segunda-feira, 30 de abril de 2012

A ideologia não é transparente (texto)

Ontem um amigo das antigas, lá do Rio de Janeiro, respondeu a um post que publiquei no Facebook sobre ensinar as crianças a respeitar as diferenças. Segundo ele, a linguagem usada nesses posts, palavras dele, davam a entender que as crianças deviam ser obrigadas a aceitar uma certa situação que nem mesmo os adultos sabiam ao certo se a aceitavam ou não. Disse ainda que parecia que queriam (indeterminado) empurrar garganta abaixo um certo comportamento.
Além de respondê-lo, usando para isso a situação dos negros (nos EUA e aqui no Brasil), já que ele é negro e, talvez, a partir desse exemplo ele pudesse pensar melhor sobre o que havia escrito, fiquei pensando em como não percebemos a ideologia falando através de nós.
Por exemplo, a bem pouco tempo atrás, as mulheres não podiam votar, trabalhar fora, se separar de maridos violentos, reclamar de maus tratos, deviam manter casamentos infelizes porque era assim que devia ser (eu poderia elencar tantos outros exemplos). Era dessa maneira e pronto. 
Quanto sofrimento!! Quanto desrespeito em relação à mulher! O que fez com que essa situação mudasse não foram lutas por direitos iguais? Não foram mulheres (e homens) dando a cara a tapa para que elas e outras (que hoje sequer dão conta desse movimento porque hoje é natural que não seja mais daquele jeito) tivessem os mesmos direitos que os homens (e olha que ainda falta bastante para sermos tratados com igualdade e o mesmo respeito)? 
Pois bem, não tenho dúvida em relação a isso. O mundo muda a partir das vontades de mudança. Ou alguém ainda em sã consciência acredita que homens são superiores às mulheres? Que homens devem ganhar mais do que as mulheres? Que homens são mais capazes que as mulheres? Duvido!
Naturalizar comportamentos como se eles tivessem que ser como são ou não conseguir parar para pensar que os sentidos cristalizados (sobre sexualidade, posição políticas etc) poderiam ser outros, é, não perceber a ideologia produzindo os seus sentidos de naturalidade em nós.
Crianças devem sim saber respeitar os outros. A educação escolar é fundamental nesse sentido (ou deveria ser): o mundo não é o quintal da nossa casa, não é apenas, pelo menos. Tampouco, é só o que acreditamos que ele seja. 
Não devemos deixar que nos empurrem garganta abaixo nenhuma verdade, mas não podemos enfiar goela abaixo as nossas vontade e crenças.

quinta-feira, 26 de abril de 2012

Cotas raciais (texto)

Sempre fui a favor das cotas raciais. Nunca neguei essa minha posição. Sempre desconfiei de quem era pela "meritocracia", porque ela nunca existiu. Tb nunca compartilhei do discurso de quem dizia que se devia pensar então no ensino fundamental e médio, antes de pensar nas cotas raciais para as universidades. 
Porque sempre considerei que não daria para esperar 30 anos até essa situação da qualidade do ensino público fundamental e médio prodizisse a tal promoção baseada em qualidades pessoais. Não descarto com isso a preocupação em relação ao ensino público de qualidade. 
Eu estudei em escolas públicas boas, com professores bem formados, mas não dou aulas para negros na universidade pública em que atuo como professor faz 20 anos (não, se eu pensar na quantidade de negros e afrodescendentes com os quais esbarro no dia a dia). Tenho em uma turma de primeiro ano do curso de letras, de mais ou menos 64 alunos, 4 alunos negros.
Nenhum aluno, na atual turma do mestrado ou do doutorado, afrodescendente. Cadê a democracia racial desse país? Não existem negros competentes, dedicados e que merecem por méritos pessoais ocupar os bancos da universidade pública e de qualidade? Tem alguma coisa muito errada aí e que não se explica quando se defende a meritocracia.

quarta-feira, 25 de abril de 2012

1969-2012 (eu acrescentaria).

Tem coisa mais desagradável do que aluno mal educado? Provavelmente sim, para quem não é professor e não precisa ficar ali aguardando a criatura chegar atrasado, começar e terminar um papo com o colega, tirar o casaco, se sentar e finalmente, perceber que a aula já havia começado.
Tem coisa mais chata do que aluno que não entende o que vc diz e, ao ouvir o que ele pressupõe ter ouvido, quer saber por que não pode chegar atrasado mais do que dez minutos do início da aula? Provavelmente sim, mas acho melhor nem comentar.
Eu sempre parto do seguinte ponto: o meu tempo é tão importante quanto o tempo do aluno, por isso, eu não chego atrasado, não falto, não fico batendo papo furado enquanto as horas são devoradas.

O dia em que o mundo virtual parou (texto)

Hoje, durante a tarde, aqui em Cascavel, pane total nos serviços de internet e telefonia celular. Nem sei se não estou escrevendo uma grande besteira quando me refiro a dois serviços distintos: internet e celular. Vai ver é uma coisa só: os cabos de fibra ótica quando rompidos produzem, ou melhor, não-produzem as conexões, sejam elas para a internet ou telefonia celular.
Sei que quase infartei porque eu tinha que enviar mais de 20 arquivos (bem mais de 20) para a CAPES e a conexão da internet parecia com aquela discada de poucos anos atrás.
Hoje, quando, uma página demora mais do que alguns segundos para "abrir" a gente já está sem paciência. Dia desses, uma amiga me contou que o seu filho reclamou porque a internet não funcionava direito. Segundo ela, ele dizia: "Que porcaria de serviço, nunca presta quando a gente mais precisa."
Segundo ela tb fazia, pelo menos, uns dois anos que o serviço não falhava. Mas basta que pife uma vez a cada dois anos e por míseros 5 minutos que a gente já acha aquilo o cúmulo da mal prestação de serviços.
Ficamos sem fogão, sem geladeira, sem amor, mas sem internet, ah, por favor. Sem internet não dá.

E por que não?


domingo, 22 de abril de 2012

São Jorge - O Santo Guereiro - dia 23 de abril, Salve Jorge!



Em torno do século III D.C., quando Diocleciano era imperador de Roma, havia nos domínios do seu vasto Império um jovem soldado chamado Jorge. Filho de pais cristãos, Jorge aprendeu desde a sua infância a temer a Deus e a crer em Jesus como seu salvador pessoal.
Nascido na antiga Capadócia, região que atualmente pertence à Turquia, Jorge mudou-se para a Palestina com sua mãe após a morte de seu pai. Lá foi promovido a capitão do exército romano devido a sua dedicação e habilidade - qualidades que levaram o imperador a lhe conferir o título de conde. Com a idade de 23 anos passou a residir na corte imperial em Roma, exercendo altas funções.
Por essa época, o imperador Diocleciano tinha planos de matar todos os cristãos. No dia marcado para o senado confirmar o decreto imperial, Jorge levantou-se no meio da reunião declarando-se espantado com aquela decisão, e afirmou que os os ídolos adorados nos templos pagãos eram falsos deuses.
Todos ficaram atônitos ao ouvirem estas palavras de um membro da suprema corte romana, defendendo com grande ousadia a fé em Jesus Cristo como Senhor e salvador dos homens. Indagado por um cônsul sobre a origem desta ousadia, Jorge prontamente respondeu-lhe que era por causa da VERDADE. O tal cônsul, não satisfeito, quis saber: "O QUE É A VERDADE ?". Jorge respondeu: "A verdade é meu Senhor Jesus Cristo, a quem vós perseguis, e eu sou servo de meu redentor Jesus Cristo, e nele confiado me pus no meio de vós para dar testemunho da verdade."
Como São Jorge mantinha-se fiel a Jesus, o Imperador tentou fazê-lo desistir da fé torturando-o de vários modos. E, após cada tortura, era levado perante o imperador, que lhe perguntava se renegaria a Jesus para adorar os ídolos. Jorge sempre respondia: "Não, imperador ! Eu sou servo de um Deus vivo ! Somente a Ele eu temerei e adorarei". E Deus, verdadeiramente, honrou a fé de seu servo Jorge, de modo que muitas pessoas passaram a crer e confiar em Jesus por intermédio da pregação daquele jovem soldado romano. Finalmente, Diocleciano, não tendo êxito em seu plano macabro, mandou degolar o jovem e fiel servo de Jesus no dia 23 de abril de 303. Sua sepultura está na Lídia, Cidade de São Jorge, perto de Jerusalém, na Palestina.

A devoção a São Jorge rapidamente tornou-se popular. Seu culto se espalhou pelo Oriente e, por ocasião das Cruzadas, teve grande penetração no Ocidente.
Verdadeiro guerreiro da fé, São Jorge venceu contra Satanás terríveis batalhas, por isso sua imagem mais conhecida é dele montado num cavalo branco, vencendo um grande dragão. Com seu testemunho, este grande santo nos convida a seguirmos Jesus sem renunciar o bom combate.

Lendas: um horrível dragão saía de vez em quando das profundezas de um lago e se atirava contra os muros da cidade trazendo-lhe a morte com seu mortífero hálito. Para ter afastado tamanho flagelo, as populações do lugar lhe ofereciam jovens vítimas, pegas por sorteio. um dia coube a filha do Rei ser oferecida em comida ao monstro. O Monarca, que nada pôde fazer para evitar esse horrível destino da tenra filhinha, acompanhou-a com lágrimas até às margens do lago. A princesa parecia irremediavelmente destinada a um fim atroz, quando de repente apareceu um corajoso cavaleiro vindo da Capadócia. Era São Jorge.
O valente Guerreiro desembainhou a espada e, em pouco tempo reduziu o terrível dragão num manso cordeirinho, que a jovem levou preso numa corrente, até dentro dos muros da cidade, entre a admiração de todos os habitantes que se fechavam em casa, cheios de pavor. O misterioso cavaleiro lhes assegurou, gritando-lhes que tinha vindo, em nome de Cristo, para vencer o dragão. Eles deviam converter-se e ser batizados.

Datas Marcantes No século XII, a arte, literatura e religiosa popular representam São Jorge, como soldado das cruzadas com manto e armadura com cruz vermelha, nobre um cavalo branco, com lança em punho, vencendo um dragão. São Jorge é o cavaleiro da cruz que derrota o dragão do mal, da dominação e exclusão.
Desde o século VI, havia peregrinações ao túmulo de São Jorge em Lídia. Esse santuário foi destruído e reconstruído várias vezes durante a história.
Santo Estevão, rei da Hungria, reconstruiu esse santuário no século XI. Foram dedicadas numerosas igrejas a São Jorge na Grécia e na Síria.
A devoção a São Jorge chegou à Sicília na Itália no século VI. No séc. VII o siciliano Papa Leão II construiu em Roma uma igreja para S. Sebastião e S. Jorge. No séc. VIII, o Papa Zacarias transferiu para essa igreja de Roma a cabeça de S. Jorge.
A devoção a São Jorge chegou a Inglaterra no século VIII. No ano de 1101, o exército inglês acampou na Lídia antes de atacar Jerusalém. A Inglaterra tornou-se o país que mais se distinguiu no culto ao mártir São Jorge...
Em 1340, o rei inglês Eduardo III instituiu a Ordem dos cavaleiros de São Jorge.
Foi o Papa Bento XIV (1740-1758) que fez São Jorge, padroeiro da Inglaterra até hoje.
Em 1420, o rei húngaro, Frederico III (1534) evoca-o para lutar contra os turcos.
As Cruzadas Medievais tornaram popular no ocidente a devoção a São Jorge, como guerreiro, padroeiro dos cavaleiros da cruz e das ordens de cavalaria, para libertar todo país dominado e para converter o povo no cristianismo.
Seu dia foi colocado no Calendário particular da Igreja, isto é, celebrados nos lugares de sua devoção.
O Sr. Cardeal D. Eugenio Sales, assim se pronunciou: "A devoção de São Jorge nos deve levar a Jesus Cristo". Pela palavra do Cardeal Sales sentimos a autenticidade do Culto a São Jorge.

