terça-feira, 31 de maio de 2011

Da Série Contos Mínimos

Avessos à todas (im)previsões, eles mantinham-se firmes em suas jornadas. Nem ventos, tem tempestades, nem o temido e colérico Poseidon os tirariam de seus caminhos. Eram fortalezas. Firmes como rochas na difícil tarefa de (con)viver.

Ainda sobre o kit anti-homofobia (texto)

A Presidenta vetou a distribuição do kit anti-homofobia alegando que o governo não fará propaganda de nenhuma orientação sexual. Preciso concordar com ela. Não é mesmo atribuição de nenhum governo fazer apologia, propaganda de quaisquer que sejam as orientações sexuais. Estamos em acordo.
Não cabe ao Estado esse tipo de obrigação. O que cabe ao Estado é defender os direitos de seus cidadãos. Tratá-los de forma igual. Sem distinção. Inclusive, no artigo 5º do Direito Constitucional (Constituição Federal do Brasil) está escrito: Art. 5o Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:...
Cabe tb ao Estado, assim eu penso, cumprir a Lei. E o fato da não distribuição do kit, em princípio, não a viola. No entanto, o motivo, ou os motivos que levaram a Presidenta a vetar a distribuição foi, até onde sei, um acordo com alguns representantes da bancada evangélica da Câmara dos Deputados.
E se isso procede, a Lei não foi descumprida. Porque em nome de determinada religião, determinado ponto de vista, alheio à vontade de TODOS os brasileiros, a decisão da Presidenta prejudica, de certa forma, uma parcela desta sociedade. Eu poderia escrever aqui sobre os 260 assassinatos de LGBT´s ocorridos no Brasil no ano passado, mas nao vou. Poderia tb, seu eu quisesse, escrever sobre a quantidade de crianças e adolescentes que sofrem por conta de suas orientações sexuais. De pessoas que são infelizes por isso. Das que se matam por conta apenas de sentir desejo por alguém do mesmo sexo. Mas tb nao vou.
Entendo por Estado Laico, aquele que não professa alguma religião, mas que garante que todas elas possam coexistir sem que as religiões possam interferir no funcionamento dele.
 A religião, nesse caso, está interferindo na forma como a presidência lida com questões de orientação sexual. Será que ela perguntaria a uma bancada racista como lidar com os negros? Será  que ela se dirigiria a uma bancada machista para tratar de questões que dizem respeitos às mulheres? Será que ela se aconselharia com pedófilos para tratar de assuntos que tivessem relação com a penalização de crimes sexuais contra crianças? Não, né?
Portanto, não consigo entender o por quê de se aconselhar com os avangélicos sobre a homofobia. Eles são, quase sempre, homofóbicos, não sabem respeitar nenhuma diversidade (basta relembrar o que aconteceu a pouco tempo com alguns recintos que professavam religiões africanas; os tratamentos que são oferecidos para curar homossexuais).

sábado, 28 de maio de 2011

Cores & Nomes

Minha mãe se chamava Heloísa Helena, era professora, meu pai Edenyr, era fotógrafo, meu padrasto se chama Ilton, aposentado de empresa privada. Minha avó materna Dayse, era professora, meu avô Alberto, militar, minha bisavó materna, Carolina, costureira, meu bisavô materno, Antônio, não sei o que fazia da vida. Minha avó paterna, Rosa, dona de casa, meu avô paterno, Sebastião, funcionário público. Só eu fiquei para contar suas história. Quem contará as minhas?

sexta-feira, 27 de maio de 2011

Para Roseli Buffon (abraço e beijo em forma de texto)

Os poemas são pássaros que chegam
não se sabe de onde e pousam
no livro que lês.
Quando fechas o livro, eles alçam voo
como de um alçapão.
Eles não têm pouso
nem porto;
alimentam-se um instante em cada
par de mãos e partem.
E olhas, então, essas tuas mãos vazias,
no maravilhado espanto de saberes
que o alimento deles já estava em ti...

quinta-feira, 26 de maio de 2011

O kit anti-homofobia (texto)

