sábado, 20 de setembro de 2014

Da Série Contos Mínimos

Encontraram-se uma, duas, 3 vezes. De repente, a vontade de se ver foi crescendo. Dias sim, dias não. Nos dias "não" uma saudade incontrolável foi tomando conta deles dois. Até que.

quinta-feira, 18 de setembro de 2014

Da Série Contos Mínimos

"Num tempo suspenso" era esta a sua impressão sobre os últimos anos. Tudo lhe parecia ter se passado num outro plano. As peças não se encaixavam. As palavras não lhe faziam sentido. Tudo meio fora do lugar. Desconfiava até que não estava no seu melhor estado de saúde mental. 

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Fiquei perdido em um episódio de Arquivo X

Aos poucos vou tomando conta do meu dia a dia. Eu sabia que o retorno seria mais fácil do que a ida. E está sendo. Gosto de estar por aqui. Gosto de estar perto de mim mesmo. 
A sensação é a de que saí de mim por um tempo e a de que fiquei perdido em algum lugar, talvez num episódio de Arquivo X, sei lá. Esses primeiros dias estão sendo usados ainda para colocar em ordem a minha casa e a minha vida pessoal e profissional: quase tudo ficou suspenso.
Estranho ter que reaprender coisas mínimas. Nem vou contar aqui porque beira o ridículo. Não encontro alguns objetos e outros me deixam surpresos ao encontrá-los.
Os alunos estão dispersos demais. Não os vejo. Os amigos estão mais presentes. Isso é bom. Gosto dessa rotina meio atrapalhada de (re)início. 
Encontro pessoas que não sabiam que eu estava fora, mas que sentiram a minha ausência. Como isso é estranho! Sumi e pronto. Voltei e pronto tb. 

sábado, 13 de setembro de 2014

Dá Série Contos Mínimos

dos poços. Qualquer visitante que chegasse, enxergaria somente poços ...De repente, a gente acorda dentro de um poço. E fica por um tempo tentando descobri como/quando foi parar ali. Aquele buraco tão fundo, úmido, escuro, escorregadio e sem ninguém por perto. 
Não é que não se saibam os motivos, todo mundo sabe deles. Mas é que se vai empurrando com a barriga, fingindo que consegue dar conta dele, pensando que é fácil sair dali sem arranhões. 

domingo, 7 de setembro de 2014

Ácaros gigantes

A minha casa é uma ilha rodeado por ácaros gigantes, feios e assustadores. Tão assustadores que não consigo respirar, dormir, ficar em casa sem achar que estou me esvaindo em espirros.
A casa deveria ter sido limpa, pelo menos, uma vez por mês, mas pelo visto a limpeza se deu apenas alguns dias antes de eu chegar. 
Estou mergulhado nesse mar de poeira e infectado por esse cheiro de coisas guardadas.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Criancinha mimada e emburrada depois dos 45 é ridículo

Voltar está sendo muito bom, mas a volta significa tb retornar ao trabalho o que nem sempre é divertido, sobretudo, porque a gente precisa lidar com o ego dos amigos: e uns são muito sensíveis, a ponto de se comportarem como criancinhas mimadas. 
Ou vc faz exatamente o que ele quer ou ele se ofende, fica de cara feia e te manda recadinhos malcriados. Haja saco para aturar gente velha se comportando como menininha que não ganhou da mãe o brinquedo que queria na ida ao supermercado.
Faz pirraça: se joga no chão, como se isso fizesse mesmo algum sentido para um adulto, profissional. Tô cansado disso. Muito cansado mesmo e não tenho mais paciência para ficar concorrendo com ninguém. 
Não participo de concursos de miss. Não tenho jeito para isso. Quase aos 50 se vc não aprende o mínimo devia pedir licença para cagar e dar um tempo de pelo menos 3 anos para reaparecer.
Ou se conversa para resolver a questão como os adultos devem fazer ou não tem outra alternativa. O que não dá é para ficar emburrado achando que o mundo está contra vc e que se vc se sacrificou pelo outro como pode ele não reconhecer a minha dedicação (?).
Bem, escrever não resolve, mas pelo menos, a gente vai organizando um pouco a nossa impressão.

terça-feira, 2 de setembro de 2014

Da Série Contos Mínimos

Ela gostava muito de dinheiro e fazia qualquer coisa para consegui-lo. Não importava se era preciso vender a mãe ou rifar o pai. Nada disso era importante diante do vil metal. A "saudosa" mãe que se salvasse sozinha se a impedisse de ganhar um pouco mais de grana. Na verdade, nada mudaria sua vida, porque era pobre de espírito, mas contentava-se com migalhas como todos os miseráveis espirituais o fazem.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Da Série Contos Mínimos

Tudo estava e-xa-ta-men-te no mesmo lugar, apenas o meu olhar tinha se deslocado. Fiquei impressionado como tudo havia ficado congelado. Parado. Sem som. Sem vida. Tudo esperava. O CD da Jussara Silveira ainda estava no aparelho pronto para ser ouvido, mas não o fiz, porque eu precisava arejar o ambiente.