A quem ajuda: é a força de Deus na luta dos excluídos e marginalizados da sociedade.
Oração a São Jorge
Eu andarei vestido e armado com as armas de São Jorge para que meus inimigos, tendo pés não me alcancem, tendo mãos não me peguem, tendo olhos não me vejam, e nem em pensamentos eles possam me fazer mal.
Armas de fogo o meu corpo não alcançarão, facas e lanças se quebrem sem o meu corpo tocar, cordas e correntes se arrebentem sem o meu corpo amarrar.
Jesus Cristo, me proteja e me defenda com o poder de sua santa e divina graça, Virgem de Nazaré, me cubra com o seu manto sagrado e divino, protegendo-me em todas as minhas dores e aflições, e Deus, com sua divina misericórdia e grande poder, seja meu defensor contra as maldades e perseguições dos meu inimigos.
Glorioso São Jorge, em nome de Deus, estenda-me o seu escudo e as suas poderosas armas, defendendo-me com a sua força e com a sua grandeza, e que debaixo das patas de seu fiel ginete meus inimigos fiquem humildes e submissos a vós. Assim seja com o poder de Deus, de Jesus e da falange do Divino Espírito Santo.
São Jorge Rogai por Nós.

Oração a São Jorge II
São Jorge,cavaleiro corajoso, intrépido e vencedor; abre os meus caminhos, ajuda-me a conseguir um bom emprego; faze com que eu seja bem quisto por todos superiores, colegas, e subordinados; que a paz, o amor e a harmonia estejam sempre presentes no meu coração, no meu lar e no meu serviço; meus inimigos terão os olhos e não me verão, terão boca e não me falarão, terão pés e não me alcançarão, terão mãos e não e não me ofenderão.
São Jorge vela por mim e pelos meus, protegendo-me com suas armas.
O meu corpo não será preso nem ferido, nem meu sangue derramado; andarei tão livre como andou Jesus Cristo nove meses no ventre da Virgem Maria.
Amém.

Oração a São Jorge III



Ó Deus onipotente,
Que nos protegeis
Pelos méritos e as bênçãos
De São Jorge.
Fazei que este grande mártir,
Com sua couraça,
Sua espada,
E seu escudo,
Que representam a fé,
A esperança,
E a inteligência,
Ilumine os nossos caminhos...
Fortaleça o nosso ânimo...
Nas lutas da vida.
Dê firmeza
À nossa vontade,
Contra as tramas do maligno,
Para que,
Vencendo na terra,
Como São Jorge venceu,
Possamos triunfar no céu
Convosco,
E participar
Das eternas alegrias.
Amém!









Medalha de São Jorge

Moacyr Luz e Aldir Blanc

Fica ao meu lado, São Jorge Guerreiro Com tuas armas, teu perfil obstinado
Me guarda em ti, meu Santo Padroeiro
Me leva ao céu em tua montaria
Numa visita a lua cheia
Que é a medalha da Virgem Maria
Do outro lado, São Jorge Guerreiro
Põe tuas armas na medalha enluarada
Te guardo em mim, meu Santo Padroeiro
A quem recorro em horas de agonia
Tenho a medalha da lua cheia
Você casado com a Virgem Maria
O mar e a noite lembram a Bahia
Orgulho e força, marcas do meu guia
Conto contigo contra os perigos
Contra o quebrando de uma paixão
Deus me perdoe essa intimidade:
Jorge me guarde no coração
Que a malvadeza desse mundo é grande em extensão
E muita vez tem ar de anjo
E garras de dragão

23 de abril, Salve Jorge!!! (vídeos)


sexta-feira, 20 de abril de 2012

Sem comentários (vídeo)


Justiça do Rio converte União Estavel em Casamento (notícias do Terra.com)


