terça-feira, 29 de junho de 2010

No laço (texto)

Não gosto de nada feito às pressas. Sou muito esquecido para que as coisas saiam organizadas se faço dessa meneira. Por exemplo, se vou viajar, e isso é muito frequente na minha profissão, preciso calma para fazer mala, do contrário viajo, por exemplo, sem o carregador do celular e fico sem poder falar no segundo dia da viagem (é um problema!).
Já viajei sem o cartão do banco. Já viajei sem dinheiro e sem o cartão do banco.
Essa preciso contar.
Saí do Paraná em direção a SP. Na rodoviária (já em SP), descobri que estava sem um tostão no bolso e sem o cartão do banco (é claro que quando a M já é grande ainda não é suficiente, ela precisa mesmo ser enorMe), sem cartão de crédito, sem talão de cheque. Ou seja, sem a menor possibilidade de fazer qualquer coisa que precisasse de dinheiro (não me lembro muito bem, mas acho que eu tinha uma grana para um lanche, apenas).
Em SP sem um amigo (naquela época eu não tinha amigos na capital), num final de semana, sem lenço e apenas com documentos (porque aí já seria suicídio). E agora?! 
De cara, fiquei desesperado! Meu coração quase saiu pela boca. Tava ferrado! Pior, impossível!
Fiquei um tempão mesmo pensando no que eu poderia fazer para comprar a passagem. Mas não tinha o que fazer. Não dava nem para pedir ajuda a mãe porque ela não teria como me mandar o dinheiro. Pensei em pedir dinheiro as pessoas, mas eu não tinha/tenho cara para isso (na verdade, acho que a cara, como o frio,  vem conforme o cobertor). De tanto pensar, fiquei mais calmo.
Lembrei que eu tinha o número do telefone de uma pessoa (havia conversado com ele apenas uma vez no Rio e por acaso tinha o seu número de telefone na minha agenda. Detalhe, na época não existia celular).  
A 1ª questão: "Ligo ou não ligo? Como é que vou pedir dinheiro emprestado a alguém que só conversei  futilidades apenas uma vez  e não tenho a menor intimidade?"
A 2ª questão: Como inicio essa conversa?
A 3 ª questão: E se o cara não se lembrar de mim?
Na verdade eu não tinha muitas alternativas. Na verdade eu não tinha alternativa. Ou era isso ou eu iniciava uma caminhada de 429 quilômetros até o Rio de Janeiro.
Liguei. Passei todo o meu currículo. Pedi mil desculpas pelo incômodo. Me desculpei mais umas dezenas de vezes. O cara foi super-educado, super-compreensivo, super-atencioso.  Ele foi até o Terminal Rodoviário do Tietê, pagou a minha passagem, me emprestou algum dinheiro para a viagem até o Rio. Ainda teve tempo para conversar um pouco até o horário do ônibus. Nos tornamos amigos depois desse episódio.


segunda-feira, 28 de junho de 2010

Rio supera NY entre as cidades mais caras do mundo, aponta ranking (texto)

Tóquio, no Japão, foi considerada a cidade mais cara do mundo, segundo ranking da ECA - companhia global de recursos humanos - publicado pela revista “Businessweek”.
No levantamento da publicação, que indica as 30 cidades com maior custo de vida, Luanda, na Angola, por exemplo, aparece em terceiro lugar, na frente de grandes metrópoles como Copenhague (Dinamarca), em oitavo, e Nova York (Estados Unidos), na 29ª posição. Rio de Janeiro, única cidade brasileira citada no ranking, aparece em 28º lugar.
Entre as dez cidades mais caras, a maioria é japonesa. A pesquisa atribui o resultado à força da moeda local vista no ano passado. O fato de Luanda ter ficado na frente de cidades de países mais desenvolvidos se deve, conforme informa a revista, ao grande aumento de preços registrado em 2009. No caso do Rio de Janeiro, o estudo afirma que a cidade entrou no ranking devido à valorização do real frente ao dólar no ano anterior.
O ranking da ECA, feito desde 2005, é baseado numa cesta de 128 itens incluindo comida, roupa, eletrônicos e entretenimento. Os preços foram recolhidos em setembro do ano passado e março deste ano.
Posição Cidade
Tóquio, Japão
Oslo, Noruega
Luanda, Angola
Nagoya, Japão
Yokohama, Japão
Stavanger, Noruega
Kobe, Japão
Copenhague, Dinamarca
Genebra, Suíça
10º Zurique, Suíça
11º Bern, Suíça
12º Basel, Suíça
13º Libreville, Gabão
14º Helsinki, Finlândia
15º Moscou, Rússia
16º Paris, França
17º Abidjan, Costa do Marfim
18º Abuja, Nigéria
19º Tel Aviv, Israel
20º Seul, Coréia do Sul
21º Estocolmo, Suécia
22º Jerusalém, Israel
23º Kinshasa, República Democrática do Congo
24º Viena, Áustria
25º Bruxelas, Bélgica
26º Berlim, Alemanha
27º Camberra, Austrália
28º Rio de Janeiro, Brasil
29º Nova York, Estados Unidos
30º Sydney, Austrália