Ainda não tive acesso ao kit anti-homofobia que seria distribuído pelo Ministério da Educação (MEC) nas escolas de ensino fundamental e médio. Sei apenas o que me disseram sobre ele. 
Faço parte de um grande grupo virtual de discussão sobre a sexualidade e diversos temas já foram abordados durante essas trocas de e-mails. O kit foi um deles.
Sou a favor de todos os movimentos que se dizem contrários à exclusão, ao preconceito. Além disso, como professor, tenho, por obrigação, que incluir. Quando escrevo obrigação, não estou escrevendo que ela seja de uma forma imposta, além da minha vontade. Não é isso. É atribuição do professor receber todas e quaisquer diversidades em sala de aula, sejam elas, sexuais, religiosas, étnicas etc., sem distinção.
Ensinar o respeito é tb uma das atribuições da escola, justamente porque ali, em sala de aula, ou na escola como um todo, alunos convivem com uma grande diversidade de crianças: cores, sexos, alturas, pesos, religiões e sabemos, sobretudo quem circula nesse ambiente, que pouco ou quase nada se fala sobre isso.
Fala-se de etnia numa data especial, como se fosse uma oportunidade para discutir um tema fora da realidade, assim como se fala do índio apenas no dia 19 abril. Um índio exótico que descerá de uma estrela colorida e brilhante. E as crianças voltam para a casa pintadas como um índio.
Discussões feitas dessa forma são improdutivas, porque é o mesmo que falar que a Terra é redonda ou que o sol é o centro do universo. Não muda nada. É tão distante que não produz efeito nenhum.
A sexualidade não pode ser tratada como um tema fora da realidade. Não pode ser tratada como se ela não nos constituísse. Porque tratada assim, fora da realidade, é que ouvimos, sabemos, vemos acontecer tanta violência contra gays, lésbicas, travestis e transexuais. 
Precisamos discutir, fazer com que as crianças saibam que essa diversidade existe, que faz parte da sociedade (e não que está fora dela). O mundo é muito maior do que a nossa casa. Além disso, quando a proposta é discutir a sexualidade, estamos falando em nome, inclusive, do seu filho, não apenas do filho da vizinha. Estamos falando em nome dessa criança que é agredida fisicamente, insultada, injuriada, destratada e que, na melhor das hipóteses, deixa de frequentar a escola porque o ambiente passa a ser perigoso.
O kit-anti homofobia é um material que vai promover uma discussão, ele não tem o poder de transformar ninguém em homossexual. Ele apenas coloca na ordem do dia um assunto que faz parte da ordem do dia, só que com outra abordagem, sem o ranço religioso, sexista, moralista, porque não se pode impor em nome de uma religião, sexualidade, moralidade que a sociedade seja homogêna. Ela não é. Não adianta querer que ela seja, tapar os olhos para o diferente. Não vai adiantar. Seria uma luta inglória.
Precisamos tirar do silêncio, da clandestinidade, da marginalidade todas as minorias. Precisamos incluir. Eu me sentiria muito mal se soubesse que ajudei a promover alguma exclusão. Não quero isso pra mim, não quereria isso pro meu filho nem para o seu.
Não consigo compreender o medo que se tem do tema. Talvez eu compreenda sim. Só não posso compactuar com ele. O kit sozinho não produz nada, mas o kit acompanhado de um professor, que o compreenda e que possa realizar as discussões, pode produzir uma sociedade muito mais acolhedora, uma sociedade capaz de receber bem o outro, seja lá quem ele for.

segunda-feira, 23 de maio de 2011

Fast Food que não engorda


O abraço é saudável.
Ajuda o sistema imunológico do Organismo Humano; mantêm-nos saudáveis, cura a depressão; reduz o estresse; conduz ao sonho; é fortalecedor; é rejuvenescedor e não tem efeitos secundários desagradáveis.
O abraço não é mais nem menos do que uma medicina milagrosa.
O abraço é absolutamente natural, biológico, doce mas sem açúcar, sem pesticidas, sem corantes nem conservantes, sem ingredientes artificiais e cem por cento integral.
O abraço é praticamente perfeito: é grátis, não derrama, não tem baterias que se descarregam, não necessita de controles periódicos, tem baixo consumo de energia, produz muito vigor, é á prova de inflação, não engorda, não tem quotas mensais nem requisitos de seguro.
É á prova de roubos, não contamina e é totalmente reciclável.

Sobre os "erros" em livro didático - Sírio Possenti (Texto)

Aceitam tudo

Reprodução
Trecho do livro Por uma Vida Melhor apresenta a pergunta posso falar 'os livro'?
 
Trecho do livro "Por uma Vida Melhor" apresenta a pergunta "posso falar 'os livro'?"