Os desembargadores da 8ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio decidiram - por unanimidade - converter em casamento a união estável de um casal homossexual que vive junto há oito anos. A decisão é inédita no Judiciário fluminense. Eles entraram com o pedido de conversão em outubro do ano passado, que foi indeferido pelo juízo da Vara de Registros Públicos da Capital.
De acordo com o relator do processo, o desembargador Luiz Felipe Francisco, o ordenamento jurídico não veda expressamente o casamento entre pessoas do mesmo sexo. "Portanto, ao se enxergar uma vedação implícita ao casamento entre pessoas do mesmo sexo, estar-se-ia afrontando princípios consagrados na Constituição da República, quais sejam, os da igualdade, da dignidade da pessoa humana e do pluralismo."
O desembargador disse ainda que se a Constituição Federal determina que seja facilitada a conversão da união estável em casamento, e se o Supremo Tribunal Federal determinou que não fosse feita qualquer distinção entre uniões hétero e homoafetiva, "não há que se negar aos requerentes a conversão da união estável em casamento."
Para o presidente da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais (LGBT), Toni Reis, esse é o sonho de todas as pessoas que querem se casar, que essa medida adotada pelo Judiciário fluminense seja seguida por outros tribunais do País. "Eu mesmo vivo com um companheiro há 22 anos e esse é um sonho nosso", disse. "Esperamos que os tribunais do País, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) e o Supremo Tribunal Federal (STF), também acatem essa medida inédita tomada pela Justiça do Rio", completou.

quinta-feira, 19 de abril de 2012

Todo dia era dia de índio (texto e fotos)


Índios no começo do século

A decisão de tornar 19 de abril o Dia do Índio foi oficializada no Brasil em 1943 por um decreto-lei do presidente Getúlio Vargas. Três anos antes, várias lideranças indígenas haviam se reunido no México no Primeiro Congresso Indigenista Interamericano. Com medo de que seus pedidos fossem desrespeitados pelos brancos, os índios faltaram nos primeiros dias de evento. Mas justamente em 19 de abril decidiram aparecer. Daí o motivo de o dia ser reconhecido em todo o continente americano.
As fotos do post de hoje mostram retratos de índios de diferentes tribos. Segundo o site da Fundação Nacional do Índio (Funai), vivem hoje no Brasil 817 mil indígenas, ou cerca de 0,4% da população brasileira segundo o Censo 2010. Eles estão distribuídos por 688 terras indígenas (espaços reconhecidos pela União, cuja posse pertence aos índios) e por áreas urbanas – cerca de 315 mil residem em cidades. Há também tribos que ainda vivem isoladas – de 82 referências, 32 foram confirmadas. De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a maior parte da população indígena (27,5%) está concentrada no Estado do Amazonas. Em seguida, vêm Mato Grosso e Roraima.
<em>Indiozinhos da tribo macuxi, de Roraima, por volta de 1912</em>
Indiozinhos da tribo dos macuxis, de Roraima, por volta de 1912
<em>Mulheres da tribo bororó, do Mato Grosso, em foto tirada em 1930</em>
Mulheres da tribo dos bororos de Mato Grosso, em foto tirada em 1930
<em>Cacique Uataú da tribo carajá na Ilha do Bananal, Goiás, na década de 40</em>
Cacique Uataú da tribo dos carajás na Ilha do Bananal, Goiás, na década de 1940
<em>Guerreiros da tribo itangapuque do Rio Madeira, Amazonas, por volta de 1930</em>
Guerreiros da tribo dos itangapuques do Rio Madeira, Amazonas, por volta de 1930
<em>Dança ritual dos bororós de Mato Grosso, em foto tirada em 1935</em>
Dança ritual dos bororos de Mato Grosso, em foto tirada em 1935

terça-feira, 17 de abril de 2012

Antes e depois (arte)


O Caminho da vida - Charles Chaplin (poema)

