quinta-feira, 31 de julho de 2014

Saudade desse meu canto

Meu último mês em Portugal: a contagem é regressiva e em algumas semanas estarei de volto ao Brasil. Ando tão ansioso que estou com quase tudo pronto. E não é exagero, tenho apenas algumas roupas fora de malas porque não dá para andar nu por aqui. 
Hoje, fiz mais uma pequena arrumação para descartar as coisas que não serão mais úteis, além de mais uma revisão geral na papelada para encontrar coisas descartáveis que foram ficando por aqui por acreditar que eu iria usar, precisar, consertar etc.
Sei que a volta tb não vai ser muito fácil porque ela significa necessariamente retornar ao trabalho e encarar coisas as quais praticamente deixei de lado durante este ano: principalmente os problemas e gente que não faz falta alguma. Por outro lado, voltar à universidade tb significa encontrar muitos amigos e isso é sem qualquer dúvida importantíssimo porque a saudade é grande demais.
Vou sentir saudades daqui: seu Manuel, a Ana e D. Almerinda, a comidinha saborosa de todos os dias e aquele tratamento carinhoso de quem foi adotado por esses novos amigos portugueses. Além deles, um montão de gente que entrou na minha vida pela porta da frente do meu coração e que vou sentir falta: Irene, Manuel, Giorgia, Milton, Priscila (que ficam por aqui), Giuliano, Ismael, Ana, Roberta, Karen, Cacau (que terei mais chances de reencontrar num futuro próximo, no Brasil). Meu coração vai cheio de saudades de todos vocês.
E tb cheio de vontade de chegar para rever meus amigos, meu padrasto, meu cachorro, minha cidade, minha casa. Que saudade desse meu canto.

terça-feira, 29 de julho de 2014

terça-feira, 22 de julho de 2014

Grupo de Trabalho 9 - Discurso de Diversidade



GT 9 - DISCURSO E DIVERSIDADE

Este GT se propõe apresentar e debater questões afetas aos discursos sobre a diversidade sexual, diversidade de gênero e diversidade étnica. Como o discurso contemporâneo nomeia a alteridade? Se todas as práticas sociais e todas as práticas pedagógicas são interpeladas por discursos produzidos e produtores de significados que animam a cultura e o imaginário social, muito mais do que saber quem é o sujeito discursivo, torna-se imprescindível discutir qual a correlação de forças que o discurso circulante constrói. Nesse sentido, os discursos e as sua representações imaginárias acerca da diversidade sexual, diversidade de gênero e diversidade étnica, expõem as correlações de forças da luta de classe, ou apenas recobrem com uma retórica elegante e bem comportada velhas formas de opressão e de exclusão?

Existe tarde que deveria virar logo noite.


domingo, 20 de julho de 2014

Planeta dos Macacos - A Revolta

Bem, pra falar de A Revolta, falo da Série de TV dos anos 1970:  O Planeta dos macacos, cujos episódios eu acompanhava atentamente. Gostava demais apesar de já entender, aos nove anos, que aquilo não podia ser verdade. Era diversão e ficção.
Era fã da cientista Zira (quem não seria?) que se apaixonava pelo humano que acabou pousando num planeta dominado por macacos. Zira era um humano, apesar de sua aparência, e reproduzia todo estereótipo da mulher sensível e apaixonada.
Não há nada em comum entre os filmes dos anos 2000 e a Série. A tecnologia transformou não apenas as aparências mas as atitudes dos primatas quase humanos. Tinha naqueles idos anos um romantismo pairando sobre eles. E mesmo o assustador (seria hoje?) general Urko, o anti-herói, não era capaz das maldades tão humanas atribuídas aos macacos nos filmes posteriores. Além disso, os filmes não deram continuidade às ideias apresentadas pela Série: teriam sempre os macacos dominado o mundo?
Eu vi A Revolta ontem e achei divertido apesar de óbvio: sabe-se desde o início o passo a passo usado para produzir tb este longa.

sábado, 19 de julho de 2014

Da Série se encontra aonde não se busca

Hoje, mais uma vez, ouvi de alguém que conheço tão pouco e tão pouca intimidade tenho conselhos que vou levar para a minha vida. Não vou aqui, por motivos pessoais, escrever sobre eles (os conselhos), mas preciso documentar já que esse blog tb funciona como um diário que: 1) a vida é mesmo surpreendente; 2) a gente não ouve com clareza mesmo sabendo que precisa ouvir o que a gente já sabe; 3) nem sempre idade tem a ver com experiência; 4) sabedoria não tem nada a ver com escolarização; 5) o mundo é verdadeiramente pequeno; 6) estamos todos conectados, i.e., um dia a gente se esbarra. O ponto final é apenas para marcar uma pausa.
Tem uma poesia de Quintana que me é muito cara porque me remete aos tempos de adolescência, quando ganhei de um amigo um livro desse autor:

Uma alegria para sempre 

As coisas que não conseguem ser 
olvidadas continuam acontecendo. 
Sentimo-las como da primeira vez, 
sentimo-las fora do tempo, 
nesse mundo do sempre onde as 
datas não datam. Só no mundo do nunca 
existem lápides... Que importa se – 
depois de tudo – tenha "ela" partido, 
casado, mudado, sumido, esquecido, 
enganado, ou que quer que te haja 
feito, em suma? Tiveste uma parte da 
sua vida que foi só tua e, esta, ela 
jamais a poderá passar de ti para ninguém. 
Há bens inalienáveis, há certos momentos que, 
ao contrário do que pensas, 
fazem parte da tua vida presente 
e não do teu passado. E abrem-se no teu 
sorriso mesmo quando, deslembrado deles, 
estiveres sorrindo a outras coisas. 
Ah, nem queiras saber o quanto 
deves à ingrata criatura... 
A thing of beauty is a joy for ever 
disse, há cento e muitos anos, um poeta 
inglês que não conseguiu morrer."

quinta-feira, 17 de julho de 2014

Não são as respostas que movem o mundo, são as perguntas...

Aí vc se pergunta, por quê? Pra quê? Qual o motivo disso e daquilo? E pensa muito sobre isso, pensa tanto que lá se vão quase 50 anos. Vai buscando respostas nos caminhos mais tortuosos porque supõe que elas só poderão estar lá. Onde mais poderiam estar As respostas para as suas dúvidas sobre todos os porquês?
Bem, aí, um novo grande amigo comenta uma foto sua e diz assim: "Vamos sentir muita saudade, espero ver amanhã você para tomar alguma coisa." E aí vc (re)pensa assim que isso tudo vale muito porque não estamos sozinhos.
E é isso: não são as respostas que movem o mundo

Não faz dez minutos e...

Não faz dez minutos que mudei a minha fotografia no Facebook, na verdade, não foi uma troca, acrescentei apenas uma barra, na qual aparece, em letras brancas numa faixa vermelha, Dilma 13, e já recebi alguns inbox de amigos comentando a troca: o mais engraçado foi - "Só podia mesmo estar morando no exterior, sabe nada sobre o que está acontecendo por aqui." 
Todos, me pareceu, são favoráveis à campanha do PSDB, atual oposição a esta candidata. Mas nenhum deles assume estar apoiando o candidato desse partido. Não vi ninguém com fotos, nenhuma barra com o nome do candidato etc.
Acho que, em geral, quem apoia o PSDB tem um pouco de vergonha de dar a sua cara a tapa, de mostrar quem é verdadeiramente o seu candidato. Ficam sempre inbox, quase sempre vivem nas sombras vigiando quem assume uma posição.
As únicas declarações que eles dão são para criticar o atual governo, mas não apresentam quaisquer motivos que justifiquem seus votos: o motivo sempre é o mesmo ou gira em torno do  lugar comum "Fora PT!". Tentam relacionar o PT com o comunismo, com Cuba, com corrupção: nem se envergonham de tamanha ignorância.
Não estou dizendo que não tenho críticas ao governo Dilma. Tenho muitas, tantas que não caberiam aqui neste post. Mas sei o que é ser governado pelo PSDB, conheço o atual candidato e sei do que ele é (in)capaz, por isso não voto, sem amarrado. 
Sei por isso como foi a transição do PSDB para o PT no governo do país, sei o que foi feito e, por enquanto, aposto nessa transformação.
Bem, a foto é gerenciada por mim, pertence ao meu perfil. Eu decido qual coloco, quando uso, porque uso esta e não outra. Não preciso de autorização de ninguém e muito menos de aprovação dos meus amigos da rede social. Cada um sabe (a)onde o sapato aperta.

terça-feira, 15 de julho de 2014

Mistérios (Joyce)



Um fogo queimou dentro de mim
Que não tem mais jeito de se apagar
Nem mesmo com toda água do mar
Preciso aprender os mistérios do fogo pra te incendiar
Um rio passou dentro de mim
Que eu não tive jeito de atravessar
Preciso um navio pra me levar
Preciso aprender os mistérios do rio pra te navegar
Vida breve, natureza
Quem mandou, coração?
Um vento bateu dentro de mim
Que eu não tive jeito de segurar
A vida passou pra me carregar
Preciso aprender os mistérios do mundo pra te ensinar

Quanta saudade.

Hoje eu precisava ligar para D. Helô para conversar um pouquinho que fosse, dizer a ela apenas que não ando lá muito bem e ela, certamente, me diria qualquer coisa para me fazer rir. Depois, diria que anda tb com saudades e que não vê a hora de estarmos juntos. Não vejo a hora de estarmos juntos outra vez.

Da Série Contos Mínimos

Desde cedo ele soube que chega o instante em que a emoção vai tomando conta de tudo: é como o leite que ferve. E a gente transborda.

Onde a gente menos espera...

Quase sempre é assim, a gente encontra onde não procura e onde procura quase nunca acha. Eu ando ansioso com a volta, com um tanto de coisas que preciso fazer aqui e no retorno ao Brasil:  além das coisas pessoais, os relatório do Programa de Licenciaturas Internacionais, prestação de contas deste projeto, relatório para a Capes, além de dar conta dos alunos que precisam terminar a dissertação tão logo eu chegue em Cascavel, etc. e etc. e etc.
Aí, inda agora, enquanto eu almoçava, a Ana, uma amiga que fiz aqui e que trabalha no tal restaurante, "percebeu" que eu não andava muito alegre e começou a me dizer coisas que, em geral, ela não diria, nunca disse, pelo menos. Não me aguentei. Tentei me controlar mas fiquei muito emocionado.
A vida é desse jeito, a gente quando está indo embora de algum lugar vai deixando um rastro de carinho, de amizade, de portas abertas, de vontade de carregar todo mundo junto na mala (e carrega, de algum modo). Foi assim quando saí do Brasil e pelo jeito vai ser assim quando eu voltar para casa.
Eu sei que tudo tem prazo de validade: mesmo a gente não é pra sempre, mas eu sei que existe algum lugar em que tudo isso fica guardado: a gratidão, esse carinho que se recebe, o abraço dos amigos, o olhar, uma mão que desliza no nosso braço nos dizendo "não fique assim não... isso tb vai passar..."
Esse reservatório anda cheio, muito cheio porque já fui embora tantas vezes e tantas vezes recomecei. Não é medo de recomeçar: não tenho medo dessa vida, já encarei tanta coisa sozinho. É só a sensação de que tudo é um círculo.
Sou feito de água e ela transborda sempre.

