domingo, 31 de janeiro de 2016

Templo é dinheiro

Tenho pensando ultimamente, por conta de um texto que estou escrevendo e de uma tese de doutorado que estou lendo, no crescimento das igrejas Pentecostais, no Brasil, a partir da década de 1990. 
O que primeiro chama a atenção, é a forma como essas igrejas conseguem, num curto espaço de tempo, se erguer nas, sobretudo, comunidades mais carentes: qualquer espaço, por menor que seja, pode ser um lugar de culto. 
Além disso, não precisa ser um espaço muito bem acabado, pode ser uma sala de chão batido, um cômodo com telhado de zinco, uma calçada com algumas cadeiras, uma varanda de uma casa, uma sala em construção etc. 
Não há qualquer empecilho para que uma igreja Pentecostal se instale, em se tratando de espaço. Não há qualquer exigência de luxo. Este pode vir depois.
A questão do acesso aos lugares de maior prestígio, na congregação, também é um fator importante. Diferentemente da Igreja Católica, que tem uma figura maior nessa hierarquia, nessas igrejas, ao contrário, qualquer um pode fazer parte do grupo de dirigentes. E se qualquer um pode fazer parte, "eu também posso!".
Isso, sem dúvida, aproxima o pastor da sua comunidade. 
O pastor, normalmente, faz parte da comunidade. E isso produz outra vez aquele efeito de que se ele pode, eu tb posso. O acesso é muito diferente de outras religiões: não há santidade nessa hierarquia. Ao contrário, quanto mais humano/mundano o pastor tenha sido, mas ele pode galgar um lugar nessa hierarquia, mais verossímil é a sua presença, a sua história de suce$$o.
Não há, portanto, aquele distanciamento próprio de uma Igreja cujo líder se encontra encastelado, seja no Vaticano, seja no além. O Papa, por exemplo, além de estar quase sempre distante, é um pop star, é escolhido através do Espírito Santo, o que lhe confere um lugar de divindade inacessível. Poucos têm acesso a ele. Salvo raríssimas exceções!
Outra coisa, é a comunicação fácil, nessas igrejas. Os pastores sabem como falar com a sua comunidade. Sabem, porque fazem parte dela. Eles sabem quais os seus anseios. O que falta. Ou o que precisa ser feito.
E por falar em comunicação, a forma como essas igrejas se vendem, é uma estratégia eficaz: a promessa de uma vida mais próspera: colocar em prática o "é dando que se recebe", faz diferença.
Além disso, os testemunhos daqueles que dando conseguiram ser mais prósperos. A vida próspera dos pastores e de alguns dos membros da comunidade. Tudo isso reforça a ideia do suce$$o financeiro.
A falta de pudor para se falar nas contribuições, mais do que necessárias dos membros, justamente porque elas serão convertidas em ganhos pessoais, é uma outra forma de comunicação que dá certo. Quanto mais se doa, mas se ganha. Quanto se mais paga, mais recebe.
Essa relação próxima com o capital faz dessa igreja, ao contrário da promessa de uma vida melhor depois, um lugar do aqui e agora, mesmo que o agora seja um pouquinho mais tarde. 
E se o agora não acontece, quase sempre o problema está na "falta de fé", na "pouca contribuição", ou seja, está no indivíduo e não em qualquer outro lugar.
É uma espécie de acordo, mediado pelo pastor, que se estabelece entre a comunidade e o Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário