sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

A mentira espreita

Uma boa parte das pessoas, pelo menos aquelas com as quais convivo/convivi com certa aproximação, vão metendo os pés pelas mãos sem pensar nas consequências de suas atitudes tanto para com os outros quanto para si próprias: fazem e pronto e só depois vão medir as consequências do que fizeram. Ou não. Às vezes nem estão aí para os seus comportamentos. Bem, é uma opção de vida. E cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é, já dizia Caetano.
Bem, por que estou falando sobre isso? Vou me explicar. Tenho um aplicativo no meu celular que possibilita conhecer pessoas. Ali tem, naturalmente, todo o tipo de gente: solteiros, em sua grande maioria, mas também casais que andam a procura de outros parceiros, e, além disso, uma infinidade de status sociais que não dariam para descrever aqui sem me ocupar exclusivamente disso. E, por hora, não é este o caso.
Normalmente, não envio mensagens para ninguém, salvo raríssimas exceções. Hoje, pela manhã, recebo uma mensagem de um rapaz de aproximadamente 23 anos. Um parêntese: gostaria de entender essa fixação de pessoas mais novas por pessoas muito mais velhas. Eu não era assim. Nunca fui. E talvez por nunca ter sido assim, eu não compreenda esse comportamento. Bem, esta postagem também não é sobre isso. Parece até que estou dando voltas. Não é este o caso.
Conversa vai, conversa vem. O rapaz me diz que está se mudando da sua cidade para Cascavel, nos próximos dias, porque vem estudar por aqui. Que está animado com a mudança. Feliz com a graduação que vai fazer etc etc etc.
Continuamos a nossa conversa... perguntas vão, perguntas vêm e ele me diz, numa certa altura, depois de eu dizer que estou solteiro há algum tempo, que está "enrolado". Estar enrolado, para quem não sabe, significa ter alguém, ter um namorado ou alguém com quem se tem alguma relação, seja lá o que isso possa significar. Não é o mesmo de estar sozinho e muito menos de não ter nada com alguém. Estar enrolado é ter alguma coisa, do contrário não se estaria enrolado. Ponto.
Bem, o cara tem alguém e está num aplicativo? As pistas estão sempre nas nossas caras: naturalmente, o perfil dele não tem nenhuma foto, identificação, localização. Ou seja, próprio de quem tem alguma coisa a esconder.
Outra coisa, não estou aqui reclamando ou julgando o comportamento dele. Não tenho e não terei qualquer envolvimento afetivo com esse rapaz. 
Além disso, a gente faz o que quer, o que pode, o que o nosso caráter permite etc e tal. O que me incomoda é o fato de você fazer essas coisas sem sequer pensar que pode estar envolvendo alguém e, o mais grave, magoando uma outra pessoa. Por que não resolver antes? Por que deixar tudo mal explicado? Por que não jogar limpo? Resolver uma relação e depois partir para uma outra história pode não ser o mais fácil, mas é o mais honesto: consigo e com o outro, né não? 
Pode não ser o menos dolorido, mas quem disse que a verdade e a vida não doem? A verdade dói e, normalmente, é terrível, mas, diferente da mentira, a gente supera. A mentira, nunca! A mentira deixa marca. A mentira deixa pista do seu caráter e não sei se é possível um dia apagar a sua presença: a mentira ronda pra sempre. A mentira é sempre o que eu me lembro primeiro. Ela deixa seus rastros.

Nenhum comentário:

Postar um comentário