos

Não havia como trabalhar desse jeito. Ela não ficava quieta. De cinco em cinco minutos (sem exageros) tinha qualquer coisa para me perguntar, para me comunicar, para me mostrar e eu educadamente parava o que estava fazendo para lhe atender. Bem, a manhã não seria produtiva desse jeito. Resolvi ouvir música.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

6 anos de Do avesso

O meu blog fez 6 anos. Uma criança, é verdade! Daquelas crianças que se ligam no mundo com os recursos possíveis. Uma criança contemporânea: aquela ligada no celular, no tablet. Aquela que já nasceu conhecendo todos os botões da tv, do smartphone, do computador. Pretensão?! Talvez.
Sou ligado no mundo. E o blog tem que refletir isso! Não parei na beira da estrada esperando o tempo passar. Ele passou, mas eu peguei uma carona. 
Ser ligado não quer dizer compreender tudo e todos ou saber responder todas as questões. Não mesmo! Ser ligado é ter os ouvidos bem abertos: para poder ouvir aquilo que é diferente.
Eu não tenho mais aquele pique de escrever diariamente, mas procuro tá sempre por aqui. 
Eu gosto de observar as pessoas, seus comportamentos, suas opniões. Gosto de gente. De conversar, de saber o que estão ouvindo e lendo. E aproveito desse material como motivação para as escritas no Do Avesso
Obrigado por fazerem parte disso! Seja lá quem sejam vocês!!!!!

O egoísta

O egoísta nunca se dá conta do seu comportamento, porque para ele o mundo deve sempre satisfazê-lo. E isso, do seu ponto de vista, é um grande favor que ele faz, já que tudo precisa girar em torno de si. 
Ele sempre acha que agiu ou conscientemente, ou motivado pelo seu coração, intuição, porque não consegue ver nada além do próprio umbigo. O seu nariz, os seus interesses é que dão o tom de tudo.
Às vezes, ele diz que só podia fazer o que fez. Coitadinho dele!
A sua ingenuidade convence, a sua bondade comove, mas ele lá no fundo sabe bem quem é.

quarta-feira, 21 de janeiro de 2015

50tinha

Os cinquenta passaram num susto. Cinquenta anos e uns dias, umas horas e muitos minutos depois eu continuo me sentindo exatamente como estava antes da hora H. Não muda nada (ou, quase nada). Acho que a mudança maior seria passar de 33 para os 55 assim de um dia para o outro, mas como isso não acontece, pelo menos não ainda, foi tudo muito natural como tem que ser .
Quando a gente está com 49 anos, no ano seguinte serão cinquenta e pronto. Agora a diferença é que ao me perguntarem a idade eu tenho que informá-la. 50, moça! Isso, sou de 1965! Dezenove de janeiro de 1965. 
É, são cin-quen-ta aninhos de crises, diversões, amizades, amores, risos e choros, perdas, ganhos, idas e voltas. Muita gente passou por mim, eu passei por muita gente. Muitos ainda passarão. E a vida vai seguindo em fente!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2015

Murder on the dance floor


Estamos condenados

Tava, hoje, aqui pensando no tempo em que jurávamos estar juntos para sempre: que estranho isso, querer alguém pra toda vida e de repente aquele amor virar uma outra coisa. É complicado mesmo entendê-lo. Tão complicado que chamamos isso de amizade, carinho, afeição porque ele nem esbarra no que já foi. Ou porque não sabemos que nome atribuir ao desamor. O que é o amor? Pra onde ele vai, quando o amor acaba?
Um dia a gente quer muito alguém e algum tempo depois não quer mais do mesmo jeito. 
Acho que esse amor já vai se transformando a cada dia e a gente não se dá conta, até que ele se transforma e só aí percebemos. É como envelhecer, a gente se olha tanto no espelho que nem nota o tempo que passou, mas basta se deparar com uma fotografia antiga ou com um velho amigo a quem não se vê com frequência para se surpreender com o efeito do tempo. Os amigos de longe envelhecem mais.
Eu não sinto saudade dos nossos dias. De verdade, mas sei que nunca vou esquecê-los. Não dos detalhes, esses não me importam, mas do que eles significam hoje quando os relembro. Eu já quis apagar tudo da minha memória, mas não deu/não dá. Isso fica como um Brilho Eterno. Fica ali sendo recontado (com as lembranças ruins e boas marcando presença acima de todas as outras).
Apagar é impossível. A lembrança, inclusive, é uma das facetas do amor. O que seria de nós sem ela? Ela é o que nos amarra ao passado. A gente supera o amor, mas deslembrar não dá mesmo.
Não quero ser seu amigo, não quero fazer parte da sua vida presente, mas faço parte da sua vida assim como você faz da minha e pronto. Basta alguém me perguntar sobre as coisas do amor e você estará ali como um fantasma rondando minhas lembranças, assim como estarei na lembrança de outros, da sua, com certeza, porque já fomos um do outro e não importará, mesmo que, depois de tudo, tenho "ela" partido, casado, mudado, sumido, esquecido ou que quer que haja feito, em suma? Diria-me o poeta: tiveste uma parte da sua vida que foi só tua e esta "ela" jamais poderá passar de ti para ninguém. É um bem inalienável que nos pertencerá pra sempre. Incrível!
Bem, o que passou passou e é daqui pra frente. Agora não somos mais um, somos dois: a sua e a minha vida. Planos separados, outros futuros. O tempo sabe passar.

