sábado, 25 de abril de 2009

Bad Boys não viram gatinhos (texto)

Se meninos maus não vão para o céu, para onde vão esses meninos? A nossa história é repleta de personagens mal comportados: jogadores de futebol ocupam uma grande fatia desse bolo e nem precisamos de uma memória muito eficiente para lembrar de alguns desses nomes (além disso, quase todos os dias, um novo nome entre para engordar essa lista); outros bastante presentes como recheio do bolo são alguns jovens atraentes dubleres de atores. Presenças constantes nos escândalos sexuais e/ou nas páginas policiais.
Mas o que mais acho interessante é a maneira como a mídia e os próprios bad boys se redimem de seus passados: apresentam novas namoradas, moças de família; resolvem ficar noivos com uma data quase marcada para o casamento; e até descobrem que vão ser papais. Como se isso comprovasse uma mudança de personalidade e de comportamento e, finalmente, devessem ser vistos como bons meninos.
Suas mães aparecem felizes com as novidades até que numa racaída esbofeteiam suas futuras esposas ou surgem novos escândalos envolvendo os pobres meninos. Mas tudo por força de uma explosão sem muito sentido que logo logo terá uma explicação satisfatória. É só esperar! rs.


4 comentários:

  1. Infelizmente boa memória é algo em desuso no país, e olha que o tema rende se vc estende isso além das carinhas bonitas da TV e vai para a política...

    Abraços!

    ResponderExcluir
  2. Achei o texto interessante mas, devo estar desatualizado em alguma noticia, não entendi a quem se deve a alfinetada!

    ResponderExcluir
  3. Afinal qual mulher num adora um BaD BöY ?
    o bom e velho lutador ? nao importa de que.
    qual num adora um cabelo curto ? uma orelha estourada ? uma musculatura definida ? um olhar firme e sexy como o nosso ? e pricipalmente a nossa confiança, nossa segurança, afinal bad boy que é BaD BóY num pode ser um mané inseguro.
    qual delas num curte nosso jeito de dandar e falar ?
    qual delas num fica maluca quando tao boladas e nós consolamos elas abraçando com a pegada que só nós temos, e colocamos a cabecinha delas no nosso peito fazendo um carinho

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir