domingo, 9 de novembro de 2014

Conto não conto

“Nesse nosso mundo onde tudo fenece, tudo perece, há uma coisa que se deteriora, que se desfaz em pó até de forma mais completa, deixando para trás ainda menos traços de si do que a beleza: a saber, a dor”. Proust

Nenhum comentário:

Postar um comentário