sábado, 1 de outubro de 2016

Livro (novo) quase pronto

Em 2006, eu concluí o meu doutorado na Universidade Federal Fluminense, sob a supervisão da professora Bethania Mariani. Foi um acontecimento na minha vida (pessoal e acadêmica). Aprendi muito nos 4 anos de doutoramento. Não foi fácil. Nunca é, acho. Nem o processo de seleção, nem os anos de leitura e escrita e muito menos a defesa diante de uma banca de 5 professores. Mas, como tudo, as dificuldades tb passam.
Sempre quis publicar a tese, mas faltou oportunidade. Bem, dez anos e alguns livros depois a oportunidade surge em forma de e-book.
Fiz a apresentação do livro, reorganizei algumas questões e o livro está quase pronto. Falta apenas a ficha catalográfica com os dados para finalizar a publicação.

Apresentação:
Poderia parecer que este texto, produzido em 2006, pudesse estar desatualizado em relação ao tema aqui proposto. É verdade que muitos deslocamentos foram produzidos na mídia sobre os homossexuais e, sobretudo, nas ciências em relação à AIDS e suas formas de contaminação, de circulação do vírus HIV, das formas de tratamento e, portanto, daqueles sentidos que na década de 1980/1990 (nas mídias, em geral) relacionavam o homossexual masculino a um portador em potencial do vírus.
No entanto, é importante perceber que mesmo depois de diversos deslocamentos, circulam, em pleno século XXI, discursos sobre “a promiscuidade dos homossexuais”, sobre a sua “duvidosa capacidade de amar alguém do mesmo sexo”, sobre a sua sexualidade ”anormal”, circulam também discursos que o aproximam da pedofilia, do pecado e circulam ainda aqueles discursos sobre a homossexualidade ser passível de cura.
E este texto, finalizado em 2006, sobre a década de 1980/1990, é muito atual na medida em que nos possibilita compreender como e por que aqueles velhos/atuais sentidos ainda produzem efeitos nos anos 10 do século XXI em se tratando da homossexualidade. Os discursos sempre partem de um já-dito, de uma memória que, às vezes “esquecida”, continua reproduzindo dizeres.
No século XXI, como eu sinalizei, os homossexuais, na mídia, ocupam espaços nunca antes possíveis para estes sujeitos, mas aqueles velhos discursos da doença, do pecado e da anormalidade não aparecem em um espaço menor nesses mesmos meios de comunicação. Há, certamente, uma resistência imediata dos grupos de defesa dos direitos LGBTTT[1]s quando esses sentidos invadem a mídia, mas os homossexuais continuam sem o direito de simplesmente não serem objetos das especulações alheias.


[1] Lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais e transgêneros.


Nenhum comentário:

Postar um comentário