sábado, 11 de julho de 2009

O lixo (texto)

Reportagem do jornal “O Estado de S. Paulo” publicada neste sábado (11) diz que o presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), teria a função de “presidente vitalício” e assumiria “responsabilidades financeiras” da fundação que leva o seu nome no Maranhão. O órgão é suspeito de ter desviado verbas de patrocínio cultural da Petrobras para empresas fantasmas, mas nega as acusações.
Em nota divulgada na quinta-feira (9), Sarney havia negado qualquer responsabilidade sobre a fundação, dizendo que é somente “presidente de honra” da entidade.
Segundo o “Estado”, que se baseia no estatuto da entidade, o senador preside as reuniões do conselho curador e tem poder de veto sobre qualquer decisão tomada nas reuniões.

Fazem parte deste conselho, segundo “O Estado de S. Paulo”, um filho de Sarney (Fernando), um irmão (Ronald), o marido da governadora do Maranhão Roseana Sarney (Jorge Murad), o ex-ministro da Justiça de Sarney, Saulo Ramos, e o empresário Miguel Ethel, presidente da Caixa Econômica Federal durante o período em que o senador ocupou a Presidência da República.

O estatuto da Fundação José Sarney, de acordo com o jornal, está registrado em um cartório de São Luís e figura entre os documentos entregues ao Ministério da Cultura para a liberação do projeto patrocinado pela Petrobras. Segundo a reportagem, o nome do presidente do Senado aparece 12 vezes no estatuto.

Um comentário:

  1. Oi meu amor!
    Tirando este do Sarney, que textos lindos vc escolheu, mesmo o tema não sendo o que a gente espera falar sempre.
    Continuo com as orações meu amigo e meu amor incondicional a vc.
    Mudou a carinha do blog heim? Ficou muito bonito.
    Bjs.

    ResponderExcluir