Vange Leonel (São Paulo, 4 de maio de 1963 — 14 de julho de 2014)


“Não gosto de despedidas. Ainda que me alivie pensar que os ciclos se fecham, e realmente desejo e espero que seja assim, despedidas formais me deixam constrangida. Adoraria escrever um texto de encerramento como se fosse uma simples coluna de meio de temporada. Mas é impossível: tenho que fechar o ciclo”. (Vange Leonel)

segunda-feira, 14 de julho de 2014

A Tarde (Francis Hime)



Quando estou sozinha no meu canto,
Penso muito nas pessoas,
Penso muito nos seus cantos,
Penso quanto foi difícil para cada um falar,
E sinto o coração se confortar,
E fico por um tempo meio assim,
E penso em sentimentos meus,
E penso em sentimentos

Quantos edifícios,
Tantas casas,
Tanta gente dentro,
Como será?
Que sonhos terão?
Será tudo em vão?
Eu juro que não...
E os morros vão ficando azuis
Sobre essa cidade

Sobre essa cidade,
Eu já estou pronta
Pra viver a minha idade,
Pra entender a liberdade,
Pra contar pros nossos filhos
Uma história de amor...
E até quem sabe pra fazer amor,
E é bem capaz de gente ser assim...
E a tarde vai caindo em mim,
Sobre essa cidade,
E eu fico pensando assim

E a tarde vai caindo em mim,
Sobre essa cidade,
E eu fico pensando assim

No galho do manacá (Vinícius Cantuária)


Ludo real (Chico Buarque e Vinícius Cantuária)



Que nobreza você tem
Que seus lábios são reais
Que seus olhos vão além
Que uma noite faz o bem
E nunca mais

Que salta de sonho em sonho
E não quebra telha
Que passa através do amor
E não se atrapalha
Que cruza o rio
E não se molha

Ê, ê, ê andaia
A lua ê, a lua ê
andaia

Contato Imediato (Arnaldo Antunes)



Peço por favor
Se alguém de longe me escutar
Que venha aqui pra me buscar
Me leve para passear

No seu disco voador
Como um enorme carrossel
Atravessando o azul do céu
Até pousar no meu quintal

Se o pensamento duvidar
Todos os meus poros vão dizer
Estou pronto para embarcar
Sem me preocupar e sem temer

Vem me levar
Para um lugar
Longe daqui
Livre para navegar
No espaço sideral
Porque sei que sou

Semelhante de você
Diferente de você
Passageiro de você
À espera de você

No seu balão de são joão
Que caia bem na minha mão
Ou numa pipa de papel
Me leve para além do céu

Se o coração disparar
Quando eu levantar os pés do chão
A imensidão vai me abraçar
E acalmar a minha pulsação

Longe de mim
Solto no ar
Dentro do amor
Livre para navegar
Indo para onde for
O seu disco voador

Tenho dó das Estrelas (Fernando Pessoa)


Tenho Dó das Estrelas

Tenho dó das estrelas
Luzindo há tanto tempo,
Há tanto tempo…
Tenho dó delas.

Não haverá um cansaço
Das coisas,
De todas as coisas
Como das pernas ou de um braço?

Um cansaço de existir,
De ser,
Só de ser,
O ser triste brilhar ou sorrir…

Não haverá, enfim,
Para as coisas que são,
Não morte, mas sim
Uma outra espécie de fim,
Ou uma grande razão –
Qualquer coisa assim
Como um perdão?

É realmente Fantástico!

Bem, que eu assisto a programação da Rede Globo aqui em Portugal não é nenhuma novidade: assisto as séries Pé na cova e Tapas e Beijos, além do Jornal Nacional e, vezinquando, o Fantástico
Hoje, pela manhã, vi este programa pela internet e constatei mais uma vez que a qualidade, a criatividade, as inovações jornalísticas, as notícias veiculadas merecem nota -345. (ISSO MESMO = MENOS TREZENTOS E QUARENTA E CINCO).
Primeiro, o que me incomodou foi a insistência no placar de 7 x 1 do jogo da Alemanha contra o Brasil. Os jornalistas diziam o tempo todo que "os brasileiros não conseguiam se esquecer desse placar".
Se depender do Fantástico, os brasileiros não vão se esquecer mesmo porque isso foi dito, pelo menos, 9 vezes durante todo o programa. Fiquei exausto de tanto ser obrigado a relembrar este episódio. Tínhamos passado pela Holanda, MAS os brasileiros não podiam se esquecer do 7 x 1 contra a Alemanha. Pelo amor de deus!
Aí quando eu pensei que eles iam passar para outro assunto, outra vez fizeram uma retrospectiva dos jogos do Brasil para...mais uma vez falar do 7 x 1 contra a Alemanha.
Depois disso, mais algumas vezes o 7 x 1 contra a Alemanha: brincadeiras na internet, comentários dos torcedores, comentário de comentaristas esportivos, outra vez os apresentadores, algumas imagens. #PQP
O que restou do programa de ontem, apenas a matéria do médico brasileiro que ajudou o menino africano: gostei demais dele, da sua família, da sua emoção, da sua atitude. Pronto.
E aí, para finalizar, que tal mais uma vez o 7x 1 contra a Alemanha?

