terça-feira, 31 de julho de 2012

A novela das 19h finalmente virou novela das 21h

Tava tudo bem com a novela Cheia de Charme, novela divertida, com núcleos que se revesavam na alegria, na descontração e que me alegravam enquanto eu comia alguma coisa. nada melhor nesse mundo do que vc fazer uma refeição alegre. Comer já é bom demais (essa frase seria de uma miga, Sandra Balbo) !!! Comer e se divertir é melhor ainda (em todos os sentidos!).
Era asim que eu me sentia enquanto devorava um prato de macarrão ou uma salada de bacalhau ou um pão com ovo ou uma fritada de atum ou qualquer outra coisa que eu tivesse em casa quando a fome me atormentava.
Com o início dos jogos olímpicos, dei um tempo de comer vendo a novela das 19h, mas hoje, como o vôlei masculino (Brasil vs. Rússia) acabou cedo e e haveria um grande intervalo até a próxima atração, mudei de canal e me deparo com a empregada que é filha do padrão e não sabia com um adolescente revoltado que queria saber quem era o seu pai, com a ex que encontra o seu ex com uma nova namorada e pinta um climão, o atual namorado que encontra a namorada sendo agarada por um cara que ele odeia,  ...péra aí, não era para eu me divertir??!
Mas nem tudo foi ruim, Chayene, sua personal parteira, Fabian, Preta Gil, Socorro sempre salvam o horário menos nobre da TV Globo.

segunda-feira, 30 de julho de 2012

E dizem que agosto é o mês do desgosto: mentira! Eu espero! (texto)

Dizem que agosto é o mês do desgosto. Que merda se isso for verdade!!! Porque quero me esquecer do mês de julho e não posso imaginar que em agosto as coisas possam piorar.
Hoje, por exemplo, tive duas reuniões no trabalho. A última delas sem quaisquer objetividades. Os amigos reclamam da demora, mas se esquecem de que se a cada fala alguém fizer uma observação, não saimos do lugar.
Às 16h20 estávamos ainda nas inclusões de pauta e a gota d'água no meu copo foi uma pergunta de uma amiga quando devíamos apenas indicar os nomes para uma comissão.
Deus deve mesmo se divertir com a sua criação humana ou deve, certamente, se perguntar (será que Ele tb não é objetivo?) o que foi que eu fiz? Por que eu me meti no meio disso?
É claro que a gente tb se diverte, mas, honestamente, quando a situação está ruim ela não tem meio termo: é merda para todos os lados!!!!

O Homem Mariposa (Elizabeth Bishop)

O Homem-Mariposa

Aqui no alto
o luar amassado penetra nas fendas dos prédios.
A sombra do Homem, pequena como o seu chapéu,
jaz a seus pés, um disco onde cabe um boneco,
e ele é um alfinete com a ponta imantada para a lua.
Ele não vê a lua: observa suas vastas qualidades,
sente nas mãos a luz estranha, nem quente nem fria,
de uma temperatura que os termômetros não medem.

Mas quando o Homem - Mariposa
sobe à superfície, o que só faz raramente,
a lua lhe parece coisa bem diversa. Ele
emerge de uma abertura junto ao meio-fio
e põe-se a escalar, nervoso, as faces dos prédios.
Pensa que a lua é um furo pequeno no céu,
prova de que o céu não serve como proteção.
Embora trema, tem que subir para investigar.

Sobre as fachadas,
medroso, arrastando como um pano de fotógrafo
sua sombra, e pensa que dessa vez vai conseguir
meter a cabeça naquele furo bem redondo
e sair, como de um tubo, em dobras negras na luz.
(O Homem-Mariposa tem de fazer o que mais teme,
e fracassa, é claro: cai, assustado, mas inteiro.

Então retorna
aos túneis subterrâneos onde mora. Saltita,
hesita, e sempre entra no vagão menos depressa
do que pretende. As portas fecham rápido.
Ele fica sempre de frente para o lado errado
e o trem sai a toda, com uma pressa terrível,
sem trocar marcha, sem transição alguma. Ele não sabe
a que velocidade está indo para trás.

Toda noite é levado
por túneis artificiais, e sonha sonhos recorrentes
que lhe passam sob o sono como os dormentes
sob o trem. Não ousa olhar pela janela, para não ver
o terceiro trilho, frasco intacto de veneno,
a seu lado, como um mal a que ele é suscetível
por hereditariedade. Tem de andar sempre
com as mãos nos bolsos, como quem usa um cachecol.

Se você o pegar,
aponte uma lanterna para o seu olho. É só pupila,
uma pequena noite, cujo horizonte estreito
se apreta quando ele olha, e fecha-se. Então uma só lágrima,
seu único pertence, como o ferrão da abelha, brota.
Discreto, ele a colhe e, se você se distrair,
engole. Mas se você olhar, ele a entrega,
fresca como água de fonte, potável de tão pura.



O Iceberg Imaginário
trad. Paulo Henriques Britto

A arte de perder (Elizabeth Bishop)

Uma arte

A arte de perder não tarda aprender;
tantas coisas parecem feitas com o molde
da perda que o perdê-las não traz desastre.

Perca algo a cada dia. Aceita o susto
de perder chaves, e a hora passada embalde.
A arte de perder não tarda aprender.

Pratica perder mais rápido mil coisas mais:
lugares, nomes, onde pensaste de férias
ir. Nenhuma perda trará desastre.

Perdi o relógio de minha mãe. A última,
ou a penúltima, de minhas casas queridas
foi-se. Não tarda aprender, a arte de perder.

Perdi duas cidades, eram deliciosas. E,
pior, alguns reinos que tive, dois rios, um
continente. Sinto sua falta, nenhum desastre.
- Mesmo perder-te a ti (a voz que ria, um ente
amado), mentir não posso. É evidente:
a arte de perder muito não tarda aprender,
embora a perda - escreva tudo! - lembre desastre.


Tradução de Horácio Costa.

sábado, 28 de julho de 2012

Londres 2012

Êba, jogos olímpicos!!! Por mim, 24h ligado em todos os jogos. Claro que mais em uns que noutros, mas ligado. Hoje, judô, vôlei de praia, vôlei de quadra, natação, ansiedade, medalhas...
E sem falar que tudo isso na Inglaterra...abertura muito bonita...atletas...bandeiras...entradas.

sexta-feira, 27 de julho de 2012

Transplante de células-tronco pode ter curado dois homens com HIV (texto)


Um estudo divulgado em Washington nesta semana, durante a 19ª Conferência Internacional da Aids, afirma que dois homens com HIV não apresentaram sinais do vírus no período de oito e 17 meses, respectivamente, depois de receber transplantes de células-tronco devido a uma leucemia.
A pesquisa feita por Daniel Kuritzkes, professor de medicina do Hospital Brigham and Women, em Massachusetts, traz a possibilidade de que os dois homens estejam livres do HIV.
Os pacientes receberam transplantes de medula de doadores com receptor CCR5, mas segundo os pesquisadores, a manutenção do tratamento com antirretrovirais durante o processo impediu que as células doadas fossem infectadas e permitiu que proporcionassem aos pacientes novas defesas imunitárias.
Os dois casos são diferentes do famoso "paciente de Berlim", o americano Timothy Brown, que se considera curado do HIV e da leucemia após receber um transplante de médula óssea de um raro doador que possuía resistência natural ao HIV (sem receptor CCR5, que age como porta de entrada do vírus nas células).

Tratamento experimental
Brown, 47 anos, um ex- HIV positivo de Seattle, nos EUA, ficou famoso depois de passar por um novo tratamento de leucemia com células-tronco de um doador resistente ao HIV e desde então não apresenta traços do vírus.
Depois de 2007, Brown passou por dois transplantes de alto risco de medula óssea e seus testes continuam a indicar negativo para o HIV, impressionando os pesquisadores e oferecendo perspectivas promissoras sobre como a terapia genética pode levar à cura da doença.
"Eu sou a prova viva de que pode haver uma cura para a Aids", disse Brown em uma entrevista. "É maravilhoso estar curado do HIV". Brown parecia frágil quando se reuniu com jornalistas durante a XIX Conferência Internacional sobre a Aids, o maior encontro mundial sobre a pandemia, realizada durante esta semana na capital americana.

O transplante de medula óssea é delicado e um a cada cinco pacientes não sobrevive. Mas Brown afirma que apenas sente dores de cabeça ocasionais. Também disse estar consciente de que sua condição gerou polêmica, mas negou as afirmações de alguns cientistas que acreditam que ele pode ter traços de HIV no corpo e que pode contaminar outros. "Sim, estou curado", declarou. "Sou HIV negativo".

Prazo de vida
Brown estudava em Berlim quando descobriu ser HIV positivo, em 1995. Na época, deram-lhe dois anos de vida. Contudo, um ano depois, apareceu no mercado a terapia antirretroviral combinada, que fez com que o HIV deixasse de ser uma sentença de morte e passasse a uma doença controlável por milhões de pessoas em todo o mundo.
Brown tolerou bem as drogas, mas com fadiga persistente visitou um médico em 2006 e foi diagnosticado com leucemia. Passou por quimioterapia, o que lhe causou uma pneumonia e uma infecção que quase o matou.
A leucemia voltou em 2007 e seu médico, Gero Heutter, cogitou um transplante de medula óssea com um doador que tinha uma mutação do receptor CCR5. Pessoas sem este receptor parecem ser resistentes ao HIV, porque não têm a porta através da qual o vírus entra nas células. Mas essas pessoas são raras: cerca de 1% da população do norte da Europa.
A nova técnica pode ser uma tentativa para curar o câncer e o HIV, ao mesmo tempo.
Brown foi submetido a um transplante de medula óssea com células-tronco de um doador com a mutação CCR5. Ao mesmo tempo, parou de tomar antirretrovirais. No fim do tratamento o HIV não foi mais identificado em Brown. Mas sua leucemia retornou, e por isso foi submetido a um segundo transplante de medula em 2008, utilizando as células do mesmo doador.
Brown afirmou que sua recuperação da segunda cirurgia foi mais complicada e o deixou com alguns problemas neurológicos, mas continua curado da leucemia e do VIH. Quando perguntam se acredita em um milagre, Brown hesita. "É difícil dizer. Depende de suas crenças religiosas, se você quer acreditar que foi a ciência médica ou que se trata uma intervenção divina", disse. "Eu diria que é um pouco dos dois".

*Com informações da France Presse

Navegar impreciso

hhttp://www. O que mudou depois de 14 anos de web? Fiquei hoje pensando sobre todas as mudanças proporcionadas com a chegada da internet aqui no Brasil (na minha casa, no meu celular). A onipresença da rede no nosso dia a dia: compras, trabalho, relacionamentos, educação, entretenimento, informação e tantas outras interferências diretas e indiretas.
Esta semana, encontrei um endereço de um professor da Universidade de Lisboa, enviei um email para ele e pronto: aquela distância impossível que nos separava de todo o resto do mundo não existe mais.
Claro que não é tudo sempre assim, fácil, rápido, ao lado e ao alcance da ponta do dedo. Não mesmo. O acesso ainda é restrito, para poucos. A acessibilidade não é democrática (aquela mesma história da tv digital: para todos desde que se tenha uma tv, uma antena, um decodificador etc. etc. etc.). Sabemos todos que ainda existem muitos excluídos desse processo.
No entanto, não dá para pensar mais, não pelo menos no meu dia a dia, em viver sem ela: meu trabalho seria quase impossível sem a rede de alcance mundial (World Wide Web = WWW), sem o HTTP (HyperText Transfer Protocol - Protocolo de Transferência de Hipertexto), sem essa telinha mágica que nos transporta e nos informa com a agilidade de um tempo que não dá às vezes para medir.
"De jangada leva uma eternidade, de saveiro leva uma encarnação", pela rede apenas um toque e estamos em qualquer lugar. O mundo não é grande, ele cabe dentro de megabytes. E toda a distância é mínima diante das possibilidades da rede mundial de computadores.

quinta-feira, 19 de julho de 2012

7 vidas (texto)

Dizem que gatos têm sete vidas, o meu não teve nem umazinha pra contar história. Cinco meses apenas, um outono e meio inverno, e lá se foi o Duscha, pro céu dos gatos, se é que gatos têm céu. 
Viajei e nem bem tinha chegado e já fiquei sabendo que o gato morreu, diferentemente daquele que atiraram tantas vezes o pau e ele continuou vivinho da silva.
Fazer o quê? Gatos, como homens, também morrem e sabe-se lá quando. Hoje bateu uma saudadezinha dele: correndo feito um louco pela casa, se escondendo para quando eu passasse ele pular sobre o meu calcanhar com um mordida ou as suas insistências para ficar no meu colo enquanto eu digitava (às vezes quieto dormindo, noutras tantas querendo pegar os meus dedos, mordendo o mouse etc.). 
Todo o movimento para ele era brincadeira. Nada lhe era indiferente: a própria sombra, a bolinha de papel, qualquer pedaço de qualquer coisa, as bolinhas do pet, o ratinho de borracha, os sininhos, a luz do laser.
Ele me irritava muito. Nem conto o quanto: toda manhã arranhava a porta do meu quarto para entrar ou se eu estava conzinhando  ele pulava sobre a mesa. Queria enforcar o gato.
Ele tb me fazia rir, muito: era eu tentar arrumar a cama e ele pular sobre as cobertas, se eu pegava a vassoura tava lá ele pronto para me atrapalhar. Não havia pano que ele não puxasse pela casa e nem galho que ele não quisesse comer ou brincar com as patinhas.
Sempre que eu chegava do trabalho eu o pegava no colo e fazia uns carinhos, ele ficava todo espichado nos meus braços. Fiz do gato gato e sapato. Quem sabe ele não foi feliz... eu fui.

domingo, 8 de julho de 2012

Imagens em movimento


A cura gay (Contardo Calligaris)