sábado, 26 de junho de 2010

Nota da ABGLT sobre o assassinato de Alexandre Ivo Rajão

Alexandre Ivo Rajão, 14 anos, foi assassinado na segunda-feira, 23/06, em São Gonçalo-RJ. Ele foi torturado com crueldade. O adolescente era ligado ao Grupo LGBT Atitude e voluntário da Parada LGBT de São Gonçalo. No laudo consta que ele foi morto por:
1- asfixia mecânica;
2- enforcado com sua própria camisa;
3- com graves lesões no crânio, provavelmente causadas por agressões com pedras, pedaços de madeira e ferro.
 
Alexandre voltava para casa às 2h30, quando foi brutalmente assassinado. Seu corpo foi deixado num terreno baldio.
O delegado Geraldo Assed, da 72ª DP (Mutuá), suspeita que o crime tenha sido praticado por skinheads e motivado por intolerância à orientação sexual. Três suspeitos foram detidos.
Este é um dos casos mais chocantes de violência homofóbica dos últimos tempos. A ABGLT conclama as autoridades competentes para que tomem todas as medidas cabíveis, que a justiça seja feita e os culpados punidos exemplarmente. Não podemos tolerar mais um caso de impunidade.
Segundo dados do Grupo Gay da Bahia (GGB), 198 lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais foram assassinados no Brasil apenas no ano de 2009, seguindo uma tendência anual crescente, e representando uma média de 1 assassinato a cada 2 dias. Sem dúvida, estes dados são subnotificados, uma vez que dependem de informações obtidas através do monitoramento dos meios de comunicação, e não existe o registro oficial (governamental) de estatísticas sobre a violência homofóbica.
A ABGLT reitera seu pedido, já formalizado duas vezes, de que o Ministério da Justiça implemente as políticas públicas previstas no Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT, em especial as que dizem respeito à repressão da violência homofóbica.
A ABGLT pede que sejam feitos pronunciamentos sobre o caso na Câmara dos Deputados e no Senado Federal, e que este seja um dos casos a serem expostos na Audiência Pública sobre Assassinatos de Homossexuais, a ser realizado no final deste ano pela Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados, com requerimento já aprovado, proposto pela deputada Iriny Lopes e pelo deputado Iran Barbosa.
A ABGLT exige que seja aprovado o Projeto de Lei da Câmara nº 122/2006, que entre diversas formas de discriminação, proíbe e pune a discriminação por orientação sexual e identidade de gênero.
Até quando parte do Congresso Nacional vai ser conivente com a prática da homofobia? Quantas pessoas LGBT ainda vão ter que sofrer discriminação e até ser mortas para que o Congresso Nacional cumpra seu papel de legislar para o bem de todos os segmentos da população?
Corroborando a fala da dona Angélica, mãe de Alexandre Ivo, "... a gente tem que ser livre... , as pessoas têm que ter o direito de ir e vir, não interessa se você gosta de vermelho, eu gosto de laranja e ele gosta de branco", queremos uma sociedade que respeite a todos e todas, sem violência.

ABGLT - Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais


Veja a reportagem no RJTV.

Se o homem entendesse (texto)

E se juntássemos todas as nossas forças num movimento na direção do social? Se pensássemos todos juntos numa outra possibilidade para o Planeta? Se acordássemos com uma ideia fixa de ajuda? Se descobríssemos que o outro é parte da gente? Se fôssemos mais solidários? Se nos emocionássemos, mas se tb agíssemos? Se fôssemos mais honestos? Se não quiséssemos juntar riquezas, mas compartilhá-las? Se, se, se, se o homem entendesse um pouco mais.

quinta-feira, 24 de junho de 2010

A incompletudo que nos preenche (texto)

Um comentário recente me fez pensar muito a respeito das conquistas do coração: "Tudo que o Homem consegue dominar ele destrói" (Luciano Lopes* do Geração Coca-cola).
Fiquei tocado com esse comentário, justamente porque vesti a carapuça (coube certinho na minha cabeça). Não que eu nunca tivesse me dado conta disso. É claro que sim. Li muito, ainda na adolescência, O Homem e suas Viagens de Drummond e lá essa ideia está bem posta e clara. Mas o interessante foi a forma como esse comentário me bateu: sou um cara que gosta de ouvir (talvez mais do que falar. Sou um observador (nunca seria um ligador)) e ouço sempre as mesmas histórias sobre relacionamentos (tanto dos que têm um quanto dos que gostariam de ter).
O substantivo que melhor adjetivaria as relações é Insatisfação. Não conheço ninguém que esteve/está satisfeito com a sua situação (seja ela qual for). Sempre se tem pouco e se quer mais. Sempre! Sempre se quer aquele(a) que não se tem. E só se quer se não o tem. É uma questão de tempo: a ponte vai ruir.
O homem é um conquistador nato: caçador por natureza. Descobridor de todos os mares (os nunca antes navegados, inclusive). Um desbravador. Do tipo que torna a dor menos brava enquanto não atinge o alvo. O trocadilho ficou feio!
A paixão é mesmo fugaz. Não dura. É perecível. E, definitivamente, não estamos dispostos (seja lá o que isso signifique). Nem os opostos se atraem nem os iguais querem estar juntos. Incrível! Parece que estou determinista demais, né? Um exemplo apenas se alguém conhece outra história, por favor.
Há sempre um lado cedendo para que haja equilíbrio (eu escrevi equilíbrio?!). A balança pende para um lado, quase sempre. E dessa forma, apenas, existe a possibilidade de uma relação. Do tipo, Sou infeliz, mas tenho um marido.
E aí, continuo conjecturando, quem sabe não seja exatamente assim  uma relação: o desequilíbrio, a insatisfação, a (im)possibilidade da conquista, do domínio. Quem sabe não seja a incompletude que nos preencha?

* o blog é bem interessante, vale à pena dar uma olhada, postar um comentário, segui-lo. O autor é um menino (pela fotografia) mas a idade diz pouco, ou muito pouco, sobre sensibilidade.

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Um músculo involuntário (texto)

Como seria bom se a gente mandasse no nosso coração, não é? Se ele respeitasse tudo aquilo que a gente está careca (uns mais outros menos) de saber  sobre o amor. Mas não, ele é um músculo involuntário e bate assim sem o nosso consentimento, sem a menor cerimônia, sem vergonha nenhuma de um descompasso.
Um desrespeito total ao bom senso. Ao bom funcionamento dos nossos dias. Ao mínimo necessário para aquela tranquilidade,  sabor de fruta mordida.

terça-feira, 22 de junho de 2010

O relógio que marca_mata_acrescenta (texto)

É claro que viver não é fácil! Nem simples. Nem logo ali. Viver, já dizia o poeta, não é preciso. Ou ainda, como dizia Clarice, Não se preocupe em entender, viver ultrapassa qualquer entendimento.
Por tudo isso e muito mais, não quero me acostumar com o que me faz sofrer. Não quero precisar de alguém pra ser feliz. Não preciso da aceitação do outro para ser quem eu acho que sou.
Não me basto, é verdade. Mas não preciso sofrer porque alguém não me quer. Não devo me entristecer porque o outro não faz aquilo que deveria fazer. Todos nós temos um limite.
No máximo, mando (e olhe lá) na minha vida.
Não estou a disposição de ninguém. Não quero um telefone tocando para que eu possa sair para jantar. Preciso apenas de uma noite estrelada.
A tarde azul me faz feliz. A árvore colorida me alegra. O silêncio me inspira. Viver não é fácil nem simples, como alguns gostam de afirmar. Viver é assustador! É a cada dia, mais um pouco.
Mas o que é a vida senão essa incerteza? O relógio que mata/acrescenta mais um segundo.

domingo, 20 de junho de 2010

O tempo que tudo devora (texto)

Os livros estão se acumulando sobre a minha escrivaninha, sobre o criado mudo, sobre as prateleiras das estantes, tomam conta do sofá no meu escritório, estão espalhados pela sala, empilhados em forma de colunas na beirada das janelas da minha casa. E não há esperança de que eu consiga dar conta deles. Por hora, apenas consigo desempoeirá-los ou ajeitá-los de forma que fiquem emparelhados.
Leituras imprescindíveis e não consigo realizá-las. Informações essenciais para as aulas e escritas e não consigo fazê-las. Tenho apenas a sensação de que o tempo não para, de que ele devora tudo, inclusive a mim.

sexta-feira, 18 de junho de 2010

A flor mais grande do mundo - José Saramago (vídeo)

Intermitências da morte (texto)

Com tristeza que acabo de saber  da morte de José Saramago. Mas não a tristeza da morte (a vida é intermitente), mas a tristeza do vazio. Do nada em seu lugar. Ensaio, perplexo, esse texto porque ainda que ele tivesse 87 anos, uma longa vida, (e muita literatura) eu não sabia de sua saúde precária. Morre o homem, a obra continua produzindo leitores, discussões, inquietações: Memorial do convento (1982)  é arte, não tem outra igual (acho), Intermitências da morte (2005), me deixou boquiaberto.
A sua lucidez me impressionava, como me impressionava tb a sua experiência, como dizia o que dizia sobre a língua portuguesa, sobre a literatura, sobre a vida.

Sinto-me meio estranho, mistura de perda (mas como se perde algum que não se teve) e melancolia. Uma saudade do que não teve.


“Todos sabemos que cada dia que nasce é o primeiro para uns e será o último para outros e que, para a maioria, é só um dia mais.” 
José Saramago

quarta-feira, 16 de junho de 2010

SOU DE UTILIDADE PÚBLICA (SITES)

01. Quando for comprar qualquer coisa não deixe de consultar o site Gastarpouco.
www.gastarpouco.com

02. Serviço dos cartórios de todo o Brasil, que permite solicitar documentos via internet:
www.cartorio24horas.com.br/index.php

03. Site de procura e reserva de hotéis em todo o Brasil,por cidade, por faixa de preços, reservas etc.:
www.hotelinsite.com.br

04. Site que permite encontrar o transporte terrestre entre duas cidades, a transportadora, preços e horários:
https://appweb.antt.gov.br/transp/secao_duas_localidades.asp'

05. Encontre a Legislação Federal e Estadual por assunto ou por número, além de súmulas dos STF, STJ e TST:
www.soleis.adv.br

06. Tenha a telinha do aeroporto de sua cidade em sua casa,chegadas e partidas:
www.infraero.gov.br/pls/sivnet/voo_top3v.inip_cd_aeroporto_ini=

07. Encontre a melhor operadora para utilizar em suas chamadas telefônicas:
http://sistemas.anatel.gov.br/sipt/Atualizacao/Importanteaspp'

08. Encontre a melhor rota entre dois locais em uma mesma cidade ou entre duas cidades, sua distância, além de localizar a rua de sua cidade:
www.mapafacil.com.br

09. Encontre o mapa da rua das cidades, além de localizar cidades:
http://mapas.terra.com.br/Callejero/home.asp

10. Confira as condições das estradas do Brasil, além da distância entre as cidades:
www.dnit.gov.br

11. Caso tenha seu veiculo furtado, antes mesmo de registrar ocorrência na polícia, informe neste site o furto.O comunicado às viaturas da DPRF é imediato:
www..dprf.gov.br/ver.cfmlink==form_alerta

12. Tenha o catálogo telefônico do Brasil inteiro em sua casa. Procure o telefone daquele amigo que estudou contigo no colégio:
www.102web.com.br

13. Confira os melhores cruzeiros,datas, duração,preços, roteiros, etc.:
www.bestpricecruises.com/default.asp

14.. Vacina anti-câncer (pele e rins). OBS: ESTA VACINA DEVE SER SOLICITADA PELO MÉDICO ONCOLOGISTA:
www.vacinacontraocancer.com.br/hybricell/home.html

15. Indexador de imagens do Google - captura tudo que é foto e filme de dentro de seu computador e os agrupa, como você desejar:
www.picasa.com

16. Semelhante ao Internet Explorer , porém muito mais rápido e eficiente, e lhe permite adicionar os botões que desejar, ou seja, manipulado como você o desejar:
www.mozilla.org.br/firefox

17. Site de procura, semelhante ao GOOGLE:
www.gurunet.com

18. Site que lhe dá as horas em qualquer lugar do mundo:
www.timeticker.com/main.htm

19. Site que lhe permite fazer pesquisas dentro de livros:
www.a9.com

20. Site que lhe diz tudo do Brasil desde o descobrimento por Cabral:
www.historiadobrasil.com.br

21. Site que o ajuda a conjugar verbos em 102 idiomas:
www.verbix.com

22. Site de conversão de Unidades:
www.webcalc.com.br/conversões/area.html

23. Site para envio de e-mails pesados, acima de 50Mb:
www.dropload.com

24. Site para envio de e-mails pesados, sem limite de capacidade:

www.sendthisfile.com

25. Site que calcula qualquer correção desde 1940 até hoje, informando todos os índices disponíveis no mercado financeiro.. Grátis para Pessoa Física:
www.debit.com.br

26. Site que lhe permite falar e ver pela internet com outros computadores,ou LHE PERMITE FALAR DE SEU COMPUTADOR COM TELEFONES FIXOS E CELULARES EM QUALQUER LUGAR DO MUNDO GRÁTIS -De computador para computador, voz + imagem. De computador para telefone fixo ou celular:
www.skype.com

27. Site que lhe permite ler jornais e revistas de todo o mundo.
www.indkx.com/index.htm

28 . Site de câmaras virtuais, funcionando 24 hs por dia ao redor do mundo:
www.earthcam.com

29. Site Cálculo exato
http://www.calculoexato.com.br/adel/default.asp

terça-feira, 15 de junho de 2010

Grito de gol (texto)

Futebol é isso: 193 milhões torcendo, vibrando, querendo, de alguma forma, ver a bola no área do adversário. Um chute pro gol. O coração na mão. Não tem nada que (i)mobilize o país. Sem essa de a mesma empolgação em outras situações. Não dá. Não pode! Futebol é emoção, não é politicalha, politicagem, é bola no pé, é drible, é bola na rede, é o grito solto, é o passe bem feito, é o tombo do jogador, é o voo, é a parada no ar, é bola no peito, é a técnica, é o talento, é arte, é o menino dominando um país
Futebol é o coração batendo 90 minutos num ritmo só. O ritmo da bola correndo, futebol é alegria, energia. Nada se compara ao grito de gol. Goooooooooool (o percurso da bola, do pé do jogador à rede do adversário).
São milhões de técnicos e de jogadores num campo empurrando a bola com a alma. Não tem pra ninguém.

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Em outras palavras...

O homem confunde fé com religião e amor com casamento.

Novas tendências em Análise do Discurso, São Longuinho e aquele medo de um texto que insiste em não ser texto (texto)

Hoje fiquei em casa para poder iniciar um texto que devo apresentar na sexta-feira sobre as "Novas tendências em análise do discuso". Não foi muito produtivo, porque ao mesmo tempo em que estou sentando diante deste computador pensando no trabalho (fazendo as leituras, escrevendo, relendo e reescrevendo-o), desejo tomar café, colocar a casa em ordem, atender o telefone, responder e enviar e-mails, passar no orkut, ou seja, me desconcentro muito. 
Às 14h eu ainda não havia almoçado e tb não havia escrito dois parágrafos desse texto que insiste em permanecer em silêncio.
Nem significante nem significado.
Parti da ideia de que o uso da preposição na expressão Em Análise do Discurso poderia provocar a suposição de uma homogeneidade e unidade em tais estudos. Depois caminhei na direção de que um nome próprio designando um campo de saber apaga as fortes diferenças teóricas que sustentam diferentes modos de conceber e analisar a língua, a produção de sentidos, a historicidade e o sujeito
E parei por aí. Estou num mato com cachorro, eu sei, mas sem pernas e olhos para encontrá-lo. Podia pedir a São Longuinho para encontrar esse texto, mas como encontrar alguma coisa que não foi perdida?

domingo, 13 de junho de 2010


União Civil em Mato Grosso do Sul (texto)

A Corregedoria Geral de Justiça de Mato Grosso do Sul publicou, na terça-feira, dia 8 de junho, uma norma que regulamenta o registro da união estável em cartórios de pessoas homossexuais. Desta forma, casais do mesmo sexo poderão ir a qualquer cartório e registrar o documento.
De acordo com a publicação, a escritura da declaração de convivência de união será "realizada como instrumento para os casais homoafetivos que viviam uma relação de fato duradoura, em comunhão afetiva, com ou sem compromisso patrimonial, legitimarem o relacionamento e comprovarem seus direitos, disciplinando a convivência de acordo com seus interesses".
O registro pode ser usado como prova de dependência econômica para Previdência Social, Entidades públicas e privadas, Companhias de Seguro, Instituições Financeiras e Creditícias, entre outras.

sábado, 12 de junho de 2010

Virado pra Lua (texto)

Nem que eu quisesse daria para reclamar desta semana. Foi ótima. Não tem outro adjetivo para significá-la. 
Uns dias em Maringá num congresso (CIELLI) e o encontro com muitos amigos (Vanise, Silmara, Socorro, Edson, Bethania, Rosa, Eduardo, Luiza, entre outros) que estão espalhados pelo Brasil. Como se isso já não fosse suficiente, conheci pessoas incríveis, destaque para o Gabriel.
E se isso já não fosse o bastante, 3 grandes amigos apareceram  hoje aqui para me encontrar. Tem gente que nasce virado para a Lua, tem gente que nasce com a Lua lá dentro.

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Beijo Sem - de Adriana Calcanhotto (Marisa Monte e Teresa Cristina)

Eu não sou mais
Quem você
Deixou
Amor (de ver)

Vou a lapa
Decotada
Bebo todas (viro outras)
Beijo bem

Madrugada
Sou da lira
Manhãzinha
De ninguém
Noite alta
É meu dia
E a orgia
É meu bem

Eu não sou mais
Quem você
Deixou
Amor (de ver)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Futebol e Carnaval (texto)

Sei que vão me massacrar (ou pelo menos, que  isso é uma possibilidade). Descobri, faz tempo, que chuva molha. E, definitivamente, não vim para agradar (por outro lado, tb não vim, exclusivamente, para desagradar, mas entre mim e o outro, me escolho).
Queria que o mundo parasse nos jogos do Brasil. Não sou daqueles que considera que o "destino do Brasil está nos pés dos jogadores" como tenho ouvindo em anúncios na televisão (de jeito nenhum!), mas, vejam vocês, adoro um jogo de futebol!!! E mais, gosto, quase sempre, de assisti-lo sozinho (tenho os meus rituais).
Minha mãe sempre foi uma boa companhia nessas horas. Ela, mais do que eu, quase morria do coração a cada bola na trave. Eu, apenas uns palavrões silenciosos.
Em 1998, até incenso de efeito moral era atirado para ver se o resultado (Brasil x França, não necessariamente nesta ordem) mudava. Um fiasco! Ricardo, Robson, eu (na sala) e Heloísa (sozinha no quarto) sofríamos com a derrota. O Canarinho descia morro abaixo.
Na casa, um silêncio mórbido. Como se um amigo acabasse de se despedir. Não sabíamos mais o que fazer diante daquilo que conseiderávamos impossível acontecer: 3 x 0 França.
Tudo outra vez, agora. Só que, como partimos do zero (nem tanto), uma esperançazinha de que nos dias 15, 20 e 25 (primeira fase) eu possa gritar: gooooooooooool (do Brasil, é mais do que claro).

