domingo, 31 de outubro de 2010

13 na urna (texto)

Pronto, votei. Subi Santa Terersa e, pertinho de céu, confirmei o 13 na urna. Agora vou à praia porque não sou de ferro. A previsão era de chuva, mas nem um pingo desde ontem. Inclusive por conta dessa previsão fui à praia sem filtro sola e estou, acreditem, com a pele em chamas. O dia está lindo no Rio. Por isso mesmo já me vou despedindo porque do contrário acabo ficando por aqui.
Bom feriado prolongado a todos e a todas.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Vida Bandida (texto)

A vida continua corrida, correndo de lá pra cá, de cima pra baixo, de um lado para o outro. Continuo com aquela mesma sensação, postada anteriormente, de não ter mais tempo livre para outra coisa que não seja ler, corrigir provas, elaborar exercícios etc. etc. etc.
Estou neste momento, não neste propriamente dito, porque neste estou aqui escrevendo, relendo um texto para a aula de amanhã. Já reli dois antes desse. Ou seja, foram três textos sobre sujeito, subjetividade, assujeitamento. 
E dizem por aí que ser mãe é padecer no paraíso. Mentira, ser professor é par dire sem paraíso. É claro tb que ler é um prazer, escrever tb, o problema é fazer tudo isso ao mesmo tempo agora sem deixar de fazer todas as outras atividades que sempre nos aguardam.
Aí a Tânia do Impressões de leitura, sempre sábia, impõe: "É preciso traçar um plano exequível de existência urgente!"
O meu está traçado, mas preciso de férias para executá-lo. Abraços e bom resto de semana a todos!

terça-feira, 26 de outubro de 2010

Compromissos (texto)

Ando dormindo mal. Acho que muita coisa por fazer e pouco tempo para dar conta delas. E, soma-se a tudo isso, uma indisciplina mental que me faz ficar de um lado para o outro sem conseguir fazer o que devo. Recebo e-mails pedindo para fazer isso, entragar aquilo, reler um texto, corrigir provas, revisar outras, elaborar exercícios, pensar num curso e, diante dessa enxurrada de compromissos, não dou um passo.
Todo final de ano é igual. Não. A cada novo final de ano tenho a impressão de que mais atribuições aparecem. E é claro que tb tenho uma parcela de culpa nesse processo já que me ofereço, muitas vezes, para realizar essas atividades. É claro que sem pensar no tempo para executá-las.
Hoje o dia não está fácil (relaxo enquanto escrevo), mas sei o que me espera.

sábado, 23 de outubro de 2010

Bolinha de papel bombou no Twitter

*Bolinha de papel: R$0,50, Consulta: R$150, Tomografia: R$600, Ver o "SerraRojas" fingindo: Não tem preço.

*Ainda bem que foi uma bolinha de papel, se fosse bolha de sabão, Serra diria que o PT usa armas químicas

*Estou preocupado com a segurança púlblica. Hoje é bolinha de papel, amanhã vai ser o que? Guerra de travesseiros?

*Alô sindicato, quero ganhar 30% de periculosidade já! Trabalho em escritório, tem papel pra todo lado!

*Pedra vence tesoura, tesoura vence papel, papel vence Serra, Serra vence o Oscar!

*Folha de São Paulo traz cópias de documentos que provam que bolinha tem parentes trabalhando na Casa Civil!

*Fui comprar um caderno hoje numa papelaria e a vendedora me disse que eu preciso ter porte de armas pra isso.

*Bolinha de papel: médico recomenda a Serra repouso de quatro anos.

*Ah... se os professores soubessem que o ex-governador Serra tinha tanto medo assim de bolinha de papel!

*Decida. Uma enfrentou a ditadura, superou o câncer, não privatiza. O outro foge, é vencido por uma bolinha e privatiza até a mãe.

*De olho no apoio de Marina, PT promete que de agora em diante só bolinhas de papel reciclado.

*Bolinha de papel dá entrevista ao Estadão e garante: 'PT pagou hotel para eu me hospedar no Rio.'

*Serra, o único ser humano que é avisado por telefone que está sentindo dor de cabeça.

*Extra! Extra! Militantes do PT são presos em flagrante com resmas de papel Chamex, calibre A4!

*Extremistas Iranianos continuam seus experimentos de enriquecimento de papel.

*O Globo: presidente da Chamex convoca coletiva para explicar a atuação da empresa na indústria bélica.

*Wiliam e Fátima entrevistam a Bolinha: O senhor teve seu sigilo florestal quebrado?

*Descobertas fazendas de celulose de eucalipto do MST, Perigo nacional!

*Agora já sei porque SerraRojas fugiu do Brasil e Chile nas ditaduras... com uma bolinha de papel foi esse drama todo, imagina com tortura!

Ainda bem que não foi na minha careca (texto)

Sejamos honestos, jogar o que quer que seja em alguém não é nada educado. Eu, por exemplo como professor, ficaria bem bravo se um aluno me jogasse uma bolinha de papel na careca, mas daí pra eu suspender a aula e fazer uma tomografia computadorizada seria um pouco demais.
Acho até que eu teria que esperar o final do mês para pagar a tal tomografia porque tirar assim de uma bolinha para outra R$700,00  depois da segunda quinzena não é nada fácil.
O que mais gostei nisso tudo foi o perito - Ricardo Molina (aquele do caso PC) - contratado pelo Jornal Nacional para analisar se bolinha ou se rolo de fita crepe. Se Serra estava à direita ou à esquerda de Índio da Costa. Sem falar na seriedade com a qual chegou as suas conclusões. E a cara da Fátima (Bernardes) ao anunciar que foram duas agressões: uma bolinha de papel e um rolo de fita crepe?! Nem quando jogaram uma galinha preta na Marta em São Paulo deu tanta repercussão. Ou o pedaço de pau no Covas. Só mesmo a sapatada de Bush para produzir tanta notícia.
E ninguém falou nada da bola cheia dágua na Dilma em Curitiba! Isso é que é preconceito. Indiferença! Vai ver que por detrás disso tudo tem algum envolvimento do PT com as FARC ou, pior, algum movimento para vender mais A4. Sei não, acho que tem cachorro nesse mato.
Já pensou uma bola cheia de água no cabelo de Dilma? Ninguém pensou nisso? Seriam horas de salão jogadas no lixo. Não posso com isso.
Interessante como tudo toma outra proporção, mas e a discussão sobre as políticas para o país? Isso é bobagem! Besteira querer que se discuta se privatiza ou não, se o Estado deve estar presente ou não na saúde, educação, segurança. Tudo isso fica para o terceiro turno.

Bolinha de Papel ou Rolo de Fita Crepe (frases)

BOLINHA DE PAPEL OU FITA CREPE? PARA MIM O FATO MARCANTE É QUE A POPULAÇÃO NÃO TEM ACESSO NEM A RAIO X QUANDO FRATURA ALGUM OSSO, JÁ POLÍTICOS (RICOS) FAZEM TOMOGRAFIA ATÉ QUANDO TOMAM PICADA DE PERNILONGO

AS ANEDOTAS SOBRE A BOLINHA DE PAPEL:

Folha de S. Paulo: Polícia encontra pacote com 500 folhas de papel A4 em comitê de Dilma

BOMBA: Serra diz que cidadão que for pego portando papel será indiciado por porte ilegal de arma.

