sexta-feira, 26 de janeiro de 2018

Da Série: Contos Mínimos

Imagem relacionadaNum dia é a dobradiça, no outro a casa inteira. É assim que acontece: apenas estou ficando velho. Um dia dói a perna esquerda, no outro a panturrilha direita. Às vezes, as costas incomodam, ou uma dor medonha no pé me impede de calçar um tênis, de pisar com força. A memória falha sempre. Sobre o que mesmo eu ia escrever? A paciência foi embora faz tempo. Eu amo o silêncio.

terça-feira, 23 de janeiro de 2018

9 anos do Avesso

Imagem relacionadaDia 24 de janeiro o blog completa nove anos. Nove anos sem sair de cima. Pensando bem, não é exatamente sem sair de cima, mas eu gosto de me promover. Altas e baixas são frequentes com tanta coisa para fazer além de  poder escrever apenas por prazer. Em geral, a escrita é quase uma ordem...
E aquela escrita além de nos salvar precisa tb de respiração e nem sempre isso é possível uma vez que a arte de saber respirar demanda tempo e investimento.
De qualquer forma, fico feliz por esse projeto ainda está de pé. É por aqui que eu tb me divirto, experimento, escrevo sem censura. Obrigado se vc anda por aqui de vez em quando e curte alguma coisa. Abraços.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

Ou acontece aos 29 ou não existe.

Resultado de imagem para 29Não entendo crise de idade que não seja aos 29 anos.  Ou acontece aos 29 ou é mentira. Todas as outras, caso alguém queira te convencer de sua existência, acredite, não é de verdade! 
A crise dos 29 é legítima porque vc sabe, ou acredita que sabe, que no próximo ano não tem volta, chegam os trinta (vou escrever por extenso porque machuca menos) e pode durar uma eternidade. Talvez isso, essa longa duração, confunda as pessoas de que existam crises dos 40, dos 50, dos 60.
Ah, é bom deixar claro que não existem crises depois dos 60! Acredite. Ou a gente vive a nossa vida ou perde a oportunidade porque fica encalacrado num pensamento idiota. Aos 60 não se perde tempo com isso.
Trinta anos tb é uma bobagem. Mas aos 29 a gente não sabe disso. Parece que o caminho é sem volta. E é. Mas isso acontece a partir do primeiro aniversário. Claro que estou tentando aqui racionalizar aquilo que aos 29 não parece possível de se fazer.
29 é um rio caudaloso. Com uma margem muito distante da outra. Água fria num dia nublado. Sem nenhuma possibilidade de ajuda para atravessá-lo. E a gente precisa percorrer essa distância sozinho. O problema maior é que isso dura exatos 365 dias (às vezes, 366), mas com a sensação de uma eternidade. Mas passa. O que é um ano diante de tudo o que a gente precisa fazer/viver? Nada. Estranho mesmo é se dá conta de que perdeu um tempo importante da vida com uma bobagem dessa.

domingo, 21 de janeiro de 2018

Longe e perto.

Resultado de imagem para os contatos virtuaisAs distâncias são medidas pela velocidade da sua internet e pela sua disposição de enviar ou não uma mensagem.
Num segundo chego aonde eu quiser, sem sair do lugar. Não é preciso me descolar de onde estou.
Nem preciso parar para escrever, com um comando de voz abro um app e dito a mensagem, em seguida, com outro comando, posso publicar nesta ou naquela rede, ou em ambas, se achar melhor.
Pronto. Missão cumprida. Os pêsames foram parar aonde deviam, os parabéns alegraram mais um aniversariante ou aquele que conquistou alguma coisa ou alguém.
E eu me conectei de verdade com o outro que através de um app leu/ouviu o que enviei com um comando de voz.

Da Série: Contos Mínimos

Resultado de imagem para morador de ruaDevia ser, no mínimo, angustiante viver daquele jeito:  viver sob as marquises. Não ter para onde voltar e contar apenas com a sorte do dia. Nele apenas um olhar indiferente. Não fazia nenhuma diferença se era segunda ou sábado, dia ou noite, véspera de natal ou o dia do seu aniversário. Ele era um bloco de cimento armado.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Dois rios, Célia

Letras
O céu está no chão
O céu não cai do alto
É o claro, é a escuridão
O céu que toca o chão
E o céu que vai no alto
Dois lados deram as mãos
Como eu fiz também
Só pra poder conhecer
O que a voz da vida vem dizer
Que os braços sentem
E os olhos vêm
Que os lábios sejam
Dois rios inteiros
Sem direção
O sol é o pé e a mão
O sol é a mão e o pai
Dissolve a escuridão
O sol se põe se vai
E após se por o sol renasce no japão
Eu vi também
Só pra poder entender
Na voz a vida ouvi dizer
Que os braços sentem
E os olhos vêm
E os lábios beijam
Dois rios inteiros
Sem direção
E o meu lugar é esse ao lado seu, meu corpo inteiro
Dou o meu lugar, pois o seu lugar
É o meu amor primeiro
O dia e a noite, as quatro estações
O céu está no chão
O céu não cai do alto
É o claro, é a escuridão
O céu que toca o chão
E o céu que vai no alto
Dois lados deram as mãos
Como eu fiz também
Só pra poder conhecer
O que a voz da vida vem dizer
Que os braços sentem
E os olhos vêem
E os lábios beijam
Dois rios inteiros
Sem direção
E o meu lugar é esse ao lado seu, no corpo inteiro
Dou o meu lugar, pois o seu lugar
É o meu amor primeiro
O dia e a noite, as quatro estações
Que os braços sentem
E os olhos vêem
Que os lábios sejam
Dois rios inteiros
Sem direção
Que os braços sentem
E os olhos vêem
E os lábios beijam
Dois rios inteiros
Sem direção

Compositores: Salomao Borges Filho / Samuel Rosa De Alvarenga / Jose Fernando Gomes Reis