Sírio Possenti
De Campinas (SP)
De vez em quando, alguém diz que lingüistas "aceitam" tudo (isto é, que acham certa qualquer construção). Um comentário semelhante foi postado na semana passada. Achei que seria uma boa oportunidade para tentar esclarecer de novo o que fazem os linguistas.
Mas a razão para tentar ser claro não tem mais a ver apenas com aquele comentário. Surgiu uma celeuma causada por notas, comentários, entrevistas etc. a propósito de um livro de português que o MEC aprovou e que ensinaria que é certo dizer Os livro. Perguntado no espaço dos comentários, quando fiquei sabendo da questão, disse que não acreditava na matéria do IG, primeira fonte do debate. Depois tive acesso à indigitada página, no mesmo IG, e constatei que todos os que a leram a leram errado. Mas aposto que muitos a comentaram sem ler.
Vou tratar do tal "aceitam tudo", que vale também para o caso do livro.
Primeiro: duvido que alguém encontre esta afirmação em qualquer texto de linguística. É uma avaliação simplificada, na verdade, um simulacro, da posição dos linguistas em relação a um dos tópicos de seus estudos - a questão da variação ou da diversidade interna de qualquer língua. Vale a pena insistir: de qualquer língua.
Segundo: "aceitar" é um termo completamente sem sentido quando se trata de pesquisa. Imaginem o ridículo que seria perguntar a um químico se ele aceita que o oxigênio queime, a um físico se aceita a gravitação ou a fissão, a um ornitólogo se ele aceita que um tucano tenha bico tão desproporcional, a um botânico se ele aceita o cheiro da jaca, ou mesmo a um linguista se ele aceita que o inglês não tenha gênero nem subjuntivo e que o latim não tivesse artigo definido.
Não só não se pergunta se eles "aceitam", como também não se pergunta se isso tudo está certo. Como se sabe, houve época em que dizer que a Terra gira ao redor do sol dava fogueira. Semmelveis foi escorraçado pelos médicos que mandavam em Viena porque disse que todos deveriam lavar as mãos antes de certos procedimentos (por exemplo, quem viesse de uma autópsia e fosse verificar o grau de dilatação de uma parturiente). Não faltou quem dissesse "quem é ele para mandar a gente lavar as mãos?"
Ou seja: não se trata de aceitar ou de não aceitar nem de achar ou de não achar correto que as pessoas digam os livro. Acabo de sair de uma fila de supermercado e ouvi duas lata, dez real, três quilo a dar com pau. Eu deveria mandar esses consumidores calar a boca? Ora! Estávamos num caixa de supermercado, todos de bermuda e chinelo! Não era um congresso científico, nem um julgamento do Supremo!
Um linguista simplesmente "anota" os dados e tenta encontrar uma regra, isto é, uma regularidade, uma lei (não uma ordem, um mandato).
O caso é manjado: nesta variedade do português, só há marca de plural no elemento que precede o nome - artigo ou numeral (os livro, duas lata, dez real, três quilo). Se houver mais de dois elementos, a complexidade pode ser maior (meus dez livro, os meus livro verde etc.). O nome permanece invariável. O linguista isso, constata isso. Não só na fila do supermercado, mas também em documentos da Torre do Tombo anteriores a Camões. Portanto, mesmo na língua escrita dos sábios de antanho.
O linguista também constata the books no inglês, isto é, que não há marca de plural no artigo, só no nome, como se o inglês fosse uma espécie de avesso do português informal ou popular. O linguista aceita isso? Ora, ele não tem alternativa! É um dado, é um fato, como a combustão, a gravitação, o bico do tucano ou as marés. O linguista diz que a escola deve ensinar formas como os livro? Esse é outro departamento, ao qual volto logo.
Faço uma digressão para dar um exemplo de regra, porque sei que é um conceito problemático. Se dizemos "as cargas", a primeira sílaba desta sequência é "as". O "s" final é surdo (as cordas vocais não vibram para produzir o "s"). Se dizemos "as gatas", a primeira sílaba é a "mesma", mas nós pronunciamos "az" - com as cordas vocais vibrando para produzir o "z". Por que dizemos um "z" neste caso? Porque a primeira consoante de "gatas" é sonora, e, por isso, a consoante que a antecede também se sonoriza. Não acredita? Vá a um laboratório e faça um teste. Ou, o que é mais barato, ponha os dedos na sua garganta, diga "as gatas" e perceberá a vibração. Tem mais: se dizemos "as asas", não só dizemos um "z" no final de "as", como também reordenamos as sílabas: dizemos as.ga.tas e as.ca.sas, mas dizemos a.sa.sas ("as" se dividiu, porque o "a" da palavra seguinte puxou o "s/z" para si). Dividimos "asas" em "a.sas", mas dividimos "as asas" em a.sa.sas.
Volto ao tema do linguista que aceitaria tudo! Para quem só teve aula de certo / errado e acha que isso é tudo, especialmente se não tiver nenhuma formação histórica que lhe permitiria saber que o certo de agora pode ter sido o errado de antes, pode ser difícil entender que o trabalho do linguista é completamente diferente do trabalho do professor de português.
Não "aceitar" construções como as acima mencionadas ou mesmo algumas mais "chocantes" é, para um linguista, o que seria para um botânico não "aceitar" uma gramínea. O que não significa que o botânico paste.
Proponho o seguinte experimento mental: suponha que um descendente seu nasça no ano 2500. Suponha que o português culto de então inclua formas como "A casa que eu moro nela mais os dois armário vale 300 cabral" (acho que não será o caso, mas é só um experimento). Seu descendente nunca saberá que fala uma língua errada. Saberá, talvez (se estudar mais do que você), que um ancestral dele falava formas arcaicas do português, como 300 cabrais.
Outro tema: o linguista diz que a escola deve ensinar a dizer Os livro? Não. Nenhum linguista propõe isso em lugar nenhum (desafio os que têm opinião contrária a fornecer uma referência). Aliás, isso não foi dito no tal livro, embora todos os comentaristas digam que leram isso.
O linguista não propõe isso por duas razões: a) as pessoas já sabem falar os livro, não precisam ser ensinadas (observe-se que ninguém falao livros, o que não é banal); b) ele acha - e nisso tem razão - que é mais fácil que alguém aprenda os livros se lhe dizem que há duas formas de falar do que se lhe dizem que ele é burro e não sabe nem falar, que fala tudo errado. Há muitos relatos de experiências bem sucedidas porque adotaram uma postura diferente em relação à fala dos alunos.
Enfim, cada campo tem seus Bolsonaros. Merecidos ou não.
PS 1 - todos os comentaristas (colunistas de jornais, de blogs e de TVs) que eu ouvi leram errado uma página (sim, era só UMA página!) do livro que deu origem à celeuma na semana passada. Minha pergunta é: se eles defendem a língua culta como meio de comunicação, como explicam que leram tão mal um texto escrito em língua culta? É no teste PISA que o Brasil, sempre tem fracassado, não é? Pois é, este foi um teste de leitura. Nosso jornalismo seria reprovado.
PS 2 - Alexandre Garcia começou um comentário irado sobre o livro em questão assim, no Bom Dia, Brasil de terça-feira: "quando eu TAVA na escola...". Uma carta de leitor que criticava a forma "os livro" dizia "ensinam os alunos DE que se pode falar errado". Uma professora entrevistada que criticou a doutrina do livro disse "a língua é ONDE nos une" e Monforte perguntou "Onde FICA as leis de concordância?". Ou seja: eles abonaram a tese do livro que estavam criticando. Só que, provavelmente, acham que falam certinho! Não se dão conta do que acontece com a língua DELES mesmos!!

Sírio Possenti é professor associado do Departamento de Linguística da Unicamp e autor de Por que (não) ensinar gramática na escola, Os humores da língua, Os limites do discurso, Questões para analistas de discurso e Língua na Mídia.

Fale com Sírio Possenti: siriopossenti@terra.com.br
Opiniões expressas aqui são de exclusiva responsabilidade do autor e não necessariamente estão de acordo com os parâmetros editoriais de Terra Magazine.

domingo, 22 de maio de 2011

Um pequeno retorno (texto)

Voltei! Na verdade nunca saí deste lugar, então como posso voltar se não fui? Se nunca fui. Fui, de certo modo, mas posso adiantar que estive por aqui durante todos esses dias, ainda que ausente. Ir, voltar, estar, nunca ter ido, pode até parecer meio confuso. Mas não é. 
A gente pode ir sem nunca ter saído do lugar ou pode sempre estar mesmo não tendo ficado por aqui. Ir sem arredar o pé ou ter ficado enquanto se ia. Fui e fiquei, fora e dentro, assim, sem qualquer contradição.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

domingo, 15 de maio de 2011

Ivan Lessa: Toda força a nossos gays mirins (texto)

Uma amiga me indicou o texto de Ivan Lessa. Bom ler alguém com essa compreensão.

Sobre o abaixo-assinado contra o "Kit Gay" nas escolas públicas do país

Não sou homem de abaixo-assinados. Assinei alguns, só de birra, e, em seguida, abaixei a cabeça e moitei. Toda ação comum me desestimula. Nelas não acredito. Que me apontem um abaixo-assinado que tenha funcionado no Brasil. Isso. Não tem. Pensei que deles estivesse livre.
Um veio me pegar aqui numa Londres onde apenas 35% das petições públicas chegam aos olhos e ouvidos das pessoas que decidem essas coisas – e olha que já é muito.
Nosso abaixo-assinado, e que me atingiu no meio da testa, vai logo dizendo a que veio e a quantas as coisas andam: “Somos contra o maior escândalo deste país, o KIT GAY (sic)” e é destinado à presidente da República Federativa do Brasil; Congresso Nacional do Brasil; Supremo Tribunal Federal e Assembleias Legislativas.
Quem redigiu o documento foi direto ao assunto. Lá está e limito-me a copiar: “Somos contra o maior escândalo deste país, o KIT GAY (sic). Não aceitamos que nossas crianças de 7,8,9 e 10 anos recebam esse tal de KIT GAY. Neste KIT GAY há 2 vídeos com o título Contra a Homofobia, mas na verdade nesses vídeos contém mensagens subliminares para as nossas crianças, induzindo-as à homossexualidade. Uma coisa é preconceito... Outra coisa é fazer apologia ao homossexualismo!!!”
O português é meio maroto, mas o recado é dado de bate-pronto. Na linha seguinte, o documento acusa o Kit Gay (deixaram de lado as maiúsculas escandalosas. Por quê?) de estímulo ao homossexualismo e incentivo à promiscuidade e à confusão de discernimento da criança sobre o conceito de família. Que família, “seu”? A garotada envolvida está no banheiro do colégio.
Prossegue o texto, citando como fonte não Julian Assange (que fim levou?) mas o Jornal da Câmara dos Deputados. Ao que parece, o primeiro vídeo mostra um garoto de 14 anos chamado Ricardo que, certa hora, vai ao banheiro urinar. Enquanto urina, Ricardo dá uma olhada para o lado e vê o pênis de seu amigo e se apaixona pelo garoto. Ao retornar para a sala de aula, a professora da classe chama o menino pelo seu nome (Ricardo), que é quando o mesmo cerra seus lábios, pois, segundo diz, em alto e bom som, que quer ser chamado de “Bianca”.
Algumas ponderações: Ricardo, ou “Bianca”, descobriu sua porção homossexual em questão de minutos talvez, nem mesmo chegando a buscar um nom de guerre mais original. Mais: como era o nome da professora? E do amigo cujo piu-piu mudou a vida de Ricardo/”Bianca”? Muito importante: o que havia de especial na troncha do amigo da mijadinha escolar? E ainda: terá a professora exclamado para seus botões, “Bianca! Audácia do jovem bofe!”
No outro vídeo (consta que o diretor de ambos optou pela anonimidade), duas meninas lésbicas de aproximadamente 13 anos (como é que a petição sabe? Idade de mulher ou menina engana muito) serve de exemplar para outras (colegas? Lésbicas também? Heterossexuais? Que colégio é esse?). O vídeo mostra, e não sei como, a profundidade que a língua de uma menina deve entrar na boca da outra no decorrer do que já foi chamado de “ósculo sáfico”. Ouvi em algum lugar que, se der jeito e havendo condição, o ideal é 8cm. Mas capaz de ser exagero do pessoal.
O abaixo-assinado frisa que os vídeos (ou Kit Gay) já se encontram em fase de licitação (sempre um mau sinal) para serem distribuídos em todas as escolas estaduais e municipais de todo – conforme chamam – PAÍS. E finaliza o documento: “Uma coisa é preconceito, outra coisa é APOLOGIA AO HOMOSSEXUALISMO.” (Ei, abaixo-assinado, é DO e não AO. Ninguém aí foi ao colégio? Nem para fazer pipi ao lado do amigo anônimo do Ricardinho?)
Não assinei por uma questão de princípio e de fim também. Nem o garoto nem as meninas me parecem críveis e a professora não pode ser mais incompetente. Sem falar do fato que há um questionário com 6 quesitos a serem preenchidos.
Mas tenho uma sugestão. Dar à garotada que está jogando no outro time, por sinal cada vez mais o time de cá, nomes mais apropriados, como se faz com casal de bonecas, Ken e Barbie, por aí. Poderia ser Kit Gay (o guri) e Kitty Gay.