   Em 1980, a homossexualidade sumiu do "Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais". Em 1990, ela foi retirada da lista de doenças da Organização Mundial da Saúde.
Médicos, psiquiatras e psicólogos não podem oferecer uma cura para uma condição que, em suas disciplinas, não é uma doença, nem um distúrbio, nem um transtorno. Isso foi lembrado por Humberto Verona, presidente do Conselho Federal de Psicologia, numa entrevista à Folha de 29 de junho.
No entanto, o deputado João Campos (PSDB-GO), da bancada evangélica, pede que, por decreto legislativo, os psicólogos sejam autorizados a "curar" os homossexuais que desejem se livrar de sua homossexualidade.
Um pressuposto desse pedido é a ideia de que os psicólogos saberiam como mudar a orientação sexual de alguém (transformá-lo de hétero em homossexual e vice-versa), mas seriam impedidos de exercer essa arte - por razões ideológicas, morais, politicamente corretas etc.
Ora, no estado atual de suas disciplinas, mesmo se eles quisessem, psicólogos e psiquiatras não saberiam modificar a orientação sexual de alguém --tampouco, aliás, eles saberiam modificar a "fantasia sexual" de alguém (ou seja, o cenário, consciente ou inconsciente, com o qual ele alimenta seu desejo).
Claro, ao longo de uma terapia, alguém pode conseguir conviver melhor com seu próprio desejo, mas sem mudar fundamentalmente sua orientação e sua fantasia.
Por via química ou cirúrgica (administração de hormônios ou castração real --todos os horrores já foram tentados), consegue-se diminuir o interesse de alguém na vida sexual em geral, mas não afastá-lo de sua orientação ou de sua fantasia, que permanecem as mesmas, embora impedidas de serem atuadas. A terapia pela palavra (psicodinâmica ou comportamental que seja) tampouco permite mudar radicalmente a orientação ou a fantasia de alguém.
O que acontece, perguntará João Campos, nos casos de homossexualidade com a qual o próprio indivíduo não concorda? Posso ser homossexual e não querer isso para mim: será que ninguém me ajudará?
Sim, é possível curar o sofrimento de quem discorda de sua própria sexualidade (é a dita egodistonia), mas o alívio é no sentido de permitir que o indivíduo aceite sua sexualidade e pare de se condenar e de tentar se reprimir além da conta.
Por exemplo, se eu não concordo com minha homossexualidade (porque ela faz a infelicidade de meus pais, porque sou discriminado por causa dela, porque sou evangélico ou católico), não posso mudar minha orientação para aliviar meu sofrimento, mas posso, isso sim, mudar o ambiente no qual eu vivo e as ideias, conscientes ou inconscientes, que me levam a não admitir minha orientação sexual.
Campos preferiria outro caminho: o terapeuta deveria fortalecer as ideias que, de dentro do paciente, opõem-se à homossexualidade dele. Mas o desejo sexual humano é teimoso: uma psicoterapia que vise reforçar os argumentos (internos ou externos) pelos quais o indivíduo se opõe à sua própria fantasia ou orientação não consegue mudança alguma, mas apenas acirra a contradição da qual o indivíduo sofre. Conclusão, o paciente acaba vivendo na culpa de estar se traindo sempre --traindo quer seja seu desejo, quer seja os princípios em nome dos quais ele queria e não consegue reprimir seu desejo.
Isso vale também e especialmente em casos extremos, em que é absolutamente necessário que o indivíduo controle seu desejo. Se eu fosse terapeuta no Irã, para ajudar meus pacientes homossexuais a evitar a forca, eu não os encorajaria a reprimir seu desejo (que sempre explodiria na hora e do jeito mais perigosos), mas tentaria levá-los, ao contrário, a aceitar seu desejo, primeiro passo para eles conseguirem vivê-lo às escondidas.
O mesmo vale para os indivíduos que são animados por fantasias que a nossa lei reprova e pune. Prometer-lhes uma mudança de fantasia só significa expô-los (e expor a comunidade) a suas recidivas incontroláveis. Levá-los a reconhecer a fantasia da qual eles não têm como se desfazer é o jeito para que eles consigam, eventualmente, controlar seus atos.
Agora, não entendo por que João Campos precisa recorrer à psicologia ou à psiquiatria para prometer sua "cura" da homossexualidade. Ele poderia criar e nomear seus especialistas; que tal "psicopompos"? Ou, então, não é melhor mesmo "exorcistas"?

*Folha de São Paulo, quinta-feira, 05 de julho de 2012 - Ilustrada.

Um "ao vivo" mais para morto (Texto)

Faz mais de um mês a TV Globo anuncia a transmissão ao vivo da luta entre Anderson Silva e Chael Sonnen (UFC 148). Se fosse apenas o anúncio não seria tão grave/sério, se nos avisassem, por exemplo, que não tinha sido possível a tal transmissão por conta disso ou daquilo, mas o cúmulo do desrespeito é transmitir uma luta duas horas depois de acontecida em Las Vegas como se fosse ao vivo.
Galvão Bueno tem o descaramento (é claro que a imoralidade faz parte de toda a mutretagem da emissora) de a cada volta do intervalo de anunciar um "voltamos ao vivo". Eles sabem que não se trata de uma transmissão em tempo real, mas comportam-se como se fosse.
Sei que alguns podem dizer: Por que não se vê a luta em outra emissora? Porque a Rede Globo comprou os direitos de exclusividade das transmissões do UFC e assim impede que outra emissora possa transmitir essas imagens.

sábado, 7 de julho de 2012

Ausência (Vinícius de Moraes e Marília Medalha)


Ausência

Vinicius de Moraes , Marília Medalha

Deixa secar no meu rosto
Esse pranto de amor que a presença desatou
Deixa passar o desgosto
Esse gosto da ausência que me restou
Eu tinha feito da saudade
A minha amiga mais constante
E ela a cada instante
Me pedia pra esperar

E foi tudo o que eu fiz, te esperei tanto
Tão sozinha no meu canto
Tendo apenas o meu canto pra cantar
Por isso deixa que o meu pensamento
Ainda lembre um momento a saudade que eu vivi
A tua imagem fiel
Que hoje volta ao meu lado
E que eu sinto que perdi