Último boletim médico: Serra não tem nada na cabeça.

Militante que atirou bolinha  de papel em Serra é condenado a uma semana sem recreio.

Bolinha de Papel: R$0,50. Tomografia em Clínica Particular R$700,00. Ver a Verdade vencer a Mentira: Nao tem preço.

Nunca antes na história desse país se viu uma bola  derrubar uma máscara tão perfeitamente.

Na bolinha de papel tava escrito: “Não se larga um líder ferido na estrada” Ass: Paulo Preto.

Quem nunca errou que atire a 1a bolinha de papel!

Serra disse que se ganhar, vai proibir a venda de papel A4.

Serra promete tomógrafos em todas as escolas do país.

Ibope confirma! Bolinha de papel é mais popular que o Serrarojas!! PSDB analisa a possibilidade de substituir o candidato!

Em 2002 a esperança venceu o medo, agora a bolinha de papel desmascarou a mentira, a mídia e o Serra juntos.

ALERTA: Quando a criançada descobrir que bolinha de papel dá 24h de repouso as escolas ficarão vazias.

Pedra vence tesoura, tesoura vence papel, papel vence Serra.

Bolinha de papel pesando 2k = 500 folhas de papel A4. Se Índio da Costa estiver falando a verdade, Serra foi atingido pelo dossiê do Aécio.

Isso porque a bolinha de papel era branca, porque se fosse preta já iam falar que foi o Paulo ..

Se uma bolinha de papel fez Serra ir ao hospital … uma borracha provavelmente o faria finjir de mortoo!

Mas lembrem-se: nada de tentar embarcar em avião com bolinha de papel, hein?

Eu sou contra este ato de violência. Hoje foi uma Bolinha de Papel. E amanha? Confetes, Serpentinas? onde esse mundo vai parar?

A bala de prata era uma bolinha de papel.

Serra vai denunciar o governo brasileiro à ONU por programa secreto de enriquecimento de celulose.

É, ainda bem que foi uma bolinha de papel. Se fosse um aviãozinho iam dizer que foi um ataque terrorista.

Nunca antes na história desse país se viu uma bola de papel derrubar uma máscara tão perfeitamente.

Fita crepe nega envolvimento e diz não conhecer bolinha de papel.

Serra é lerdo mesmo. Bush escapou de sapatada. Serra é atingido por bolinha de papel facts Serrarojas

A Chamex está sendo investigada pela Polícia Federal por dar suporte para ataques terroristas.

De olho no apoio de Marina, PT promete que de agora em diante, só bolinhas de papel reciclado.

Dilma enfrentou a ditadura e aguentou tortura. Serra não aguenta nem bolinha de papel. Frouxo

O Globo:"Agressor é preso portando uma bola de papel calibre A4. O homem é vizinho do primo do cunhado da filha da Dilma."

“O exame de ‘bolística’ determinou que o projétil saiu de um chumaço de Maxprint, calibre A4.”

Iranianos lançam projeto de enriquecimento de celulose.

Após ser atingido por bola de papel, Serra recupera a memória e lembra quem é o Paulo Preto.

"Video absolve rolo de fita e acusa bola de papel que nega vínculo partidário!”

quinta-feira, 21 de outubro de 2010

Recebi da Cris e postei o presente (tirinhas)

 Quando você era bem pequeno...

cid:423519F4FE2449FEA04F9FE41871721B@CHUNGPC 
 ...eles gastavam horas lhe ensinando a usar talheres nas refeições...
 

cid:3BF4ABC9C6234757BB79FDB8881AD2CC@CHUNGPC
... ensinando você a se vestir, amarrar os cadaos dos sapatos, fechar os botões da camisa..
cid:FCE7297B2ED240B78CA54E02FF2891A8@CHUNGPC 
Limpando-o quando você sujava suas fraldas lhe ensinando a lavar o rosto a se banhar a pentear seus cabelos...

 cid:5D97E01C79D64ACEA2818601E18E68F8@CHUNGPC 
 ...lhe ensinando valores humanos...

cid:47E8416C5E7E49A19B7DE494D9BBF73D@CHUNGPC

Por isso...

  cid:360D75CA7CB1428FA753A7F3C1C0C991@CHUNGPC   

...quando eles ficarem velhos um dia...
e seria bom que todos pudessem chegar até aí (não preciso explicar...não é?)

 cid:A2695DA1050F4AFAA41B1A036049EB18@CHUNGPC 

...quando eles começarem a ficar mais esquecidos e demorarem a responder...

 
cid:2AEE9B344B9649C98BBDC7C13CC83804@CHUNGPC 

...não se chateie com eles...

 cid:02D02D429F2B4C14B741BF7E9CFF2B3F@CHUNGPC 

...quando eles começarem a esquecer de fechar botões da camisa, de amarrar cadarços de sapato...
cid:2E76654353FE4F8EA9AA5B77F01400ED@CHUNGPC 
 ...quando eles começarem a se sujar nas refeições...

 
cid:8AB80FFA70574199B3B5193B7A94FC3F@CHUNGPC 

...quando as mãos deles começarem a tremer enquanto penteiam cabelo...

 
cid:5F0293ABEBA34E9193503C2A4C861421@CHUNGPC 

...por favor, não os apresse...porque você está crescendo aos poucos, e eles envelhecendo... 

cid:8BF7D5FCFA6D46468F41E8F4A9428B15@CHUNGPC

...basta sua presença... sua paciência... sua generosidade... sua retribuição...

 
 cid:E35EF9AB0A2342B6BC68CA2082C9769C@CHUNGPC

 ...para que os corações deles fiquem aquecidos...

 
cid:BA150EF045EE446F9B49CAB185F118C2@CHUNGPC 

...se um dia eles não conseguirem se equilibrar ou caminhar direito...

 
cid:A74A1CCFA1DC4F6D9C77CA7B10F5B8E9@CHUNGPC 

...segure firme as mãos deles e os acompanhe bem devagar respeitando o ritmo deles durante a caminhada... da mesma forma como eles respeitaram o seu ritmo quando lhe ensinaram a andar...

cid:FE257A13D640495E94BCFD1B1EEE0C05@CHUNGPC 

fique perto dêles...assim como...

cid:D76545AD356A41CABC2D3219877F88C5@CHUNGPC 

 ...eles sempre estiveram presentes em sua vida, sofrendo por você... torcendo por você...
e vivendo "POR VOCÊ"

cid:D579D98F65C940A9AFDEBD6F8DF93482@CHUNGPC

quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Da série Contos Mínimos

20 de outubro era para eles um dia de muitas lembranças. Não eram as melhores, aquelas que se desejam lembrar. No entanto, a vida sem ela seguia o seu curso natural: alegrias, tristezas, insônias, sonhos diários. Havia sim algo bom de se lembrar: aqueles anos todos juntos.

segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Da bonança à tempestade: tem sempre um que traduz o nosso dia (provérbios)