Domingo merece poesia

Agora o braço não é mais o braço 

erguido num grito de gol.

Agora o braço é uma linha, um traço,
um rastro espelhado e brilhante.
E todas as figuras são assim:
desenhos de luz, agrupamentos de pontos,
de partículas, um quadro de impulsos,
um processamento de sinais.
E assim - dizem - recontam a vida.
Agora retiram de mim a cobertura de carne,
escorrem todo o sangue, afinam os ossos
em fios luminosos e aí estou
pelo salão, pelas casas, pelas cidades,
parecida comigo.
Um rascunho,
uma forma nebulosa feita de luz e sombra
como uma estrela. Agora eu sou uma estrela.

quarta-feira, 11 de maio de 2011

Da Série Contos Mínimos


Dia desses, me mudei para uma cidadezinha muito fria do interior de um estado do sul do meu país. Lá, além desse frio imenso e de uma forte neblina que toma as ruas da cidade, pela manhã avisto, da janela do meu escritório, uma pequena casa de madeira em que uma velha senhora, apesar de todo esse frio e de toda aquela neblina que toma as ruas dessa pequena cidade, sai, a cada manhã, com um balde em punho molhando as plantinhas de um quintal baldio atrás dessa tal casa de madeira. Um cheiro de terra molhada invade a minha lembrança. Meu coração fica do tamanho da cidade, cheio até a boca da saudade que sinto do cheiro de minha terra. Por aqui um cheiro de mato toma conta no fim dos dias de parte de minha casa. Um exílio de aromas que meu olfato não recordava. Lá o cheio é outro: são buzinas, são cores, são pessoas que invadem essa memória olfativa.

Da Série Contos Mínimos


Acordou atordoado. De cara não reconheceu o lugar no qual se encontrava. Pensando bem, nem passados alguns minutos se deu conta de onde estaria. Branco demais. Fechado demais. Muito quente. Sentiu apenas que estava em movimento. Vezinquando sentia-se jogado de um lado para o outro. Passos. Cachorro latindo. E a sensação de estar passando por um funil. Uma voz anunciou: Carteiro! E caiu fundo num ambiente ainda mais fechado. Tudo era silêncio e escuro. Ficou dias a espera de novidades. Nada aconteceu. Conclui que o destinatário não se encontrava mais naquele endereço. Nunca mais se achou.

Da Série Contos Mínimos

Por detrás da cortina os raios de sol anunciavam mais um dia.

terça-feira, 10 de maio de 2011

Da Série Contos Mínimos

Quando nossos olhos se encontravam eu achava que teria coragem suficiente para me contar. Mas a voz travava na garganta. Desejava que me soubesse nessa contramão. Eu piscava antes.

Da Série Contos Mínimos

A cada beijo em cada abraço. Em toda chegada, durante a espera. Todo o dia era apenas desejo.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

MÃE NÃO TEM FIM

Li esta crônica no blog a Tânia Aires (do Impressões de Leitura) que leu no blog do Fabricio Carpinejar.

Minha mãe não tem igual. Eu não dormia fácil de pequeno, com aquele resmungo de cólica. Minha mãe me carregava no colo, me segurava pela barriga, e não me aquietava. Recusava bico, leite, conforto espiritual. Desdenhava da cama, do móbile, do carrinho, do andador. Aflita, ela pegava o carro e me levava para passear de madrugada. Na terceira quadra, me entregava ao sono. O carro foi meu segundo ventre. Até hoje quando sento no banco de trás, eu fecho docemente as pálpebras. É o único lugar em que fico em silêncio. Não me apresentei: sou o filho preferido de minha mãe. Meus irmãos também acham que são os filhos preferidos. Ela criou todo filho como se fosse único. Para cada um separava uma cantiga de ninar e um segredo. "Não conta para ninguém, tá?", ela me alertou. Como eu não falei para meus irmãos, nem meus irmãos falaram para mim, ninguém sabe qual o segredo que é meu, qual o segredo que é deles. Vários segredos juntos formam um mistério. É um problema quando estamos reunidos. Eu acho que ela cozinhou para mim, os outros também acham. É um problema quando estamos longe. Eu acho que ela só ligou para mim, os outros também acham. Ela reclama imensamente de mim, nunca está satisfeita com o que eu faço. Penso que somente reclama de mim, reclama da família inteira na mesma proporção. Assim como divide um doce de forma igual. Assim como divide o pão em fatias gêmeas. Mãe não tem dedos, tem régua. Reclamar é sua lista de chamada. Reclamar é um jeito disfarçado de sentir saudade. No fundo, torce para que eu me distraia de uma de suas regras. Ela aponta a louça para lavar, e logo limpa a pia. Ela pede uma carona, vou me arrumar, já tomou um táxi. Nunca pede duas vezes. Ou ela é rápida demais ou eu demoro. Na verdade, ela é rápida demais e eu demoro. Mãe é gincana. É agora ou nunca. Nem invente de responder nunca para ela. Sua reclamação tem virtude, sua reclamação é um quarto privativo, reclama só para mim. Para os demais, me torna muito melhor do que sou. Não me elogia para mim porque não quer me estragar. Tem esperança de que não me estraguei. Ela vibra quando encontra algo que não fiz. Inventa necessidades para ser reconhecida. Atrás da mínima palavra, pergunta se eu a amo. Ela escreve isso com os olhos, eu leio isso em seus lábios. O que a mãe mais teme é ser esquecida. Não tem como: mãe é a memória antes da memória. É a nossa primeira amizade com o mundo. O que parece chatice é cuidado. Cuidado excessivo. Cuidado a qualquer momento. Cuidado a qualquer hora, ao atravessar a rua, ao atravessar um namoro. Para o nosso bem, repete conselhos desde a infância. Para o nosso bem. Repetir o amor é aperfeiçoá-lo. Mãe não cansa de nos buscar na escola, mesmo quando não há mais escola. Mãe não cansa de controlar nossa febre, mesmo quando não há febre. Mãe não cansa de nos perdoar, mesmo quando não há pecado. Mãe não cansa de nos esperar da festa, mesmo quando já moramos longe. Mãe se assusta por nada e se encoraja do nada. Entende que o nosso não é um sim, que o nosso sim é talvez. Avisa para pegar o último bolinho, o último bife, em seguida arruma uma marmita para o lanche da tarde. Mãe tem uma coleção de guarda-chuvas prevendo que perderemos o próximo. Está sempre com a linha encilhada na agulha e caixinha de botões a postos. Conserva nosso quarto arrumado como se houvesse uma segunda infância. Mãe passa fome no lugar do filho, passa sede no lugar do filho, passa a vida guardando lugar ao filho. Mãe é assim, um exagero incansável. Adora chorar de felicidade nos observando dormir. Minha mãe chorava quando finalmente descansava no carro. Ela sussurrou o segredo, disse que eu era seu filho favorito. Não fofoquei para meus irmãos, não pretendia machucá-los. Eles também não me contaram que eram os favoritos dela.

É O INÍCIO DE TUDO.

Da Série Contos Mínimos

Aquela cena se repetia sempre em sua memória: ele em pé sozinho na porta do hospital me esperando para contar que ela havia morrido.

Da Série Contos Mínimos

Sentou-se diante da impossibilidade de compreender o problema. Sentar-se era uma forma milenar para cair em si.

Quando a vida pública para na privada (texto)

O ator Fábio Assunção em entrevista a resvista TRIP deste mês deu declarações sobre a impossibilidade de hoje em dia se ter privacidade. Segundo ele, questões que não dizem respeito ao público, tais como, percentual de gordura, separações, doenças, acidentes passam a ser mais importantes do que a arte: 
- Uma coisa é você se colocar dentro da sua obra, se tornando parte dela. Outra é a sua vida ser colocada sobre sua obra, tomando conta dela. Esse limite hoje em dia está mal delineado. Casamentos, separações, doenças, acidentes, declarações, agressões, percentual de gordura, tudo é mais importante do que aquilo que se produz - disse ele, que completou. -  Me refiro ao fato de que hoje nem gordo você pode mais ser livremente.

Não deve mesmo ser agradável se ver estampado em capas de revistas, sendo cunsumido como um produto sem que, nesse consumo, haja quaisquer referências a seu trablho.
Não há limite entre o que possa interessar em relação à vida privada e a pública, porque tudo se vende. Tudo virou produto de consumo. E há as justificativas em torno disso, se fulano de tal expõe publicamente a sua vida privada, por que não noticiar essa exposição?
Além disso, uma parte dos artistas se vende com o propósito de ocupar esses espaços na mídia: a máxima quanto mais se vê mais lembrado parece alimentar esse tipo de mídia.
Sem falar nas assessorias de imprensa que enviam às revistas/jornais notas sobre essas (des)informações porque sobrevivem disso.


- Nossas pálpebras ainda que fechadas não conseguem mais deixar de ver aquilo que não se quer ver. Elas estão perdendo a função de limitar a fronteira do privado. Aliás, o privado está em extinção. Mas os homens não.

Não é raro programas diários comentado a roupa, a ida à praia,  o novo namorado, a traição, a saída à noite, a bofetada, os metros que devem separar determinados ex-casais. Enfim, nem se pode ser feliz ou, principalmente, sofrer em paz. 

sábado, 7 de maio de 2011

Uma alegria para sempre (Mário Quintana)

Um pouco de poesia para um sábado cheio.