domingo, 6 de junho de 2010

Minhas correspondências (texto)

Hoje, recebi três e-mails mais do que especiais (na verdade, dois e-mails e um comentário aqui no blog). O primeiro, de uma grande amiga que anda muito sumida, e, por isso, andei reclando um pouco da sua ausência. (um pouco porque a reclamção partiu de mim, né? a reclamação foi pesada!). Nele, ela me conta o porquê de não mais ter me procurado. A vida não é mesmo fácil para ninguém e supomos, às vezes, que a sorte só não bate as nossas portas
Fazemos escolhas equivocadas e elas produzem consequências. A vida é mesmo uma surpresa, ninguém sabe aonde ela vai dar em  cinco minutos.
O outro, de alguém que é muito mais do que uma amiga, é mais do que uma irmã, é um anjo da guarda. Nele, mais uma vez, encontro, um porto seguro. Descubro que a sensibilidade para perceber o mundo é química pura (rs).
O comentário veio, mais um vez, de uma outra amiga, sempre presente nesse último ano. E, sabiamente, em poucas palavras me sugere comportamentos.
Sou um homem de sorte. Tenho mulheres especiais sempre por perto. Obrigado, meninas!

Os últimos dias (texto)

Hoje enquanto esperava um amigo para almoçarmos juntos, fiquei pensando nos nossos (na verdade um "nosso" mais dos outros do que meu) últimos anos de vida. A morte sempre é certa, mas como nos afastamos cada vez mais de tudo o que diz respeito  a ela e vivemos como se fôssemos estar aqui pra sempre, não paramos muito para pensar sobre isso (agora o nós é includente).
O ano passado foi o último ano de muito momentos com a minha mãe sem que eu me desse conta de que aqueles dias, todos eles, eram os últimos da sua vida, das nossas vidas juntos.
Ela decidiu passar o seu aniversário comigo. Nunca tinha feito isso. Ficou do natal até a passagem do ano (dia do seu aniversário) em minha casa. Foram dias alegres, mas não aproveitei como devia (fico pensando nisso quase o tempo todo). Eu devia ter dito a ela muito mais do que eu disse, muito mais do que eu achava que devia dizer, porque não se tem mais nenhuma chance de voltar a atrás.
Tenho um amigo, o Erik, que sempre me dizia que essa história de que "nunca é tarde" é uma enganação total. Não há muitas vezes outra oportunidade. E mais, não se sabe se o Outro vai estar presente, disposto, perto, saudável para nos ouvir.
Tenho brigado muito no meu trabalho. Tenho cobrado de alguns colegas uma postura mais profissional. Mas não estou conseguindo fazer isso da forma como eu devia fazer: com calma, com respeito, com a tranquilidade necessária para não me arrepender. E aí se alguma coisa der errado nesse percurso, posso não conseguir refazer (me refazer tb). Preciso estar atento.

quinta-feira, 3 de junho de 2010

Sandy, frio e dois dias para não fazer na-da (texto)

Estou feliz. Fazia tempo que não me sentia tão bem. Ainda que esteja frio, ainda que o vizinho esteja ouvindo Sandy, não desanimo. Muito bom estar perto dos amigos e saber que há história para relembrar, casos para rir, boa comida, caipirinha, música e mais dois dias para não fazer Na-da.

