sexta-feira, 6 de janeiro de 2012

SE (texto)

É intrigante como somos guiados pelo "Se". "Se" não chega sequer a ser possibilidade. "Se" é apenas uma ideia que poderia ter ocorrido mas não vingou (não vingaria). Buscamos nele uma salvação que não tem mais tempo, um momento que não pode voltar, uma ação que não teve força. Nos agarramos ao "Se" como se um passe de mágica, um milagre, uma esperança brotasse e dependesse apenas de esticar as mãos (mas não existem mãos para ele). O "Se" nunca existiu, ele é uma invenção que nem saiu do papel, ele não tem serventia. Se soubéssemos disso antes...

Nenhum comentário:

Postar um comentário