As coisas que não conseguem ser
olvidadas continuam acontecendo.
Sentimo-las como da primeira vez,
sentimo-las fora do tempo,
nesse mundo do sempre onde as
datas não datam. Só no mundo do nunca
existem lápides... Que importa se –
depois de tudo – tenha "ela" partido,
casado, mudado, sumido, esquecido,
enganado, ou que quer que te haja
feito, em suma? Tiveste uma parte da
sua vida que foi só tua e, esta, ela
jamais a poderá passar de ti para ninguém.
Há bens inalienáveis, há certos momentos que,
ao contrário do que pensas,
fazem parte da tua vida presente
e não do teu passado. E abrem-se no teu
sorriso mesmo quando, deslembrado deles,
estiveres sorrindo a outras coisas.
Ah, nem queiras saber o quanto
deves à ingrata criatura...
A thing of beauty is a joy for ever
disse, há cento e muitos anos, um poeta
inglês que não conseguiu morrer.

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Na veia, Simone (CD)

O CD é de 2009, mas a aquisição se deu nesta semana, por isso falando dele apenas agora. 
Sabe aquele disco (não consigo me livrar de chamar CD de disco, ainda que seja um disco. Discos são de vinil. Não importa muito, o importante é CD para quem é de CD e vinil para quem é de vinil) que vc ouve e nesta primeira audição vc fica apaixonado por ele? Pois é, estou assim.
Ouço Simone desde Começar de Novo, não ouso lembrar de datas, sei apenas que vai tempo. Gosto demais da voz da baiana, do seu repertório, sobretudo porque ela transita muito bem entre as  baladas românticas e o samba
Este disco não é diferente. Tem boas músicas românticas, boas regravações com inovação. Eu não simpatizei apenas com uma velha música de Gonzaguinha Geraldinos e Arquibaldos. No entanto, são 12  músicas para animar, para pensar com o coração, dançar, cair no samba.
Eu destacaria Migalhas de Erasmo Carlos, Certas noites de Dé Palmeira e Adriana Calcanhotto, Bem pra você de Dé Palmeira e Marina Lima, Ame de Paulinho da Viola e Deixa eu te amar de Agepê, Ismael Camillo e Mauro Silva.
Como eu disse antes são doze músicas. Vale à pena ouvir.

Supremo reconhece união estável de homossexuais (texto)

Os ministros Ayres Britto, relator das ações sobre união homossexual, e Ricardo Lewandowski durante julgamento no Supremo (Foto: Dida Sampaio / Agência Estado) O Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu, por unanimidade, nesta quinta-feira (5) a união estável entre casais do mesmo sexo como entidade familiar. Na prática, as regras que valem para relações estáveis entre homens e mulheres serão aplicadas aos casais gays. Com a mudança, o Supremo cria um precedente que pode ser seguido pelas outras instâncias da Justiça e pela administração pública.
O presidente do Supremo, ministro Cezar Peluso, concluiu a votação pedindo ao Congresso Nacional que regulamente as consequência da decisão do STF por meio de uma lei. “O Poder Legislativo, a partir de hoje, tem que se expor e regulamentar as situações em que a aplicação da decisão da Corte seja justificada. Há, portanto, uma convocação que a decisão da Corte implica em relação ao Poder Legislativo para que assuma essa tarefa para a qual parece que até agora não se sentiu muito propensa a exercer”, afirmou Peluso.

saiba mais
De acordo com o Censo Demográfico 2010, o país tem mais de 60 mil casais homossexuais, que podem ter assegurados direitos como herança, comunhão parcial de bens, pensão alimentícia e previdenciária, licença médica, inclusão do companheiro como dependente em planos de saúde, entre outros benefícios.
Em mais de dez horas de sessão, os ministros se revezaram na defesa do direito dos homossexuais à igualdade no tratamento dado pelo estado aos seus relacionamentos afetivos. O julgamento foi iniciado nesta quarta-feira (4) para analisar duas ações sobre o tema propostas pela Procuradoria-Geral da República e pelo governo do estado do Rio de Janeiro.
Em seu voto, o ministro Ayres Britto, relator do caso, foi além dos pedidos feitos nas ações que pretendiam reconhecer a união estável homoafetiva. Baseada nesse voto, a decisão do Supremo sobre o reconhecimento da relação entre pessoas do mesmo sexo pode viabilizar inclusive o casamento civil entre gays, que é direito garantido a casais em união estável.
A diferença é que a união estável acontece sem formalidades, de forma natural, a partir da convivência do casal, e o casamento civil é um contrato jurídico formal estabelecido entre suas pessoas.
A lei, que estabelece normas para as uniões estáveis entre homens e mulheres, destaca entre os direitos e deveres do casal o respeito e a consideração mútuos, além da assistência moral e material recíproca.