Savannah song (texto)

Finalmente, depois de um mês, de volta a Curitiba. Vim preparado para o polo norte, mas estava mais frio em Cascavel (podem acreditar!). De qualquer forma, sempre é bom estar aqui com os velhos amigos, longe, de certa forma, do trabalho (é claro que os livros me acompanham, e o pensamento tb).
O dia já começou divertido! Acordei com um revoada de pássaros, mas era um CD. Decidi comprar um com o som da Savana Africana e acordar os meus vizinhos (Valdeci que me aguarde!) com elefantes, leões, javalis (javali faz alguma barulho?), hienas e hipopótamos.

quarta-feira, 2 de junho de 2010

Anágua (texto)

Interessante como as palavras só fazem sentido se existe uma história sobre elas. No entanto, essas histórias não são fixas, mudam de lugar de acordo com as suas produções.
Dia desses, jogando Imagem e ação com uns amigos, diga-se de passagem, todos mais novos do que eu, apareceu a palavra ANÁGUA para que ela fosse, em forma de mímica, repassada e adivinhada por um dos grupos. Não foi fácil descobrir o que se desejava, mesmo com tantos movimentos que indicavam alguma coisa sob um vestido ou saia.
Finalmente, depois de algum tempo, uma das meninas descobriu a palavra. Mas ninguém mais soube dizer o que era uma anágua. Hoje, do site www.aulete.com.br recebi justamente a palavra anágua como A Palavra do Dia.
E o sentido desse verbete refere-se quase totalmente ao passado. Pelo visto não se usam mais anáguas por aí.
Sinal dos tempos.

PALAVRA DO DIA

Tema da semana: peças de vestuário. 


ANÁGUA 

Anágua é uma peça da indumentária feminina que é utilizada por baixo de saias ou vestidos com dois objetivos principais: evitar transparências ou dar volume. Era uma comum na geração de nossas avós e ainda muito usada por mulheres mais velhas. A anágua nada mais é do que uma segunda saia, que originalmente deveria ser completamente coberta pela roupa vestida por cima. No entanto, hoje em dia, é comum encontrar anáguas com a barra decorada com rendas ou filó justamente para que fiquem mais compridas que a saia usada por cima. Desta forma, as anáguas podem funcionar menos como forma de evitar transparência e mais como um detalhe decorativo.
>> Definição do iDicionário Aulete:
(a..gua)

sf.
1. Vest. Saia us. sob vestido ou sob outra saia; saia de baixo
[F.: Do espn. enagua.]

terça-feira, 1 de junho de 2010

Narciso acha feio tudo o que não é espelho (texto)

ESTADOS UNIDOS – O pastor da Igreja Batista e psicólogo George Rekers, 61, que divulgava a tese de que homossexuais podem se tornar héteros, foi flagrado com um garoto de programa e pode vir a enfrentar um processo por falso testemunho. O envolvimento do pastor com o rapaz foi publicado no Miami New Times, em 13 de maio, com detalhes: Rekers contratou o garoto de programa num site de relacionamentos e o levou a um passeio pela Europa, mas exatamente por Madri e Londres.
O assunto se tornou um escândalo pelo histórico do pastor e psicólogo. Membro da Associação Nacional de Pesquisa e Terapia da Homossexualidade, ele era conhecido pelo seu firme combate à homossexualidade e com um posicionamento contrário à adoção de crianças por casais do mesmo sexo.
Descoberta a farsa em que pautou a sua vida religiosa, profissional e pessoal, Rekers pode ter que se explicar na justiça. O jornal The New York Times informou que um processo por falso testemunho será aberto contra o pastor enganador e os "ex-gays" que testemunhavam, nas suas palestras, a favor de seus métodos e falsas convicções.
O garoto de programa, que se chama Jovanni Roman, tem 20 anos e faz parte do site Rentboys.com, preferiu calar-se ao ser procurado pela revista gay The Advocate. Rekers, evidentemente, nega tudo e disse, no seu site, que as denúncias têm o objetivo de lhe difamar.
"Não tive qualquer comportamento homossexual. Não sou nem nunca fui homossexual”, escreveu, com mais uma explicação: o garoto foi contratado para carregar suas bagagem na viagem pela Europa, já que acabara de passar por uma cirurgia e evitava esforços.
Desculpa tão esfarrapada quanto a do senador da Califórnia, Roy Ashburn, que, em março, foi pego dirigindo alcoolizado em direção a um motel com um belo garotão no banco do carona. Divorciado, com dois filhos e um feroz opositor aos direitos civis dos homossexuais, Ashburn admitiu ser homossexual, mas disse que agia contra os interesses dos gays para atender às expectativas dos seus eleitores.