domingo, 13 de julho de 2014

Da Série Contos Mínimos

Sem saber direito para onde ir, resolveu arriscar: colocou três nomes em um pequeno pedaço de papel, embrulhou cuidadosamente cada um, segurou-os na palma da mão, fechou os olhos e definiu assim a sua última viagem.

sábado, 12 de julho de 2014

Tocando em frente (Almir Sater)

Ando devagar
Porque já tive pressa


E levo esse sorriso


Porque já chorei demais


Hoje me sinto mais forte
Mais feliz, quem sabe
Só levo a certeza
De que muito pouco sei
Ou nada sei
Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir
Penso que cumprir a vida
Seja simplesmente
Compreender a marcha
E ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro
Levando a boiada
Eu vou tocando os dias
Pela longa estrada, eu vou
Estrada eu sou
Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir
Todo mundo ama um dia
Todo mundo chora
Um dia a gente chega
E no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz
Conhecer as manhas
E as manhãs
O sabor das massas
E das maçãs
É preciso amor
Pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir
Ando devagar
Porque já tive pressa
E levo esse sorriso
Porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si
Carrega o dom de ser capaz
E ser feliz.


sexta-feira, 11 de julho de 2014

Da Série Contos Mínimos

O ritual de se sentar, abrir o computador e ficar na expectativa de alguma novidade, alguma mensagem que não viria, que nunca viria, o satisfazia por uns instantes.

quinta-feira, 10 de julho de 2014

Da Série Contos Mínimos

Abriu a porta e enquanto observava o passado deslembrou de um tempo triste e viveu feliz para sempre.

Uma grande capacidade de se reinventar

Bem, começar a escrever, pra mim, pelo menos, não é fácil, mesmo quando a escrita é para este blog. O "mesmo" significa que a escrita para o blog sempre é a partir do prazer e nunca da obrigação. Não que eu escreva para algum lugar a partir de alguma obrigação (sempre escrevo sobre o que eu gosto), mas é que a atenção, o rigor, quando o texto é acadêmico, tem que ser outro.
Tenho lido e ouvido, aqui em Portugal, muitos comentários sobre o futebol ser o que identifica o povo brasileiro e acho isso uma bobagem sem tamanho. Tenho ouvido esses comentários tb de outros lugares, não apenas de Portugal, mas a partir daqui.
Não estou dizendo que este esporte não contribua tb para nos identificar como um povo. Contribui sim. O brasileiro, de uma forma geral, gosta de futebol. Claro que estou me referindo ao imaginário construído sobre nós. De qualquer forma, este esporte está muito presente no nosso dia a dia: basta entender a mobilização que acontece quando dos campeonatos estaduais, nacional e quando das copas internacionais.
Mas dizer que vamos sofrer ainda por muito tempo porque a seleção brasileira perdeu por 7 x 1 para a Alemanha e que a "alegria" do brasileiro tem relação íntima com os jogos, é um pouco demais para os meus ouvidos.
O brasileiro tem uma vida além do futebol: tem no seu dia a dia preocupações que vão além de um estádio lotado. O brasileiro trabalha, tem família, se não tem inventa,  estuda, enfrenta transportes e rodovias sem quaisquer condições de uso, tem outros focos além do carnaval e do futebol. Só diz que o carnaval é a alma do povo brasileiro quem não conhece algumas cidades do sul do Brasil.
Ninguém vai sofrer mais do que devia por conta de um 7 x 1 para a Alemanha. Quando a copa acabar tem eleições, tem a vida que continua igualzinha, isto mesmo, igualzinha como era antes da Copa.
Bem, a copa foi um sucesso, apesar da mídia, dos políticos, de uma gente que apostou num colapso. O brasileiro recebeu/recebe bem quem vem de fora: essa recepção tem ritmo, tem alegria, tem riso, tem paquera, tem sol, apesar do inverno, tem praias lindas, tem paisagens absurdamente grandiosas, lugares de tirar o fôlego de qualquer um que goste de natureza. O Brasil não é a Suíça. O brasileiro não é o francês. Somos o que somos. 
Nos divertimos com os jogos. Eu continuo me divertindo aqui e continuarei até a final, domingo, dia 13. Ele dá alegria sim, mas para os alemães, para os italianos, para os espanhóis, para os argentinos, para muitas nações e povos além de nós brasileiros.
O futebol faz parte sim, mas somos muito mais do que isso. E temos uma grande capacidade de nos reinventar. Bem, era isso que eu queria dizer.

domingo, 6 de julho de 2014

O Homem duplicado

Eu já disse aqui mais de uma vez que nao iria mais fazer nenhum comentário sobre filmes, porque isso e aquilo, e mais uma vez não cumpro com a minha palavra.
O motivo é apenas um: tem blogs especializados nisso, além de pessoas com muito mais competência que eu para fazer crítica.
Bem, agora que iniciei, vamos adiante. hoje assisti ao Homem Duplicado e fiquei com uma vontade de entender o filme quando ele acabou. Me pareceu, ainda que eu tenha gostado da adaptação, que na telona alguma coisa deixou a desejar. O filme não conseguiu atingir o realismo mágico do livro de Saramago. E por isso, ficou faltando um pedaço que desse liga à trama.
No entanto, gostei demais da interpretação do ator Jake Gyllenhaal. Vale ver o filme.


Quem escuta o meu Sim?


















quinta-feira, 3 de julho de 2014

A sensação de felicidade

Hoje, concluí mais um artigo do estágio de pós-doutorado: escrevi sobre o Brasil e o brasileiro a partir do que é recorrente nos jornais portugueses, de 2011, quando se fala da nossa economia: de um país emergente, da sensação de felicidade que a economia produz na população como se isso fosse uma equação linguística: economia emergente = população feliz.
É muito interessante perceber os efeitos de sentidos produzidos quando se naturaliza a relação entre a felicidade, o consumo e o poder aquisitivo da população. 
Não há espaço para que se efetive nada de negativo quando se pensa num país emergente, nesses jornais: nada é falado, por exemplo, sobre uma má distribuição de renda, sobre um número crescente de miseráveis, sobre os que estão do outro lado do balcão enquanto o consumo acontece, dos que nao têm moradia, dos que não tem alimentação ou educação, dos que não têm segurança, nada se fala das margens. Não há um outro lado, nesses jornais quando se pensa nas economias emergentes, sobretudo quando se fala nos países membros do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). 
É claro que não se pode esquecer do lugar de Portugal, das condições de produção desses textos jornalísticos, quando o assunto é economia: a crise da zona do euro, sobretudo a que atinge os países periféricos da Europa: Portugal, Grécia, Itália, Espanha e Irlanda, principalmente, no ano de 2011. A crise maior acontece no ano seguinte, mas o susto, o que paralisa, se dá em 2011.
Fala-se apenas de se consumir tudo e da sensação (imaginária) de felicidade que o consumo produz. A falta, constitutiva do sujeito sendo "preenchida" pelo consumo.
Tudo é consumível: desde o novo aparelho mais sofisticado de telefone celular, da televisão em 3D, até de um novo relacionamento, como se tudo isso pudesse preencher um vazio que nos subjetiva. Tudo é coisificado quando se pensa dessa formação discursiva do consumo como um caminho para ser feliz.
É tão natural a relação que se faz entre o otimismo dos indianos, dos brasileiros e dos chineses e a economia emergente que os sentidos parecem colados nas palavras.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

Da Série Contos Mínimos

É claro que ele sabia que ao escolher aquele livro deixaria todos os outros, ainda que por um tempo, de lado.

Da Série Contos Mínimos

Quis a todo custo desler aquele livro e desviver aquela vida.

Da Série Contos Mínimos

Pegou um livro qualquer na estante, abriu aleatoriamente numa página e se descobriu em um parágrafo: "Olhou-se no espelho e achou que era cedo demais para ganhar os traços de sua mãe."

A culpa que pesa o corpo e o faz afundar

Soube através de um amigo que mora em Cascavel do suicídio de duas adolescentes na Ponte da Amizade, pra quem não se localiza bem, é a ponte que liga o Paraguai ao Brasil. Contou-me que elas se jogaram abraçadas dessa ponte em direção ao Rio Paraná. Coutou-me tb que imediatamente após serem avisados, o corpo de bombeiros de ambos países saíram em buscas das meninas, mas que não encontraram nada. É um rio perigoso, com correntezas violentas, um rio profundo.
Além disso, que já me deixou bastante chocado, me contou também que estão dizendo por lá e pelas redes sociais que as meninas se jogaram no rio porque tinham uma relação afetiva, eram namoradas, e que suas famílias não aceitavam a relação. Aí de chocado fiquei arrasado porque fico sempre pensando, diante dessas situações, como é que ainda hoje tantas famílias não aceitam o amor de seus filhos porque julgam que amar alguém do mesmos sexo seja pecado, erro, anormalidade, doença, crime. E como é que essa pressão ainda impõe em muitas pessoas um peso tão grande de culpa a ponto de fazê-las não vislumbrar outra solução que não seja a de por fim a própria vida.
Fiquei pensando, mesmo sem saber nada sobre as meninas, sem sequer poder compartilhar com elas a dor que sentiram, o medo que sentiram, a solidão em que se encontravam, se não haveria outra forma de enfrentar essa dor sem por fim a própria vida.
Alguém vale a dor que a gente sente? O que dizem a nosso respeito deve ser levado tão a sério a ponto de fazer com a gente se anule para dar satisfação? Esse ato modifica alguma coisa?
E aí fiquei me imaginando, me colocando no lugar dessas meninas, adolescentes, provavelmente sozinhas, rodeadas dessa enorme moral religiosa fundamentalista que produz ódio no lugar do amor, que separa quando devia juntar, que denigre quando devia compreender.
Não deve ser fácil mesmo enfrentar um bando de santos espalhados em quase todas as religiões. Os Santos que falam em nome de Jesus, em nome Deus, em nome de uma Família sagrada e que sabem/podem julgar como se ocupassem um outro lugar e mais, como se julgar, não fosse passível de julgamento, porque santificados que são, podem tudo, inclusive, produzir essa culpa que as meninas carregaram a ponto de se matarem. A culpa que ajudou a pesar para afundar o corpo das adolescentes.
É, talvez a atitude delas modifique sim alguma coisa: talvez a família possa, mesmo que tardiamente, é verdade, repensar a sua posição em relação ao amor que elas sentiam. Talvez possam em algum momento compreender o que é o amor. Talvez possam, a partir disso, repensar as suas maneiras de encarar a vida dos outros.
Ou, cheios até a alma de suas religiões-de-ódio julgar ainda o suicídio, como se ele independente dessa moral-religiosa-fundamentalista tivesse uma vida própria.
Tenho certeza de que vamos nos envergonhar muito ainda dessas posições cristalizadas sobre a homossexualidade, assim como nos envergonhamos hoje de antigos preconceitos. Tenho certeza de que precisaremos nos explicar um dia, como já foi feito tantas vezes, diante de tanto sofrimento por alguma coisa que diz respeito, sobretudo, ao privado. Como é que podemos julgar as formas do amor? Como é que podemos pensar que há uma única maneira dele se manifestar: a que julgo certa?
Não sei se as meninas puseram fim as suas vidas por conta disso, mas de qualquer forma, se não fizeram por isso, outros o fazem todos os dias.