Efeitos da decisãoA extensão dos efeitos da união estável aos casais gays, no entanto, não foi delimitada pelo tribunal. Durante o julgamento, o ministro Ricardo Lewandowski foi o único a fazer uma ressalva, ao afirmar que os direitos da união estável entre homem e mulher não devem ser os mesmos destinados aos homoafetivos. Um exemplo é o casamento civil.
“Entendo que uniões de pessoas do mesmo sexo, que se projetam no tempo e ostentam a marca da publicidade, devem ser reconhecidas pelo direito, pois dos fatos nasce o direito. Creio que se está diante de outra unidade familiar distinta das que caracterizam uniões estáveis heterossexuais”, disse Lewandowski.
“Não temos a capacidade de prever todas as relações concretas que demandam a aplicabilidade da nossa decisão. Vamos deixar isso para o caso a caso, nas instâncias comuns. A nossa decisão vale por si, sem precisar de legislação ou de adendos. Mas isso não é um fechar de portas para o Poder Legislativo, que é livre para dispor sobre tudo isso”, afirmou o relator do caso, ministro Ayres Britto.
Ministros do Supremo durante sessão sobre união entre homossexuais (Foto: Carlos Alberto / Imprensa STF) "Esse julgamento marcará a vida deste país e imprimirá novos rumos à causa da homossexualidade. O julgamento de hoje representa um marco histórico na caminhada da comunidade homossexual. Eu diria um ponto de partida para outras conquistas", afirmou o ministro Celso de Mello.
No primeiro dia de sessão, nove advogados de entidades participaram do julgamento. Sete delas defenderam o reconhecimento da união estável entre gays e outras duas argumentaram contra a legitimação.
A sessão foi retomada, nesta quinta, com o voto do ministro Luiz Fux. Para ele, não há razões que permitam impedir a união entre pessoas do mesmo sexo. Ele argumentou que a união estável foi criada para reconhecer “famílias espontâneas”, independente da necessidade de aprovação por um juiz ou padre.
“Onde há sociedade há o direito. Se a sociedade evolui, o direito evolui. Os homoafetivos vieram aqui pleitear uma equiparação, que fossem reconhecidos à luz da comunhão que tem e acima de tudo porque querem erigir um projeto de vida. A Suprema Corte concederá aos homoafetivos mais que um projeto de vida, um projeto de felicidade”, afirmou Fux.
“Aqueles que fazem a opção pela união homoafetiva não podem ser desigualados da maioria. As escolhas pessoais livres e legítimas são plurais na sociedade e assim terão de ser entendidas como válidas. (...) O direito existe para a vida não é a vida que existe para o direito. Contra todas as formas de preconceitos há a Constituição Federal”, afirmou a ministra Cármen Lúcia.

Preconceito
O repúdio ao preconceito e os argumentos de direito à igualdade, do princípio da dignidade humana e da garantia de liberdade fizeram parte das falas de todos os ministros do STF.
“O reconhecimento hoje pelo tribunal desses direitos responde a grupo de pessoas que durante longo tempo foram humilhadas, cujos direitos foram ignorados, cuja dignidade foi ofendida, cuja identidade foi denegada e cuja liberdade foi oprimida. As sociedades se aperfeiçoam através de inúmeros mecanismos e um deles é a atuação do Poder Judiciário”, disse a ministra Ellen Gracie.
“Estamos aqui diante de uma situação de descompasso em que o Direito não foi capaz de acompanhar as profundas mudanças sociais. Essas uniões sempre existiram e sempre existirão. O que muda é a forma como as sociedades as enxergam e vão enxergar em cada parte do mundo. Houve uma significativa mudança de paradigmas nas últimas duas décadas”, ponderou Joaquim Barbosa.
O ministro Gilmar Mendes ponderou, no entanto, que não caberia, neste momento, delimitar os direitos que seriam consequências de reconhecer a união estável entre pessoas do mesmo sexo. “As escolhas aqui são de fato dramáticas, difíceis. Me limito a reconhecer a existência dessa união, sem me pronunciar sobre outros desdobramentos”, afirmou.
Para Mendes, não reconhecer o direitos dos casais homossexuais estimula a discriminação. “O limbo jurídico inequivocamente contribui para que haja um quadro de maior discriminação, talvez contribua até mesmo para as práticas violentas de que temos noticia. É dever do estado de proteção e é dever da Corte Constitucional dar essa proteção se, de alguma forma, ela não foi engendrada ou concedida pelo órgão competente”, ponderou.

Duas ações
O plenário do STF concedeu, nesta quinta, pedidos feitos em duas ações propostas pela Procuradoria-Geral da República (PGR) e pelo governo do estado do Rio de Janeiro.
A primeira, de caráter mais amplo, pediu o reconhecimento dos direitos civis de pessoas do mesmo sexo. Na segunda, o governo do Rio queria que o regime jurídico das uniões estáveis fosse aplicado aos casais homossexuais, para que servidores do governo estadual tivessem assegurados benefícios, como previdência e auxílio saúde.
O ministro Dias Toffoli não participou do julgamento das ações. Ele se declarou impedido de votar porque, quando era advogado-geral da União, se manifestou publicamente sobre o tema.

quarta-feira, 4 de maio de 2011

Cuitelinho (música)

 
Cheguei na bera do porto
Onde as onda se espaia
As garça dá meia volta
E senta na bera da praia
E o cuitelinho não gosta
Que o botão de rosa caia ai


Ai quando eu vim de minha terra
Despedi da parentaia
Eu entrei no Mato Grosso
Dei em terras paraguaia
Lá tinha revolução
Enfrentei fortes bataia ai

A tua saudade corta
Como o aço de navaia
O coração fica aflito
Bate uma, a otra faia
E os oio se enche d'água
Que até a vista se atrapaia ai.

Vou pegar o teu retrato
vou botar numa medaia
com um vestidinho branco
e um laço de cambraia
vou pendurar no meu peito
que onde o coração trabaia.

Essa é pra Helô e pra Fátima (Viver é afinar os instrumentos).

Composição : Paulo Vanzolini / Antônio Xandó

Da série Contos mínimos

Ele se sentia culpado por sentir felicidade. Não se sentia merecedor. Era como se ficasse à vontade apenas quando alguma coisa não ia bem.