"Nem todo dia é festa."
"Nem todo dia é feriado."
"Em dias bons, boas obras."
"Dia grande tem véspera."
"Um dia pior, outro melhor."
"Nem todo dia se come pão quente."
"Dia de muito, véspera de nada."
"Dia perdido nunca é preenchido."
"Um dia do pau, outro do machado."
"Um passo de dia vale dois de noite."
"Nem todos os dias são dias de feira."
"Dia comprido é o que se passa sem comer."
"Nem todo dia galinha, nem todo dia rainha."
"Um dia o soberbo cai, e o humilde sobressai."
"Há dias felizes, mas vida feliz não há nenhuma."
"O dia da graça é o da véspera da ingratidão."
"Os dias são do mesmo tamanho, mas não se parecem."
"Um dia vale dois para quem diz "já" e não "depois."
"Nem todo dia é dia santo, nem todo dia é feriado."
"O dia descobre a terra, a noite descobre os céus."
"Um dia bem começado parece quase sempre bem passado."
"Um dia frio e outro quente, logo um homem é doente."
"Um dia segue outro, como um amor faz esquecer outro."
"Os dias bons de janeiro enganam o homem em fevereiro."
"No dia em que não me enfeitei, veio a minha casa quem não pensei."
"Dias passados, fogueiras mortas; quem os recorda, revolve cinzas."
"O que se tem de fazer num dia, não se deixe para outro dia."
"Um dia de jejum traz dias maus para o pão."
"Não há dia sem tarde, nem gosto sem desgosto."
"Em dia de viagem não se sente cansaço."
"Não gabes um dia bom sem lhe veres o fim."
"O dia de amanhã ainda ninguém viu."
"Um dia, cachorro de paca pega cutia."
"Um dia é da caça, o outro é do caçador."
"Não há nada como um dia depois do outro."
"Uma passada de dia vale duas de noite."
"Nem todos os dias morrem bispos."
"A cada dia, sua pena e sua alegria."
"Hoje é o meu dia, amanhã será o teu."
"Quem perde o dia, não perde o ano."
"Em dia de festa, barriga testa."
"Dia de muito, véspera de pouco."
"A cada dia basta seu cuidado."
"Nem todo dia há carne gorda."
"Dia a dia, morreu minha tia."
"Basta a cada dia sua aflição."
"Todos os dias se aprende algo."
"Há mais dias que linguiças."
"Em bons dias, boas horas."
"Roma não se fez num dia."
"Largos dias têm cem anos."
"Um dia a casa cai."

domingo, 17 de outubro de 2010

Tudo no mesmo saco. Que saco! (texto)

Hoje, na volta do almoço peguei um táxi até o hotel e o motorista soltou esse: "A Dilma vai oficializar essa pouca vergonha de casamento entre homens e entre mulheres. Sou totalmente contra isso. Meu filho não precisa ver homens beijando homens na rua e nem mulheres beijando mulheres. Ele precisa ser respeitado." Detalhe, eu estava com um adesivo da Dilma na camiseta (ganhei enquanto estava na feirinha do Largo da Ordem).
Respirei fundo dezessete vezes. Pensei, melhor ficar calado. O motorista continuou: "Eles (referia-se aos gays e lésbicas) deveriam ser acompanhado por um psicólogo para se curarem."
Não aguentei e disse: "Eu acho que o senhor tb deveria ser acompanhado por um psicólogo, porque em 2010, pra mim, é inadmissível alguém ainda acreditar que pode legistar sobre a vontade dos outros. Cada um deve fazer o que quer e pronto. Porque ser homo ou hétero diz respeito apenas aos desejos de cada um."
Por que eu fui dizer isso? Não podia ter ficado calado? O motorista soltou a língua e fez a relação que podia entre uso de droga, pedofilia, senvergonhice, doença, falta de respeito e ladeira abaixo.
E nada de chegarmos ao hotel. Ele me disse até que sexo anal era antinatural. Aí perguntei se ele já havia assistido a qualquer filme pornô porque sexo anal é uma prática tão difundida que eu estava mesmo incrédulo diante da sua afirmação.
Ele ainda me disse que se o filho dele fosse gay (ele disse de outra maneira: "se o meu filho virasse a mão"), ele o colocaria para fora de casa. Eu disse que se eu fosse seu filho eu sairia antes, porque aguentar um pai com essa cabeça realmente não deve fazer bem a saúde mental de ninguém.
Depois me toquei de que eu estava na mesma sintonia que ele. Não ia adiantar eu tentar mudá-lo assim como eu não mudaria. Finalmente chegamos ao hotel. Paguei a corrida e lhe desejei um bom dia de trabalho.
Mas foi interessante saber, primeiro, como ele acha que o presidente da república (seja lá quem for) tem o poder de mudar o país sem que haja discussão em torno dos temas, sem que os projetos passem pelos deputados e senadores. Depois, o fato de ainda confundirem homossexualidade com pedofilia, doença, anormalidade, pouca vergonha. E ainda, entender o que faz com que esses sentindos continuem produzindo filiações mesmo no século XXI.
Além disso tudo, entender que "respeito", palavra usado pelo motorista significa levar em consideração a sua orientação sexual, apenas. Tentei dizer a ele que respeito é uma via de duas mãos e o mundo em que o filho deve vive é um mundo mais democrático e por isso não pode ser visto apenas a partir de uma forma de olhar.
Olha, realmente acho que não foi uma boa ter entrado nessa discussão, mas foi mais forte do que eu.

sábado, 16 de outubro de 2010

Comer, rezar e amar (texto)

Assisti hoje ao filme "Comer, rezar e amar", mas não vou falar sobre ele nada além do que se ele tivesse ficado apenas no Comer teria sido um ótimo filme.
Vou escrever sobre o dia divertido que tive aqui em Curitiba, e é claro que ir ao cinema tb contribuiu bastante para que o dia fosse bacana.
O dia estava lindo. Acordei e fui tomar o café da manhã no Mercado Municipal. Na saída encontrei o Mário (Que Mário? Uns poderiam me perguntar), o amigo da universidade (de Cascavel) que está, faz alguns anos, aqui em Curitiba. Fazia algum tempo que não nos encontrávamos. A nossa conversa era apenas por e-mail. Foi um encontro bem rápido, mas prazeroso. Colocamos a conversa em dia. Ele e a esposa sempre alegres e sempre uma boa conversa.
Voltei para o hotel e saí, em seguida, para uma caminhada pela cidade. Andei bastante, pra variar (adoro caminhar). E como o dia estava bonito, aproveitei para olhar as pessoas, as vitrines.
Fui ao shopping e comprei dois CD´s: o mais recente da Vanessa da Mata (Bicicletas, bolos e outras alegrias) e um bem antigo dos Novos Baianos "Acabou chorare" (esse da minha época de criança, lançado recentemente em CD) de 1972 (tínhamos o vinil em casa e a minha mãe adorava).
Almocei num restaurante árabe (indicado por uma amiga, Beni). Sabores impressionantes, como disse a amiga. Voltei ao hotel, dormi um pouco e cinema. Depois do filme, mais uma passada no hotel para um banho, um descanso e saí para jantar. No restaurante, encontrei um amigo de longas datas (Édson). Conversamos muito, quase até agora. Ele me deu uma carona até o hotel e estou aqui, exausto. Amanhã retorno a Cascavel e volto à rotina de aulas e vestibular mais feliz por conta do final de semana.