O caminho da vida pode ser o da liberdade e o da beleza, porém nos extraviamos. 
A cobiça envenenou a alma dos homens, levantou inúmeras muralhas do ódio, e tem nos feito marchar a passos de ganso para a miséria e morticínios. 
Criamos a época da velocidade, mas nos sentimos enclausurados dentro dela. 
A máquina, que produz abundância, tem nos deixado em penúria. Nossos conhecimentos fizeram-nos céticos; nossa inteligência, empedernidos e cruéis. 
Pensamos em demasia e sentimos bem pouco. Mais do que máquinas, precisamos de humanidade. Mais do que inteligência, precisamos de afeição e doçura. Sem essas virtudes, a vida será de violência e tudo será perdido.

segunda-feira, 9 de abril de 2012

Mais pra quê?

O dia em que nós não nos indignarmos apenas, mas partirmos para a ação, tenho quase certeza de que tudo o que diz respeito às sem-vergonhices políticas que acontecem em nosso país irão diminuir consideravelmente. 
Nã é preciso muito mais do que botar a boca no trombone, de forma organizada para mostrar força do movimento. A força tá no eleitor.
Até quando a gente vai aturar políticos se beneficiando, enchendo os próprios bolsos, cagando e andando para o que diz a opinião pública?
Qual será o nosso limite? Todo dia tem gente morrendo de fome, morrendo em filas de hospitais, morrendo sob escombros, sobre avalanches de lamas e de terras que descem morro abaixo e a gente assistinto a tudo isso pela TV sem uma reação que faça diferença.
Quando vamos aprender que político bom é político honesto?
Até quando vamos aturar desvio de verbas públicas? Superfaturamentos de todas as ordens? Menos verbas para a educação e mais para décimos oitavos salários de parlamentares? Quanto desse tipo de bordoada será que a gente aguenta? Mais quanto tempo ainda?
Não adianta esperar pelo dia em que os políticos deixem de dormir por conta de suas consciências. Político bandido nem sabe o que é isso. Não adianta esperar por uma intervenção divina. Isso não vai acontecer.
Sou pelo NÃO DÁ MAIS!!!CHEGA!!!!

sexta-feira, 6 de abril de 2012

Uma Cachoeira (ou seria Catarata?) de irregularidades (texto)

Políticos, policiais, artistas e sabe lá quem mais vem para a festa. Carlinhos Cachoeira metido até o pescoço com gente de bem. Gente acima de quaisquer suspeitas. Acesso às informações sigilosas. Projetos no Senado para garantir vida longo aos seus negócios, relações estreitas com artistas (empréstimo pra lá e sabe-se lá o quê para pagar tanta generosidade).
É claro que nada disso me surpreende e tampouco supreenderia a maioria dos brasileiros, acostumados faz muito tempo com essa linha tênue que separa políticos e bandidos. Temos exemplos de monte. Enchemos as duas mãos com facilidade de notícias de bandidos nas câmaras de vereadores, deputados e senado (estaduais e federal), prefeituras, palácios de governos, secretarias estaduais e por aí vai.
Nunca na história desse país foi diferente. Acho ainda que o buraco deve ser mais embaixo do que a imprensa tem noticiado. Tem peixe grande nessa rede.
A impressão que tenho é que quando alguém se mete na política partidária, tem em mente ganhar, ganhar muito dinheiro. Se dar bem. Quem é que ainda acredita nessa história pra boi dormir de político preocupado com seus eleitores? Pelo que se vê, lê etc., a preocupação passa exclusivamente com o próprio bolso.
Nada como a imunidade parlamentar (para lementar). Eles, eleitos por nós, não sou ingênuo em relação a isso, respondem muito pouco ou quase nada pelo que fazem e pelo que deixam de fazer (quase sempre). E basta um pequeno descuido, estão de volta.
Brasília anda com a energia comprometida. Lúcio Costa deve se retorcer no túmulo de arrependimento pelo Plano Piloto do Distrito Federal. E nem me venham com a história de que por lá tem gente de bem. Não acredito mais na inocência de político algum. Onde come um, comem 1000.