quinta-feira, 15 de janeiro de 2015

Da Série Contos Mínimos

Havia um mundo mas eu não me encontrava em canto algum. Eu me senti assim por muito tempo. Estava verdadeiramente sozinho. A minha salvação era o Rivotril. Só ele me fazia acreditar que aquilo uma hora passaria. Não passou.

quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

Leva e traz

Alguns encontros são sempre bons. Hoje, encontrei um dos meus amigos mais antigos e ficamos parte do dia juntos jogando conversa fora: falando sobre coisas desimportantes, rindo de situações antigas e de novas situações, falamos sobre coisas sérias,  matamos a saudade de tanto tempo...
Sinto por você um amor que não se acaba. A vontade era a de estar mais próximo, mas a vida nos chama para outros lugares e a gente ouve e vai. Mas ela também nos traz de volta e a gente obedece.

terça-feira, 13 de janeiro de 2015

Como uma boa lembrança

Bem, hoje remexendo nas minhas coisas, aqui no Rio, encontro  6 cartas antigas. 3 delas da minha mãe. Todas de 1999. Não foi fácil lê-las. É um turbilhão de lembranças e sentimentos misturados que me levam pra muitos lugares, nem todos bons, nem todos fáceis de rememorar ou de estar.
De toda forma, foi muito bom poder reler essas cartas (mesmo me transbordando) e me lembrar de coisas que estavam acontecendo à época. 
Minha mãe estava sempre preocupada, querendo saber se eu tinha grana, se eu estava me alimentando bem, como estava o trabalho, quando eu voltava para o Rio etc. (assim como a maioria das mães o fazem). Em uma delas, ela sugere que eu largue as aulas na universidade e volte para as aulas de segundo graus, no Rio, para ficar mais próximo.
Em todas as cartas ela faz referência à conclusão do mestrado. As cartas eram de abril de 1999 e muito provavelmente eu devia tá numa tensão daquelas. Esse período não foi fácil! Eu defendi a dissertação apenas em julho desse ano.
Ela me escrevia muito. E eu tinha todas as cartas até me mudar para o Rio, para o doutorado. Nessa mudança, perdi todas elas (com exceção dessas 3). A esperança é a de que um dia eu as encontre. Sabe-se lá. 
São 3 cartas de abril, dia 09, 15 e 18. Ela me escrevia muito mesmo e era bom demais receber notícias também por escrito. Nos falávamos quase que diariamente por telefone.
Bem, restaram 3 cartas. Duas delas de um ex de Curitiba, que havia voltado para a casa dos seus pais, em Blumenau. Foi tão bacana poder reler essas cartas. Não namoramos por muito tempo, apenas ficamos algumas vezes.
Uma dessas cartas ele me escreveu no dia do meu aniversário: faz exatamente 16 anos. É tempo demais! Eram cartas ora de despedida, ora de amor, ora de saudade. Ela era muito confuso em relação a mim. Era um menino, ele devia ter uns 20 anos. Nunca mais nos vimos. Ele deixou de responder as minhas cartas, eu liguei certa vez para a casa de seus pais e eles me disseram que ele havia ido embora (mais uma vez) e nos perdemos. Tentei encontrá-lo numa rede social, mas ele à época já era tão alternativo que não me surpreende que não participe dessas redes. Bem, a vida tem dessas coisas, e se encontrar e se perder também fazem parte.
A última carta também de um namoradinho de final de semana. Nos conhecemos em Curitiba em algum lugar que agora já não me lembro. Foi um final de semana intenso. Ele estava sozinho e era um cara muito agradável e bonito. Trocamos cartas por um bom tempo. Não me lembro qual o motivo que nos afastou, acho que a minha volta para o Rio em 2004 ou ele ter se casado outra vez, sei lá. Alguma coisa assim. Faz tempo e já não me lembro mais dos detalhes.
Essa carta não foi também fácil de ler. Por motivos bem distintos dos das da minha mãe. Mas ali ele escreve coisas sobre mim que hoje ainda me são caras e presentes. Acho que em certos aspectos não mudei tanto assim como eu pensava e ler aquilo (claro que não vou mencionar aqui já que se tratam de coisas muito pessoais) me tocou.
Mas foi uma boa lembrança e eu o reencontrei numa rede social e enviei um convite de amizade. Fisicamente, estou tão diferente. Ele não. Não sei se ele vai me reconhecer. Vamos ver...
Bem, essas histórias antigas e tão atuais foram muito agradáveis de reviver.  Bom saber que pessoas deixam também boas lembranças em nossas vidas. Tomara que eles se lembrem de mim com carinho. Recontar o passado quase sempre é melhor do que vivê-lo.

sexta-feira, 9 de janeiro de 2015

Da Série Contos Mínimos

Não tinha sido "aproveitar uma oportunidade", como eu supunha. Ou era aquilo ou era praticamente nada. Ele não tinha alternativa: morava numa favela com a mãe e os quatro irmãos,  abandonou bem cedo a escola, não conheceu o pai. Eles quase não tinham o que comer. Os dois irmãos mais velhos foram mortos pelo crime organizado do qual faziam parte. Sua vida já estava quase definida até que conheceu um italiano e foi embora com ele.

quarta-feira, 7 de janeiro de 2015

Da Série Contos Mínimos

De fevereiro até novembro, ele pensou apenas em morrer. Nesse longo e tenebroso tempo, por diversas vezes, achou que a melhor solução para as suas angústias seria por fim a própria vida. Não o fez. E não sabe até agora o motivo de não tê-lo feito. Se morrer fosse apenas abrir aquele portão que estava ali diante dele, ele certamente o teria atravessado.

Desconstruindo gênero

Bem, quem me conhece de verdade, quem convive comigo, conviveu (e conviverá) deve saber que não tenho o menor jeito para trabalhos que envolvam eletricidade, cimento, massa, encanamento e coisas afins (de consertar chuveiro, ou mesmo trocar lâmpadas). 
Eu tremo demais, não tenho paciência e conhecimentos suficientes para realizar nada disso. Sou um zero, definitivamente.
No entanto, para a minha surpresa e depois de ficar por mais de duas semanas tentando encontrar alguém que resolvesse o meu problema: remover e recolocar o rejunte do banheiro do meu apartamento no Rio, eu mesmo o fiz.
A internet é mesmo a enciclopédia dos novos séculos. Não há o que não se encontre por aqui. 
Bem, procurei no Youtube algum tutorial e eis que encontro não apenas um mas vários ensinando desde de preparar a massa, os instrumentos necessários e cada etapa do processo até a limpeza que se deve fazer após a aplicação do rejunte. Eu fiz. Tá lá secando e amanhã, depois de 12 horas de aplicação e secagem, vou ver  resultado desse novo trabalho.
A cara não é a das melhores, mas fiz como se fosse um profissional. Tô feliz com a atitude. O lema é: se não tem quem o faça, faço eu mesmo.
Tenho uma grande amiga, Jacicarla, que é a rainha desses pequenos afazeres. Ela é praticamente um faz-tudo. Quando ela ainda morava em Cascavel, foi diversas vezes no meu apartamento para consertar, trocar, colocar no lugar, instalar, enroscar alguma coisa. Tudo ela sabia/sabe fazer. Eu morria de vergonha, e ela ali desconstruindo gênero.

sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Da Série Contos Mínimos

Abriu a porta do seu apartamento como fazia toda manhã. Mas ela não dava mais para o grande corredor do seu prédio. Estava em algum lugar e não sabia como sair dali.

Um ano inteiro que ficou...

Os dias voam. E, de repente, um ano inteiro ficou lá atrás. Não propriamente como se o passado não mais nos pertencesse. Não! Nunca é desse jeito se a vida continua. 
Dentro da "vida" tem "ida", porque a vida é assim, pra frente. E é bacana essa ideia de um novo ano para renovar os votos de felicidades e planejar os próximos dias: gosto dessas promessas que fazemos a cada 31 de dezembro. 
É inspirador acreditar na possibilidade dos novos tempos (mesmo que eles sejam apenas uma continuação de tudo aquilo que fizemos/vivemos no ano anterior. E quase sempre é assim). 
Também fiz as minhas promessas. Dessa vez, fui mais ponderado, prometi apenas o que preciso mesmo fazer para melhorar a minha qualidade de vida: é claro que isso esbarra em um montão de gente, mas, em princípio, depende muito de mim.
Já coloquei em prática um pouquinho do que me prometi para 2015. E vou acreditando nisso.

quinta-feira, 1 de janeiro de 2015

Da Série Contos Mínimos

Ela não apareceu. Logo hoje! Não deu sinal de vida. Não ligou. Nem uma mensagem no celular...
Acho que ela não usa o messenger, não conhece o FaceTime, nem sabe usar o skype. Ela, definitivamente, não é das tecnologias. Vou olhar o Facebook pra ver se ela apareceu por lá. E se não der certo, peço a algum conhecido para mandar um whatsApp. Alguém deve ter o seu contato.