Produzindo notícias (texto)

Nem o tom de voz de José Serra na campanha da TV me convence. Além disso, forma como as revistas Veja e Época, e a Rede Globo produziram notícias sobre o Governo e a Dilma, sobretudo, nesses últimos meses, silenciando quaisquer informações sobre irregularidades na campanha do candidato do PSDB (como se tudo fosse tamanha honestidade) , acabaram de vez com a minha capacidade de ouvir/ler/discutir propostas em torno da campanha do PSDB.
Hoje, aqui em Curitiba, militantes do PSDB estão distribuindo panfletos sobre o candidato, pego apenas por educação e jogo na primeira lixeira que encontro. Não estou disposto mais a ouvir argumentos. Se é que eles existem.
Essa campanha me lembra o movimento dos meios de comunicação em torno da campanha de Fernando Collor de Mello em 1989 à presidência da república (não estou comparando Serra a Fernando Collor, mas o comportamento da imprensa). A imperdoável edição do debate entre Fernando Collor e Lula feita pela Rede Globo na véspera do dia da eleição não sai da minha cabeça nesses dias diante das bancas de revistas. Que nojo!!!!
Se havia alguma dúvida sobre a campanha suja de uma parte da imprensa de circulação nacional, ela acabou de vez. E conseguiu fazer com que eu não suportasse mais esses dias que antecedem ás eleições. Queria muito dormir e acordar no dia 31 de outubro às 18h (de preferência) para não me contaminar mais com essa forma de fazer notícia.

sexta-feira, 15 de outubro de 2010

Carta aberta da ABGLT as candidaturas presidenciais de Dilma Roussef e José Serra

Prezada Dilma e Prezado Serra,

A Associação Brasileira de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais – ABGLT, é uma entidade que congrega 237 organizações da sociedade civil em todos Estados do Brasil. Tem como missão a promoção da cidadania e defesa dos direitos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, contribuindo para a construção de uma democracia sem quaisquer formas de discriminação, afirmando a livre orientação sexual e identidades de gênero.
Assim sendo, nos dirigimos a ambas as candidaturas à Presidência da República para pedir respeito: respeito à democracia, respeito à cidadania de todos e de todas, respeito à diversidade sexual, respeito à pluralidade cultural e religiosa.
Respeito aos direitos humanos e, principalmente, respeito à laicidade do Estado, à separação entre religião e esfera pública, e à garantia da divisão dos Poderes, de tal modo que o Executivo não interfira no Legislativo ou Judiciário, e vice-versa, conforme estabelece o artigo 2º da Constituição Federal: “São Poderes da União, independentes e harmônicos entre si, o Legislativo, o Executivo e o Judiciário.”
Nos últimos dias, temos assistido, perplexos, à instrumentalização de sentimentos religiosos e concepções moralistas na disputa eleitoral.
Não é aceitável que o preconceito, o machismo e a homofobia sejam estimulados por discursos de alguns grupos fundamentalistas e ganhem espaço privilegiado em plena campanha presidencial.
O Estado brasileiro é laico. O avanço da democracia brasileira é que tem nos permitido pautar, nos últimos anos, os direitos civis dos homossexuais e combater a homofobia. Também tem nos permitido realizar a promoção da autonomia das mulheres e combater o machismo, entre os demais avanços alcançados. O progresso não pode parar.
Por isso, causa extrema preocupação constatar a tentativa de utilização da fé de milhões de brasileiros e brasileiras para influir no resultado das eleições presidenciais que vivenciamos. Nos últimos dias, ficou clara a inescrupulosa disposição de determinados grupos conservadores da sociedade a disseminar o ódio na política em nome de supostos valores religiosos. Não podemos aceitar esta tentativa de utilização do medo como orientador de nossos processos políticos. Não podemos aceitar que nosso processo eleitoral seja confundido com uma escolha de posicionamentos religiosos de candidatos e eleitores. Não podemos aceitar que estimulem o ódio entre nosso povo.
O que o movimento LGBT e o movimento de mulheres defendem é apenas e tão somente o respeito à democracia, aos direitos civis, à autonomia individual. Queremos ter o direito à igualdade proclamada pela Constituição Federal, queremos ter nossos direitos civis, queremos o reconhecimento dos nossos direitos humanos. Nossa pauta passa, portanto, entre outras questões, pelo imediato reconhecimento da união estável entre pessoas do mesmo sexo e pela criminalização da discriminação e da violência homofóbica.

Cara Dilma e Caro Serra
Por favor, voltem a conduzir o debate para o campo das ideias e do confronto programático, sem ataques pessoais, sem alimentar intrigas e boatos.
Nós da ABGLT sabemos que o núcleo das diferenças entre vocês (e entre PT e PSDB) não está na defesa dos direitos da população LGBT ou na visão de que o aborto é um problema de saúde pública.
Candidato Serra: o senhor, como ministro da saúde, implantou uma política progressista de combate à epidemia do HIV/Aids e normatizou o aborto legal no SUS. Aquele governo federal que o senhor integrou também elaborou os Programas Nacionais de Direitos Humanos I e II, que já contemplavam questões dos direitos humanos das pessoas LGBT. Como prefeito e governador, o senhor criou as Coordenadorias da Diversidade Sexual, esteve na Parada LGBT de São Paulo e apoiou diversas iniciativas em favor da população LGBT.
Candidata Dilma: a senhora ajudou a coordenar o governo que mais fez pela população LGBT, que criou o programa Brasil sem Homofobia, e o Plano Nacional de Promoção da Cidadania e Direitos Humanos de LGBT, com diversas ações. A senhora assinou, junto com o presidente Lula, o decreto de Convocação da I Conferência LGBT do mundo. A senhora já disse, inúmeras vezes, que o aborto é uma questão de saúde pública e não uma questão de polícia.
Portanto, candidatos, não maculem suas biografias e trajetórias. Não neguem seu passado de luta contra o obscurantismo.
A ABGLT acredita na democracia, e num país onde caibam todos seus 190 milhões de habitantes e não apenas a parcela que quer impor suas ideias baseadas numa única visão de mundo. Vivemos num país da diversidade e da pluralidade.
É hora de retomar o debate de propostas para políticas de governo e de Estado, que possam contribuir para o avanço da nação brasileira, incluindo a segurança pública, a educação, a saúde, a cultura, o emprego, a distribuição de renda, a economia, o acesso a políticas públicas para todos e todas!
Eleições 2010, segundo turno, em 15 de outubro de 2010.
ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais

Uma pausa na política partidário para uma nota sobre o 15 de outubro (texto)

