quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

O primeiro dia de aula (texto)

Hoje meu primeiro dia em sala de aula com os calouros/2011 do curso de LeTRaS. Gostei da rapaziada (língua preconceiotuosa essa, rs, tem muito mais meninas que meninos e eu os chamando de rapaziada, melhor refazer), ops, gostei da moçada (que já tem outra conotação: jovens de ambos os sexos).
A aula um pouco nervosa, eu fico tenso sempre na primeira semana ou na primeira aula, além da tensão fico gago, surdo e falo tão rápido que preciso me policiar ou ser policiado (mais fácil assim).
De qualquer forma, a aula foi boa, no que diz respeito a primeira impressão. Gostei mesmo do jeitinho dos novos alunos(as). Tomara que seja uma turma turma e não um amontoado de gente que divide o mesmo espaço.
Tomara tb que gostem (muito) de ler e tenham (muito) interesse pela escrita, pela disciplina.
Sejam bem-vindos!!!

Fiquei me lembrando do meu primeiro dia de aula, não na universidade, mas no primeiro ano do ensino fundamental. E vai tempo...
Nunca estranhei a escola. Eu fui criado, praticamente, dentro de escolas. Minha mãe foi professora primária durante muitos anos. E em quase todos os seus anos de magistério eu a acompanhava, vezinquando, porque não havia com quem ficar.
Minha diversão era usar a máquina de escrever. Não me lembro bem a impressão que tinha a respeito dessa máquina, mas acho que devia ser o mesmo fascínio que o computador desperta nas crianças, hoje em dia.
Eu não pensava em ser professor. Quando me peguntavam o que eu seria quando  crescesse, tinha a resposta na ponta-da-língua: médico. Acho que todos os meninos da minha geração queriam ser médicos (é possível que não fosse assim). Sorte da medicina eu ter mudade de opção. Até seringa me arrepia, e veja bem, não estou falando de agulhas.
Lembro-me bem desse primeiro dia, Tia Terezinha, nome da primeira professora. Ela era um amor comigo. E eu ali, fantasiado de aluno de escola pública: tênis preto, calça azul marinho e camisa branca. E aí a Tia Terezinha perguntou quem queria ler um texto. Meu braço já devia estar levantado bem antes de ela pensar em escolher alguém.
Eu já sabia ler, na verdade eu achava que sabia ler.  Pra ser sincero, eu conhecia as letras e as juntava acreditando que faziam algum sentido.
Eu gostava mesmo de aparecer. Nem sei como me transformei numa cara tão tímido. Queria fazer tudo. Sabe aquele tipo de aluno que não dá nem tempo para um outro se oferecer? Era eu. Insuportável isso.
É claro que o mais divertido era a hora do recreio. Fiquei apenas um ano nessa escola (escola em que minha mãe trabalhava). No ano seguinte fui para uma escola mais próxima de onde morávamos.
Uma pequena lembrança desse início rumo à academia. Depois disso, nunca mais deixei de estudar.

3 comentários:

  1. Oi, Alexandre,
    Que coincidência! Já tenho uns bons anos de sala de aula, mas no começo é sempre aquele friozinho na barriga. Acho que é decorrente do nosso excesso de zelo e do nosso aguçado senso de responsabilidade. Preocupante é não sentir nervosismo nenhum, pois denota que já pouco importa o que fazemos. Faço votos para que suas novas turmas sejam mais um novo grupo de amigos que se encotraram para trocar boas experiências.

    ResponderExcluir
  2. Ah, muito boa essa lembrança da primeira imersão no universo escolar.
    Abraço.

    ResponderExcluir
  3. Minha turma na faculdade nã era uma turma e sim um amontoado de gente, foi uma experiência que diariamente beirava ao desagradável, mas a turma do fundão era o que salvava,e assim a duras penas passamos quatro anos. Espero que a sua turma seja turma, porque se não os anos duplicarão e no final parecerá que vc passou mais tempo na faculdade do que realmente passou.
    Espero que goste da profissão, sou da área e apaixonada por ela.
    Gostei muito da sua maneira de escrever!

    ResponderExcluir