quarta-feira, 15 de setembro de 2010

Casado ou solterio, mas convicto (texto)

Tenho 45 anos e carrego comigo a pecha de ser solteiro. Claro que para homens e mulheres  a solterice tem peso diferenciado (porque vivemos numa sociedade que produz valores distintos aos homens e as mulheres), mas ser solteiro, de qualquer forma, me parece que produz, socialmente, certa solidão, melancolia, insatisfação, equívoco, engano, estranheza, quando não, desajuste, mau alinhamento, bizarrice etc.
Já fui casado, ou melhor, já morei junto, mas a medida em que o tempo foi passando penso que ficou mais complicado dividir o mesmo espaço.
Além disso, o que não é pouco, não acredito mesmo nessa forma de relacionar-se. Não acredito em casamentos, acho que me faltam referências. Acho mais, que não é a melhor maneira de estar com o outro porque acaba-se dividindo demais (sobretudo, problemas).
Sem falar que liberdade e casamento (na maneira como entendo liberdade, é claro) não podem conviver harmoniosamente no mesmo espaço (a Fátima vai se arrepiar!). Odeio dar satisfação da minha vida e, pior, me sentir vigiado. Odeio ter que dizer a que horas vou voltar ou que vou fazer, por diversos motivos, o maior deles é que nunca sei o que vou fazer quando vou fazer alguma coisa. Ou dar explicações sem que elas sejam realmente necessárias.
Não estou, portanto, falando mal do namoro, adoro namorar (ando meio esquecido dessa prática, é bem verdade), estou, por outro lado, apostando aqui algumas fichas no não-casamento ou no namoro que vira casamento ou se comporta como tal (no sentido de aprisionamento).
Gosto do meu espaço e preciso dele para me sentir bem. Isso quer dizer que tenho a necessidade de estar sozinho, dormir sozinho, ouvir música sozinho, trabalhar sozinho, ler sozinho e é muito complicado fazer com que isso seja entendido, compreendido. Normalmente dizem por aí que respeitar o espaço do outro é fundamental, mas NUNCA tive uma experiência parecida.
Acho mesmo que morar em casas separadas e se encontrar vezinquando (ou mesmo com certa frequência) é a melhor opção. Viva o namoro! Viva o casamento pra quem acha que ele satisfaz!

3 comentários:

  1. Oi, Alexandre

    O casamento, e até mesmo o namoro, quando aprisiona, é mesmo insuportável.
    E viva o namoro. Viva o casamento dos satisfeitos.
    O importante é ser FELIZ!

    Bjs no coração!

    Nilce

    ResponderExcluir
  2. ah de mais a mais, vc só não tem namorada porque eu sou casada...rsrsrsrs
    brincadeira Alê!
    eu acho que é como vc disse
    convicto de querer estar feliz, é o melhor estado civil que a gente pode ter.

    bjs

    ResponderExcluir
  3. Não me arrepiei seu bobinho!
    Respeito muito sua opinião, seu jeito de ser.
    Gosto muito de vc !
    Bjs.

    ResponderExcluir