Hoje é o dia dos professores, se minha mãe estivesse aqui ainda, ela teria me ligado por volta das 10h da manhã (mesmo que eu tivesse, faz algum tempo, passado a acordar às 7h) para me parabenizar por esse dia. Foram assim todos esses últimos anos longe de casa.
E como ela tb fora professora, eu aproveitava essa ligação para dizer a ela o quanto me orgulhava de, tb por sua influência, ter escolhido a profissão.
Gosto demais de estar em sala de aula (não quero assim glamourizar a profissão: como todas têm seus altos e baixos, dificuldades, embates etc.) por muito motivos: principalmente porque cada dia com a mesma turma é diferente. Sempre é diferente. E isso não é comum para todo profissional. Na verdade, isso não é nada comum. E para quem não gosta muito de rotina (quase sempre, meu caso), é um prato cheio.
Ser professor é quase sinônimo de estudar. Não há possibilidade de não se ler. Não tem como haver uma aula pronta e acabou. Sempre há um texto para ser lido, uma conceito para ser (re)pensado, uma teoria para ser compreendida.
Ultimamente, tenho ficado até tarde da noite lendo os textos para a aula do dia seguinte. É cansativo dormir às 2h e acordar às 7h, mas não é um peso, porque a cada texto lido existem descobertas. E professor gosta de descobrir.
Lembro-me do meu primeiro dia de aula: Colégio Analice, em Campo Grande, no Rio de Janeiro, uma turma de supletivo. Se meu coração ainda dispara ainda hoje, depois de 20 anos, nos primeiros dias de aula, imaginem no primeiro primeiro dia de aula? Eles ali curiosos me avaliando e eu, apavorado, medindo cada um deles. Detalhe, eu era o terceiro professor de português naquele ano (os demais não aguentaram a turma). Fomos até o final juntos (não foi fácil). Nunca é fácil!
Tenho saudades dos meus professores. Não de todos, é claro, mas alguns me são muito presentes: Terezinha, Aidê, Conceição, Márcia, Elder, Regina, Delnavi, Gustavo, Laplana, Marli, Rosa Herman, Maria Lúcia (a preferida), apenas alguns dos ensinos fundamental e médio que não me escaparam da memória - neste instante. E ainda, Rosa Gens, Cecília, Aparecida Lino (na graduação); Odete Menon, Lígia, Sandmann (mestrado); Bethania e Jussara (doutorado), entre tantos outros nomes esquecidos, mas que presentes na minha formação.
Além desses, alguns colegas nos quais percebo amor pelo que fazem: Rosana, Cida, Ruth, Valdeci, Rita, Bea, Bia, Jaci, Gustavo, Márcia, Vanda, Sandra, Maria Lúcia, Luis, Antônio, Isabel, Clarice, Ciro, Stéphano, Roselene, João, Luciane, Tere, Sani, Ester, Robson, Teresa e tantos outros em tantos lugares pelos quais passei.
É um dia para se comemorar.

quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Um Estado mínimo não me interessa (texto)

Ando tão irritado com essa porcaria de eleição que não tenho conseguido postar nada que não seja em torno dela. Hoje conversei com muitas pessoas (durante e depois do almoço) sobre a Dilma e o Serra e ouvi motivos mil sobre a escolha de um de outro. Todas eles coerentes com a forma de pensar de cada um.
É muito bom poder escolher, mesmo que alguns digam que entre os candidatos que se apresentaram e nada é a mesma coisa.
Eu continuo acreditando que é melhor ter escolha do que não ter nenhuma, como já foi bastante comum durante muitos anos. E acredito tb que há sim uma escolha entre os dois candidatos que se apresentam. 
Acho que esses últimos anos (tb ouvi dizer nas conversas do almoço que as transformações são naturais, mas vejo a Venezuela, por exemplo, engatinhando na democracia) foram importantes para uma mudança de perspectiva da forma de pensar o país. Vejo que (é claro que falta muito) uma parcela da população conseguiu sair da miséria absoluta em que viviam. Outro aspecto importante foi a visibilidade de outra parcela da população que se encontrava soterrada ou à sombra do sul/sudeste do Brasil.
Sei tb que a educação passou por reformas importantes. Vivi num tempo em que concursos para a universidade eram raros. Sempre faltavam professores (não que eles não faltem, mas...).
Além disso, o que pra mim não é pouco, tem a valorização da cultura.
É claro que, como já disse, falta muito. E talvez falte quem esteja mesmo querendo essas mudanças (as vezes penso que diante da eleição de alguns deputados e senadores, nós eleitores não estamos nos importando muito com essas mudanças).
Eu não paro de acreditar. Eu não paro de querer um país melhor e parte disso tb é querer um presidente com um olhar mais humanista, menos privatista. O estado precisa/deve (no meu ponto de vista) estar presente sim na saúde, educação, moradia, segurança, empregos etc. E a política de um Estado mínimo não me interessa.

MANIFESTO DE REITORES DAS UNIVERSIDADES FEDERAIS À NAÇÃO BRASILEIRA (texto)

EDUCAÇÃO – O BRASIL NO RUMO CERTO

Da pré-escola ao pós-doutoramento – ciclo completo educacional e acadêmico de formação das pessoas na busca pelo crescimento pessoal e profissional – consideramos que o Brasil encontrou o rumo nos últimos anos, graças a políticas, aumento orçamentário, ações e programas implementados pelo Governo Lula com a participação decisiva e direta de seus ministros, os quais reconhecemos, destacando o nome do Ministro Fernando Haddad.
Aliás, de forma mais ampla, assistimos a um crescimento muito significativo do País em vários domínios: ocorreu a redução marcante da miséria e da pobreza; promoveu-se a inclusão social de milhões de brasileiros, com a geração de empregos e renda; cresceu a autoestima da população, a confiança e a credibilidade internacional, num claro reconhecimento de que este é um País sério, solidário, de paz e de povo trabalhador. Caminhamos a passos largos para alcançar patamares mais elevados no cenário global, como uma Nação livre e soberana que não se submete aos ditames e aos interesses de países ou organizações estrangeiras.
Este período do Governo Lula ficará registrado na história como aquele em que mais se investiu em educação pública: foram criadas e consolidadas 14 novas universidades federais; institui-se a Universidade Aberta do Brasil; foram construídos mais de 100 campi universitários pelo interior do País; e ocorreu a criação e a ampliação, sem precedentes históricos, de Escolas Técnicas e Institutos Federais. Através do PROUNI, possibilitou-se o acesso ao ensino superior a mais de 700.000 jovens. Com a implantação do REUNI, estamos recuperando nossas Universidades Federais, de norte a sul e de leste a oeste. No geral, estamos dobrando de tamanho nossas Instituições e criando milhares de novos cursos, com investimentos crescentes em infraestrutura e contratação, por concurso público, de profissionais qualificados. Essas políticas devem continuar para consolidar os programas atuais e, inclusive, serem ampliadas no plano Federal, exigindo-se que os Estados e Municípios também cumpram com as suas responsabilidades sociais e constitucionais, colocando a educação como uma prioridade central de seus governos.
Por tudo isso e na dimensão de nossas responsabilidades enquanto educadores, dirigentes universitários e cidadãos que desejam ver o País continuar avançando sem retrocessos, dirigimo-nos à sociedade brasileira para afirmar, com convicção, que estamos no rumo certo e que devemos continuar lutando e exigindo dos próximos governantes a continuidade das políticas e investimentos na educação em todos os níveis, assim como na ciência, na tecnologia e na inovação, de que o Brasil tanto precisa para se inserir, de uma forma ainda mais decisiva, neste mundo contemporâneo em constantes transformações.
Finalizamos este manifesto prestando o nosso reconhecimento e a nossa gratidão ao Presidente Lula por tudo que fez pelo País, em especial, no que se refere às políticas para educação, ciência e tecnologia. Ele também foi incansável em afirmar, sempre, que recurso aplicado em educação não é gasto, mas sim investimento no futuro do País. Foi exemplo, ainda, ao receber em reunião anual, durante os seus 8 anos de mandato, os Reitores das Universidades Federais para debater políticas e ações para o setor, encaminhando soluções concretas, inclusive, relativas à Autonomia Universitária.

Alan Barbiero – Universidade Federal do Tocantins (UFT)
José Weber Freire Macedo – Univ. Fed. do Vale do São Francisco (UNIVASF)
Aloisio Teixeira – Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ)
Josivan Barbosa Menezes – Universidade Federal Rural do Semi-árido (UFERSA)
Amaro Henrique Pessoa Lins – Universidade Federal de Pernambuco (UFPE)
Malvina Tânia Tuttman – Univ. Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO)
Ana Dayse Rezende Dórea – Universidade Federal de Alagoas (UFAL)
Maria Beatriz Luce – Universidade Federal do Pampa (UNIPAMPA)
Antonio César Gonçalves Borges – Universidade Federal de Pelotas (UFPel)
Maria Lúcia Cavalli Neder – Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
Carlos Alexandre Netto – Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
Miguel Badenes P. Filho – Centro Fed. de Ed. Tec. (CEFET RJ)
Carlos Eduardo Cantarelli – Univ. Tec. Federal do Paraná (UTFPR)
Miriam da Costa Oliveira – Univ.. Fed. de Ciênc. da Saúde de POA (UFCSPA)
Célia Maria da Silva Oliveira – Univ. Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS)
Natalino Salgado Filho – Universidade Federal do Maranhão (UFMA)
Damião Duque de Farias – Universidade Federal da Grande Dourados (UFGD)
Paulo Gabriel S. Nacif – Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB)
Felipe Martins Müller – Universidade Federal da Santa Maria (UFSM).
Pedro Angelo A. Abreu – Univ. Fed. do Vale do Jequetinhonha e Mucuri (UFVJM)
Hélgio Trindade – Univ. Federal da Integração Latino-Americana (UNILA)
Ricardo Motta Miranda – Univ. Fed. Rural do Rio de Janeiro (UFRRJ)
Hélio Waldman – Universidade Federal do ABC (UFABC)
Roberto de Souza Salles – Universidade Federal Fluminense (UFF)
Henrique Duque Chaves Filho – Univ. Federal de Juiz de Fora (UFJF)
Romulo Soares Polari – Universidade Federal da Paraíba (UFPB)
Jesualdo Pereira Farias – Universidade Federal do Ceará – UFC
Sueo Numazawa – Universidade Federal Rural da Amazônia (UFRA)
João Carlos Brahm Cousin – Universidade Federal do Rio Grande – (FURG)
Targino de Araújo Filho – Univ. Federal de São Carlos (UFSCar)
José Carlos Tavares Carvalho – Universidade Federal do Amapá (UNIFAP)
Thompson F. Mariz – Universidade Federal de Campina Grande (UFCG)
José Geraldo de Sousa Júnior – Universidade Federal de Brasília (UNB)
Valmar C. de Andrade – Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE)
José Seixas Lourenço – Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA)
Virmondes Rodrigues Júnior – Univ. Federal do Triângulo Mineiro (UFTM)
Walter Manna Albertoni – Universidade Federal de São Paulo  (UNIFESP)

domingo, 10 de outubro de 2010

Primeiro debate entre os dois candidatos à presidência da República (texto)

Neste momento inicia, na Bandeirantes, o debate entre os presidenciáveis Dilma Rousself e José Serra. Estou acompanhando com a maior atenção. Serra Inicia o tema: Educação. Fala sobre as suas propostas para a educação brasileira. 2 minutos depois, Dilma inicia a sua fala tb sobre a educação pública. Em seguida um candidato faz pergunta ao outro.
A Dilma pergunta a Serra sobre as calúnias sobre ela na mídia. Sobretudo em relação ao aborto. E lembra a Serra que ele assinou uma lei legalizando o acesso ao aborto no Sistema Único de Saúde.
O debate, neste momento, entra em questões pessoais: deus, religião etc. no momento da réplica do Serra. Em seguida Serra pergunta sobre segurança pública. Dilma está respondendo agora e toca na questão da polícia de São Paulo. 
O debate me parece meio perdido, a pergunta não tem muita relação com a resposta, ou seja, cada um deles responde o que quer sobre o tema. Na réplica de Dilma, ela fala de um acessor de Serra que fugiu com dinheiro da campanha. E assim termina o primeiro bloco.
O segundo bloco, Serra pergunta sobre as Santas Casas de Saúde. Dilma resposde e pergunta sobre as mulheres que fazem aborto. Serra não responde. E fala sobre as Santas Casas. Dilma dá resposta sobre o tempo em que Serra foi Ministro da Saúde e nada fez em relação à dívida das Santas Casas. 
Dilma pergunta a Serra sobre as ações da Petrobrás. Serra diz que tem cabeça própria e que nã foi pinçado por ninguém. Diz que na sua vida pública ele não tem nada a esconder, a vida dele é pública.
Dilma pergunta sobre as declarações de Fernando Henrique Cardoso (FHC) sobre as práticas de privatizações atribuídas a Serra. Serra responde: diz que o PT na prática faz outra coisa. Diz que o PT privatizou dois bancos.
Segundo o Serra o Brasil do PT seria o Brasil do Orelhão. Dilma replica, o meu Brasil não é o do orelhão, mas o da Banda Larga. Ela fala sobre os recursos do Pré-Sal e diz que o candidato está desinformado sobre os recursos dessa riqueza que, segundo ela, é a maior riqueza do país.
José Serra faz a próxima pergunta e retorna ao tema Segurança Pública. Dilma responde que o problema da segurança é a longo prazo e não imediata. Dilma diz em sua téplica que Serra está manipulando os dados. Dilma fala sobre a parceria entre as polícias e diz tb que é importante o policiamento de fronteira. Agora fala sobre os usuários de droga em SP.
Final do segundo bloco. 
Inicia o terceiro bloco.
Os candidatos voltam a se perguntar. pergunta de um minuto e resposta de dois minutos. Boechat abre o terceiro bloco. Dilma pergunta: Serra vc foi ministro do planejamento na época áurea das privatizações, quantas empresas vc privatizou nesse processo? Serra fala da telefonia e não responde objetivamente a pergunta. Ele fala sobre os leitos para usuários de drogas. Dilma diz que o candidato não respondeu: lembra da Nossa Caixa e a Cesp. Serra diz mais uma vez o debate voltou ao mesmo ponto. E responde sobre a venda do Nossa Caixa.
Serra pergunta: volta ao assunto da Saúde. Implantação dos genéricos. Segundo a Dilma a produção de genéricos aumentou.
Serra ri debochadamente ao inciar a sua réplica. E diz que é natural que a produção dos genérios aumentou porque não é feita pelo governo. Dilma em sua tréplica diz que Serra é réu em processo de calúnia.
Termina o terceiro bloco. 
Início do quarto e penúltimo bloco. 
Serra pergunta a Dilma: a respeito de infraestrutura portos e aeroportos. Dilma responde que durante o governo do FHC nada foi feito em relação aos investimentos de portos. Segundo a Dilma houve democracia em relação ao uso de avião no país e por isso os problemas de infraestrutura. Dilma, na sequência, pergunta: Se Serra vai dar continuidade aos programas do Lula. Diz que vai continuar tudo o que deve ser continuado. Em sua tréplica continua com os risinhos e diz que não falou mal de nenhum dos programas, mas que o governo não entregou as moradias que prometeu.
Termina o quarto bloco.
Intervalo.
Inicia o quinto e último bloco em 30 segundos. 
Dilma começa os seus 3 minutos para fechar o debate. Fala sobre as calúnias e diz que sempre respeitou os adversários. Diz que lamenta muito os momentos que a campanha baixou o nível. Diz que quer construir o futuro, lembra da educação básica às universidades. Acesso à saúde, aos exames, ao fim das filas nos hospitais. 
Serra inicia os seus três minutos. Pede votos e pede que cada um de seus eleitores consiga mais um voto. Diz que vai trabalhar para construir no Brasil uma economia forte. Serra diz que vai manter e ampliar os programas socias.

