segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

Carol - O filme

Nova York, década de 1950, mesmo em se tratando de uma história de amor entre duas mulheres, Carol (filme de 2015) consegue inspirar esperança. E quando eu escrevo "mesmo em se tratando de" quero deixar claro que me refiro ao tempo retratado e as dificuldades ainda bem atuais quando o tema é o amor entre duas pessoas do mesmo sexo, sobretudo, entre duas mulheres.
O filme retrata a atração entre duas mulheres e nos mostra como, nos EUA, hoje conhecido pela diversidade de pensamento, a opressão da sexualidade era vivida.  É claro que há muito mais acontecendo entre a história delas e as suas vidas: um casamento acabado, a guarda da filha etc. A imagem escolhida por mim para ilustrar o post representa a  turbulência vivida por Carol. A gente   fica num lugar meio estranho porque não sabe ao certo se está feliz ou triste pelas duas mulheres. 
O roteiro é adaptado do romance The price of salt, publicado em 1952, da norte-americana Patricia Highsmith. Ao lançar a história, a autora usou um pseudônimo Claire Morgan, e não é muito difícil saber o por quê. Apesar disso, o que marca o livro e o filme é a abordagem relativamente otimista do romance lésbico: o amor está acima do preconceito.
Vale assistir com atenção: a cena final captura com muita sutileza um momento da vida com o qual todo mundo que já se apaixonou vai se identificar. Eu recomendaria não tirar o olho de Carol até o fim do filme.

Nenhum comentário:

Postar um comentário