Acredito que o debate deu, de certa forma, para comprender, pelo menos, as propostas de cada um dos candidatos, o passado de cada um deles e o que esperam para o país. É claro que muito no não dito tb nos pode esclarecer sobre as intenções de cada um dele. O silêncio disse muito mais do que as palavras.
Foi um encontro tenso do início ao fim, mas a tensão tb nos ajuda a entender um pouco as personalidades de cada um dos candidatos.
Eu n ão votei no primeiro turno, mas voto no segundo. Sei o que passei na universidade pública durante os anos de FHC e não gostaria de repetir a dose. Sei tb que as privatizações proposta e executadas pelo PSDB não foram as melhores coisas desse governo, sobretudo porque eram empresas que produziam e geravam empregos e capital pata o país.
Por outro lado, não posso me esquecer do controle da inflação durante os oito anos de Fernando Henrique Cardoso, mas tenho certeza de que o país melhorou muito nos oitos anos de Luís Inácio Lula da Silva. Principalmente em relação aos investimentos no norte e nordeste do país, regiões sempre esquecidas pelos presidentes. E tb as mudanças em relação ao pode aquisitivo de uma parcela da população do Brasil.
Ainda que se critique muito os programas sociais, ele retirou da miséria muitos brasileiros.

Dilma e a fé cristã - Frei Betto

Conheço Dilma Rousseff desde criança. Éramos vizinhos na rua Major Lopes, em Belo Horizonte. Ela e Thereza, minha irmã, foram amigas de adolescência. Anos depois, nos encontramos no presídio Tiradentes, em São Paulo. Ex-aluna de colégio religioso, dirigido por freiras de Sion, Dilma, no cárcere, participava de orações e comentários do Evangelho. Nada tinha de "marxista ateia".
Nossos torturadores, sim, praticavam o ateísmo militante ao profanar, com violência, os templos vivos de Deus: as vítimas levadas ao pau-de-arara, ao choque elétrico, ao afogamento e à morte.
Em 2003, deu-se meu terceiro encontro com Dilma, em Brasília, nos dois anos em que participei do governo Lula. De nossa amizade, posso assegurar que não passa de campanha difamatória - diria, terrorista - acusar Dilma Rousseff de "abortista" ou contrária aos princípios evangélicos. Se um ou outro bispo critica Dilma, há que se lembrar que, por ser bispo, ninguém é dono da verdade.
Nem tem o direito de julgar o foro íntimo do próximo. Dilma, como Lula, é pessoa de fé cristã, formada na Igreja Católica. Na linha do que recomenda Jesus, ela e Lula não saem por aí propalando, como fariseus, suas convicções religiosas. Preferem comprovar, por suas atitudes, que "a árvore se conhece pelos frutos", como acentua o Evangelho.
É na coerência de suas ações, na ética de procedimentos políticos e na dedicação ao povo brasileiro que políticos como Dilma e Lula testemunham a fé que abraçam. Sobre Lula, desde as greves do ABC, espalharam horrores: se eleito, tomaria as mansões do Morumbi, em São Paulo; expropriaria fazendas e sítios produtivos; implantaria o socialismo por decreto...

Passados quase oito anos, o que vemos? Um Brasil mais justo, com menos miséria e mais distribuição de renda, sem criminalizar movimentos sociais ou privatizar o patrimônio público, respeitado internacionalmente.
Até o segundo turno, nichos da oposição ao governo Lula haverão de ecoar boataria e mentiras. Mas não podem alterar a essência de uma pessoa. Em tudo o que Dilma realizou, falou ou escreveu, jamais se encontrará uma única linha contrária ao conteúdo da fé cristã e aos princípios do Evangelho.
Certa vez indagaram a Jesus quem haveria de se salvar. Ele não respondeu que seriam aqueles que vivem batendo no peito e proclamando o nome de Deus. Nem os que vão à missa ou ao culto todos os domingos. Nem quem se julga dono da doutrina cristã e se arvora em juiz de seus semelhantes.
A resposta de Jesus surpreendeu: "Eu tive fome e me destes de comer; tive sede e me destes de beber; estive enfermo e me visitastes; oprimido, e me libertastes..." (Mateus 25, 31-46). Jesus se colocou no lugar dos mais pobres e frisou que a salvação está ao alcance de quem, por amor, busca saciar a fome dos miseráveis, não se omite diante das opressões, procura assegurar a todos vida digna e feliz.
Isso o governo Lula tem feito, segundo a opinião de 77% da população brasileira, como demonstram as pesquisas. Com certeza, Dilma, se eleita presidente, prosseguirá na mesma direção.

sábado, 9 de outubro de 2010

Marina,... você se pintou? Maurício Abdalla*

Marina, morena Marina, você se pintou diz a canção de Caymmi. Mas é provável, Marina, que pintaram você. Era a candidata ideal: mulher, militante, ecológica e socialmente comprometida com o grito da Terra e o grito dos pobres , como diz Leonardo.
Dizem que escolheu o partido errado. Pode ser. Mas, por outro lado, o que é certo neste confuso tempo de partidos gelatinosos, de alianças surreais e de pragmatismo hiperbólico? Quem pode atirar a primeira pedra no que diz respeito a escolhas partidárias?
Mas ainda assim, Marina, sua candidatura estava fadada a não decolar. Não pela causa que defende, não pela grandeza de sua figura. Mas pelo fato de que as verdadeiras causas que afetam a população do Brasil não interessam aos financiadores de campanha, às elites e aos seus meios de comunicação. A batalha não era para ser sua. Era de Dilma contra Serra. Do governo Lula contra o governo do PSDB/DEM. Assim decidiram as famiglias que controlam a informação no país. E elas não só decidiram quem iria duelar, mas também quiseram definir o vencedor. O Estadão dixit: Serra deve ser eleito.
Mas a estratégia de reconduzir ao poder a velha aliança PSDB/DEM estava fazendo água. O povo insistia em confirmar não a sua preferência por Dilma, mas seu apreço pelo Lula. O que, é claro, se revertia em intenção de voto em sua candidata. Mas os filhos das trevas são mais espertos do que os filhos da luz . Sacaram da manga um ás escondido. Usar a Marina como trampolim para levar o tucano para o segundo turno e ganhar tempo para a guerra suja.
Marina, você, cujo coração é vermelho e verde, foi pintada de azul. Azul tucano . Deram-lhe o espaço que sua causa nunca teve, que sua luta junto aos seringueiros e contra as elites rurais jamais alcançaria nos grandes meios de comunicação. A Globo nunca esteve ao seu lado. A Veja, a FSP, o Estadão jamais se preocuparam com a ecologia profunda. Eles sempre foram, e ainda são, seus e nossos inimigos viscerais.
Mas a estratégia deu certo. Serra foi para o segundo turno, e a mídia não cansa de propagar a vitória da Marina . Não aceite esse presente de grego. Hão de descartá-la assim que você falar qual é exatamente a sua luta e contra quem ela se dirige.
Marina, você faça tudo, mas faça o favor : não deixe que a pintem de azul tucano. Sua história não permite isso. E não deixe que seus eleitores se iludam acreditando que você está mais perto de Serra do que de Dilma. Que não pensem que sua luta pode torná-la neutra ou que pensem que para você tanto faz . Que os percalços e dificuldades que você teve no Governo Lula não a façam esquecer os 8 anos de FHC e os 500 anos de domínio absoluto da Casagrande no país cuja maioria vive na senzala. Não deixe que pintem esse rosto que o povo gosta, que gosta e é só dele .
Dilma, admitamos, não é a candidata de nossos sonhos. Mas Serra o é de nossos mais terríveis pesadelos. Ajude-nos a enfrentá-lo. Você não precisa dos paparicos da elite brasileira e de seus meios de comunicação. Marina, você já é bonita com o que Deus lhe deu .

*Professor de filosofia da UFES, autor de Iara e a Arca da Filosofia (Mercuryo Jovem), dentre outros.

Viva o Golpe de 1964 (Charge)

As mulheres que fazem aborto não serão tratadas como “questão de polícia” (texto)

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff reafirmou nesta sexta-feira (8), em evento com aliados em São Paulo, que, se eleita, as mulheres que fazem aborto não serão tratadas como “questão de polícia”.
Segundo ela, as religiões “têm papel fundamental para esclarecer as mulheres” e não deixar que elas “incorram nesse tipo de atitude”. O encontro entre a petista e os aliados foi no Sindicato dos Metalúrgicos.
“Eles ficam falando que eu sou a favor do aborto. Eu quero dizer que eu, como pessoa, sou contra o aborto porque é uma violência contra a mulher. Agora eu, como presidente da República, não fecharei meus olhos para as milhares ou milhões de mulheres, adolescentes, mulheres pobres, que, em momento de desespero, sem proteção, porque não sabem se podem criar seus filhos ou não, cometem atos extremos e alguns deles que colocam a vida delas em risco. Eu não tratarei essas mulheres como questão de polícia. É uma questão de saúde”, disse.
“A gente terá de fazer uma campanha que una todas as igrejas, todas as comunidades, estado, município e governo federal e que assegure para todas as mulheres, em qualquer estágio de gravidez, que elas poderão criar seus filhos com dignidade”, afirmou a petista.
Dilma voltou a citar sua vida pessoal como exemplo de que não é a favor do aborto.
“Vi minha filha única se aproximar da hora do parto, vi meu neto nascer e ser batizado. Quero dizer para vocês que uma pessoa que viu a manifestação da vida dentro da sua família não pode jamais ser contra a vida.”
A candidata argumentou que o governo Lula é "a favor da vida" porque elevou as condições econômicas da pessoas. Dilma ainda disse que sua candidatura representa “a corrente do bem”. “No dia 31 [de outubro], vamos olhar para a urna com aquela alegria porque vamos ser vitoriosos. Nós, de fato, representamos a corrente do bem, e não a corrente do mal que campeia por aí”, disse a candidata.
“Esse é o verdadeiro projeto a favor da vida. Esse projeto colocou na ordem do dia o resgate da família brasileira porque, quando elevaram a desigualdade no país a níveis absurdos, a consequência disso foi uma só, o esfacelamento da família”, disse a petista.
Participaram do evento o candidato a vice na chapa de Dilma, o deputado Michel Temer (PMDB-SP), o presidente do PT, José Eduardo Dutra, o ex-ministro e deputado federal Ciro Gomes (PSB), senador Aloizio Mercadante (PT-SP), o ministro do Esporte, Orlando Silva (PC do B), o presidente da Força Sindical, deputado Paulo Pereira (PDT-SP), entre outras lideranças dos partidos aliados.


'Liberdade de crença e religião'
No discurso, Dilma falou ainda em “liberdade de crença e religião”. “Aqui, as igrejas todas convivem, aqui nunca conhecemos guerra religiosa. Aqui tem um povo generoso e temente a Deus.”
Antes da petista, o senador Aloizio Mercadante (PT), que concorreu o governo de São Paulo, disse que o “terrorismo, o medo e a mentira” são usados como “arma política” atualmente.
Ela afirmou que o mesmo ocorreu em 1989, quando Luiz Inácio Lula da Silva disputou a presidência da República, e relembrou a militância política ao lado da senadora Marina Silva (PV), que deixou o PT em 2009.
“Eu me lembro, em 89, a Marina, que sempre foi uma mulher de fé, a indignação dela quando diziam que o Lula fecharia todos os templos evangélicos desse país. Está aí: oito anos de governo, liberdade religiosa, respeito mais absoluto ao culto, à fé de cada um”, afirmou.

Coração de Marina 'bate do lado esquerdo', diz senador

Mercadante, que foi líder do governo no Senado, também pediu o apoio de Marina no segundo turno, afirmando que o coração dela “bate do lado esquerdo”. A senadora do PV ficou em terceiro lugar na disputa pela Presidência da República, com quase 20 milhões de votos. O apoio dela no segundo turno é disputado pelo PT e pelo PSDB.
“Não teve uma votação que eu não estivesse com Marina no plenário durante esses sete anos enquanto ela era ministra e quando ela voltou a ser senadora. E sempre contra quem? Contra os mesmos que hoje dizem que querem o apoio dela. Minha querida Marina, seu coração bate do lado esquerdo. Você pode mudar de posição, e eu respeito a Marina porque acho que é sincera a luta que ela desenvolve. Mas você Marina, pela sua história e pela nossa história, você não pode mudar de lado, seu lado é aqui, é junto com Dilma, é junto com Lula”, disse.
O ex-ministro e deputado federal Ciro Gomes (PSB), que passou a fazer parte da coordenação de campanha de Dilma no segundo turno, discursou antes da candidata. Ele disse que foi questionado por estudantes sobre as alianças na coligação.